quarta-feira, 15 de dezembro de 2021

5 + 1 falsificações para branquear o eucalipto na moratória atual



A ADEGA acaba de reportar uma grande derrubada de matagal bem preservado, seguida poucos dias após a abertura de sulcos para plantio de eucalipto no município de Sobrado dos Monxes. Os sulcos até passavam por uma campina recém-pastada próxima ao arbusto agora extinto. Em abril, os madeireiros reconheceram que “foram ajudados pelo plantio de eucaliptos por seu preço” ( LINK 1 ). Parecia que eles estavam recuando, mas essa reversão era um propósito FALSO!

Perto dali, um hectare de pântanos (hábitat 4020 pântanos atlânticos de zonas temperadas de Erica ciliaris e Erica tetralix), habitat de interesse considerado de conservação prioritária pela União Europeia, foi desmatado, drenado e plantado com eucalipto em pleno vigor da moratória do eucalipto (setembro). Surpreendentemente, eles plantaram os eucaliptos não na vala cavada para drenar, mas no acúmulo linear de solo próximo à vala, para evitar que a água estragasse as raízes.

Este hectare de zona húmida deve ser objecto de ajudas à conservação, nos termos do artigo 11.º da Lei n.º 5/2019, do Património Natural e da Biodiversidade da Galiza ( LINK 2 ). Textualmente: “Na concessão das ajudas (…) serão priorizadas (…) as acções a desenvolver nas zonas de presença ou crítica de espécies ameaçadas de extinção, ou nas zonas com habitats em perigo ou qualificados prioritários para a União Europeia ”. Quando o governo afirma que está fazendo o possível para conservar habitats prioritários, é absolutamente FALSO!

Enquanto isso, e no mesmo município, está sendo limpo outro matagal no qual os restos da obra dos tratores (galhos, casca, terra) caem no trajeto do Caminho de Santiago, lotado de peregrinos neste Ano Santo. Os sulcos cultivados para a futura plantação de eucaliptos violariam mesmo as distâncias mínimas ao Caminho, estipuladas em ridículos 30 metros pela Lei 7/2021, de Montes de Galicia.

Se visitarmos o site do Turismo de Galicia ( LINK 3 ), é-nos dito: “No caminho de Sarria, você vai entrar em contato com o coração da Galiza mais rural, passando pelas províncias de Lugo e A Coruña. Durante o passeio, você passará por bosques de carvalhos, bosques e prados onde poderá ver vacas louras galegas ou frísias pastando pacificamente. Esta é sem dúvida a melhor oportunidade para ver como é a vida no campo e respirar o ar puro destas terras verdes . ” FALSE .

Ao mesmo tempo, a principal empresa de laticínios do estado está aproveitando a situação da COP26 da Escócia ( LINK 4) para publicar conteúdo (frequentemente patrocinado) na imprensa que diz que o eucalipto fixa carbono e ajuda a mitigar as mudanças climáticas. Suponha que eles se refiram à Austrália. Se querem falar das plantações de eucalipto na Galiza, esquecem (queremos pensar que não intencionalmente) todo o CO2 que é libertado quando as máquinas são levadas para a floresta e quando a floresta é desmatada. E mais dióxido de carbono na atmosfera depois de um tempo quando a árvore for cortada (e mais máquinas no monte), reboques transportando madeira por muitos quilômetros (e emitindo muito CO2) e por todo o processo de produção de celulose e depois do papel. Isso sem falar nas queimadas que podem ocorrer no eucalipto enquanto cresce, que também emitem gás carbônico. Fixação de CO2? FALSE !

E, claro, enquanto tudo isso acontece, a montanha galega continua infestada de eucaliptos. São tantos que a ADEGA já certificou uma extensão mínima equivalente a 200 campos de futebol para eucaliptos plantados ilegalmente desde o fim da moratória ( LINK 5 ).

Em suma, ouvir que agora existe uma moratória para novos plantios de eucalipto é algo definitivamente FALSO . O que existe é um branqueamento do eucalipto sem nenhuma vergonha.
Adendo: Esquecimento intencional do parecer científico do Ministério

Dentro de poucos dias, terão passado 4 anos desde o histórico parecer do Comité Científico do (então) Ministério da Agricultura, Pescas, Alimentação e Ambiente ( LINK 6 ). Nele, com uma argumentação impecável em 18 páginas, concluíram que “Tendo constatado com os dados científicos disponíveis a natureza invasiva das espécies de Eucalyptus naturalizadas no nosso país, conclui-se que a mesma deverá ser incluída no Catálogo Espanhol de Espécies Exóticas Invasivas regulamentado pelo RD 630/2013, de 2 de agosto, a critério da IUCN (2000), para todas essas espécies: Eucalyptus camaldulensis, E. globulus, E. gomphocephala, E. gunnii, E. nitens e E. sideroxylon, bem como qualquer outra espécie deste gênero cujo destino seja a exploração madeireira, devido à alta risco de invasão por essas espécies conseqüência de suas características biológicas, fisiológicas e ecológicas. Extremo cuidado é recomendado com novas introduções e plantações,”.

Esta opinião foi rejeitada às pressas pelo governo espanhol, sem mais argumentos além das avaliações de um professor ligado à indústria do eucalipto ( LINK 7 ). Dada a justeza dos argumentos do Comité Científico e a resposta insatisfatória à ADEGA por parte do governo espanhol, se alguém disser que o eucalipto não é invasor na Galiza podemos responder claramente: FALSO!

Sem comentários: