sexta-feira, 14 de maio de 2021

Manifestamo-Nos Pela Vida! Não Aos Transgénicos, Sim À Agricultura Ecológica

Pela Biodiversidade, Contra Transgénicos, Herbicidas

E Outros Pesticidas Químicos De Síntese

 Manifesto Coletivo: Manifestamo-nos Pela Vida!

Colocado em 12-05-2021

MANIFESTAMO-NOS PELA SOBERANIA ALIMENTAR

Manifestamo-nos com indignação contra a arrogância pseudo-científica de que é necessário alterar as informações genéticas da Mãe-Natureza para que ela possa alimentar os habitantes da Terra.

Manifestamo-nos porque os alimentos transgénicos, aparentemente milagrosos, nos são impostos sem a sociedade ter sido convidada a discutir se os quer consumir ou não.

Manifestamo-nos contra as patentes aplicadas às sementes e outras formas de vida, manifestamo-nos contra a sua mercantilização por monopólios.

Manifestamo-nos porque não é por falta de alimento para todos os seres humanos que a fome persiste no mundo, pois esta é produto das desigualdades sociais e da exploração económica de pessoas e povos.

Manifestamo-nos para afirmar e exigir que a alimentação pode e deve ser saudável e a agricultura que a sustenta deve ser mais ecológica e praticada no respeito pela natureza e pelo ambiente.

Manifestamo-nos porque sempre houve alternativas para uma alimentação salubre sem a utilização de herbicidas e outros pesticidas químicos de síntese.

Manifestamo-nos para denunciar o não cumprimento da Constituição da República Portuguesa, que consagra o direito à vida, à saúde e à qualidade de vida e do ambiente.

Manifestamo-nos pela prioridade da segurança, da saúde e do ambiente sobre os interesses e pressões empresariais.

Manifestamo-nos no concreto, em Portugal, porque ao arrepio da orientação para uma maior expansão da Agricultura Biológica, vemos que, na realidade, pesticidas comprovadamente danosos para o ambiente e para a sociedade se mantêm no mercado, comercializados de forma indiscriminada.

Manifestamo-nos porque a indústria agroquímica e a indústria fitofarmacêutica dizendo promover a cura, promovem antes a doença.

Manifestamo-nos contra a negligência no cumprimento das normas reguladoras na venda e distribuição dos produtos fitofarmacêuticos, e contra o desprezo pelo princípio da precaução por parte de interesses particulares e de instâncias oficiais.

Manifestamo-nos para apelar a que os tratados de comércio internacional deixem de ameaçar a soberania e a segurança alimentar e que garantam a exclusão da importação de alimentos em que são usados pesticidas e hormonas de crescimento que são proibidos na União Europeia.

MANIFESTAMO-NOS PELA VIDA! 

AMO Portugal | BioPorto | Campo Aberto | Espaço Compasso | Espaço Musas | Nós, Cidadãos | Os Verdes – Norte | TROCA – Plataforma por um comércio internacional justo | QUERCUS | REDE STOP EU-MERCOSUL PORTUGAL 

Dia 15 de Maio às 16h00 através do link 👇
Pode ser uma imagem de texto que diz "EVENTO ONLINE pela Biodiversidade 15 DE MAIO 16H00 PELA BIODIVERSIDADE CONTRA TRANSGÉNICOS, HERBICIDAS E OUTROS PESTICIDAS QUÍMICOS DE SÍNTESE POR UMA ALIMENTAÇÃO E AGRICULTURA SAUDÁVEIS PARA AS PESSOAS E PARA O TERRITÓRIO oS VERDES -NORTE PAN DISTRITAL PORTO TROCA Plataforma por Comércio Internacional AMO BIOPORTO CAMPO ABERTO ESPAÇO COMPASSO ESPAÇO MUSAS NÓS, CIDADÃOS QUERCUS REDE STOP EU-MERCOSUL PORTUGAL"

quinta-feira, 13 de maio de 2021

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Simbiosfera: hacia otro modo de entender lo humano

La pandemia nos recordó que la Tierra no existe para ser el hotel de nuestras vacaciones. No debemos confundir el progreso humano con la explotación de los recursos naturales y para eso necesitamos más narradores del Antropoceno.


