terça-feira, 30 de abril de 2019

Novo contentor de reciclagem chega em breve: será o ecoponto castanho


Foto e notícia aqui

Portugal vai ter muito em breve um novo contentor de reciclagem nas ruas. Trata-se do ecoponto castanho e destina-se ao lixo orgânico. O contentor já existe em restaurantes e indústrias mas vai estar agora acessível a todos os cidadãos.

“O país está a preparar-se para ter uma recolha de orgânicos ao cidadão. É uma coisa que vai acontecer muito em breve: será o ecoponto castanho, eu diria”, explica à TSF Ana Loureiro, responsável da comunicação da EGF — Environment Global Facilities.

Depois de recolhido, o lixo orgânico é transformado num composto que pode ser vendido, assim como a energia que resulta do processo.

A chegada de um ecoponto público de orgânicos permitirá que estações como a Valorsul SA — Estação de Tratamento e Valorização Orgânica — tenham mais resíduos para tratar. Assim, pode ser produzida mais energia elétrica e a venda de composto é aumentada.

A compostagem tem o objetivo de diminuir o desperdício e aumentar a produção de composto orgânico. Já existem alguns compostores nas casas dos portugueses, utilizados para jardinagem. “É a prevenção no seu melhor, conseguirmos separar os resíduos domésticos e produzir o seu próprio composto para uma horta, um jardim”, refere Ana Loureiro.

Para as estações, é importante motivar os portugueses a aderirem à compostagem e a utilizarem de forma correta o novo ecoponto castanho. “O comportamento é incentivado e depois há que o manter e não irmos descobrir compostores com outras coisas lá dentro que não seja o motivo pelo qual foi oferecido”, sublinha a funcionária da EGF.

sábado, 27 de abril de 2019

ISDS, o Tr(i)unfo das Multinacionais



Vendo o vídeo, fica a pergunta: quem foram os responsáveis por dar às multinacionais este Tr(i)unfo?

As votações dos eurodeputados a respeito dos acordos comerciais com o Canadá e Singapura, que incluía o sistema ICS, que mais não é do que um ISDS maquilhado, pode ajudar a dar a resposta.

Em traços largos, CDS, PSD, PS (com a excepção de Ana Gomes), PDR e MPT votaram a favor, enquanto CDU e BE votaram contra tratados que instituem estes sistemas.

Na Assembleia da República, CDS, PSD e PS (com a excepção de Paulo Trigo Pereira) votaram a favor do acordo com o Canadá, BE, PCP, PEV e PAN votaram contra.

É importante fazer deste um tema relevante do debate para as europeias, para que os eurodeputados saibam que não queremos tribunais ao serviço das empresas multinacionais.


sexta-feira, 26 de abril de 2019

The spiralling environmental cost of our lithium battery addiction

Foto e notícia aqui (2018)


Here’s a thoroughly modern riddle: what links the battery in your smartphone with a dead yak floating down a Tibetan river? The answer is lithium – the reactive alkali metal that powers our phones, tablets, laptops and electric cars.

In May 2016, hundreds of protestors threw dead fish onto the streets of Tagong, a town on the eastern edge of the Tibetan plateau. They had plucked them from the waters of the Liqi river, where a toxic chemical leak from the Ganzizhou Rongda Lithium mine had wreaked havoc with the local ecosystem.

There are pictures of masses of dead fish on the surface of the stream. Some eyewitnesses reported seeing cow and yak carcasses floating downstream, dead from drinking contaminated water. It was the third such incident in the space of seven years in an area which has seen a sharp rise in mining activity, including operations run by BYD, the world’ biggest supplier of lithium-ion batteries for smartphones and electric cars. After the second incident, in 2013, officials closed the mine, but when it reopened in April 2016, the fish started dying again.

Lithium-ion batteries are a crucial component of efforts to clean up the planet. The battery of a Tesla Model S has about 12 kilograms of lithium in it, while grid storage solutions that will help balance renewable energy would need much more.

Demand for lithium is increasing exponentially, and it doubled in price between 2016 and 2018. According to consultancy Cairn Energy Research Advisors, the lithium ion industry is expected to grow from 100 gigawatt hours (GWh) of annual production in 2017, to almost 800 GWhs in 2027.

William Adams, head of research at Metal Bulletin, says the current spike in demand can be traced back to 2015, when the Chinese government announced a huge push towards electric vehicles in its 13th Five Year Plan. That has led to a massive rise in the number of projects to extract lithium, and there are “hundreds more in the pipeline,” says Adams.

But there’s a problem. As the world scrambles to replace fossil fuels with clean energy, the environmental impact of finding all the lithium required to enable that transformation could become a serious issue in its own right. “One of the biggest environmental problems caused by our endless hunger for the latest and smartest devices is a growing mineral crisis, particularly those needed to make our batteries,” says Christina Valimaki an analyst at Elsevier.

In South America, the biggest problem is water. The continent’s Lithium Triangle, which covers parts of Argentina, Bolivia and Chile, holds more than half the world’s supply of the metal beneath its otherworldly salt flats. It’s also one of the driest places on earth. That’s a real issue, because to extract lithium, miners start by drilling a hole in the salt flats and pumping salty, mineral-rich brine to the surface.

