quarta-feira, 31 de março de 2021

A Democratic Counteroffer to China’s Digital Power


The EU and the US have to navigate bilateral differences and work with like-minded countries to formulate a response to China’s techno-authoritarianism. This effort should go beyond industrial policy towards shaping a positive and inclusive digital agenda.

In dealing with China as a digital superpower, the European Union and the United States share a range of values and interests, but they start from very different places. For the US, China’s growing geostrategic and technological power poses a direct strategic threat. While European policymakers, business leaders and the public increasingly share the perception of a systemic rivalry between liberal democracies and China’s techno-authoritarian state, the fear of losing access to China’s market is still a more powerful motivator for the EU and its member states, especially Germany, than the US fear of a potential confrontation – militarily or in cyberspace.

There is growing transatlantic agreement on the national security risks of letting companies from a state-run economy build our critical infrastructure or of increasing our vulnerability to unwanted technology transfer by integrating our companies into China’s digital ecosystem. Let alone the moral issues around exporting products that could be used for domestic surveillance purposes in China or of integrating our companies into supply chains that include forced labor.

Yet when it comes to data protection or fair competition in the digital economy, Europeans don’t trust Facebook any more than TikTok. Europe’s assertion of its “digital sovereignty,” exemplified by the Gaia-X project to build a European framework for governing clouds, is a testament to the mistrust of US surveillance and lack of data privacy protections.

Navigating these differences seems over-ambitious within the confines of a narrowly defined transatlantic project. The answer to the question how the EU and the US should deal with China in the digital sphere, to some extent, lies in taking China out of the equation – and instead building new partnerships with the goal to create a joint vision of the digital world we want to live in as democratic societies. Rather than focus on countering China, we should craft a global democratic digital agenda.
Research, standards, and digital public goods

A comprehensive transatlantic China policy is as elusive as a template for a transatlantic digital agenda. Yet partial convergence in some areas can be leveraged in concert with other like-minded partners.

The Biden administration is currently discussing a framework for joint research and standard-setting with the goal to protect critical infrastructure and supply chains. In a Foreign Affairs article, Jared Cohen and Richard Fontaine proposed that such an alliance of “techno-democracies” should initially consist of Australia, Britain, Canada, Finland, France, Germany, India, Israel, Japan, South Korea and Sweden, along with the United States. A similar concept was put forth in a joint call for action by the Center for a New American Security (CNAS), which is led by Fontaine, in coordination with the Berlin-based Mercator Institute for China Studies (MERICS) and the Asia Pacific Initiative of Japan. The three also recommended that alliance members pool resources to finance secure digital infrastructure and boost digital inclusion in third countries. The China Strategy Group, which was co-chaired by Cohen, a Google executive, and former Google CEO Eric Schmidt, proposed to set up an international technology finance corporation as a way to counter China’s global connectivity project, the Belt and Road Initiative (BRI), by providing digital public goods to the parts of the world that increasingly depend on Chinese technology.

For such efforts to gain broader democratic legitimacy, they will have to go beyond industrial policy and competition against China. They would have to aim to structure global digital governance debates around shared values – from sustainability and inclusion to democracy and human rights. And they would have to include the EU as a global standard-setter instead of just some of its member states.

For this to become a path forward, both sides have homework to do. The EU needs to come to a clear evaluation of how its economic interests align with its other goals of protecting human rights, environmental standards, and yes, strategic interests in its Eastern neighbourhood, which is very much a target of BRI. German carmakers’ deep entanglement with the Chinese market continues to provide Beijing with leverage, as seen in the last-ditch EU agreement with China on the principles of an investment agreement at the end of 2020, which raised fears in the US of a closer integration of European companies into China’s digital economy.

Germany’s China dilemma meets America’s credibility gap

In a virtual speech at the Heinrich-Böll-Stiftung’s annual foreign policy conference on January 18, 2021, German Green Party co-chair Annalena Baerbock sharply criticized the deal, a priority of the Merkel government, for failing to gain sufficient Chinese concessions on market access and labour standards. Yet Baerbock also conceded the dilemma. “We won’t be able to decouple from China, but we also must not be blind,“ she said, warning of growing dependencies on Chinese infrastructure investments in EU’s regional vicinity, such as in Serbia.

The Biden administration, on its end, will have to regain European trust in a US-led global digital economy and to re-affirm its membership in the democracy and digital rights camp after the end of the Trump years. Injecting values into the global digital governance conversation will be difficult as long as the US lacks credibility for protecting digital rights at home. The US political debate has recently moved away from disregarding European regulations as protectionism. After an initial outcry in 2018, the EU’s General Data Protection Regulation is now accepted as the de facto global gold standard even by many US companies. California’s Consumer Privacy Act (CCPA) draws heavily from GDPR, and many expect Congress to make another attempt at passing federal data privacy legislation this year.

The US tech lobby is geared up for a fight over the European Commission’s draft Digital Services Act (DSA) and Digital Markets Act (DMA). At the same time, many US policymakers and experts discussing a reform of the liability protections for platforms (Section 230) rather look with envy to the thoughtful legislative proposal, which proposes greater accountability and transparency as an alternative to blunter tools for filtering and taking down content that is seen as harmful, but not illegal. As anti-trust investigations against Google and Facebook are gaining steam in the US, the DMA’s linking of platform accountability to market domination is widely discussed as a pioneering legislative approach.

The need for a broader coalition

Apart from domestic adjustments, the EU and the US need to sort out a few things bilaterally. For a broader multilateral democratic digital governance coalition to take shape, it would be ideal if they could remove the most obvious transatlantic digital policy stumbling blocks sooner than later – by finding a rights-respecting way to restore transatlantic data transfers after the European Court of Justice struck down the Privacy Shield agreement, and by finding a compromise within the OECD on digital taxation. They can revive what used to be the most promising part of the failed TTIP negotiations – a dialogue on aligning industrial standards for emerging technologies. The European Commission’s proposed EU-US Trade and Technology Council could be the right place for that.

A broader coalition among democracies would seek to establish and coordinate multilateral export controls for critical technologies, investment screening and other measures to protect national digital infrastructures. It would identify areas to pursue research and commercial cooperation – within the realistic limitations of competition within such a group over IP and talent.

But apart from security and competition, it would focus on a positive agenda around values such as sustainability, inclusion, democracy and human rights, for example by seeking to shape value-guided rules for emerging technologies such as Artificial Intelligence (AI) in the OECD, G20 or other forums.

Differences in domestic laws or regulations should not be insurmountable obstacles, as long as the partners can agree on procedural elements to ensure the democratic legitimacy of digital governance structures. Transparency, accountability and legal redress would be core elements of such legitimacy.

Very importantly, the democratic coalition would have to open the conversation beyond an exclusive circle once known as “the West.” Its members would have to demonstrate that its alternative connectivity offerings to low- and middle-income countries are buffered by higher ethical standards than China’s. They would have to ensure that digital trade agreements such as the one currently under negotiation by 80 WTO members under the Joint Statement Initiative give others the space they need to carve out their own digital sovereignty. Developing and emerging economies have to be a part of the discussions over what an inclusive, democratic, sustainable and rights-based digital sphere should look like – and how much they are willing to trust a powerful coalition of “techno-democracies” over China.

This article was inspired by discussions during the workshop “Elements of a New Transatlanticism” at the Heinrich-Böll-Stiftung’s 21st Foreign Policy Conference on January 28, 2021 and is published in cooperation with the Heinrich Böll Stiftung.

Documentário da Semana - Mudança na Paisagem



“Mudança na Paisagem” é um documentário sobre a identidade do campo português. A paisagem vivida da nossa infância e das nossas raízes. A paisagem entendida como a casa comum onde nos relacionamos uns com os outros. A paisagem marcada pela natureza, pelos homens e pelo progresso. De norte para sul, um olhar sobre as mudanças no território num documentário sobre o Portugal recente. 

Assim do planalto de Castro Laboreiro ao Algarve - passando pelo Douro e pela renovação do Alentejo por via do Alqueva - o documentário aborda o tema da paisagem em sentido lato. Entre “centros históricos” e “aldeias típicas”, os portugueses buscam na paisagem um lugar para passar férias mas a verdade é que ocupação do território mudou de forma irreversível nos últimos cinquenta anos, por via da emigração, do despovoamento e da fuga para os grandes centros urbanos do litoral.

terça-feira, 30 de março de 2021

O que Franz Kafka e Albert Camus nos ensinaram



Franz Kafka foi um daqueles que viu mais longe. Não foi dos poucos mas foi um distinto. Tão distinto que até o seu nome virou adjetivo. Tudo aquilo que se liga ao absurdo, ao estapafúrdio, ao insólito, diz respeito ao que Kafka deslindou na sua literatura. Neste caso, parece que não foi o autor que se adaptou à sociedade mas a sociedade a Kafka.

Isto tornou-se habitual em todas as gerações que se foram inspirando nas linhas e nos preceitos deste e daquele autor. Por si, o disparate da existência humana conheceu uma retumbância impressionante e horripilante nos conflitos mundiais que se abateram no pós-Kafka. Tudo isto para além dos sonegados e ignorados atritos entre muitos outros. O mundo tornou-se kafkiano de forma paulatina mas imparável. Não houve metamorfose que acorresse em salvação da história da humanidade. Arrastou-se num moroso e atribulado caminho perante a complexificação do ser humano. A ciência ajudou para que tudo se tornasse mais anónimo e estranho para as gerações que foram subsistindo. Para aquele que assiste ao longe, tudo parece tão distante. Assim foi.

O mundo continua kafkiano. Continuamos entregues a rotas sem fim de burocracia e de um método que nos deixa tão desgastados. O lazer torna-se necessário e é cada vez mais pertinente reivindicá-lo. A ciência surge como uma oportunidade mas também como uma ameaça perante a existência de uma máquina que vai sabendo cada vez mais. Perdendo as medidas à megalomania, quiçá o que poderá ser desta para além do potencial destrutivo que já demonstrou possuir.

Vamos lendo e percebendo no que nos metemos. Deixamo-nos ir, deixamo-nos entregar a realidades que confirmam algumas das mais recônditas distopias. Quem dera a todos que se tratassem das utopias. Não é o caso. Somos também vítimas daquilo que outros foram galgando e, no ápice das suas delegações, foram apregoando. Direta ou indiretamente, ninguém se escapou a esta direção. De tudo isto se formulou um procedimento que se foi arrastando pela burocracia denunciada e apontada por Kafka. O mundo foi sendo kafkiano. Sem que muitos dessem conta, tornou-se assim. Sem pedir licença.

Por sua vez, Albert Camus bem vinha apontando o absurdo da existência. Não se cansou de militar em discursos filosóficos para sustentar a tese que lhe valeu um Nobel. Todas as reflexões são poucas para comprovar aquilo em que nos fomos metendo. A filosofia parece parca numa tentativa de resposta autêntica e assertiva sobre o estado das coisas. A vida tornou-se cada vez mais absurda nesta abundância de mecanização e de mercantilização das almas e dos talentos. Até da religião se fez negócio. Tornou-se tudo cada vez mais absurdo. Porém, e como asseverado, o suicídio não é a solução.

Fomos crescendo sem ligar muito a isto. Fomos indo e vendo. Alguns dos mais acérrimos críticos colocaram isto e aquilo numa equação disposta a ser falível. É aqui se une a razão e a alma, a filosofia e a ciência. Questionar a realidade a partir da experimentação, da observação direta e de uma constante averiguação daquilo que é o mundo. As divagações tornaram-se cada vez mais experiências científicas. Tudo isto para aquele que se dispôs a tentar formular respostas e teorias para toda a dinâmica que vem dominando desde cedo.

A literatura é um argumento valioso no debate daquilo que é o mundo. Nada surge num acaso ou numa perspetiva de ocaso. Tudo tem um rumo plenamente definido e não se desvirtua daquilo que de facto existe. Talvez seja absurdo mas é preciso perceber porquê e dar-lhe um mote de compreensão. Não a deixar como incógnita sem resolução à vista. O mundo vai rodando e efetua a sua translação com questões eternas por serem respondidas. Entra o subjetivismo da ótica de cada um, com interpretações várias daquilo que lê e daquilo que se admira. Por vezes, geram-se as falaciosas ondas de fanatismo e de populismo. É fácil cair nesses desígnios, especialmente quando a razão já não tem paciência para mais desta fanfarronice. Tempo de um fôlego que, apesar de criativo, traga os resultados solicitados pela investigação científica.

Franz Kafka e Albert Camus convergem aqui nesta necessidade de visualizar o mundo como um caminho cada vez mais burocratizado e intrigado. O absurdo previsto por um é corroborado por outro. Ninguém até à data trouxe uma proposta de resposta, um modelo para questionar tudo aquilo que foi escrito. Talvez por sombras se tenha pensado nisto e naquilo da história, nisto e naquilo deste ou daquele caso mais pessoal. O egoísmo da humanidade foi muitas vezes um empecilho para se completar essa visão global do mundo. O ser humano confirmou as expectativas que o absurdo continha em si. Não foram isoladas mas suscitadas por uma história recessiva na ilusão de uma estrutura progressiva. Simplificou-se a prática quotidiana mas pouco mais. O absurdo permaneceu na intenção, na desmesura do consumo e do desejo de possuir, de ter, de ostentar. Só isso acabou por aprofundar aquilo que tanto um como outro tentaram abordar e explicar. Muitos não perceberam e deixaram-se andar. Caminharam para um abismo cujo limite está guardado para o futuro. Como será? Não são muitos aqueles que se arriscam em prognósticos para aquilo que reserva o que está por vir. Todavia, eis uma certeza. Tanto Kafka como Camus não estão aí para detetar o que se passa nem para propor o que seja. Cabe àqueles que observam a conjuntura de acordo com os seus princípios, ideais e crenças, dentro de um prisma de atuação equilibrado e que a todos beneficie.

A conclusão é simples: o mundo está kafkiano. Todos nós caímos este espartilho no qual estamos oprimidos por uma burocracia silenciosa, na qual a tessitura de toda a política e de todo o negócio é difuso e se distancia do comum civil. Estamos longe dos lugares de controlo e do poder das influências. Poucos conhecem qual é este jogo. Porém, fomos avisados. Isto não é novo nem divergente do que fora previamente anunciado. A literatura, essa visionária mas alucinante e mirabolante modalidade artística, deu às asas e contou umas coisas engraçadas. A malta levou aquilo como interessante para repensar isto e aquilo mas pouco mais. Entregou-se às lendas e aos ádagios que saltam em tempo de debates ou de comentários de aparentes percebidos. Para mostrar quem sabe, para exibir laivos de cultura. Contudo, haverá um pensamento crítico realmente consistente e fundamentado nas obras dos mais excêntricos? Existirá coragem? Pois bem, o suicídio volta a não ser solução. Não há volta a dar ao absurdo da existência porque não temos mesmo cura. Podemos ir diminuindo o impacto de todo este caráter rebuscado e crescer um bocadinho mas não chega. Franz Kafka e Albert Camus bem tentaram advertir o caminho que fomos seguindo e são estes os atuais detentores da razão. Quem tem as bombas nas mãos somos nós, cabendo a nós saber detoná-las. Que se traga um tal rasgo de uma irreverente mas consciente diplomacia, sendo para nós mesmos, para os outros e para aqueles que bem nos avisaram.

segunda-feira, 29 de março de 2021

Bacias hidrográficas do mundo quase todas afetadas pela ação humana, indica novo estudo


As bacias hidrográficas de água doce do planeta já sofreram quase todas a ação humana e mais de metade foram fortemente afetadas, indica um estudo hoje divulgado.

A investigação, realizada por uma equipa de investigadores de França e da China e publicada hoje na revista Science, avaliou até que ponto a biodiversidade mudou devido à atividade humana nos últimos 200 anos em 2.456 bacias hidrográficas do mundo.

Os investigadores usaram um índice para medir as mudanças numa determinada área com base em seis indicadores de biodiversidade, e atribuíram uma pontuação de 0 a 12, sendo que quanto mais alta a pontuação maiores os impactos humanos (seis indica já uma alteração substancial da biodiversidade).

Os resultados indicam que 53% das bacias hidrográficas do mundo sofreram alterações acentuadas na biodiversidade, particularmente nas regiões temperadas.

As bacias hidrográficas menos afetadas eram na maioria de pequenas dimensões, ocupando apenas 13,4% da superfície total da bacia hidrográfica mundial. Situam-se especialmente na região afro tropical e na Austrália e suportam 3.876 espécies, apenas 21,7% da fauna piscícola mundial.

Os investigadores notam que a conservação da diversidade de peixes de água doce apenas nos rios menos afetados pela atividade humana fica abaixo dos objetivos de proteção de espécies que as organizações ambientais defendem (30%). E dizem que é preciso proteger também as regiões mais afetadas.

No estudo salienta-se ainda que embora os rios e os lagos cubram menos de 1% da superfície do planeta suportam uma componente substancial da biodiversidade da Terra, incluindo um quarto dos vertebrados.

Os sistemas de água doce apoiam também o funcionamento e a estabilidade de variados ecossistemas, incluindo os que contribuem para o bem-estar humano.

A sobrepesca, a introdução de espécies não nativas, a poluição, as construções nos rios e as alterações climáticas são algumas das ações que afetam diretamente a biodiversidade da água doce e ameaçam os sistemas fluviais.

domingo, 28 de março de 2021

Portugal: The Dirty Truth Behind Green Cars I ARTE Documentary


Lithium is crucial for use in batteries, and as Europe tried to go green and switch to electric cars, demand for this white gold is skyrocketing. The EU imports most of its lithium, but its demand keeps increasing. 

Mining companies are tempted by the possibility of finding and exploiting reserves right here in Europe. But that would mean sacificing small rural communities, for 'the greater good'. According to the European Commission, Europe will need 18 times more lithium by 2030, and almost 60 times more in 2050. Why? Mainly for electric car batteries and energy storage batteries. According to Thierry Breton, the European Commissioner responsible in particular for industrial policy, "Europe is positioning itself to be almost self-sufficient in lithium for our batteries by 2025." The largest lithium deposits in Europe are believed to be in Portugal. Several companies have prospected and intend to exploit the basements of different areas in the north of the country. But the first steps in this process met with opposition from local populations. 

According to the mayor of one of the municipalities concerned, “the greatest value we have today is not lithium, but biodiversity. The region of Montalegre and Boticas is classified "world agricultural heritage" by the FAO. The debate is complex: to become greener, must Europe exploit its resources by digging up part of its underground?

sábado, 27 de março de 2021

Os movimentos pela “verdade” que negam a pandemia

As origens destes movimentos são muito diferentes, têm várias fontes e algumas tradições, mas hoje fazem parte de uma nova extrema-direita que está a emergir em vários países europeus e nos EUA. A classificação de extrema-direita tem sentido, porque a sua génese no populismo actual não é equilibrada no conjunto do espectro político, ou seja, comunica mais com o quadro tradicional dos temas da extrema-direita, de onde vêm muitos dos seus elementos e para onde vão muitos dos seus elementos.

Sublinhe-se desde já que alguns dos movimentos, por exemplo, contra a ciência, existem também na esquerda, mas são mais “calmos” e menos militantes do que os seus congéneres à direita. Há raras excepções, uma das quais é o antiespecismo radical que inclui formas de “guerrilha”, por exemplo, para “libertar” animais que estão a ser usados por laboratórios para testar medicamentos, implantes, cosméticos. Se é por isso possível comparar as teorias das “medicinas alternativas”, “holísticas”, homeopáticas, “orientais”, do veganismo, de formas de “regresso à natureza”, como, por exemplo, a propaganda dos partos em casa, que já causaram mortes, ou movimentos precursores da luta contra as vacinas, elas estão longe da excitação agressiva dos movimentos actuais pela “verdade”.

Outra observação prévia é que as medidas de restrição e confinamento são particularmente danosas para certas áreas económicas, como a restauração, os espectáculos, o turismo, e isso significa um pano de fundo social – com falências, perdas de lucros, despedimentos, encerramento de empresas, quebra de expectativas económicas, pobreza – para a radicalização dos movimentos pela “verdade”. O custo social e económico da pandemia e do combate à pandemia são os factores a que se deve prestar mais atenção, para se diminuir o processo de radicalização em curso.

Voltemos à “verdade”, nome absurdo mas revelador da pretensão destes movimentos de que são detentores de algum conhecimento especial que está a ser escondido pelo poder político e pelos cientistas, que estão a usar a pandemia como pretexto para terem mais poder e para limitar as liberdades. Estão a tentar criar uma “ditadura” em nome de interesses ocultos para o vulgo, mas bem conhecidos dos “verdadeiros”, seja a conspiração judeo-maçónica, o grupo de Bilderberg, os demónios vivos de George Soros e de Bill Gates, os que estão a encher os ares de sinais 5G, ou alienígenas maléficos. Como diz um cartaz empunhado por um senhor “verdadeiro”: “Os mafiosos da farsa covid grupo Bilderberg com a loucura da nova ordem mundial seguidos pelos lacaios políticos mundiais da maçonaria e do Opus Dei. Acordem.”

Todas estas teorias da conspiração estão aí e circulam em Portugal, e têm um único motivo: não há pandemia, há uma “gripezinha”, os mortos não morreram de covid, mas de outras enfermidades, devem tomar uma série de remédios ou mezinhas – o mais célebre, pela propaganda fantasiosa de Trump-Bolsonaro, foi a hidroxicloroquina –, o uso de máscaras destina-se a tapar os “sorrisos”, porque, como diz um cartaz, as “máscaras geram desconfiança”.

A segunda palavra mais usada é “liberdade”, hoje uma palavra que também está doente de tanto abuso. Uma mãe e uma filha ainda criança posam numa destas manifestações com uma dupla de cartazes que são todo um programa. “Não ao uso de máscaras nas escolas/ não ao novo normal/ temos o direito de respirar ar puro”, diz o cartaz da pobre da criança. E o da mãe diz: “Não ao uso obrigatório de máscaras na rua/ não DGS controlo a mais! Poder a mais!/ não aos controlos DGS/ não ao novo normal/ não consentimos!” Ou seja, querem tirar-lhes a liberdade para terem um “novo normal”. Um outro cartaz explica que esse “novo normal” é uma “ditadura”, resultado destas “medidas perversas”.

A maioria destas irresponsáveis patetices não se ficam pelos cartazes “verdadeiros”, encontram-se também em artigos de opinião no "Observador" ou nas manifestações do Chega e proliferam como vírus nas redes sociais

O que exigem é liberdade para não usar máscara, liberdade para se fazer festas seja com que número de pessoas for, liberdade para andar aos beijos e abraços, liberdade para ir aos restaurantes, visitar os lares, etc. Podiam lembrar-se de acrescentar outras liberdades, como seja não usar capacete nas motas ou cinto de segurança, andar nas estradas a 200 à hora, entrar livremente na casa das pessoas, porque o direito de propriedade é uma usurpação (isto não dizem, claro, para não parafrasearem Proudhon e a sua “propriedade é um roubo”…), e por aí adiante. Na verdade, em nenhum destes casos está em causa a liberdade, que é de outra natureza e que nada tem que ver com o uso de máscaras.

A maioria destas irresponsáveis patetices não se ficam pelos cartazes “verdadeiros”, encontram-se também em artigos de opinião no Observador, que podiam ser citados como versões dos cartazes acima – e, se não fossem pagos, já de há muito mereceriam outra exposição –, ou nas manifestações do Chega e proliferam como vírus nas redes sociais. Estão lá exactamente os mesmos temas, a “ditadura” de Costa e do “bloco central”, o abuso das medidas de confinamento contra as “liberdades”, a inutilidade das máscaras, a “invenção” da pandemia.
Se nós fôssemos, mais do que já somos, uma sociedade má, tomávamos à letra estas reivindicações. 

Muito bem, querem ter estas “liberdades”, façam uma declaração de que se responsabilizam pelos custos do tratamento da covid, caso fiquem infectados. E se fôssemos uma sociedade ainda pior, não os deixávamos entrar no SNS, onde os tratamentos são gratuitos, porque os pagamos todos nós. E depois exigir uma segunda declaração sobre a responsabilidade de indemnizar todos os que se provem que foram infectados por um dos “verdadeiros” e, no caso de essa infecção resultar numa morte, condenação por homicídio. E depois dar-lhes um autocolante a dizer: “Já sou livre, venha a covid que eu não tenho medo.” Tenho quase a certeza de que não ia ser preciso distanciação social, as pessoas fugiam todas…

Cartaz da Semana - Abraço


sexta-feira, 26 de março de 2021

A árvore das emissões neutras, nova fraude do capitalismo verde



Por João Camargo
Com certeza já reparou, perto das bombas de gasolina da BP, que a mesma anuncia que se encher ali o seu depósito, as suas emissões serão “compensadas” e que portanto não tem mesmo de se preocupar com as alterações climáticas enquanto o seu motor queima derivados de petróleo e emite dióxido de carbono. Más notícias: é mentira. A plantação de árvores em grande escala é só o mais recente prato do dia do menu infinito de falsas soluções do capitalismo verde.

Começo por repetir o que o melhor da ciência climática tem para dizer: para evitar ultrapassar o aumento de 1,5ºC até 2100 é necessário realizar um corte de 50% das emissões globais de gases com efeito de estufa até 2030, em relação ao nível de emissões de 2010. É um corte gigantesco que temos de fazer enquanto espécie, para tentar manter as condições climáticas e materiais que permitiram a existência de civilizações humanas. Como é mesmo o que temos de fazer, os grandes emissores e aqueles que construíram os seus impérios, o seu status e a sua riqueza em cima destas emissões, tudo dirão e tudo farão para evitar fazê-lo, mesmo que tal nos custe (a todos) qualquer espécie de futuro.

A crítica à neutralidade de carbono não se prende com o conceito em si, mas com a visão oportunista do sistema capitalista e seus principais agentes, que sempre criaram a sua própria contabilidade para evitar pagar impostos, para travar transferências de riqueza, para esconder e especular com dívidas públicas e privadas. Com esta maneira de ver o mundo, naturalmente olharam para o conceito de neutralidade carbónica e pensaram: “Porque raio hei de cortar emissões se posso aumentar as coisas que retiram essas emissões da atmosfera?”. E vai de inventar: engenhocas à la professor Pardal, que chupariam dióxido de carbono da atmosfera, chamadas de 'captura e armazenamento de carbono', e tentar aumentar a capacidade de absorção dos sistemas naturais como os oceanos ou as florestas (chamadas de 'Soluções Baseadas na Natureza').

Felizmente não avançou em grande escala a proposta de despejar ferro nos oceanos para aumentar a capacidade de absorção de CO2, com os vários impactos negativos associados a esta operação, mas nos últimos tempos têm surgido os planos megalómanos de plantação em grande escala como milagre. O plano “vilão Bond” da petrolífera Shell, por exemplo, diz que é necessário plantar uma área de floresta equivalente à área do Brasil para manter o aumento da temperatura abaixo dos 1,5ºC até 2100 (é claro que este plano implica eles continuarem a explorar petróleo e gás). A própria Shell propõe-se plantar uma área do tamanho de Espanha, enquanto a ENI propõe plantar uma área do tamanho da Áustria. Talvez estejam à espera que Elon Musk comece a leiloar terrenos em Marte para plantar lá? Este é só o primeiro e evidente sinal da impossibilidade desta solução. Mas tento responder a duas perguntas.

Porque é que plantações florestais não são uma boa solução para a crise climática?

  • Porque não há área suficiente no planeta Terra para compensar as emissões actuais, quanto mais o aumento de produção de petróleo e gás preconizado por muitas destas empresas;
  • Porque a capacidade da maior parte das florestas do mundo para retirar carbono da atmosfera está a reduzir-se e não a expandir-se, por causa dos efeitos da crise climática;
  • Porque para ser um verdadeiro sumidouro de carbono, com absorção estável, as florestas demoram décadas e até séculos a constituir-se e a acumular carbono nos solos, árvores, plantas e outros seres vivos – plantações florestais não são nada disto e derivam de uma visão do meio natural como algo totalmente plástico e moldável às necessidades imediatas do lucro;
  • Porque todas estas propostas assentam no oportunismo dos sectores que não querem cortar emissões e dos sectores que já operam nesta área, como as celuloses e a bioenergia, que buscam sempre mais uma fonte de rendimento e pervertem qualquer boa solução, promovendo as curtas rotações que colocam o CO2 na atmosfera quando as árvores são processadas.

Porque é que as plantações florestais são muito má ideia para a crise climática?

  • Porque as operações nos solos necessários para instalação de grandes extensões florestais levam a uma libertação massiva de CO2 actualmente retido nos solos;
  • Porque existe um risco já confirmado de que muitas destas plantações seriam instaladas em ecossistemas como pradarias, savanas, tundras e zonas húmidas modificadas, destruindo esses sistemas e liberando o CO2 aí retido;
  • Porque a plantação indiscriminada de árvores sem critério (e é obviamente disso que se trata quando falamos nesta escala) aumenta o risco de incêndios florestais, aumentando até o risco para as florestas antigas;
  • Porque há várias décadas que, sob o guarda-sol das compensações de emissões de carbono, o que vemos são impactos sociais massivos, roubos de terras, despejos, desflorestação e destruição de biodiversidade nas comunidades rurais dos países mais pobres.

O ciclo de carbono tem partes rápidas e lentas. As rápidas compreendem a circulação entre a atmosfera, a terra, os ecossistemas e os oceanos, enquanto as lentas compreendem a circulação entre a atmosfera e as rochas que compõem a geosfera. Os combustíveis fósseis vêm da circulação lenta entre a atmosfera e as rochas, e a civilização industrial baseada na combustão do petróleo, gás e carvão provocaram um desequilíbrio geológico que não pode ser resolvido pela parte rápida do ciclo de carbono. Neste sentido, estas propostas não são só complexas e incertas: é uma impossibilidade elas resolverem o problema, e ameaçam agravá-lo.

Finalmente, há uma derradeira realidade que deve assentar como uma forte chapada na cara dos propagandistas desta solução: a desflorestação. O mundo não está a ganhar área florestal: está a perdê-la a um ritmo estonteante. Está a perdê-la não só porque a crise climática está a tornar territórios que antes tinham condições para ter florestas em territórios que já não as conseguem nutrir, mas porque há uma acção direccionada e activa por parte de governos e empresas para derrubar áreas florestais fulcrais para a regulação climática do nosso planeta. O Bornéu malaio e indonésio está a ser substituído por plantações de palma, celuloses e barragens, a Amazónia, em particular no Brasil, Perú e Colômbia, está a ser devastada para a instalação de pastos para gado, para extracção da madeira, para instalação de minas, para a produção de soja e biocombustíveis. Desde 2001, a cobertura arbórea global reduziu-se em 10% (mais do que a área da Índia). Desde 2002, as florestas húmidas perderam 6% da sua área (mais do que área de Espanha). O governo russo conseguiu fazer melhor: contar a capacidade de absorção da sua área florestal actual, uma área equivalente a duas Índias, “converter” essa capacidade em créditos de carbono e quer vendê-la a outros poluidores (incluindo os grandes emissores russos) como “compensação” de emissões. Não é preciso sequer plantar, basta existir que compensa as novas emissões.

O circo das plantações florestais como ferramenta para a neutralidade carbónica, a que o governo português e a União Europeia aderiram efusivamente, só serve para fazer de nós palhaços mortos. É necessário cortar os 50% de emissões globais na próxima década, sim ou sim. Se isso significa que a maior parte das petrolíferas terão de falir? Sim.

Professores portugueses do 3º Ciclo são os europeus com mais stress e mais insatisfeitos com o salário


Os professores portugueses do 3.º ciclo são os europeus que mais se queixam de stress, os mais insatisfeitos com o salário e os que têm carreiras mais precárias, revela um estudo divulgado esta quarta-feira.

Quase nove em cada 10 docentes portugueses que dão aulas a alunos do 7.º ao 9.º ano disseram sofrer "muito" ou "bastante" de stress quando estão a trabalhar, segundo o relatório "Professores na Europa: Carreiras, Desenvolvimento e Bem-Estar" da Eurydice, um organismo da Comissão Europeia.

A rede de informação sobre os sistemas educativos na Europa comparou a situação dos professores dos 27 estados-membros e de outros países europeus e concluiu que o stress é "comum entre os professores europeus".

No entanto, numa comparação com a situação vivenciada nos outros países, Portugal destaca-se pela negativa, uma vez que a média europeia de docentes que se queixa de stress fica-se pelos 50% e em Portugal chega aos 87,2%. Depois de Portugal surge a Hungria e o Reino Unido, com 70% dos docentes a admitirem sofrer do mesmo mal.

Segundo o relatório, o "mais preocupante" é que nestes três países a percentagem de professores que se sente "muito stressado" é "muito superior aos valores médios dos países europeus". Em média, 16% dos docentes europeus sentem-se "muito stressados", enquanto em Portugal são 35%. Já no que toca a docentes "bastante stressados", a média europeia é de 31% contra 53% dos portugueses.

Entre as razões pelas quais os portugueses consideram que o trabalho pode ser stressante estão o trabalho administrativo e o "manter-se a par das mudanças exigidas pelas autoridades".

"Em França, Malta, Lituânia e Portugal, mais de 60% dos professores atravessam momentos de stress devido às mudanças, vivem em stress devido às mudanças requeridas pelas autoridades", refere o relatório da Eurydice.

Questionados se estavam satisfeitos com o seu salário, apenas 37,8% dos europeus considerou o ordenado satisfatório ou muito satisfatório.

Nesta análise, os portugueses voltam a surgir no fim da tabela, agora ao lado dos islandeses: Menos de um em cada 10 mostrou-se satisfeito com o salário, ao contrário dos Austríacos e Belgas (70%).

Portugal é também referido como um dos exemplos com mais docentes com contratos a termo: "Embora a percentagem de contratos a termo certo normalmente caia à medida que os professores envelhecem, em alguns países existem elevadas percentagem de docentes na faixa etária dos 35-49 anos que ainda estão em empregos temporários como, por exemplo, em Espanha (39%), Itália (32%) e Portugal (41%)".

Os portugueses são também dos que mais se queixam dos impactos negativos do trabalho na saúde física e mental, segundo os resultados do Inquérito Internacional de Ensino e Aprendizagem 2018 (TALIS -- Teaching and Learning Internacional Survey), da OCDE, utilizado no relatório hoje divulgado.

Na Europa, um em cada quatro professores (24%) considera que o trabalho diário afeta a sua saúde mental e 22% apontam consequências físicas.

Os portugueses surgem ao lado dos belgas com "mais de metade dos docentes a considerar que o seu trabalho afeta negativamente a sua saúde física e mental", refere o inquérito.

Além dos 27 estados-membros da UE, o relatório analisou e comparou também a situação dos professores do Reino Unido, Albânia, Bósnia Herzegovina, Suíça, Islândia, Liechtenstein, Montenegro, Macedónia, Noruega, Sérvia e Turquia.

O relatório teve por base um levantamento de informações feito antes da pandemia e na sua introdução sublinha o papel dos docentes no último ano, em que as escolas fecharam e estes profissionais se mantiveram em contacto com os alunos.

Música do BioTerra : Zeca Afonso - "Cantar Alentejano - Catarina Eufémia"



CANTAR ALENTEJANO
Chamava-se Catarina
O Alentejo a viu nascer
Serranas viram-na em vida
Baleizão a viu morrer
Ceifeiras na manhã fria
Flores na campa lhe vão pôr
Ficou vermelha a campina
Do sangue que então brotou
Acalma o furor campina
Que o teu pranto não findou
Quem viu morrer Catarina
Não perdoa a quem matou
Aquela pomba tão branca
Todos a querem p'ra si
O Alentejo queimado
Ninguém se lembra de ti
Aquela andorinha negra
Bate as asas p'ra voar
O Alentejo esquecido
Inda um dia hás-de cantar
- José Afonso (canção que integra o disco "Cantigas do Maio")

quinta-feira, 25 de março de 2021

Curta-Metragem Premiada - "Green Light/17 "


Posto mais uma curta-metragem-animada, de excelente qualidade realizada pelo director Seongmin Kim, vencedora de uma dúzia de prémios . Distopia sobre o planeta Terra, após devastação nuclear - excelentes gráficos e narrativa. "Green Light/17" encanta pela mensagem de esperança na vida!

quarta-feira, 24 de março de 2021

Commodifying the natural world


Applying market logic to protecting the environment is counter-intuitive and deeply worrying.

It’s hardly surprising that a UK Government report titled The economics of Biodiversity slipped out with only a tiny amount of largely uncritical press coverage, given the pandemic is still raging and wreaking social and economic havoc around the world.

But this report – referred to as The Dasgupta Review - should alarm anyone who is committed to environmentalism and reducing our destruction of the living world.

The authors talk of ‘natural capital’. This means viewing the importance nature – of the air we breathe, the soil, the trees, the oceans and more - in terms of economic worth; giving them a market value.

Logic

At one level, valuing nature seems eminently sensible. But what this approach does is to package up nature and expose it to the logic of the markets. We’re taking the very model of economic production that had created so much destruction in the living world and now claiming that it’s logic will save it. That to me is not only baffling – it’s deeply worrying.

Over the last few years, the Government’s Natural Capital Committee has been pulling together the thinking that has culminated in this report.

The committee’s chair Dieter Helm has himself expressed the view that nature isn’t valued if it economic worth isn’t calculated. The logical extension of this thinking is that if you’re going to create a set of ‘natural capital accounts’, viewing nature in the same terms as other market instruments, that you intend to sell it.

Some of the language in the review is, at best, cold - and at worst, deeply sinister. “Nature nurtures and nourishes us, so we will think of assets as durable entities that not only have use value, but may also have intrinsic worth. Once we make that extension, the economics of biodiversity becomes a study in portfolio management.”

Suddenly the life sustaining role of nature, it’s beauty and value to mental health and wellbeing are another thing to view as assets and trade.

Trusting the logic of deregulated markets has led to huge environmental destruction and catapulted us towards the overlapping crises we face today. Expecting the same logic to fix the problems it caused is like trying to put out a fire with a can of petrol.

Insidious

The natural capital agenda tries to drag the environment and ecology into the logic of neoliberal free market thinking, when what we need is, in fact, the very opposite.

We need economic approaches that start with living within earth’s ecological limits, while we seek just solutions for meeting the needs of the human population.

Kate Raworth, a leading Oxford University academic, has proposed a model for doing this in her book Doughnut Economics. Since its publication, she’s been promoting her theories to policymakers, NGOs and others. Many others are making similar arguments, including Jason Hickel, the academic and author .

Unfortunately Sir David Attenborough has taken a very misguided role in the in the promotion of the government’s natural capital agenda. He has become the face of it and at the launch of the review, he spoke of economists understanding the value of biodiversity better than ecologists do.

Considering his famous past comments regarding the idea of infinite growth on a finite planet, it’s very worrying that such a trusted figure should be peddling these deeply misguided ideas.

Neoliberalism is insidious in the way that it makes itself virtual invisible while its logic burrows its was into almost every aspect of contemporary life.

Commodification

As disturbing as it may be, it’s not surprising that the paradoxical logic of the Dasgupta Review and the natural capital agenda should rear its head.

We’re in the middle of climate crisis and the sixth major extinction event. Our model of production and consumption based on infinite growth within a finite world is at the heart of these and other major challenges that we face.

The notion that applying the same principles that have caused the problems to solving them is both ridiculous and not surprising.

Neoliberal thinking is so ingrained at this point that it is often portrayed by the mainstream media as the natural order and not an ideology that has permeated almost every aspect of life.

Challenging the logic of natural capital and the commodification of every aspect of our world must underpin our ongoing response to the environmental crises that we face.

This Author

Andrew Taylor-Dawson has been involved with the social justice and environmental movements for over a decade. He works in the NGO sector as well as writing about civil society, campaigning and progressive causes. He tweets at @Andrew_J_Taylor.

terça-feira, 23 de março de 2021

Encontros Improváveis: Miguel Torga e Cruzeiro Seixas

Artur Cruzeiro Seixas

Viagem
Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar…
(Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos).
Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura…
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar.
Miguel Torga

segunda-feira, 22 de março de 2021

Afinal as árvores consomem mais dióxido de carbono do que se pensava, revela novo estudo


As florestas são muito importantes na regulação dos processos ecológicos. A sua destruição, além de contribuir para a extinção de espécies, aumenta os riscos associados às alterações climáticas.

Recentemente, uma equipa de biólogos da Universidade de West Virginia (WVU) descobriu que as árvores consomem mais dióxido de carbono (CO2) do que se pensava, e que a maneira como as árvores usam a água se alterou.

Ao analisar anéis de árvores de 1901 a 2015 de 36 espécies diferentes em 84 locais no mundo, a equipa descobriu que em 83% dos casos, o principal fator para o aumento da eficiência hídrica das árvores foi o aumento da fotossíntese.

Assim, os especialistas conseguiram perceber que o aumento de CO2 na atmosfera levou as árvores a usarem a água com maior eficiência, embora este aspeto varie conforme a temperatura e a precipitação atmosférica (o clima). Esta eficiência aumentou cerca de 40%, ao mesmo tempo o dióxido de carbono na atmosfera aumentou 34% – é de realçar que as mudanças se aceleraram a partir da década de 1960.

“Ao longo do século passado, a fotossíntese é na verdade a força motriz para o aumento da eficiência do uso da água pelas árvores, o que é um resultado surpreendente porque contradiz muitos estudos anteriores. Numa escala global, isto terá grandes implicações potencialmente para o ciclo do carbono se mais carbono estiver a ser transferido da atmosfera para as árvores”, explica Justin Mathias, um dos autores.

“O nosso trabalho mostra mais uma razão importante para preservar e conservar as nossas florestas e mantê-las saudáveis”, conclui Richard Thomas, reitor associado da WVU e autor do estudo.

“Justin Mathias poses for portrait at Gaudineer Knob, WV. 34640 WVU Mag Red Spruce Research WVU Photo/ Raymond Thompson WVU Magazine

domingo, 21 de março de 2021

Visita estrangeira à ecoaldeia "Aldeia do Vale"


ECODYSEA est un voyage transatlantique à la rencontre des acteurs de la transition écologique. Aldeia do Vale est est le troisième projet que nous avons rencontré. Niché dans les hauteurs non loin de Lisbonne, ce projet propose à des groupes de venir se former à la permaculture durant des stages de plusieurs semaines. 

Ce temps long, permet d'explorer toutes les facettes de la permaculture (irrigation, construction terre-paille, développement personnel, etc.) tout en expérimentant la vie en communauté.

sábado, 20 de março de 2021

Petição: Não à transferência de competências para os municípios (municipalização) em Educação


O processo de transferência de competências para os municípios e as comunidades intermunicipais, previsto na Lei n.º 50/2018, constitui uma clara desresponsabilização do poder central, que se pretende livrar de áreas sociais geradoras de descontentamento que resulta da falta de investimento público que garanta as respostas adequadas às necessidades dos portugueses.

Com o Decreto-Lei 21/2019, o governo pretende transferir para as autarquias competências na área da educação, algumas indevidamente retiradas às escolas e livrar-se de problemas que têm vindo a gerar frequentes e justos protestos e insatisfações de pais, alunos, trabalhadores não docentes e professores. Além disso, um acréscimo de responsabilidades dos municípios, num quadro de subfinanciamento, porá em causa o direito universal de acesso a uma Escola Pública gratuita e de qualidade. Decisões sobre a organização da educação e do ensino em função das opções seguidas e da disponibilidade de recursos existente em cada município põem em grave risco o caráter universal do direito constitucional à educação.

O governo, com este Decreto-Lei, procura alijar para o Poder Local responsabilidades que devem pertencer ao governo e às escolas e agrupamentos. Contudo, o governo continua a guardar para si a decisão sobre o que de mais importante nas escolas poderia contribuir para o sucesso educativo das crianças e jovens, tal como constituição de turmas, organização dos horários, apoio a crianças que dele necessitam ou a organização de estruturas intermédias de gestão. Sobre estas matérias deverá caber às escolas e agrupamentos decidir, num quadro de reforço da sua autonomia, e não a outras entidades.

O governo, com o Decreto-Lei 21/2019, ao invés de descentralizar, (re)centraliza, uma vez que transfere para as autarquias e para as CIM competências que hoje são exercidas pelos órgãos de gestão das escolas e agrupamentos.

A experiência, no nosso País e no estrangeiro, demonstra que esta opção é um erro, levando ao acentuar de assimetrias entre escolas de diferentes municípios e à desresponsabilização do Estado pelo financiamento público, pondo em causa a igualdade de oportunidades e comprometendo o direito a uma educação de qualidade para todos.

Os cidadãos abaixo-assinados, no exercício do direito de petição, apelam à Assembleia da República que proceda à reversão do processo em curso, na sequência da publicação do Decreto-Lei 21/2019.

PRIMEIROS SUBSCRITORES:

José Correia (Coordenador do STAL), Filinto Lima (Presidente da ANDAEP), Manuel Pereira (Presidente da ANDE), Mário Nogueira (Secretário-Geral da FENPROF), Rui Martins (CNIPE), Sebastião Santana (Coordenador da FNSTFPS)

Mapa permite ouvir os sons das florestas ao redor do mundo


Fonte: Mochileiros.com 16/10/2020

Um dos mapas interativos mais interessantes que a gente já encontrou na internet é aquele que permite escutar as línguas e sotaques do mundo (aqui) e agora há a opção para quem deseja relaxar ou se surpreender ouvindo outra língua: a dos animais na floresta.
Aqui você pode conferir (até o momento) mais de 600 sons, de cantos de pássaros à respiração lenta de uma preguiça, de mais de 60 países.
O mapa é iniciativa de uma organização artística do Reino Unido, a Wild Rumpus que convidou usuários de todo o mundo a enviarem os sons de florestas próximas para que outras pessoas no mundo todo pudessem ter acesso a eles.
A Wild Rumpus, colabora com a National Forest do Reino Unido na realização do Timber Festival, que ocorre anualmente em julho, mas neste ano teve que ser cancelado por causa da pandemia.

Ao Lonely Planet, a codiretora da organização, Sarah Bird disse que assim que perceberam que o evento não iria acontecer, começaram a criar um projeto sensorial que fosse o mais democrático e aberto ao maior número de pessoas possível, “algo que poderia criar conexões viscerais e emocionais das pessoas com a natureza”.
Segundo Bird, o mapa também serve como um arquivo de ecossistemas que estão sendo rapidamente transformados pela mudança climática. “Está bem documentado que o tempo passado na natureza pode ajudar a diminuir a frequência cardíaca e melhorar o bem-estar. Se não podemos ficar na floresta, isso parece a segunda melhor coisa”, comentou.
Brasil

Até a publicação deste post, as colaborações enviadas do Brasil eram apenas duas: uma da região do Rio Jaguari, no Estado de São Paulo e outra do Mirante Gaio, na região de Flores da Cunha, no Rio Grande do Sul.
Como não é preciso ter nenhum equipamento especial para captar os sons, talvez você consiga também ouvir a respiração ou algum som humano nas colaborações.
Se você está perto de algum lugar de natureza e deseja colaborar acesse o mapa no https://timberfestival.org.uk/soundsoftheforest-soundmap/ e clique em “Contribute”. Uma nova janela será aberta com as instruções que estão em inglês. Se você não fala/lê inglês e ainda assim quer contribuir, clique com o botão direito do mouse na página e clique em “traduzir para o português”. A partir daí fica mais fácil.

sexta-feira, 19 de março de 2021

O "país mais feliz do mundo" em ano de pandemia

A Finlândia foi considerada esta sexta-feira como o "país mais feliz do mundo" pelo quarto ano consecutivo, numa lista que determina o grau de felicidade e que é dominada por países europeus.


Com uma pontuação de 7,84 em que 10 é o valor máximo, o país nórdico está à frente da Dinamarca, Suíça, Islândia e Países Baixos, estreante entre os cinco primeiros colocados da última edição do "World Happiness Report", um estudo anual patrocinado pelas Nações Unidas.

O estudo, publicado desde 2012, usa principalmente pesquisas da empresa Gallup em que os residentes são questionados sobre o seu próprio nível de felicidade e as respostas são cruzadas com o Produto Interno Bruto (PIB) além de avaliações sobre o nível de solidariedade, liberdade individual e corrupção, para se chegar à pontuação máxima de 10.

A Alemanha está em 13.º lugar, o Canadá em 14.º, o Reino Unido em 17.º, os Estados Unidos em 19.º e a França em 21.º lugar.

Entre as grandes potências, o Brasil está em 35.º lugar, Japão em 56.º, Rússia em 76.º e China em 84.º, de acordo com a lista oficial de cerca de 150 países, nos quais foram recolhidos dados dos últimos três anos.

A Europa domina amplamente os 10 primeiros lugares, que incluem ainda a Noruega, Suécia, Luxemburgo e Áustria. O único país não europeu entre os primeiros 10 é a Nova Zelândia (9.º lugar).

Embora a medição da "felicidade" é reconhecidamente subjetiva além do debate à volta do método de cálculo do relatório, este estudo consolidou-se nos últimos anos como uma das avaliações do bem-estar global.

A lista também permite designar o "país menos feliz do planeta", que nesta edição é o Afeganistão, com 2,52 pontos, atrás do Zimbábue, Ruanda, Botswana e Lesoto.

A Índia é um dos grandes países com uma classificação baixa, ocupando o nada invejável 139.º lugar.

Na África, o país mais bem colocado é a República do Congo, que ficou na 83.ª posição, enquanto na Ásia é Taiwan, no 24.º lugar.

Este ano, o estudo foi expandido para incluir alguns dados para medir melhor o impacto da pandemia de covid-19.

A Finlândia, novamente na liderança este ano, é também um dos países desenvolvidos com o melhor desempenho contra a covid-19 e o país destacou-se notavelmente "em medidas de confiança mútua que ajudaram a proteger vidas durante a pandemia", de acordo com o estudo.

Apesar dos seus longos invernos e da fama dos seus habitantes, considerados pouco expansivos, se não mesmo solitários, a Finlândia - com 5,5 milhões de habitantes - goza de um padrão de vida muito elevado, serviços públicos eficientes e uma vasta variedade de florestas e lagos.

O país também está muito bem posicionado em termos de solidariedade e na luta contra a pobreza e as desigualdades.

Os países nórdicos destacam-se nesta lista há uma década: antes da Finlândia, a Noruega venceu em 2017 e a Dinamarca durante muito tempo ocupou o primeiro lugar.

Música do BioTerra- La Lhoba


O ROMANCE DE "LA LOBA PARDA"
"La Loba Parda" é um romance popular de autor desconhecido, reproduzido e transmitido oralmente pelos pastores desde tempos imemoriais (sabe-se que no século XVI já era velho).
Pensa-se que terá surgido, primeiramente, na Extremadura, tendo-se difundindo com o passar do tempo por todos aqueles lugares onde se praticava a transumância (os cabaneiros de transumância transmitiram-na aos companheiros de outras regiões).
Chegou nomeadamente a Portugal, onde se regista uma variante do romance, conhecido como "Romance da Lhoba" (é cantada entre a comunidade pastoril de Miranda do Douro mas é possível que seja conhecida em outros lugares onde culturalmente se acolheu a transumância no passado).
Tradicionalmente cantado nas noites de véspera de Natal (principalmente em Espanha), este extraordinário cântico cultural recorda-nos constantemente a história conflituosa entre o Homem/Lobo na península ibérica.
Pessoalmente penso que este romance tem ainda um caráter de ensino/alerta entre a comunidade pastoril. Alerta para a importância de se utilizarem cães de gado na defesa dos rebanhos e sobretudo um alerta para a importância de NUNCA, NUNCA deixar-se o rebanho desprotegido sob pretexto algum.
Isto porque, se ouvirem bem o relato final do pastor do vídeo que vos deixo aqui em baixo, ele deixa bem claro que a loba parda acabou por morrer mas que morreu vingada.
E morreu vingada porquê? Porque quando o pastor voltou à malhada com os seus 6 mastins descobriu que o resto da alcateia tinha aproveitado para atacar e ferir o rebanho com mortandade (técnica do isco).
Assim, e de forma curiosa, este romance termina com o louvor e o reconhecimento da genialidade e sabedoria do lobo....e mostra claramente que nesta guerra não há vencedores, apenas vencidos.
Lemuel Silva, 2021


quinta-feira, 18 de março de 2021

O jardim florestal com 500 plantas comestíveis que requer apenas algumas horas de trabalho por mês



Historicamente, agricultura e floresta entram em conflito. A sabedoria convencional diz que temos que cortar a floresta para abrir caminho para a agricultura. Mas um movimento crescente chamado agro-florestal “capitaliza” nos serviços gratuitos que as florestas fornecem aos agricultores e jardineiros. As árvores não apenas protegem as plantas comestíveis mais delicadas dos elementos e do clima extremo, mas também fornecem nutrientes, água, controle de pragas e serviços de polinização. Embora você possa não encontrar todos os seus vegetais anuais tradicionais em um jardim florestal, você descobrirá centenas de novas variedades de plantas comestíveis que nunca soube que existiam, que geralmente são mais densas em nutrientes e saborosas. 

E se você escolher as suas plantas com cuidado, elas se propagarão a cada ano e viverão simbioticamente entre as centenas de espécies diversas ao seu redor, sem necessidade de arar, plantar, fertilizar, capinar ou regar. Isso é o que Martin Crawford fez no seu jardim florestal de 2 acres na Inglaterra há mais de 20 anos – deixe-o fazer o trabalho por ele na maior parte, depois de alguns anos de pesquisa e trabalho braçal. Embora o plantio inicial da floresta exigisse anos de pesquisa e irrigação, Crawford agora tem mais de 500 variedades de alimentos cultivados de forma selvagem no seu jardim, o que requer muito pouco trabalho além de colher e comer os frutos de seu “trabalho”. De vez em quando, ele adiciona uma nova espécie exótica ao seu jardim ou pisa em alguma salsa de vaca crescida demais para dar a outras ervas uma chance de alcançá-la, mas na maior parte do tempo, ele está “brincando e mexendo” em seu jardim, em vez de fazer qualquer coisa que se pareça com trabalho. 
Em seu livro Creating a Forest Garden, ele descreve como um jardim completo deve incluir 7 camadas: Árvores altas 
Árvores menores 
Arbustos pereniais 
Cobertura do solo 
Raízes 
Trepadeiras 

Inclui plantas diretamente úteis como árvores frutíferas, nozes, tubérculos, vegetais, ervas medicinais, madeira. Também inclui plantas indiretamente úteis que ajudam o sistema a funcionar melhor como fixadores de nitrogénio, acumuladores de minerais, plantas que atraem insetos benéficos que comem pragas. Como quase todas as plantas são perenes, não há necessidade de “cavar o solo”. “Não cavar o solo é muito importante em termos de sustentabilidade porque cada vez que você cavar o solo, uma carga de carbono vai para o ar”, diz Martin.  Além disso, cavar ou arar o solo para plantar safras anuais, liberta nutrientes e mata bactérias, fungos e outros microrganismos que mantêm o solo vivo ao expô-los ao Sol. O solo num jardim florestal é extra rico porque as raízes profundas das árvores decompõem os minerais no subsolo e trazem os nutrientes para a superfície do solo. 

Eles também soltam folhas, que atuam como um composto natural. Além disso, a camada de dossel das árvores evita que a umidade evapore do jardim, de modo que, à medida que a floresta fica mais densa, você terá que regar cada vez menos. Quando as florestas crescem o suficiente, elas criam as suas próprias chuvas, eliminando por completo a necessidade de irrigação. Em resumo, não desmame a floresta para iniciar uma quinta, deixe que a floresta cultive o seu alimento para você. 
Adaptado de Return to Now

terça-feira, 16 de março de 2021

Documentário: Ocupação, SA- legendado em Português


Gravado no segundo semestre de 2020 e lançado em dezembro, o filme de Daudén e Sebastián Ruiz Cabrera explica em detalhe como as riquezas do Sahara Ocidental têm vindo a ser roubadas, sob o patrocínio de empresas multinacionais – que financiam a ocupação ilegal e beneficiam dela.

A força de um hábito, estranha forma de vida

Há tanta coisa para dizer sobre esta pandemia e os enigmas políticos, económicos, ambientais, filosóficos que ela arrasta mas hoje quero falar-vos do perigo do hábito. Estamos feitos.


Conta-se uma história na Serra do Caldeirão de um espanhol que comprou um burro mas que não podia, nem queria, ter muita despesa com ele. Apercebeu-se que quanto mais comida lhe dava mais ele queria comer e também do seu inverso. Assim decidiu reduzir a quantidade de feno e chegou ao ponto em que o submeteu ao jejum. O burro terá vivido uma semana sem comer e acabou por morrer. As histórias que se contam na serra são um bocado cruéis e esta não será verdadeira. Não há notícias de espanhóis por lá e a escolha de um protagonista espanhol não parece inocente. Adiante. O homem ficou triste com a perda do burro mas ficou sobretudo revoltado por o animal ter morrido quando finalmente estava habituado a não comer. A miséria era muita e não só a económica e, sendo ou não uma história verdadeira, fica sempre aqui demonstrada. Quem a inventou não o teria feito na abundância, quem a foi repetindo também não.

Estamos privados de quase tudo o que caracteriza a vida tal qual a conhecemos e direi que estranhamente habituados. Há saudades mas o hábito instalou-se; o das máscaras, o do distanciamento físico, da permanência em casa, das reuniões online, do próprio isolamento, dos horários e o de várias limitações severas das liberdades. Este é um facto. Se foi ou não absolutamente necessário fazer tudo o que foi feito é um aspecto que poucas pessoas terão efectivas possibilidades de avaliar. Fui a favor do primeiro confinamento e fui também a favor do segundo, serei a favor de um terceiro se novamente se concluir que a situação está descontrolada ou em vias de estar. A ideia da fragilidade dos mais velhos é insuportável. Sou a favor por, na dúvida (e só é possível ter dúvidas), confiar no que dizem os cientistas e os governos e por privilegiar a saúde pública. Não se deverá ter a pretensão de perceber mais disto do que aquilo que se percebe, e que normalmente é pouco, e do que aquilo que parece ser unânime a um nível global.

Tenho algumas reservas relativamente a muitas das limitações que foram impostas como horários para comprar álcool ou a proibição de aquisição de quaisquer líquidos no espaço público. Sei que seria inevitável que algumas restrições padecessem de falta de lógica. Foi tudo muito novo. Claro que alguns terão escolhido o que achavam que não fazia sentido e criaram a sua própria transgressão que podia passar por uma combinação com o café do bairro para ter efetivamente um café embrulhado num saco de papel ou outra coisa qualquer. Há quem não tenha transgredido de todo. E há quem tenha uma posição de grande crítica relativamente a quem não cumpriu alguma das regras. Há também quem tenha mudado de ideias e de postura. É verdade que muitos portugueses gostam de obedecer desde que possam dar uma facadinha na regra. Diria que se devem tentar respeitar todas as posições que reflitam algum compromisso com a razoabilidade. O radicalismo é fundamental mas, caramba, aqui é ser radical no desconhecido e pode também implicar ser radical no moralismo, o que nunca deu sorte a ninguém. O compromisso com a razoabilidade deverá excluir exemplos como os do “Lapo”. Tinha que ficar dito.

Temos entre nós negacionistas da pandemia. Normalmente trazem consigo um discurso ignorante associado ao populismo do anti-sistema ou às mais diversas conspirações. Não há assim tanto a dizer sobre isto. É que não há como negar a existência de uma pandemia que matou milhares de pessoas. Existe um vírus e é cada vez mais provável que as condicionantes decorrentes da sua existência nos acompanhem nos próximos tempos. É sempre difícil quando a um advogado alguém pergunta: “Quanto tempo vai demorar até termos uma decisão?” A resposta comporta sempre uma margem de imprecisão suficiente para não se arriscar a indicação de uma data. Vejo o mesmo aqui. Temos vacinas de um lado e o aparecimento de novas estirpes do outro mas, neste caso, a tradicional má distribuição das primeiras poderá potenciar as segundas. Não há fim à vista. Teremos fases melhores e fases piores mas isto exige que seja encarada, e o mais rapidamente possível, a profundidade da mudança.

Sucede que a aversão generalizada ao negacionismo, o ambiente de medo e a possibilidade de uma vida através dos meios digitais, têm levado a uma postura acrítica, até indiferente, relativamente ao significado deste estágio que estamos todos a fazer para um modo novo de estar na vida. A este propósito recomendo a leitura da entrevista de Boaventura Sousa Santos à Sapo 24.

Grande parte da população mundial vive uma vida em que abdicou de muito em nome do bem colectivo. O princípio está correcto. O ponto a que chegámos é que já deve suscitar reflexão. Esta é uma afirmação muito sensível. Tem em si vários perigos: o de ser confundida com a defesa das liberdades individuais e económicas numa lógica em que, com todo o respeito, não me incluo, o de ferir a susceptibilidade de quem tem travado a tal batalha na “linha da frente” ou de quem viveu processos de perda relacionados com a covid. São apenas exemplos, há mais perigos. Espero que não seja o caso.

A reflexão deve mesmo ser feita. É uma nova forma de vida que está em causa e numa escala absolutamente global. Tornámo-nos pessoas diferentes e este processo, que pode parecer individual, é transversal e colectivo. Passou um ano. Que pessoas seremos se passarmos mais dois anos assim? Quais os efeitos que este isolamento físico terá nos adultos? E nos adolescentes? Que oportunidade está aqui criada para a prepotência de Estados sobre os cidadãos ou, pior, para o acentuar da prepotência tecnológica? Quem defende os cidadãos mais desprotegidos do exercício da autoridade, por parte das forças de segurança, que não os tratam como iguais neste processo? Não são perguntas novas mas devem ser mesmo feitas e seria importante que se tentasse efetivamente respondê-las. Não se deve confiar em quem pensa que tem consigo a verdade sobre estes temas mas deve-se sobretudo desconfiar de quem não a procura. Isto é importante.

Há tanta coisa para dizer sobre esta pandemia e os enigmas políticos, económicos, ambientais, filosóficos que ela arrasta mas hoje quero falar-vos do perigo do hábito.

Estamos feitos.

Há um aspecto no hábito que ajuda a definir o seu perigo: é que não se distingue bem o momento em que ele se instala, porque o apego não é inicialmente aparatoso, do momento em que é tão forte que já integra o que é considerado essencial para existir. Podemos pegar no exemplo de práticas que dão prazer, como fumar ou tomar café. Há ali um momento, e é certo que nunca sabemos com rigor qual foi, em que a vida passa a ser muito difícil sem a manutenção do hábito. Essa consciência acaba por chegar e não é preciso um episódio de carência. É simples. Torna-se evidente que é preciso fumar um cigarro e tomar um café e que, sem aquilo, o dia pode ser um pesadelo. O hábito das coisas que dão prazer costuma ser chamado de vício.

Quando chegamos ao hábito do que é desagradável ou penoso o fenómeno é mais interessante mas também mais terrível. Um indivíduo que viva algum tempo em circunstâncias traumáticas e penosas pode mesmo habituar-se, e ganhar apego, a elas. Os exemplos são vários e estão estudados até como quadros clínicos de que é conhecido exemplo o “síndrome de Estocolmo”. Quem padece do síndrome também nunca se apercebe do momento em que inverteu o processo e em que passou a sentir afecto pelo seu agressor ou opressor.

No filme de Pedro Almodóvar “Ata-me” a protagonista “Marina”, Victoria Abril, apaixona-se pelo seu sequestrador “Ricky”, Antonio Banderas, e depois de ter sido libertada pela irmã, volta a procurá-lo para casar com ele. Existem muitas histórias na literatura e no cinema que reflectem esta inversão de sentimentos mas quero lembrar-vos de uma, dura, que nos encaixa como uma luva: no filme “Os Condenados de Shawshank”, de Frank Darabont, encontramos a visão da ausência de liberdade e da vigilância, da repetição tortuosa de rotinas, da sucessão de dias perdidos, dos muros altos do isolamento de centenas de homens, da vida em condições miseráveis, da injustiça e da violência. É depois de várias décadas de uma vida assim que “Brooks”, James Whitmore, é libertado. Está velho e tem medo do mundo cá fora. É um homem institucionalizado. Não consegue enfrentar uma vida de liberdade e, como alguns fazem, na situação inversa em que chegam a uma prisão para cumprir uma pena longa, Brooks pendura uma corda na viga de madeira do quarto que lhe foi dado e suicida-se. Também “Red”, Morgan Freeman, sofre com a liberdade quando ao fim de trinta anos (a noção da passagem do tempo não é óbvia para quem vê o filme), e quando já não a deseja, a consegue.

É humano e isso somos todos. A nossa essência é mais do que um elemento individual e irredutível que cada um traz dentro de si, ela tem a vocação de se deixar abalroar pelas circunstâncias. Somos aquilo que fazemos muitas vezes ou transformamo-nos nisso. Está a acontecer. Há excepções, há bolsas de resistência – e tantas vezes são ingénuas aventuras por caminhos piores do que aqueles dos quais se está a fugir -, mas há sobretudo um processo de transformação em curso, um processo de normalização que traz consigo um robe e um par de pantufas. Esta pode ser também uma causa de morte. Algo morre quando isto acontece.

A força deste processo de habituação está a ser muito ajudada pela adição às tecnologias. Sim, como aos miúdos nos restaurantes, no tempo em que estavam abertos, deram-nos uns aparelhos para as mãos que nos entretêm e que deixam os nossos “pais” jantar em paz e sossego.

Lamentavelmente não será a consciência de que estamos a ficar habituados a trabalhar a partir de casa ou a não recebermos amigos ou a levarmos o dia sem calçar um par de sapatos que resolverá este problema. Desta vez não é assim. Não adianta dizer a um fumador que tem um vício, ele provavelmente já sabe e esse conhecimento não fez dele uma pessoa nova.

É insuportável imaginar a continuidade uma vida sem liberdade. Mas muito mais insuportável será quando já não sentirmos falta da liberdade, quando só quisermos segurança e sossego. Cada um saberá em que ponto está deste processo mas dificilmente alguém poderá afirmar-se totalmente excluído. “O hábito é uma segunda existência que anula a primeira” disse Blaise Pascal. Acertou tanto.

Nota: Este artigo não fala sobre os profissionais de saúde ou sobre outros profissionais que, tendo mantido o país a funcionar (levando, por exemplo, comida às casas ou trabalhando em supermercados) nem ao menos conhecem a expressão do agradecimento colectivo. Também não fala dos trabalhadores sem trabalho ou de confinados que não conseguem pagar as rendas de casa. Há quem esteja a salvo do hábito de ficar assim, a salvo de uma morte por robe e pantufas. Raio de salvamento. E quanto ao burro, morreu mesmo de fome.