Por Jorge Carrión
El amor inmortal solo puede encarnarse en células cancerígenas. En 2014, la artista Marta de Menezes y el científico Luis Graça introdujeron genes inductores de cáncer en sus células inmunes y enamoradas. Crearon así dos núcleos esenciales de vida, dos resúmenes de sí mismos, pero condenados a no poder interactuar, porque se rechazarían mutuamente. El precio de la inmortalidad es la soledad eterna, afirma la ficción —en forma de instalación artística— Inmortality for two.

En la mortal realidad, en cambio, nunca estamos solos. Porque vivimos en la simbiosfera.

Si la semiosfera es el universo de los signos y símbolos en que todos nos encontramos sumergidos, la simbiosfera es el de las relaciones biológicas y tecnológicas del que también es imposible escapar. Un espacio planetario de relaciones múltiples e incesantes entre organismos y objetos diversos, donde lo humano no es necesariamente central. Somos tan solo una de las cerca de nueve millones de especies de seres vivos que convivimos en la Tierra.

La pandemia, con su difusión masiva de imágenes microscópicas de virus, de infografías de cuerpos humanos en situaciones de contagio y de cuadrículas de Zoom, nos ha familiarizado con la representación de nuestras innumerables y constantes interacciones, con nuestra condición simbiótica. Hay distintos tipos de simbiosis, desde las que benefician a todas las especies que se relacionan entre sí hasta las parasitarias o las destructivas. El SARS-CoV-2 nos ha recordado con virulencia ese espectro y también que la Tierra no existe para ser nuestra granja, nuestra cantera o el hotel de nuestras vacaciones.

“La capacidad para el lenguaje, la ciencia y el pensamiento filosófico nos convirtieron en los administradores de la biosfera. ¿Poseemos la inteligencia moral para cumplir con esa tarea?”, se pregunta el escritor y biólogo Edward O. Wilson en Génesis. El origen de las sociedades. Hasta ahora la respuesta ha sido no.

Debemos empezar a imaginar futuros que no sigan los patrones de los últimos siglos —o de los últimos 12.000 años, desde el Neolítico—, que no confundan el progreso humano con la explotación de los recursos naturales y el imperialismo respecto a las plantas y animales. Para ello el ser humano tiene que entender que forma parte de la simbiosfera. Que el mundo no existe para su uso y consumo y que él mismo no es solo un sujeto ni un cuerpo, una unidad estática, sino un fenómeno de alianzas y relaciones, una mutación elástica.

La crisis ha hecho llegar a los medios de comunicación de masas esa realidad, que ya había sido explorada por una de las constelaciones más importantes del arte y las narrativas de este cambio de siglo: la de los autores y artistas que se han asociado con científicos e ingenieros para trabajar los intercambios biológicos o las hibridaciones cíborg. Para representar y comunicar la simbiosfera es necesario realizar previamente otro tipo de simbiosis: entre las ciencias y las artes, las tecnologías y las letras.

Eso es lo que hace, precisamente, el filósofo y curador inglés Timothy Morton, quien pone en conversación la ecología y la teoría de la ciencia con el cine y las artes visuales para analizar nuestras interdependencias. En Humanidad. Solidaridad con los no-humanos, escribe: “En el genoma humano hay un retrovirus simbionte llamado ERV-23 que codifica las propiedades inmunodepresoras de la barrera de la placenta. Usted está leyendo esto porque un virus en el ADN de su madre evitó que su cuerpo lo abortara espontáneamente”.

Desde ese momento inicial, toda vida humana se desarrolla en simbiosis. Aunque los individuos —como la propia palabra indica—, nos percibamos eminentemente como sujetos distintos y relativamente aislados, desde el parto sobrevivimos gracias a la alianza con otras personas, con otras especies y con diversas tecnologías. Nuestro cuerpo y nuestra identidad no son autónomas, sino tramas de seres y cosas que dependen los unos de los otros.

La ampliación brutal de la conciencia de que somos partes interconectadas de un todo, aunque sea hija de la hipótesis Gaia que James Lovelock propuso en 1969 —según la cual la biosfera se comporta como un sistema autorregulado—, ya no se inscribe en el contexto de la emergencia de la política ecológica o del pensamiento new age de las últimas décadas del siglo XX, sino en la conciencia y la asunción del Antropoceno, el nuevo orden climático y la digitalización del mundo en el siglo XXI.

Por eso el histórico acuerdo al que han llegado los países miembros de la Unión Europea, para la recuperación por el impacto de la COVID-19, privilegia la ayuda a los programas económicos que estén relacionados, precisamente, con lo digital y con la transición ecológica. Y —también por eso— no es casual que una de las filósofas más leídas y respetadas en estos momentos sea Donna Haraway, quien en 1983 publicó el Manifiesto Cyborg y en los últimos años ha desarrollado una teoría del parentesco multiespecies.

En la instalación biotecnológica Symbiome. Economy of Symbiosis, las artistas Saša Spačal y Mirjan Švagelj idearon en 2016 un ecosistema armónico donde se ayudan mutuamente una planta y una bacteria. Tres años antes, junto con Anil Podgornik, construyeron una cápsula de ciencia ficción capaz de conectar a seres humanos con hongos. Se trata solamente de dos ejemplos, entre muchos más, del tipo de investigaciones que se están llevando a cabo en el campo del arte contemporáneo. “El arte es pensamiento procedente del futuro”, dice Morton en Ecología oscura. Sobre la coexistencia futura. La normalización de esos relatos transhumanos en nuestros museos, libros y pantallas nos prepara para asumirnos como seres interdependientes, trenzados, conjuntos.

Más de cinco siglos después del “hombre de Vitruvio” de Leonardo da Vinci y cerca del cuarto centenario del “pienso, luego existo” de Descartes, ha llegado la hora de cambiar el círculo individual por la red y la esfera, por el ecosistema y la comunidad. Para asumir esa realidad simbiótica es preciso que el conocimiento humano naturalice sus propias simbiosis. Por eso necesitamos más que nunca a artistas de la hibridación, a narradores del Antropoceno, a pensadores contrabandistas de saberes distintos, que realicen síntesis epifánicas, como Wilson, Menezes, Graça, Spačal, Morton o Haraway.

Solamente las convergencias entre la ecología y la política, las ciencias y las humanidades, las tecnologías y las artes pueden conducir hacia nuevas maneras de entendernos como personas y como seres vivos, en entornos cada vez más y más complejos.

*Jorge Carrión, colaborador regular de The New York Times, es escritor y director del máster en Creación Literaria y del posgrado en Creación de Contenidos y Nuevas Narrativas Digitales de la UPF-BSM. Su nuevo libro se titula Lo viral.

terça-feira, 11 de maio de 2021

Edição do genoma pode reduzir impacto da agricultura no ambiente

Num relatório, cientistas afirmam que o uso das novas tecnologias que permitem editar o genoma em plantas pode ajudar a União Europeia a garantir a segurança alimentar e a reduzir o impacto da agricultura no ambiente.


O uso de novas tecnologias que permitem editar o genoma em plantas pode ajudar a reduzir o impacto da agricultura no ambiente e garantir a segurança alimentar, segundo um relatório do grupo europeu de ética em ciências.

“O Grupo Europeu de Ética em Ciências e Novas Tecnologias (EGE) acaba de divulgar o relatório Ética na Edição do Genoma. Nele, os cientistas afirmam que o uso das novas tecnologias que permitem editar o genoma em plantas pode ajudar a União Europeia a garantir a segurança alimentar, a reduzir o impacto da agricultura no ambiente e a cumprir a Estratégia do Prado ao Prato”, lê-se numa nota do Centro de Informação de Biotecnologia (CIB) enviada à agência Lusa.

No documento, os cientistas alertaram ainda para a necessidade de criar alternativas “viáveis e sustentáveis” para assegurar a segurança alimentar, o fornecimento de recursos renováveis e salvaguardar a biodiversidade. Para o EGE, a União Europeia (UE) deve acelerar a utilização de edição de ADN no melhoramento de plantas, o que levará a uma “produção mais sustentável de alimentos”.

A edição do ADN de plantas é um processo com resultados finais semelhantes aos obtidos pelos métodos tradicionais de melhoramento de plantas, muitos deles baseados na indução de mutações com o objectivo de induzir novas características. A grande diferença reside no tempo e na precisão que são necessários para melhorar ou introduzir características específicas nas plantas”, apontou o CIB. Citado no mesmo documento, o presidente da direcção do CIB, Jorge Canhoto, referiu que a edição do genoma deve “reflectir as evidências científicas actuais, devendo a sua adopção ou não, para cada caso específico, corresponder a uma ponderada avaliação dos riscos e benefícios”.

Neste sentido, a avaliação das agências reguladoras deve centrar-se nas características da variedade em causa, nomeadamente, no que se refere à sua avaliação ambiental e em termos de saúde, apontou. O relatório em causa reconhece também o esforço na redução da utilização de agroquímicos na agricultura, mas chama a atenção que esta deve ser acompanhada por alternativas para os agricultores “manterem ou mesmo aumentarem” os níveis de produção.

“Uma estratégia deste tipo só faz sentido se a redução de agroquímicos for acompanhada pela obtenção de plantas mais aptas para sobreviver em condições de stress como aquelas que se esperam em extensas áreas do continente europeu devido às alterações climáticas”, vincou o presidente da direcção da CIB. O relatório Ética na Edição do Genoma integra um estudo que a Comissão Europeia está a realizar a pedido dos Estados-membros para aferir a segurança na utilização de novas tecnologias genómicas.

segunda-feira, 10 de maio de 2021

BES, falência e um fundo abutre. Resort Zmar “deve 60 milhões de euros ao Estado”



Os proprietários das casas privadas do empreendimento turístico Zmar, na Zambujeira do Mar, em Odemira, continuam a protestar contra o alojamento de imigrantes por causa da covid-19. Isto numa altura em que se revela que os donos do resort devem 60 milhões de euros ao Estado.

A história do Zmar cruza-se com o descalabro do BES e pesa também nas contas do Novo Banco.

O projecto nasceu como um sonho de Francisco Espírito Santo de Mello Breyner – e não, o nome não é só coincidência, faz parte da família Espírito Santo que também deu nome ao BES.

O empreendimento turístico foi inaugurado em Junho de 2009 depois de um investimento superior a 30 milhões de euros que contou com fundos públicos.

O projecto arrancou durante o Governo de José Sócrates como tendo Potencial Interesse Nacional (PIN), factor que motivou um investimento público, incluindo fundos comunitários, de mais de 7 milhões de euros.

A classificação como PIN acelerou os processos de licenciamento, mesmo que “o empreendimento se localizasse numa área natural considerada “sensível”“, como repara a revista Sábado.

A zona do Zmar integrará área pertencente à Reserva Agrícola Nacional e à Reserva Ecológica Nacional. Isto inviabilizaria qualquer construção naquela área.

A publicação repara ainda que o resort protagonizou “um dos maiores investimentos turísticos concretizados em Portugal em plena crise financeira internacional do subprime e na antecâmara do pedido de resgate internacional às contas públicas portuguesas, em 2011″.
Créditos tóxicos do Novo Banco

O projecto também obteve financiamento do BES, mas acabou a integrar os créditos tóxicos do Novo Banco após a falência da empresa que detinha o resort, a Cravex.

Foi então que o fundo norte-americano KKR comprou uma carteira de crédito malparado ao Novo Banco por mais de 2 mil milhões de euros. Esse pacote incluía a dívida de 7,3 milhões de euros da Cravex que detinha 56,6% da Multiparques a Céu Aberto, Campismo e Caravanismo em Parques, a empresa dona do Zmar.

O KKR é um dos grandes fundos-abutre internacionais, detendo uma das maiores carteiras de crédito malparado do mundo.

A Ares Lusitani, empresa detida pela HipoGes, uma sociedade do grupo KKR, acabou por comprar a maioria do capital da Multiparques.

Francisco Espírito Santo de Mello Breyner, que detinha 100% da Multiparques, ficou com apenas 43,4% da empresa.

Mas, em Março deste ano, foi a vez da Multiparques entrar em insolvência a pedido da Ares Lusitani, como reportou o Jornal de Negócios.

Entre os credores da empresa estão a AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal), o Turismo de Portugal, o Novo Banco, a Iberdola e a plataforma a Booking.com, segundo a publicação.

Licenciado como parque de campismo

A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, assegura que o empreendimento turístico deve “cerca de 60 milhões de euros ao Estado”, conforme declarações à TVI24.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, já tinha dito que o Zmar é “um parque de campismo em situação de insolvência em que o Estado é o maior credor“.

Cabrita também vincou que o resort está “licenciado como parque de campismo” e que, portanto, “dispõe de capacidade que não tem a ver com estruturas ocupadas por pessoas com direitos de permanência”.

O espaço tem cerca de 260 casas individuais, sendo que 100 pertencem ao resort e 160 são detidas por privados.

Os advogados de cerca de 120 proprietários continuam a contestar a requisição civil do Governo que pretende alojar no Zmar trabalhadores agrícolas do concelho, na sua maioria imigrantes, em isolamento profilático por causa da covid-19.

Ribeiro Telles propõe conhecer as árvores portuguesas em época de fogos


                                                        
    
"A Árvore em Portugal" é o título de uma obra de Francisco Caldeira Cabral e Gonçalo Ribeiro Telles que a Assírio & Alvim repõe no mercado num momento em que o país é assolado por muitos incêndios florestais.

A Árvore em Portugal" é o título de uma obra de Francisco Caldeira Cabral e Gonçalo Ribeiro Telles que a Assírio & Alvim repõe no mercado num momento em que o país é assolado por muitos incêndios florestais.

O livro saiu originalmente em 1960, foi reeditado em 1999 e aconselhado em diversas universidades, regressando às livrarias ano e meio após se terem vendido os últimos exemplares da tiragem anterior.

"O livro esgota-se e os responsáveis nada aprendem; é um problema de formação", lamentou Gonçalo Ribeiro Telles à agência Lusa, acrescentando que "tanto território ardido não faz sentido num país que tem um Estado".

O arquitecto paisagista criticou a incidência de incêndios e afirmou que estes podem ter como único aspecto positivo "ajudar a reordenar o território, evitando que se repitam os mesmos erros do passado".

Para Ribeiro Telles, "desde uma campanha de 1930, que visava arborizar o país com pinheiros e eucaliptos para aumentar o Produto Interno Bruto, que a mata tradicional portuguesa começou a ser prejudicada".

Na opinião do fundador do Movimento Partido da Terra (MPT), "o Alentejo, devido à presença dos sobreiros e azinheiras, naturais naquela área, é menos propenso ao fogo do que regiões como Leiria, com povoamentos de pinheiro e eucalipto".

"Existem enormes extensões florestais típicas do norte da Europa que não se adequam a Portugal, onde é cada vez mais urgente alterar a política de ordenamento do território", afirmou.

Gonçalo Ribeiro Telles defende "a recuperação da agricultura tradicional, de cariz mediterrânico, polivalente e compartimentada, aspecto que é essencial para deter o fogo".

O despovoamento do interior foi igualmente criticado pelo ex-ministro de Estado e da Qualidade de Vida, para quem importa "recuperar a complexidade do mundo rural, dando às aldeias meios de subsistência local e regional para ajudar a fixar a população".

O livro "A Árvore em Portugal" refere a importância das várias espécies na paisagem urbana e rural, indica as principais formações vegetais em Portugal continental e informa acerca da distribuição típica da vegetação.

Quais são as árvores espontâneas em Portugal? Quais as espécies características dos jardins portugueses? Como se adaptam as árvores aos vários tipos de solo? - são algumas das perguntas a que o livro pretende dar resposta.

Com vista a permitir um melhor conhecimento sobre as árvores existentes em Portugal, a obra de Francisco Caldeira Cabral e Gonçalo Ribeiro Telles, profusamente ilustrada e acompanhada de mapas e esquemas, refere ainda a utilidade das árvores nos parques e jardins, nos pomares ou nas matas.

A poesia não se serve em pratos de balança | Pedro Lamares | TEDxOPorto


Next talk Pedro apresenta a poesia como uma força contra a atual situação económica, atuando como um equilíbrio contra a austeridade e economistas a liderar a sociedade. Dizendo três poemas professando o seu amor por Portugal, a sua talk culmina com a afirmação ‘Portugal, quero beijar-te… na boca!’ 
------- 
In this talk Pedro presents poetry as a force against the current economic situation, acting as a balance opposing austerity and economists running society. Saying three poems, professing his love for Portugal, his talk culminates with ‘Portugal, I want to kiss you… in the mouth!’ 

Nasceu em 1979 e estudou música e teatro na Escola de Jazz do Porto, Universidade Católica e Academia Contemporânea do Espectáculo. Ator, professor, consultor e formador de comunicação. Actualmente apresenta o programa Literatura Agora, da RTP2, onde faz também escolha e leitura de textos. Dedica-se à leitura de poesia como um dos seus ofícios principais. 
------- 
Born in 1979 and studied music and theatre at Porto’s Jazz School, Catholic University and Contemporary Showbusiness Academy. Actor, professor, consultant and communications trainer. Currently presents the TV show Literatura Agora (Literature Now) at RTP2, where he also chooses and reads texts. He also reads poetry as one of his main activities. This talk was given at a TEDx event using the TED conference format but independently organized by a local community. Learn more at http://ted.com/tedx

domingo, 9 de maio de 2021

Os incríveis mangais!


Documentário- 9 Passos nas Terras de Trás-os-Montes


9 concelhos, 9 percursos, 9 paisagens, 9 temas da natureza para descobrir nas 4 estações do ano. 
Terras de Trás-os-Montes- O Destino Natural

Presidente da República promulga Carta de Direitos Humanos na Era Digital




O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou no sábado a Carta de Direitos Humanos na Era Digital, aprovada em abril na Assembleia da República, segundo uma nota divulgada no ‘site’ da Presidência.

A lei, aprovada em 08 de abril passado, prevê direitos, liberdades e garantias dos cidadãos no ciberespaço, mas também uma tarifa social de acesso à Internet.

A nova legislação foi aprovada em votação final global, com os votos do PS, PSD, BE, CDS, PAN, das deputadas não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues e a abstenção do PCP, PEV, Chega a Iniciativa Liberal, e resulta de dois projetos, do PS e do PAN, que apresentaram um texto comum, discutidos em plenário em outubro de 2020.

O diploma tem 21 artigos e garante direitos como o “direito ao esquecimento”, o direito à proteção contra geolocalização abusiva ou ainda o direito de reunião, manifestação, associação e participação em ambiente digital.

A lei determina que “o Estado deve promover” a “criação de uma tarifa social de acesso à Internet” para clientes economicamente vulneráveis, a existência de “pontos de acesso gratuitos” em espaços públicos como bibliotecas, jardins e serviços públicos ou ainda a continuidade do domínio “.pt”.

Ao Estado é também pedido que garanta “em todo o território nacional conectividade de qualidade, em banda larga e a preço acessível”.

São igualmente conferidas garantias de liberdade de expressão da utilização do ciberespaço e também é “proibida a interrupção intencional de acesso à Internet seja parcial ou total”.

No plano do combate às “fake news”, a lei determina que o Estado “assegura o cumprimento em Portugal do Plano Europeu de Ação contra a Desinformação” para “proteger a sociedade contra pessoas singulares ou coletiva, ‘de jure’ ou de facto, que produzam, reproduzam e difundam narrativas” desse tipo.

Está previsto que qualquer cidadão tem o direito a apresentar queixas à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) em casos de desinformação.

O diploma determina o “direito ao esquecimento”, ou seja, “o direito ao apagamento de dados pessoais que lhe digam respeito”, nos termos da lei europeia e nacional, ação em que pode pedir o apoio do Estado.