quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Doomsday Clock Moves Closer To Midnight, We're 2 Minutes From World Annihilation

                               

A panel of scientists and policy experts moved their Doomsday Clock 30 seconds closer to midnight on Thursday, citing President Trump's rhetoric on nuclear weapons, environmental deterioration due to climate change and a lack of trust in political institutions.

"We are very concerned with the unpredictability of the United States and how it's thinking of its nuclear weapons," Rachel Bronson, the president and CEO of the Bulletin of Atomic Scientists, which created the clock, told NPR.

Bronson elaborated, explaining that nuclear issues took center stage this year for members of the Bulletin group, which was founded by researchers who helped build the first nuclear weapons during the Manhattan Project. At the top of their worries are advancements in North Korea's nuclear weapons program as well as "huge [nuclear] investments being made by China, Russia, Pakistan and India in particular."

On the climate change front, the Bulletin warns that "avoiding catastrophic temperature increases in the long run requires urgent attention now." The scientists urge nations of the world to significantly decrease their greenhouse gas emissions to keep climate risks manageable.

The clock, established at the start of the Cold War in 1945, has become a universally recognized metaphor, indicating the world's vulnerability to catastrophe from nuclear weapons, climate change and new technologies.

But it's never too late to turn back time, Bronson said. "There are things that we can do to ensure that it does move back, and we have to get started now."

The way to do that, she argues, is to have citizens engage with their respective governments.

In a report published Monday, scientists wrote:

"Leaders react when citizens insist they do so, and citizens around the world can use the power of the internet to improve the long-term prospects of their children and grandchildren. They can insist on facts, and discount nonsense. They can demand action to reduce the existential threat of nuclear war and unchecked climate change. They can seize the opportunity to make a safer and saner world."

The last time the clock showed humanity this close to total and utter annihilation was 1953, shortly after the U.S. decided to pursue the hydrogen bomb, a weapon far more powerful than any atomic bomb, according to the Bulletin's timeline.

"In October 1952, the United States tests its first thermonuclear device, obliterating a Pacific Ocean islet in the process; nine months later, the Soviets test an H-bomb of their own. ... 'Only a few more swings of the pendulum, and, from Moscow to Chicago, atomic explosions will strike midnight for Western civilization.' "

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Sobrevivência poética: borboletas e abelhas bebem lágrimas de tartarugas na Amazónia (com video)




Dificilmente poderíamos duvidar da perfeição da engrenagem que organiza o mundo natural. Mas além do seu impecável design, a verdade é que a natureza não se contenta em ser impecável, mas traz as suas qualidades para o mundo da estética, a mais bela de todas e incluindo nos galanteia com poesia pura.




O exemplo do que acima escrevemos é um fenómeno peculiar que foi documentado na selva amazónica. É uma fonte de nutrientes para as quais as abelhas e particularmente as borboletas recorrem: as lágrimas das tartarugas. De acordo com Phil Torres, membro do Centro de Pesquisa Tambopata, com sede no Peru, as lágrimas da tartaruga contêm altos níveis de sódio, um mineral vital que não é abundante na região amazónica.

As tartarugas obtêm grandes quantidades de sódio graças à sua dieta essencialmente carnívora, enquanto que para herbívoros a obtenção desta substância essencial é muito mais difícil. Além disso, não está excluído que as lágrimas contenham outros nutrientes preciosos, que enriquecem a dieta de insetos. E, embora ainda não esteja determinado se as tartarugas obtêm algum benefício dessa interação - além de bloquear sua visão e tornando-a fácil presa para fotógrafos - a verdade é que ela poderia ser uma das manifestações mais estéticas da simbiose.

Traduzido do artigo original Ecoosfera

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

John Lennon - sobre a evolução e esperança por um mundo melhor

Seoane de Caurel, Galicia, 2006


"A evolução e toda a esperança por um mundo melhor baseia-se numa visão destemida e profundamente apaixonada por todas as pessoas que abraçam a vida em pleno sentido comunitário" - John Lennon.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Gabriela Mistral, A Alegria de Servir (PT) . The Pleasure of Serving by G. Mistral (EN)

A Alegria de Servir por Gabriela Mistral
Toda a Natureza é um desejo de serviço.
Serve a nuvem, serve o vento, servem os vales.
Onde haja uma árvore que plantar, planta-a tu;
Onde haja um erro que emendar, emenda-o tu;
Onde haja um esforço que todos evitam, aceita-o tu.
Sê aquele que afasta a pedra do caminho,
O ódio dos corações e as dificuldades de um problema
Existe a alegria de ser são, e a alegria de ser justo,
Mas existe sobretudo, a formosa a imensa alegria de servir.
Como seria triste o mundo se tudo já estivesse feito,
Se não houvesse um roseiral que plantar, uma empresa que iniciar!
Que não te atraiam somente os trabalhos fáceis.
É tão belo fazer a tarefa a que outros se esquivam!
Mas não caias no erro de que só se conquistam méritos
Com os grandes trabalhos;
Há pequenos serviços que são imensos serviços:
Adornar a mesa, arrumar os bancos, espanar o pó.
Aquele é o que critica, este é o que destrói;
Sê tu o que serve.
O serviço não é tarefa só de seres inferiores.
Deus, que dá o fruto e a luz, serve.
Poder-se-ia chamá-lo assim: Aquele que serve
E Ele, que tem os olhos em nossas mãos, nos pergunta todo dia
“Serviste hoje? A quem? À árvore, a teu amigo, à tua mãe?”

(EN)
The Pleasure of Serving by G. Mistral
All of nature is a yearning for service:
The cloud serves, and the wind, and the furrow.
Where there is a tree to plant, you be the one.
Where there is a mistake to undo, let it be you.
You be the one to remove the rock from the field,
The hate from human hearts,
And the difficulties from the problem.
There is joy in being wise and just,
But above all there is the beautiful,
The immense happiness of serving.
How sad the world would be if all was already done.
If there was no rosebush to plant,
No enterprise to undertake.
Do not limit yourself to easy tasks.
It's so beautiful to do what others dodge.
But don't fall prey to the error that only
Great tasks done can be counted as accomplishments.
There are small acts of service that are good ones:
Decoratively setting a table,
Putting some books in order,
Combing a little girl's hair.
That one over there is the one that criticizes,
This other one is the one that destroys.
You be the one that serves.
Serving is not a labor just for inferior beings.
God, who gives fruit and light, serves.
His name could be rendered thus: He Who Serves.
And he has his eyes on our hands,
And he asks us at the close of day:
"Did you render service today? To whom?
To a tree, to your friend, to your mother?"

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Como se tornar um minimalista. Assista o documentário.


Na nossa sociedade moderna, o consumo se tornou sinónimo de sucesso. Sempre arranjamos desculpas para agregar mais e mais produtos materiais para nossas vidas. Afinal, trabalhamos tanto, merecemos “tal coisa”, certo? Mas até que ponto o consumo realmente traz felicidade? É aqui que entra a tal ideia de minimalismo.

Dois amigos de infância, Joshua Fields Milburn e Ryan Nicodemus, fizeram esse questionamento e resolveram testar a vida com pouco – muito pouco! Juntos lançaram o blog que chamaram de The Minimalists, ou Os Minimalistas em tradução livre. O objetivo é espalhar a ideia de que menos é mais, que abrir mão de bens materiais ajuda o ser humano a cultivar melhores relacionamentos e viver de forma mais significativa.

Além de economizar tempo e dinheiro, a dupla conseguiu ampliar muito o público do blog, que interagia de forma muito ativa com o conteúdo produzido. Todo mundo estava atrás de uma coisa: conselho para conseguir focar nas coisas que realmente importam na vida. Com isso, resolveram produzir um documentário, que ganhou o título de “documentário indie número um de 2016”.

Minimalismo: um documentário sobre as coisas importantes” é o nome da obra, que tem 78 minutos de duração. O filme acompanha a dupla em uma turnê para divulgar o livro recém lançado. Nas andanças pelo Estados Unidos, outras pessoas com mesmo perfil são entrevistadas, inclusive pesquisadores da psicologia que estudam as razões para as pessoas estarem em constante necessidade de consumir mais. Todos os personagens procuram significado por meio da simplicidade.
Só precisa de uma unidade de cada objeto que tem em casa. 

Arquitetos, jornalistas, viajantes, escritores, pais e empresários são alguns dos personagens que participaram no filme. Assista o trailer abaixo:

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Todos Pensam de Forma Diferente, e Muitas Vezes Efémera, por Johann Wolfgang von Goethe

Carrapateira, Aljezur, 2013
"Because there's nothing more beautiful than the way the ocean refuses to stop kissing the shoreline, no matter how many times it's sent away" ~ Sarah Kay

Cada indivíduo vê o mundo - e o que este tem de acabado, de regular, de complexo e de perfeito - como se se tratasse apenas de um elemento da Natureza a partir do qual tivesse que constituir um outro mundo, particular, adaptado às suas necessidades.

Os homens mais capazes tomam-no sem hesitações e procuram na medida do possível comportar-se de acordo com ele.

Há outros que não se conseguem decidir e que ficam parados a olhar para ele.

E há ainda os que chegam ao ponto de duvidar da existência do mundo.

Se alguém se sentisse tocado por esta verdade fundamental, nunca mais entraria em disputas e passaria a considerar, quer as representações que os outros possam fazer das coisas, quer a sua, como meros fenómenos.

Porque de facto verificamos quase todos os dias que aquilo que um indivíduo consegue pensar com toda a facilidade pode ser impossível de pensar para um outro. E não apenas em relação a questões que tivessem uma qualquer influência no bem estar ou no sofrimento das pessoas, mas também a propósito de assuntos que nos são totalmente indiferentes.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A COP 23 aconteceu em Bonn, na Alemanha



A COP 23 aconteceu em Bonn, na Alemanha, de 6 a 18 de novembro de 2017. Foram debatidas as dificuldades para a implementação do Acordo de Paris e preparou-se o Diálogo Talanoa, que deve facilitar a ampliação das metas voluntárias de emissão dos países. Projetos nacionais e grupais ofereceram melhorias pontuais em vários aspectos do combate ao aquecimento.[17]