domingo, 27 de fevereiro de 2022

Como é que chegámos aqui? Dois documentários para perceber a Guerra na Ucrânia

A invasão russa à Ucrânia começou esta quinta-feira, 24 de fevereiro, depois de semanas de tensão e ameaças por parte do governo liderado por Vladimir Putin. A Ucrânia, antiga república da União Soviética, é um estado independente desde 1991. No entanto, o território que conhecemos atualmente como Ucrânia tem sido ponto de disputa de poder ao longo de vários séculos.
Em 2014, após os protestos denominados Euromaidan, que culminaram na deposição do presidente Vikor Yanukovych, as tensões entre a Ucrânia e a Rússia ressurgiram, com o apoio de Moscovo a vários territórios autoproclamados independentes (entre os quais a Crimeia, Donetsk e Luhansk). Para melhor compreender não só os acontecimentos atuais, mas também para perceber qual a importância atual dos dois países no panorama geopolítico internacional, sugerimos dois documentários.

1.Ukraine On Fire - Oliver Stone

Não disponível em Portugal. Terá que o ver no Youtube
"Será que estamos a assistir ao início da Guerra Fria 2.0 ?", questiona o realizador Oliver Stone no documentário lançado em 2017. O filme apresenta uma perspetiva completamente diferente dos acontecimentos de 2014, que conduziram à deposição de Vikor Yanukovych. Aqui o trailer.

Stone entrevista não só o então presidente deposto da Ucrânia, mas também Vladimir Putin, que acusam os Estados Unidos e também a NATO de espalharem propaganda anti-Rússia e de terem ajudado a planear o golpe de Estado. Oliver Stone tem manifestado, ao longo dos anos, uma opinião crítica em relação à estratégia norte-americana no que toca a conflitos internacionais.


Actualização: Já possível ver o Ukraine on Fire em Português. Encontrei-o no Youtube


2. Poutine - Le retour de l'ours


Oportunística e sem escrúpulos, a política externa de Vladimir Putin colocou a Rússia de volta no centro das questões geoestratégicas globais. Como muitos especialistas, o documentarista Frédéric Tonolli questiona as motivações profundas desta nova guerra fria.

Em fevereiro de 2007, durante a Conferência de Segurança Global de Munique, Vladimir Putin ficou com raiva – com frio. No pódio, ele denuncia o unilateralismo dos Estados Unidos e anuncia o fim de um mundo unipolar. Embora virulento, seu discurso não é realmente ouvido. Sete anos depois que o obscuro oficial da KGB tomou o poder de surpresa, os ocidentais ainda subestimam sua obsessão em colocar a Rússia de volta no centro do cenário mundial. No entanto, quando Putin vê a OTAN se aproximando gradualmente das fronteiras russas graças à adesão de países do antigo bloco oriental, sentindo-se ameaçado e traído, ele ataca com força e rapidez. Atua na Geórgia, Ucrânia ou Crimeia, defende seus interesses na Síria ou na Líbia, estende sua influência no continente africano, particularmente na República Centro-Africana. Estrategista e oportunista, o autocrata fez da política externa sua arma fatal, instrumento de orgulho renovado e de coesão nacional. Até onde ele irá?

O martelo e a bagunça
Um país arruinado no início dos anos 2000, desprezado e isolado, a Rússia é hoje respeitada, temida e fantasiada. A caminho de bater o recorde de longevidade de Stalin, o "tsar" Putin está construindo passo a passo, mas de forma violenta, seu sonho do retorno de um grande império não alinhado e autónomo. Este documentário do experiente Frédéric Tonolli (prémio Albert-Londres em 1996) vasculha as profundas motivações do homem que é descrito como um "realista pragmático" e não um ideólogo. Entre a "diplomacia do martelo" e a "estratégia da desordem", diplomatas, opositores e observadores, incluindo o ex-ministro Hubert Védrine, jornalistas russos independentes, mas ameaçados, como Dmitri Mouratov, vencedor do Prémio Nobel da Paz, ou o palestrante Kevin Limonier analisam a capacidade inigualável de Putin de interferir nas falhas da geopolítica global. É inegável, o urso russo lidera a dança de uma nova guerra fria.

Documentário de Frédéric Tonolli (França, 2021, 55mn). Disponível até 17/03/2022

Saber mais:

Sem comentários: