domingo, 10 de julho de 2022

Documentário: Inseticida - Como os agroquímicos mataram os insetos


Desde 1990, a população de insetos caiu 75% na Europa. Tão cativante quanto alarmante, esta pesquisa internacional destaca o papel dos neonicotinóides, inseticidas neurotóxicos, no desastre ecológico em curso.

Trinta anos atrás, os motoristas tinham que parar regularmente para limpar os impactos no para-brisa. Desde então, 75% dos insetos desapareceram na Europa, ameaçando a sobrevivência de muitos ecossistemas. “Esta é a pior extinção em massa que o planeta experimentou”, alerta o entomologista americano Jonathan Lundgren. Mas como explicar esse colapso? O principal culpado seria procurar neonicotinóides. 

Surgidos no Japão na década de 1990, esses chamados inseticidas "sistémicos", frequentemente usados ​​no tratamento preventivo de sementes, são espalhados por toda a planta para protegê-la de pragas. Mais eficazes do que os pesticidas em spray, eles têm sido amplamente adotados pelos agricultores. Seu mercado, detido por um punhado de multinacionais (Syngenta, Bayer-Monsanto, BASF), pesaria assim entre 3 e 4 bilhões de dólares em escala planetária. 

Ao mesmo tempo, os estudos científicos estão se acumulando para denunciar os estragos dessas neurotoxinas. Polinizadores ou engrenagens essenciais da cadeia alimentar, os insetos estão morrendo em velocidade recorde, afetando as populações de aves, peixes e anfíbios em cascata. 

A saúde humana também estaria ameaçada: potenciais desreguladores endócrinos, neonicotinóides, cujos resíduos são encontrados em alimentos de origem vegetal, são suspeitos de causar certos cânceres e de alterar o neurodesenvolvimento desde a fase fetal. Pressão sobre pesquisadores, tomadores de decisões políticas e autoridades reguladoras, financiamento de estudos favoráveis ​​a seus produtos, testes de certificação tendenciosos: por sua vez, os lobbies agroquímicos estão borrando os caminhos para manter a imobilidade. Depois de bani-los em 2018, a França reautorizou temporariamente os neonicotinóides para o tratamento de beterraba sacarina.

Alternativas atraentes

Do Somme aos Estados Unidos, passando pela Alemanha, Bélgica ou Japão, este documentário, baseado na investigação de Stéphane Foucart "E o mundo ficou em silêncio – Como a agroquímica destruiu os insetos" (Éditions du Seuil, 2019), traça a história dos neonicotinóides e decifra seus efeitos na companhia de uma série de especialistas: pesquisadores, jornalistas, representantes de ONGs ambientais, deputados, agricultores e apicultores.

Apoiado em números alarmantes, o filme também destaca as estratégias dos fabricantes para preservar seus lucros, ao mesmo tempo em que decidem alternativas convincentes: na planície do Pó, na Itália, o engenheiro agrónomo Lorenzo Furlan criou um fundo mútuo para compensar possíveis – e raríssimas – perdas de rendimento causadas pela redução de pesticidas. Pontuada por imagens fascinantes de insetos observados ao microscópio, esta investigação afirma-se também como uma ode ao esplendor destes seres vivos ameaçados.

Documentário (França/Bélgica, 2021, 1h33mn)
Disponível até 04/08/2022

Sem comentários: