quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

Walt Patterson- analista independente sobre assuntos Energia e Ambiente

Na sua página oficial o autor disponibiliza-nos um arquivo de livros artigos, discursos e outros escritos totalmente gratuitos sob vários assuntos em Energia e Ambiente: eletricidade, poder nuclear, combustíveis fosseis, renováveis, sistemas de energia e política de energia.







Earthscan é a editora dos seus livros.





sábado, 24 de fevereiro de 2007

Thomas Tallis - "If Ye Love Me"


A ouvir Tallis, com esta interpretação e este vídeo!! Há beleza e ainda bem e muita no mundo em que vivemos.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

Andy Warhol- 20 anos (faria 79 anos)

"People need to be made more aware of the need to work at learning how to live because life is so quick and sometimes it goes away too quickly."~ Andy Warhol



Teledisco homenagem Lou Reed and John Cale - "Hello It's Me". Não consigo ouvir este tema sem chorar ou emocionar-me imenso.



"As pessoas precisam ser mais conscientes da necessidade de trabalhar em aprender a viver porque a vida é tão rápida e às vezes ela vai embora rápido demais." ~ Andy Warhol

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Fotografia da Natureza e Educação Ambiental

Desde o início da história da fotografia, o mundo natural constitui um dos grandes temas explorado pelas objectivas de amadores e profissionais. Captar a imponência de uma paisagem, a beleza efémera de uma papoila, ou o brilho astuto nos olhos de um lobo, são tudo formas de expressar o nosso intemporal fascínio pelas diversas manifestações naturais do planeta.
Texto retirado do Curso Fotografia da Natureza, promovido pela Campo Aberto e que irá decorrer entre os dias 10 e 11 de Março. Mais informações aqui

Embora não podendo estar presente no Curso, tenho uma paixão enorme pela fotografia, especialmente da Natureza.Como pequeno currículo, possuo um Curso de Oficina de Fotografia, de 50 horas, promovida pelo Centro de Formação Professor.

Depois, dedico-me à prática desta excelente actividade e à recolha de informação e formação em revistas, foruns e autores que admiro. Anos e anos, horas e horas que percorro e repito e reflicto nas suas fotografias.


Então resolvi fazer um
Dossier de Fotografia da Natureza, Fotógrafos e Educação Ambiental, daquilo que já possuo, muita da informação e autores são já minha referência, outros irei descobrindo e claro que irei actualizando o Dossier. Pena alguns autores que eu conheço não tenham site ou desenvolvam blogues. Estão apenas em livros.

A fotografia da Natureza é uma fascinante e louvável temática, em que muitas fotos são percursos de vida, pequenas histórias, muitas familiaridades e sobretudo muita sensibilidade pelo espaço, luz, seres vivos e o acto de fixar o tempo dessa composição.
Cada foto torna-se portanto um acto de Educação e de Educação Ambiental.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

História da ecologia: o trabalho pioneiro de Eugen Warming no Brasil e na Europa

Por Cláudio José Von Zuben


Quando se considera a história da ecologia, é pouco conhecido o papel de alguns pesquisadores no desenvolvimento mundial desse ramo da ciência. Dentro desse contexto, é importante ressaltar o trabalho pioneiro do biologista dinamarquês Eugen Warming, autor do primeiro livro no mundo devotado especificamente à ecologia, uma obra gigantesca intitulada Symbolae ad floram Brasiliae centralis cognoscendam   publicada em 1895. Um detalhe interessante é o fato desse pesquisador ter iniciado sua carreira no Brasil, tendo trabalhado em Lagoa Santa, a 40 Km de Belo Horizonte, de 1863 a 1866, pesquisando a vegetação da região. Seu trabalho pioneiro combinou sistemática, taxonomia, morfologia e biogeografia, sintetizando-as em uma nova ciência chamada ecologia. Ele formalizou a ideia de que uma comunidade natural é composta e caracterizada pelas espécies individuais que nela ocorrem. Eugen Warming é considerado o pai da ecologia vegetal e o fundador da ecologia nos trópicos.


Texto Completo: PDF

Quem foi Eugen Warming



segunda-feira, 19 de fevereiro de 2007

As actualizações
e nova
organização do Bioterra

Foto de João Soares, Serralves, Fevereiro de 2007


Porque considero importante estar informado, informar-me e verificar que todos os dias utilizo, leio, consulto sites,relatórios e navego na internet para efectuar pesquisas para o meu trabalho de docente, de blogueiro e formação pessoal,fico triste por ficarem apenas nos meus arquivos ou em favoritos e por outro lado, se os colocasse friamente no lado esquerdo do meu BioTerra, seriam porventura alvo de esquecimento ou de menor atenção que eles tanto merecem.Assim considero que a criação de Destaques do BioTerra e a criação de Dossiers (ricos por sua vez em informação) será uma óptima medida de não só conhecerem, divulgarem e promoverem tantas possibilidades e esperanças e projectos que veiculam em Portugal, Europa e no Mundo em geral, como de eu partilhar convosco esses saberes dessas pessoas, muitas trabalhando comigo na realidade, outras em redes e foruns que eu participo e outras ainda que graças a elas também vou progredindo e me ensinam muito.Portanto, de tempos a tempos, aviso os meus leitores a visitarem com uma certa regularidade os seguintes dossiers: Recursos úteis a todos os biólogos, Bioética Profunda e Revistas Científicas,E-Books,Bases de Dados e Relatórios (pois estou constantemente a actualizar).
As outras postagens que se encontram em Destaques no Bioterra, vão também estando atentos porque irão sendo acrescentadas e algumas melhoradas .Mas os objectivos estão sempre perto do espírito do BioTerra.

Mais uma vez a todos vós agradeço a vossa força, os vossos contributos por um mundo mais sustentável e em partilhar o mesmo sentimento de esperança que eu sinto ao ler-vos.A todos os meus amigos, mesmo os que (seja pelo que motivo for já não escrevem o seu blogue....alguns deixaram-nos para memória futura e generosidade pela simples partilha de saberes) o meu eterno obrigado.

domingo, 18 de fevereiro de 2007

A sabedoria de um homem está em usar seu sofrimento como alicerce de sua maturidade

O lamento é o suspiro dos fortes, é o alicerce da maturidade do Homem e da Humanidade. Só passando por certas perdas é que se adquire em nós essa profundidade. O resto é "capa" desta era hiper-moderna e (muito) medíocre.


Ashes and Snow by Gregory Colbert from Gregory Colbert on Vimeo.

"A sabedoria de um homem não está em não errar, chorar, se angustiar e se fragilizar, mas em usar seu sofrimento como alicerce de sua maturidade."~Augusto Cury
Ler sobre Hipermodernidade
Video retirado do projecto Ashes and Snow

sábado, 17 de fevereiro de 2007

Economia da conservação da natureza: sobre a necessidade de uma abordagem económica à constituição e gestão das áreas protegidas Portuguesas


O texto de Carlos Rio Carvalho sugere um procedimento geral para a abordagem económica da conservação da natureza em que se inclui a determinação das questões económicas subjacentes aos problemas de conservação. A análise de custo benefício (ACB) engloba no seu âmbito as políticas de conservação. Entre as suas principais limitações contam-se a fundamentação física dos input e o racional para a actualização de fluxos. Os interessados poderão descarregar gratuitamente este documento a partir do Pluridoc.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

A Natureza na Teosofia


Palestra A Natureza na Teosofia- 23 de Março de 2007
Obras de alguns dos grandes representantes da Teosofia, como Helena Blavatsky, C. W. Leadbeater e Annie Besant, foram traduzidas em português por um dos maiores nomes da nossa cultura, Fernando Pessoa, cuja poesia sofre também alguma influência dessa corrente de pensamento. Outros vultos da cultura mundial, como o grande músico russo Alexander Scriabine, o escritor D. H. Lawrence e o poeta Yeats, os pintores Mondrian e Kandinsky, foram igualmente influenciados pela Teosofia. A forma como a Teosofia vê a Natureza é o tema da terceira sessão do ciclo A NATUREZA NAS FILOSOFIAS E RELIGIÕES.
Para Saber Mais
Blavatsky Foundation

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Reorganização da Lista de Blogues Ambientais - EnviroBlogRoll

Foto de João Soares, Serralves, Fevereiro de 2007



Por questões de organização do meu blogue e porque felizmente o número de blogues de carácter ambiental têm crescido ano após ano, achei melhor fazer uma única secção, do lado esquerdo logo por baixo do Terra Viva, a qual chamei Lista de Blogues Ambientais.Foi reorganizada e estará, como é óbvio em constante actualização.Se falhar algum na lista,ou sempre que mais um blogue ambiental não conste dessa listagem avisem-me nos comentários,por favor e eu terei muito gosto em a actualizar.Bem como façam o mesmo em relação à lista dos amigos do Biotera (mais ao fundo e, também do lado esquerdo,do meu blogue).Abraços

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Pedro Bingre - as três etapas das urbanizações




Devem seguir-se as pisadas dos países mais exemplares: das três etapas das urbanizações — loteamento, infra-estruturação e edificação — estatiza-se (ou municipaliza-se) a primeira, faz-se da segunda uma empreitada de obras públicas, e privatiza-se a terceira. No Reino Unido, desde 1947, apenas os terrenos agro-florestais da Coroa britânica podem ser loteados e urbanizados; dessa forma se garante que 100% das mais-valias sejam retidas pelo Estado, e que os proprietários que percam terrenos rústicos recebam por eles o justo valor agrícola. Só assim se garante que haja liberalização do mercado de lotes edificáveis, sua redução do preço e aumento da qualidade. Por último, assim se torna desnecessária boa parte da perversa parafernália burocrática com que a administração pública tem procurado, sem sucesso, controlar os loteamentos privados. 2) Sem transparência político-administrativa não há cidadãos informados nem democracia. A quase total opacidade económica dos actos de planeamento urbanístico das entidades públicas, leva a concluir que este sector fere mortalmente a qualidade da democracia portuguesa. O mínimo que os cidadãos portugueses podem exigir aos instrumentos urbanísticos é que sejam acompanhados pela divulgação pública dos valores de todos os prédios rústicos e urbanos, antes e após a sua divulgação. Os valores dos terrenos rústicos e urbanizáveis expectantes devem ser calculados em função do uso efectivo durante a última década e não em função dos valores especulativos a que os proprietários os colocam no mercado sob a expectativa de um eventual alvará de loteamento. É preciso, que os cidadãos conheçam a valorização real dos terrenos.(retirado daqui)

Memorável a magnífica intervenção de Pedro Bingre na Ambio, em continuidade com uma entrevista dada ao Expresso, intitulada Mais-valias à espera de regras em 2005.
Outros artigos




segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

Ecocasa- Energia Eólica e Energia Solar (esclarecimentos de dúvidas)

(por lista ambio)

Como amiga do ambiente gostaria de tentar ter uma casa o máximo amiga do ambiente(ecocasa). Tenho projecto de vivenda em fase de apreciação na câmara.

Penso instalar um sistema de aquecimento das águas sanitárias para família de 4 pessoas, por paineis solares, aquecimento central por piso radiante (aquecido com energia solar e completo com gás ou bomba calor, etc.
Gostaria de ouvir a vossa opinião sobre a forma mais económica e com retorno do investimento mais rápido .
Está prevista uma lareira, fará sentido a instalação de recuperador de calor?

Em termos de produção de energia eléctrica através da eólica,tenho tentado o contacto com várias empresas mas ainda não consegui nenhuma resposta ou me mostram que é melhor eu não me meter nisso porque ainda é caro e não é viável. Será assim ou existe alguma empresa capacitada para o fazer a custos aceitáveis?
O meu consumo actual de electricidade em apartamento é de 45 €/mês mas isto sem aquecimento.

Se alguém quiser dar seu conselho agradeço.

Re1----------------------------------------------------------------------
Eu já tive uma caldeira em L instalada na lareira , em aço inóxidável e aquecia
a àguam mas a ideia de recuperador de calor é boa, outra questão importante é a
da calefacção de portas e janelas (usar tb vidros duplos) para evitar as perdas
de calor no tempo frio; por outro lado eu já vi na net uma empresa portuguesa a
vender uma eólica de 4,5 m para a instalação num prédio ou vivenda...seja como
for o melhor é fazer uma pesquisa no google sobre energias renováveis (solar
fotovoltaico, eólica)..Tb s espera para breve nova legislação q facilitará os
processo de ligação à rede da micro geração( processo q é mais económico p uma
cas já construida; no caso duma casa a construir podes pensar em instalar
paineis fotovoltaicos e mini eólica, mais a instalação de baterias p acumulação
além d conversor p 220 volts d modo a ligar electrodomesticos). Note*s q a
utilização da energia solar passiva tb conta: orintar a casa para ficar virada
para Sul...)

Re2

Vou dar uma ajuda com exemplos reais de sucesso, no entanto não vou referir empresas porque estes exemplos já tem alguns anos e por isso é natural que hoje em dia a oferta seja muito mais diversificada.
Numa casa de férias tive instalado um gerador eólico com pás de cerca de 1,2m a carregar um sistema de baterias. Isto já foi há uns bons anos por isso a instalação e desenho do sistema foi feita por pessoas não especializadas (a minha familia, basicamente). Sendo uma casa de férias o principal problema com que nos deparamos foi na manutenção das baterias pois acabavam por se estragar devido à falta de "descarga" (é como estarmos sempre a ligar e desligar o carregador do TLM sem o usarmos). A certa altura, optei por baterias "secas" pois a evaporação da água destilada era outro problema. Isto resolveu parcialmente a questão. Quando lá estava a passar férias as baterias davam-me autonomia para toda a iluminação da casa e pequenos electrodomesticos. Hoje em dia não tenho o gerador pois numa noite de ventania partiu uma das pás :( !
Ou seja, para casas com usos não continuos é conveniente montar um sistema de gestão das baterias para que estas não carreguem de mais nem de menos.

Um outro amigo meu tem uma casa (primeira habitação) onde com alguns paineis fotovoltaicos e baterias consegue ter autonomia para a iluminação e pequenos electrodomesticos o ano todo!
Na minha opinião o ideal é ter os dois sistemas (eolico e fotovoltaico). Não concordo com os pareceres que recebeu das tais empresas sobre a (in)viabilidade destes sistemas.

re3---------------------------------------------------------------------------------
Vou dar os conselhos que posso, não especificamente sobre eólicas e solar mas mais
gerais. Parto do princípio que tem arquitecto. Se tiver (e devia ter) cabe-lhe a ele,
também, uma parte significativa deste aconselhamento e desta pesquisa. Não disse
para que parte de Portugal se destina a habitação e isso teria sido importante.

1º - O pior que há a cuidar numa casa tem a ver com humidade e não com
temperatura. A humidade é que provoca doenças, deterioração dos materiais, e faz
com que a sensação de frio seja mais difícil de suportar. Paredes húmidas, águas
infiltradas, é o pior de tudo. Neste sentido há que observar bem o local de implantação
para ver se não vai construir sobre uma linha de água. As linhas de água do terreno
podem ser subterrâneas e não se verem com facilidade. Mas um arquitecto tem a
obrigação de saber analisar o declive do terreno e dos terrenos próximos, além do seu
tipo, para ter alguma ideia sobre este assunto. No entanto, na época do verão, e,
sobretudo, nestes últimos anos sem água, pode não haver indícios dela no terreno
mas vir a manifestar-se depois com tempo mais chuvoso. É sempre boa ideia
consultar as pessoas mais antigas da localidade, caso tenha dúvidas sobre o
comportamento da terra com tempo húmido.

O melhor revestimento para as paredes interiores é o estuque feito à maneira antiga,
que não é o que hoje em dia se usa mais. Este estuque absorve a humidade
excedente, fica sempre com aspecto seco.

Aliás, aparte alguma excepção, acho que os materiais tradicionais da região serão
provavelmente os melhores. Atenção que há equipas de construção que já não sabem
trabalhar com materiais tradicionais e impingem sistematicamente os processos que
para eles são mais rápidos.

2º - Tanto quanto sei (mas o que sei está pouco actualizado no que respeita a
materiais actuais) os materiais isolantes também podem evitar o arejamento
conveniente da casa. Em qualquer situação (se a casa fosse minha era isso que
achava) o mais importante tem a ver com arejamento, porque a casa precisa de
respirar. Os nossos corpos libertam humidade para além daquela que provocamos na
cozinha ou na casa de banho.

3º - A questão da temperatura (logo do ambiente) passa por evitar tudo o que são
pontes térmicas. Há um processo de construção que é muito comum usar em que uma
das paredes (em paredes duplas) de tijolo passa por fora dos pilares, tapando-os face
ao exterior e, assim, evitando o contacto directo com o interior através do pilar. Isto
provoca paredes mais grossas do que é normal (actualmente) e, eventualmente, uma
laje mais saliente que os pilares. Foi assim que construí a minha casa e nunca me
arrependi.

Quanto mais vidro tiver (mesmo que seja duplo) maiores serão as amplitudes térmicas
nas salas correspondentes. Os tradicionais alpendres, virados a sul ou a poente, as
palas, as árvores de folha caduca à frente da casa, são óptimas formas de evitar o sol
no verão e de o fazer entrar no Inverno. Mas, como já fez o projecto, pouco poderá
alterar. E, note bem, no projecto e na definição de materiais, está uma boa dose do
equilíbrio térmico da casa. O princípio essencial para manter a temperatura de uma
casa está na relação entre a superfície exterior (paredes e cobertura) e o volume de ar
interior. Quanto menor for a extensão da superfície menos trocas se fazem com o
exterior e quanto maior for o volume de ar maior será a inércia térmica. Seguindo esta
ideia o cubo é a forma ideal.

Note também bem: A questão da sensação de frio e de calor, é subjectiva. Varia
consoante o grau de humidade. Além de que varia muito consoante os hábitos de vida
dos seus habitantes. O melhor para enfrentar o frio e o calor é aceitar que são coisas
naturais e que o nosso corpo tem a capacidade de lidar com amplitudes térmicas. É
aqui que devia começar o “ambientalismo”. Essa é a minha opinião e já a tenho
comunicado frequentes vezes nesta lista.

Para além de tudo o que possa incluir, na construção da casa, ambientalmente
correcto – painéis solares, eólicas, recuperadores de calor (a lareira simples não é um
aquecimento eficiente) – deve capacitar-se que cada casa tem zonas e que haverá
sempre uma zona mais fresca, boa para os dias de verão, e outra mais quente, boa
para os dias de Inverno.

Pela razão acima, as casas antigas, em que o espaço não era um problema de
dinheiro, tinham mais do que uma sala de estar. Lembro-me que na casa dos meus
avós era hábito mudar a localização dos quartos e salas consoante as estações de frio
ou de calor. Isto dentro de Lisboa numa casa imensa claro está. Sei que não é hoje
comum abordar a habitação enquanto espaço espacialmente mutável. Porque há a
limitação constante das áreas.

Mas a polivalência dos espaços é muito importante para esta coisa do frio e do calor.
Porque permite “fugir” para as zonas mais frescas da casa no verão ou para as mais
quentes no Inverno. Cada casa tem sempre uma zona melhor para cada estação do
ano.

O problema fundamental da temperatura é querermos tudo:

A – que os nossos corpos não tenham o trabalho de se adaptar (e esta preguiça
pagamos caro com a doença)

B - que os nossos corpos vistam o vestuário da moda, frequentemente pouco ajustado,
na forma como nos materiais, às temperaturas extremas. A lã pura já caiu em desuso
assim como as fibras naturais são constantemente suplantadas pelas artificiais. E é
sabido que os sintéticos não proporcionam o mesmo grau de arejamento e/ou de
aquecimento.

C – que cada espaço da casa esteja “bem” em todos os dias do ano.

Com estas exigências máximas torna-se difícil, na minha opinião, manter a utilização
dos materiais e da energia em níveis, de facto, ambientalmente sustentáveis. O que se
faz é protelar a entrada no abismo...

Pode encontrar mais informação, e melhores, neste documento Arquitectura Bioclimática(pdf)

Agradeço esta postagem a Dulce Neto, Paulo Andrade e Tiago Pais e Manuela Soares

domingo, 11 de fevereiro de 2007

Receitas Vegetarianas

Algumas Receitas


Tofu italiano:

Ingredientes (para 4 pessoas):

1 cebola picada
2 dentes de alho
2 colheres de sopa de óleo
500 gramas de tofu cortado em cubinhos
100 gramas de milho
300 gramas de ervilhas (pré-cozidas)
1/2 colheres de chá de orégãos
1/2 colher de chá de alho
500 gramas de molho de tomate
1 chávena de azeitonas pretas

Preparação:

Frita a cebola, o alho e o tofu no óleo durante 5 minutos. Adiciona os restantes ingredientes.
Cozinha durante 10 minutos e vai mexendo ocasionalmente.
Serve com esparguete ou outra massa à tua escolha.


Massa chinesa com vegetais:

Ingredientes:

200 g de massa chinesa ou esparguete fino
8 colheres de sopa de azeite
200 g de rebentos de soja
2 cenouras cortadas em tiras fininhas
1 talo de aipo cortado fino
½ pimento verde cortado em tiras fininhas
1 cebola média, cortada em tiras fininhas
1 colher de sopa de molho de mostarda
4 colheres de sopa de molho de soja
Sal e vinagre q.b.

Preparação:

Coze a massa em água e sal sem a deixar ficar muito mole. Escorre bem a água e introduz a massa no azeite quente (4 colheres de sopa), mexendo durante
alguns minutos, de modo a que a massa fique um pouco dura.
De seguida, escalda os legumes em água bem quente alguns minutos, e escorre bem a água. Numa frigideira coloca o restante azeite e introduz os legumes, que acabarão de cozinhar em lume brando até ficarem tenros.
Mistura a massa chinesa com os legumes e envolve bem.
Depois faz um molho com a mostarda, o molho de soja, o vinagre e o sal. Mistura este molho na massa com os legumes. Serve de imediato.


Bolinhos Falafel:

Ingredientes (para cerca de 20 unidades):

250 g de grão-de-bico deixado de molho, no mínimo por 24 horas
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de cominhos
1 colher de chá de coentro
1 cebola picada
2 dentes de alho amassados
pimenta do reino a gosto
2 batatas cruas médias
azeite (para fritar)

Preparação:

Leva à picadora todos os ingredientes. Mói tudo até formar uma massa homogénea e naturalmente húmida
Molda pequenos bolinhos e frita-os em azeite não muito quente.
Sugestão: Serve quente com o molho de tahina.


Bolo de Cacau:

Ingredientes (para 16 porções):

Bolo:
1/4 de chávena de cacau em pó (não adoçado)
1 1/2 chávena de açúcar
1 colher de chá de sal
3 colheres de chá de fermento
1/2 chávena de óleo
1/2 copo de água
3/4 de copo de leite de soja
65 g de tofu - amassado com garfo
3 chávenas de farinha de trigo


Cobertura:
2 1/2 chávena de açúcar
1/8 de chávena de cacau em pó sem açúcar
1 tablete de margarina vegetal derretida

Preparação:

Bolo:
Pré-aquece o forno a 180º. Unta duas formas médias e polvilha com farinha.
Bate na batedeira o cacau, o açúcar, o sal e o fermento. Adiciona o óleo, a água, o leite de soja, o tofu e bate até formar uma mistura cremosa.
Adiciona a farinha devagar, às colheradas. Coloca a massa nas formas e assa durante cerca de 30 minutos. Espera arrefecer completamente antes de colocar a cobertura.

Cobertura:
Num recipiente médio combina todos os ingredientes, mistura até ficar cremoso e coloca no bolo.
Nota que a massa tem duas camadas que serão unidas pela cobertura. Se quiseres aumenta a receita da cobertura e barra em todo o bolo.


Risotto de cogumelos

Arroz basmati
Cogumelos brancos frescos (3 embalagens, inteiros)
Vinho tinto de boa qualidade (um copo mal cheio)
Ervas provence
Cebolas (2/ 3)
Alho (4)
Azeite
Sal
Pimentão doce
Pimento laranja ou vermelho (opcional)
Natas de soja (há no continente e outros hipermercados, as normais não servem)
Queijo mozzarela ralado
Queijo parmezão em pó (opcional)

Preparação:

Cozinhar numa frigideira os cogumelos cortados com os restantes ingredientes (menos as natas e o queijo) lentamente, em lume brando. Fazer à parte o arroz basmati cozido só com água e sal (não deixar cozer demais).
Misturar os cogumelos com o arroz, as natas e o queijo numa assadeira e levar ao forno.


Caril de grão de bico

2 latas grão de bico
3 tomates bem maduros
polpa de tomate
3 cebolas
4 alhos
caril
pimentão doce
gengibre em pó
cominhos
especiarias asiáticas
ervas provence
sal
azeite
vinho quanto baste

Preparação:

Cozinhar numa panela as cebolas, alhos, tomates e especiarias. Juntar o grão de bico quando a cebola estiver cozida. Acrescentar novamente as especiarias. Servir com arroz basmati cozido só em água e sal.


Feijão preto

2 latas feijão preto (o melhor é o do Lidl)
3 cebolas
4 alhos
1 pimento laranja, amarelo ou vermelho
1 chouriço ou farinheira de soja (à venda em lojas de produtos naturais/ervanárias)
vinho qb
ervas provence
gengibre em pó
pimentão doce
azeite

Preparação:

(não juntar sal porque o feijão e chouriço já têm) cozinhar as cebolas, alhos e pimento com o chouriço cortado aos pedacinhos e o molho das 2 latas de feijão. Quando a cebola estiver cozida juntar o feijão e deixar cozinhar mais um pouco. Servir com arroz vaporizado (o do Lidl também é muito bom) cozido com cebola, alho e salsa.


Picado de soja

1 pacote de soja granulada fina ( a mais pequenina)
3 cebolas grandes
5 alhos
1 pimento laranja ou vermelho
alho francês
3 tomates maduros
polpa de tomate
cogumelos laminados
azeite
vinho qb
cominhos em pó (bastantes)
pimentão doce
salsa
ervas
gengibre
tomilho

Preparação:

Deixar a soja de molho mais ou menos 20 ms em água morna. Enquanto isso cozinhar os restantes ingredientes lentamente. Quando a cebola estiver cozida juntar a soja bem escorrida da água em que esteve de molho, mais polpa de tomate e especiarias e deixar cozer bem, lentamente e em lume brando. Mexer sempre. Quando estiver pronta pode-se congelar em doses. Com este picado pode-se fazer empadão, massas, pastéis, rissóis, etc. É muito mais saboroso e barato do que carne picada e é cruelty free!

Várias Receitas Vegetarianas

Liga Portuguesa dos Direitos dos Animais

Centro Vegetariano

sábado, 10 de fevereiro de 2007

Dossier Terra Geográfica

ATENÇÃO © Copyleft - É permitida a partilha do dossiê exclusivamente para fins não comerciais e desde que o autor e o BioTerra sejam citados.


Não esqueças de visitar regularmente este espaço para manteres-te actualizado!

Sítios
Cartas Militares
Catálogo de Nuvens
Countries of the World
Geografia (Wikipedia)
Geography 4 kids
Mais Geografia
Meteo Alarm Europe
Movimento de Extinção Humana Voluntária
Physical Geography (Wikipedia)
Portal Wiki de Geografia
World Geography
World Meters
Population Index
Population Reference Bureau

Mapas interactivos/3D
3D Cities
3D Entre Douro e Vouga
3D Funchal
3D Lisboa
3D Marvão
Caminhos de Évora
Descubre Galicia (ES)
Earth Observatory NASA
ESA - Earthnet Online
Flash Earth
GlobeXplorer
Google Earth
Google Maps
GéoPortail (FR)
Lisboa 3D
Lisboa Comercial
Live Local
Map24
Mapa Interactivo do Concelho de Albufeira
Mapa Interactivo do Concelho de Lagoa
Mapa Interactivo do Concelho de V.R. Sto António
Mapas Clix
Mapas Interactivos do Algarve
Mapki
MapMyName
Multimap
IBGE - Paises
Rio Janeiro Virtual (BR)
SITAR (ES)
Street View (NOVO)
Tagzania
Via Michelin
Wikimapia
Woophy Map
WorldProcessor
Worldmapper
World Wind

Mapas temáticos/Atlas
Atlas da AML
Atlas de Portugal
Atlas do Ambiente
Atlas do PNSC
Atlas of the Biosphere
Bio Mapping (NOVO)
David Rumsey Map Collection
GeoHistory
Mapa da Corrupção Urbanística
MapQuest.Com
Maps of World
Earth Album
Flickr Maps
Maps Google
Mapas IGEO
Seterra (Jogo Educativo)

Associações
Associação Portuguesa de Demografia
Asociación de Demografía Histórica
AIG - Associação Insular de Geografia
APAI - Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes
APDR - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional
APGEO - Associação Portuguesa de Geógrafos
APPLA - Associação Portuguesa de Planeadores
do Território

APROFGEO - Associação de Professores de Geografia
European Geography Association
European Regional Science Association
GEO - Group on Earth Observations
Guia Virtual de Ciências Sociais do ICS
ISoCaRP - Sociedade Internacional de Planeadores Regionais e Urbanos
Latitude 60
Regional Studies Association
Royal Geographical Society
Sociedade Geografia de Lisboa
União Geográfica Internacional

Faculdades/Institutos
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNLisboa
Faculdade de Letras da UPorto
Instituto de Ciências Sociais da ULisboa
Instituto de Ciências Sociais da UMinho
Instituto de Estudos Geográficos da UCoimbra
IGEO- Instituto Geográfico Português
IGAT- Inspecção Geral da Administração do Território

Departamentos/Cursos
Dep. Ambiente e Ordenamento da UAveiro
Dep. Arquitectura, Urbanismo e Geografia da Lusófona
Dep. de Geociências da UAçores
Dep. de Geociências da UÉvora
Dep. Geografia da ULisboa
Dep. Geografia da UMinho
Dep. Geografia da UPorto
Dep. Geografia e Planeamento Regional da UNLisboa
E.P.C.G - Escola Profissional de Ciências Geográficas
Lic. Engenharia Geográfica da FCT UCoimbra
Lic. Gestão do Ambiente e do Território da UAtlântica
Secção de Geografia da UAçores

Centros de Investigação
C.E.G. - Centro de Estudos Geográficos da ULisboa
C.E.G.C - Centro de Estudos Geográficos da UCoimbra
C.E.G.E.D - Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento da Lusófona
Centro de Estudos e Formação Autárquica
C.I.G.A. - Centro de Investigação em Geociências Aplicadas da UNLisboa
C.I.G.P.T - Centro de Informação Geográfica e Planeamento Territorial da UAçores
Centro de Geofísica de UÉvora
Centro de Investigação da UAtlântica
Centro de Vulcanologia da UAçores
e-GEO - Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional da UNLisboa
G.E.D.E.S. - Gabinete de Estudos de Desenvolvimento e Ordenamento do Território da UPorto
N.E.P.S. - Núcleo de Estudos de População e Sociedade da UMinho
N.I.G.P. - Núcleo de Investigação em Geografia e Planeamento da UMinho
OBSERVA - Ambiente, Sociedade e Opinião Pública

Associações Estudantes
GeoPlanUM - Associação de Estudantes da UMinho
GeoUE - Núcleo de Geologia da UÉvora

Revistas/ Publicações
ACE (ES)
ACME- An International E-Journal for Critical Geographies
Boletim da SBC (BR)
CAD Project - Revista para CAD/CAM/CAE e SIG
Campus Social - Revista Lusófona de Ciências Sociais
Ciências & Cognição (BR)
Micrográfico
Revista electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Universidad de Barcelona
Mundo Geo

Geo TV
Canal 24 Horas
Geo & Geo(Ambiente, Geografia Humana e Física)- Rai Tre
Arte- Le Dessous des Cartes(Geografia histórica, política, económica e social)
RTP2 - O Meu Bairro (Geografia(s) Humana(s)
SUISUI - Hydrological Research Letters

Documentários
Crude: The Real Price of Oil
Pare, Escute e Olhe
Sobrevivendo ao Progresso

Investigadores/ Pensadores
Álvaro Cidrais
David Harvey
Lúcio da Cunha
Luís Moreno
Miguel Araújo

Dossiês Bioterra relacionados
Alterações Climáticas
Artes
Austericídio
Blogosfera Ambiental
Ciência
Bioética
Corrupção vs Transparência
Eco-Activismo
Ecofeminismo
Ensino
Filosofia
Justiça
Liberdade
Nanotecnologia
Naturismo
Nuclear
Paz
Permacultura
Povos Indígenas
Publicidade
Saúde Ambiental
Sustentabilidade

Blogues
Adriano Hantequeste Gomes
Antárctico 60-blogue do aluno João Melo
Blog do LabGeo
Developing Areas Specialty Group
Geografia das Curvas
Geographus
Geografia en Bicicleta
Geografia na Rede
Geografias
Geografiqland
GeoInformação Online
Geopensar (Lídia Mendes)
Geopoetas
Georden
Google Earth
Imprompto
Inovação e Inclusão
Mais Uma Aula
Metsul
Na aula de Geografia
Orientação Geográfica
Pensamentos Geográficos
Registos Geográficos

NOVA ATENÇÃO © COPYRIGHT-  Ao partilhar, agradeço atempadamente a indicação do autor e do meu blogue Bioterra. Estes dossiês resultam de um apurado trabalho de pesquisa, selecção de qualidade e organização.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

Ode à Montanha, por João Soares

Ode à Montanha


Majestosos pináculos de pedra e neve
Onde sobem mais que as nuvens azuis do céu
Nascentes de vulcões, de água e de flores
Trono de rochas e ventos

Ar dentro das florestas e em nossos pulmões
Nudez da alma
Historia do livro
Aberto da Terra

Joao Soares, 6 de Fevereiro de 2006



Um Dossier sobre Montanhas foi criado, estará sempre em actualização e está no lado esquerdo do Bioterra na secção Dossiers do Bioterra

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Pequeno E-Livro completo (em Inglês) que pode ser muito interessante para quem trabalha em ONG

Political Activities of NGOs: International Law and Best Practices
International Center for Not-for-Profit Law1
I. Introduction

In many countries around the world, government leaders are speaking out against the engagement of non-governmental organizations (NGOs) in “political activities” and thereby seeking to justify legal restrictions imposed on the NGO sector. In recent years we have witnessed restrictive laws and regulations proposed or enacted in several countries including Azerbaijan, Belarus, Ecuador, Ethiopia, Kazakhstan, Uzbekistan, and Venezuela, among others.2

This trend is not new. Since 2005, former Russian President Vladimir Putin has commented on several occasions about how inappropriate it is for NGOs to engage in political activities. Many of these statements were made in conjunction with the drafting and enactment of the Federal Law of the Russian Federation # 18-FZ “On Introducing Amendments to Certain Legislative Acts of the Russian Federation” (“Russian NGO Law”), dated January 10, 2006, which substantially expanded the Russian Government’s authority to audit NGOs, amongst other restrictions on NGOs’ activities. In his statements, Mr. Putin expressed special concern regarding foreign funding of any political activity in Russia, and insisted that any such funding must come under state control:

I object categorically to foreign funding of political activity in the Russian Federation. I object to it categorically. Not a single self-respecting country allows that and neither will we.3
The ongoing funding of political activity in Russia from abroad, I think, must be on the state's radar screen, especially if this funding ... comes through the state channels of other countries, and ... organizations operating here and involved in political activity are, in essence, used as foreign policy instruments by other states.4


Notably, in June 2009, the newly elected Russian President Medvedev supported amendments to the NGO Law, removing several restrictive provisions, including some aiming to restrict the political activities of NGOs.5 Nonetheless, recently proposed legislation in neighboring countries seems to reflect ongoing uncertainty regarding NGO engagement in “political” activities. To cite but two examples from recent months:
  • In March 2009, the Kyrgyz Parliament began consideration of the draft Law “On Amendments to Several Legislative Acts of the Kyrgyz Republic” (“Kyrgyz draft NGO Law”). The Kyrgyz draft NGO Law sought to prohibit NGOs from engaging in any “political activities.” The term was not defined, and, therefore, NGOs were concerned that it would be interpreted broadly so as to prohibit an individual from participating in a town hall meeting on behalf of an NGO, or even bringing to the public’s attention alleged corruption by a government official. Fortunately, just prior to the draft being scheduled for consideration by Parliament, the Kyrgyz President withdrew support of the draft Law, and we hope that it will eventually be withdrawn from the Parliament’s agenda.6
  • In June 2009, the Azerbaijani Government introduced amendments to the Law on Non-governmental Organizations (Public Associations and Foundations) (hereinafter, “Azerbaijani NGO Law”).7 The amendments to the Azerbaijani NGO Law stated that “the charters of NGOs shall not contain functions which belong to state or municipal authorities, allow interference into the activities of these authorities, or provide for engaging in state control or supervision,” effectively preventing NGOs from performing watchdog functions over public offices, criticizing the government, or performing other “political activities.”
Of course, many NGOs operating in the former Soviet Union are troubled by governmental efforts to restrict their activities, because they fear that these restrictions might prevent them from implementing their core statutory activities, such as representing the interests of members, participating in public debates on various issues, or serving as watchdogs over the government’s actions. As a result, ICNL has been requested to provide comparative information on the issue of NGO engagement in political activities. We have reached out to some of the world’s leading experts to assemble a compilation of reports on how the legal framework in other countries addresses the question of NGO engagement in political/legislative/advocacy activity. The goal of the paper is to enable our colleagues and partners to analyze regulatory restrictions, whether proposed or in force, against a broader background of international practice.

This paper consists of five sections. Following Section I (Introduction), Section II contains a brief overview of international law and its applicability to the issue. Section III presents a comparative perspective on regulatory approaches toward political activities, in summary form. Section IV then contains a series of brief reports on NGO engagement in political activities from six countries: Canada, England and Wales, France, Germany, Hungary, and the United States – all countries with recognized democratic traditions, but with very different legal traditions and diverse regulatory approaches towards NGOs and their activities. Section V concludes by identifying some common regulatory approaches or best practices relating to this sphere, and based on Anglo-American-European practice.

II. International Law

The Universal Declaration of Human Rights8, a U.N. General Assembly resolution, and the International Covenant on Civil and Political Rights (ICCPR)9, a treaty ratified by more than 150 countries around the world, recognize that all individuals possess the rights to freedom of opinion and expression, and freedom of peaceful assembly and association. According to these widely respected international pronouncements, both rights may be limited in conformance with the “interests of national security or public safety, public order, the protection of public health or morals, or the protection of the rights and freedoms of others”10 in a democratic society.

The European Convention on Human Rights and Fundamental Freedoms (ECHR), which is applicable to all members of the Council of Europe – including Russia, Ukraine, Moldova, Georgia, Azerbaijan, and Armenia – also protects the freedoms of expression (Article 10) and association (Article 11). The European Court of Human Rights, in considering the scope of Article 11, has expressly held that Article 11 applies to individuals and their right to form political parties and associations, and that once formed, these organizations are deserving of the Convention’s protections.11 Like the ICCPR, the European Convention also defines a limited list of legitimate government interests that may justify restrictions on fundamental freedoms. A government that restricts the exercise of these freedoms must demonstrate why interference is ‘necessary in a democratic society’ to achieve legitimate state interests, which include the interests of national security or public safety, the prevention of disorder or crime, the protection of public health or morals, or the protection of the rights and freedoms of others.12

Restrictions imposed against NGOs for reasons of limiting “political activity” are not clearly and necessarily justified as supporting a legitimate government interest under the ICCPR or ECHR. If defined to include criticism of governmental policy, for example, then the restrictions on political activity would likely be impossible to justify. The freedom of expression articles include the right to make opinions known and to join public debate, and to provide and receive information; it protects not only inoffensive ideas but also those that “offend, shock and disturb”, since pluralism is essential for “democratic society.”13 The issue turns, of course, on what is meant by “political activity.” Vague, ill-defined restrictions against political activity, however, are almost certainly in violation of international law.

III. Political Activities: A Comparative Perspective

The term “political activity” is subject to multiple interpretations and meanings. In the broadest sense, most NGO activities have implications for public policy. Depending on the context, “political activity” could be defined narrowly or broadly to include supporting or opposing candidates for public office, supporting particular political parties, lobbying for or against specific laws, engaging in public advocacy, pursuing interest-oriented litigation, or engaging in policy debate on virtually any issue.

Restrictions on political activities of NGOs depend to a certain extent on the system of law in each country. Countries with a common-law tradition tend to classify NGOs on the basis of charitable or public benefit purposes. For those NGOs classified as charitable, common-law countries tend to restrict their ability to engage in public policy or political activities because such activities are perceived to be inherently partisan, and thus in actual or potential conflict with the public benefit purposes of the NGO. Furthermore, public policy activities should not be improperly subsidized so that they undermine the justification for tax and other related benefits. Where public benefit is not the primary purpose of the NGO, common-law countries tend to be less restrictive.

In England & Wales, for example, a charity can never be formed for the primary purpose of engaging in political activities and can never support a political party or candidate. A charity may, however, engage in some political activities (such as lobbying activities), if the activities relate to the charity’s specific purposes or to the well-being of the sector generally, and if these political activities are not the main reason for its existence. Other NGOs (that is, non-charitable NGOs) are free to engage in political activities. Canada and Ireland have both adopted similar regulatory approaches. Limits on political activities apply only to charities (and not to non-charitable NGOs). In the case of Canada, a charity may engage in political activities, provided that they are “ancillary and incidental” to the organization’s charitable activities and “do not include the direct or indirect support of, or opposition to, any political party or candidate for public office.” In Ireland, charities may undertake ancillary political activities, such as advocacy or consultation on law reform, in order to further their primary charitable purpose.

In the United States, the scope of permissible public policy activities for NGOs is directly related to their statutory purposes and actual activities. Charitable organizations falling under the reach of the Internal Revenue Code 501(c)(3) cannot dedicate a substantial part of their activities to carrying on propaganda or otherwise attempting to influence legislation, and are prohibited from becoming involved in political campaigns for public office. Within the boundaries of this limitation, 501(c)(3) charities are allowed to spend a limited amount of money to influence legislation, and can always publicize the results of nonpartisan research or provide technical assistance to legislative bodies. Other categories of NGOs, such as civic leagues or business leagues, regulated through other I.R.C. sections, face no such limitations.

In sum, in most common-law countries, the boundaries of allowable “political activities” are defined based on the same general regulatory approach. First, the restrictions apply only to charities or tax-exempt organizations (and not to all categories of NGOs). Second, certain kinds of activities, including the direct or indirect support of, or opposition to, any political party or candidate for public office, are strictly prohibited. Third, other kinds of activities, perhaps better phrased as public policy activities, which include attempting to influence legislation or lobbying, are permissible within certain limits (e.g., must be ancillary to the organizational purposes, must not be a substantial part of the activities, etc.). The precise contours of what is permissible and what is not can be controversial within any national context. For example, the courts in Canada have consistently expanded the notion of what is meant by the term “political activities,” making it difficult to distinguish between education, advocacy, and political statements.14 Moreover, in the United States, the Internal Revenue Service’s (IRS) approach to enforcing the ban on partisan activities by charities and religious organizations has raised serious questions about the agency’s interpretation of the law.15

Civil law countries typically follow a more permissive regulatory approach regarding political activities. As a general rule, there are no specific provisions regarding political activities of NGOs in the civil codes. Countries including France, Belgium, Holland, Finland, Italy, Spain, Germany, Switzerland, and Denmark place no restraints upon the public policy activities of NGOs. In fact, some civil law countries actively encourage NGOs’ political activities. In Belgium, for example, there is an explicit right entitled “droit de critique” (right to criticize) which permits associations to use all legal means to defend interests and ideas of organizational objectives. Political parties in Germany set up foundations specifically for the purpose of channeling resources into partisan activities. And in Switzerland, associations mobilize and represent citizens in the political decision-making process.

restrictionsare sometimes imposed through the tax or administrative law to limit the scope of political activities, especially where the NGO is pursuing public benefit or tax-privileged purposes. In Germany, for example, tax-privileged purposes do not include political activities. Tax-exempted organizations may not act as direct supporters of political parties; they are not allowed to support or campaign for political parties or their political representatives.16 In France, while nothing in the codified law prevents a public benefit organization (public utility association or public utility foundation) from engaging in political activities, a decision of the Conseil d’Etat clarifies that organizations with a primarily political purpose, such as engaging primarily in political advocacy, cannot be recognized as public benefit organizations.

EU Member States, the regulatory framework for NGOs and political activities is similarly permissive, with restrictions typically linked either to direct financing of political parties, or applicable only to those NGOs receiving state support. Poland presents perhaps the most permissive framework: Polish law explicitly gives associations the right to engage in almost any political activity, even participation in electoral campaigns (through special elective committees). In Slovakia, associations are similarly free to engage in a range of political activities, including endorsing candidates, lobbying, and even contributing to political campaigns; foundations, however, are restricted from financing political parties. In the Czech Republic, while associations cannot be founded for political purposes, they can lobby, endorse candidates, provide information and advocate; foundations, as in Slovakia, cannot provide financial support to political parties but can lobby, endorse candidates, provide information, and advocate. In Hungary, NGOs are free to lobby, nominate or endorse candidates, and provide information and financial support to political parties. Restrictions arise only for public benefit organizations (that is, those NGOs with public benefit status and preferential tax benefits), which are prohibited from engaging in direct political activity, such as nominating candidates for national elections or funding political parties.

Thus, in the European civil-law context, legislation generally recognizes NGOs as key participants in framing and debating issues of public policy, and like individuals, they have the right to speak freely on all matters of public significance, including existing or proposed legislation, and state policy and actions. Likewise, NGOs generally have the right to criticize or endorse state officials and candidates for political office. They also usually have the right to carry out public policy activities, such as education, research, advocacy, and the publication of position papers. In some cases, however, NGOs (or at least certain categories of NGOs, such as foundations or public benefit organizations) are prohibited from engaging in “party political” activities, such as nominating candidates for office, campaigning, or funding parties or political candidates. As compared to common-law countries, therefore, civil law countries take a more permissive approach, restricting NGOs from engaging in only a narrowly defined range of political activities.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Educação Waldorf


Steiner Waldorf
Uma pedagogia alternativa. Uma formação com mais liberdade e em harmonia com a Natureza, saudável para o corpo, a alma e o espírito.
Esta semana de forte e justa contestação de muitos trabalhadores da função pública, pela defesa dos serviços públicos e pelo combate às injustiças, à precariedade, ao agravamento do desemprego, encerramento arbitrário e fusões de escolas, clivando mais as condições de acesso a bens colectivos e acentuando ainda mais a pobreza no nosso País...vale a pena conhecer e promover a pedagogia de Waldorf.



Mais informações:
14.900 entradas no Google

Biografia, feita por alunos

Crónica
A edição do mês de Junho de 2007 do Le Monde de l’Éducation contém um dossier sobre a escola ecológica, ou mais propriamente sobre como fazer dos estabelecimentos de ensino verdadeiras escolas ecológicas. Desde os projectos pedagógicas às cantinas bio, passando pelos materiais utilizados nos edifícios e pelas fontes próprias de energias alternativas da própria escola a serem aproveitadas, o dossier constitui um bom repositório de ideias e sugestões de carácter ecológico com vista à formação de futuros eco-cidadãos.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

Lanza del Vasto - criador do movimento Communautés de l¹Arche



Comunidade de l'Arche
Lanza del Vasto é o fundador. Famílias cristãs vivem juntas na antiga Abadia de Santo António, que continua a ser restaurada. É um lugar de grande beleza, que atrai os turistas. Cada família tem o seu apartamento. Os jardins da Abadia parecem-me um paraíso. No horizonte perfilam-se as montanhas de Vercors.
A comunidade de l'Arche é muito apegada à não violência e ao respeito pela natureza. Seguindo um regime vegetariano, como não podia deixar de ser. A oração tem o seu lugar.
Todos os dias tomo o pequeno-almoço com uma família e o jantar com outra. Isto permite-me travar conhecimento com alguns jovens. Jovens que me parecem distantes em relação à comunidade de l'Arche e indiferentes à religião. As suas preocupações são outras. A Abadia de Santo António está longe dos centros e das universidades. Ao meio-dia há a refeição comunitária. Sobre uma grande mesa são servidas travessas de legumes e frutos. Cada um se serve. As bebidas são água ou chá.
Fonte:Partenia



Vida e Obra de Lanza del Vasto(wiki)
Arche de Lanza del Vasto
Communauté de l'Arche de Saint-Antoine l'Abbaye

domingo, 4 de fevereiro de 2007

Objectivos do Milénio em Portugal- vídeo campanha

No ano 2000, 189 países reuniram-se nas Nações Unidas para partilhar uma visão e uma responsabilidade para assegurar a todos um desenvolvimento económico e social dignidade e justiça. Concordaram em 8 objectivos a atingir até 2015: os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Vamos acabar com a pobreza agora: Objectivo 2015

sábado, 3 de fevereiro de 2007

Mobilidade e Morte :: Campanha australiana TAC - um filme a ver e partilhar.




VEJAM, REFLICTAM E DIVULGUEM.

CUIDADO IMAGENS MUITO FORTES MAS NECESSÁRIAS

Uma das maiores empresas de marketing do mundo, resolveu passar uma mensagem para todos, através de um vídeo criado pela ONG Australiana TAC (Transport Accident Commission) e que teve um efeito drástico na Inglaterra.


Não temos este tipo de iniciativa aqui em Portugal. Espero que todos assistam, mesmo que não se alcoolizem ou usem algum tipo de drogas, e que reflictam e passem para os seus contactos. Orientem os vossos filhos, sobrinhos, amigos, etc.

Ler estudos realizados sobre o impacto desta campanha

Investigation of audience perceptions of TAC road safety advertising

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Dossier Planificando a Sustentabilidade

ATENÇÃO © Copyleft - É permitida a partilha do dossiê exclusivamente para fins não comerciais e desde que o autor e o BioTerra sejam citados.

Não esqueças de visitar regularmente este espaço para manteres-te actualizado
Sítios
Carbono Zero
Change Makers
Earth 9 11
EPE- European Partners for the Environment
European Green Cities Network (EGCN)
ICLEI
IISD - International Institute for Sustainable Development
Market Fair
Compre fresco,Compre Local (Agrobio)
International Food Policy Research Institute (IFPRI) NEREA- Educação Ambiental 
Projecto 80
Society for Ecological Restoration
Sustainable Cities
Sustainable Energy Africa
Sustainable Style Foundation
Sustainable Business
Sustainability Dictionary
Sustainability of the Planet Program
The Goldman Environment Prize
Transition Network

Leituras
Compreensão das mudanças climáticas,seus potenciais impactos e opções para a mitigação (IPCC)
Crescimento/Desenvolvimento ou Sustentabilidade?
Ecoline reúne um século de notícias sobre ambiente em Portugal
EPA Announces New Climate Change Kit for High-School Students
Fotos comparativas mostram alterações ambientais
Green Roof For Healthier Cities
The 2005-2006 Annual Report of the International Institute for Sustainable Development (PDF)
The Network of Regional Governments for Sustainable Development (nrg4SD)

Openculture / Dominio Publico
UNEP/GRID-Arendal Maps and Graphics Library Simplesmente a melhor base de dados actualizada de varias publicações e web-sites num vasto leque de temas ambientais.O sítio principal merece a nossa melhor visita.

Revistas
Teorema Ambiental

Documentários/ TV
11 documentários para construir um novo olhar sobre a questão ambiental
A Era da Estupidez (2009)
O Assassino da Economia
Planet Green.Discovery
Tree Hugger

Pensadores/ Investigadores
Duane Elgin
Robert Kurz

Dossiês BioTerra relacionados
Agenda 21
Agricultura
Água
Alterações Climáticas
Ar
Arquitectura
Bioética Profunda
Blogosfera Ambiental
Ciência
Corrupção vs Transparência
Direito do Ambiente
Eco-Activismo
Ecoaldeias e Permacultura
Ecofeminismo
Economia
Ecoturismo
Educação Ambiental
Eficiência Energética
Justiça
Lixo Zero
Mobilidade
Montanha
Mulher*Mãe
Nanotecnologia
Naturismo
Nuclear
Oceanos
PaleoTerra
Pesticidas
Planificando a Paz e Não Violência Poesia
Politica
Povos Indigenas
Racismo Ambiental
Resistir à Publicidade
Saúde Ambiental
Telemóveis
Transgénicos (OGM*GMO)
Urbanismo
Vegetarianismo

Blogues
Carbon Copy
Change Makers
City Hippy
Clay and Wattles
Common Ground
Conscious Consuming
Duane Elgin
Deconsumption
Eco-Chick
Eco-Living
Ecofriend
EcoGeek
Farmgirl Fare
Fifty RX3
Food & Water Watch Blog
Great Greengoods
Green and Hot
Green LA girl
Greening Up
Greenthinkers
Groovy Green
Guide to Green Living
Hippy Shopper
How to Save the World for Free
Hugg
I Heart Farms
Ideal Bite
Inhabitat
It's the Environment, Stupid.
It’s Getting Hot In Here
Joel Makower: Two Steps Forward
LA Green Living Blog
Meat Facts
Meta Efficient
Mongabay
Pensamentos e Desenvolvimentos
PlanetSave - News
Poverty and Growth Blog
Poverty News Blog
Puke Green
Radical Noesis
Recycle Chat
Science and politics of global climate change
Seda Dourada
Simple Living America
Strategies for Sustainability
Sustainability Blog
Sustainability News
Sustainable Business Leaders Network
Sustainable Log
Sustainable Style Foundation
Sustainable Table Blog
Sustainablog

NOVA ATENÇÃO © COPYRIGHT-  Ao partilhar, agradeço atempadamente a indicação do autor e do meu blogue Bioterra. Estes dossiês resultam de um apurado trabalho de pesquisa, selecção de qualidade e organização.