Then they leave it to evaporate for months at a time, first creating a mixture of manganese, potassium, borax and lithium salts which is then filtered and placed into another evaporation pool, and so on. After between 12 and 18 months, the mixture has been filtered enough that lithium carbonate – white gold – can be extracted.

It’s a relatively cheap and effective process, but it uses a lot of water – approximately 500,000 gallons per tonne of lithium. In Chile’s Salar de Atacama, mining activities consumed 65 per cent of the region’s water. That is having a big impact on local farmers – who grow quinoa and herd llamas – in an area where some communities already have to get water driven in from elsewhere.

There’s also the potential – as occurred in Tibet – for toxic chemicals to leak from the evaporation pools into the water supply. These include chemicals, including hydrochloric acid, which are used in the processing of lithium into a form that can be sold, as well as those waste products that are filtered out of the brine at each stage. In Australia and North America, lithium is mined from rock using more traditional methods, but still requires the use of chemicals in order to extract it in a useful form. Research in Nevada found impacts on fish as far as 150 miles downstream from a lithium processing operation.

According to a report by Friends of the Earth, lithium extraction inevitably harms the soil and causes air contamination. In Argentina’s Salar de Hombre Muerto, locals claim that lithium operations have contaminated streams used by humans and livestock, and for crop irrigation. In Chile, there have been clashes between mining companies and local communities, who say that lithium mining is leaving the landscape marred by mountains of discarded salt and canals filled with contaminated water with an unnatural blue hue.

“Like any mining process, it is invasive, it scars the landscape, it destroys the water table and it pollutes the earth and the local wells,” said Guillermo Gonzalez, a lithium battery expert from the University of Chile, in a 2009 interview. “This isn’t a green solution – it’s not a solution at all.”

But lithium may not be the most problematic ingredient of modern rechargeable batteries. It is relatively abundant, and could in theory be generated from seawater in future, albeit through a very energy-intensive process.

Two other key ingredients, cobalt and nickel, are more in danger of creating a bottleneck in the move towards electric vehicles, and at a potentially huge environmental cost. Cobalt is found in huge quantities right across the Democratic Republic of Congo and central Africa, and hardly anywhere else. The price has quadrupled in the last two years.

Unlike most metals, which are not toxic when they’re pulled from the ground as metal ores, cobalt is “uniquely terrible,” according to Gleb Yushin, chief technical officer and founder of battery materials company Sila Nanotechnologies.

“One of the biggest challenges with cobalt is that it’s located in one country,” he adds. You can literally just dig up the land and find cobalt, so there’s a very strong motivation to dig it up and sell it, and a a result there’s a lot of motivation for unsafe and unethical behaviour.” The Congo is home to ‘artisanal mines’, where cobalt is extracted from the ground by hand, often using child labour, without protective equipment.

There’s also a political angle to be considered. When Bolivia started to exploit its lithium supplies from about 2010, it was argued that its huge mineral wealth could give the impoverished country the economic and political heft that the oil-rich nations of the Middle East. “They don’t want to pay a new OPEC,” says Lisbeth Dahllöf, of the IVL Swedish Environmental Institute, who co-authored a report last year on the environmental footprint of electric car battery production.

In a recent paper in the journal Nature, Yushin and his co-authors argued that new battery technology needs to be developed that uses more common, and environmentally friendly materials to make batteries. Researchers are working on new battery chemistries that replace cobalt and lithium with more common and less toxic materials.

But, if new batteries are less energy dense or more expensive than lithium, they could end up having a negative effect on the environment overall. “Assessing and reducing the environmental cost is a more complex issue than it initially appears,” says Valimaki. “For example, a less durable, yet more sustainable device could entail a larger carbon footprint once your factor in transportation and the extra packaging required.”

At the University of Birmingham, research funded by the government’s £246m Faraday Challenge for battery research is trying to find new ways of recycling lithium-ion. Research in Australia found that only two per cent of the country’s 3,300 tonnes of lithium-ion waste was recycled. Unwanted MP3 players and laptops can end up in landfill, where metals from the electrodes and ionic fluids from the electrolyte can leak into the environment.

A consortium of researchers, led by the Birmingham Energy Institute are using robotics technology developed for nuclear power plants to find ways to safely remove and dismantle potentially explosive lithium-ion cells from electric vehicles. There have been a number of fires at recycling plants where lithium-ion batteries have been stored improperly, or disguised as lead-acid batteries and put through a crusher.

Because lithium cathodes degrade over time, they can’t simply be placed into new batteries (although some efforts are underway to use old vehicle batteries for energy storage applications where energy density is less critical). “That’s the problem with recycling any form of battery that has electrochemistry – you don’t know what point it is at in its life,” says Stephen Voller, CEO and founder of ZapGo. “That’s why recycling most mobile phones is not cost effective. You get this sort of soup.”

Another barrier, says Dr Gavin Harper of the Faraday Institution’s lithium recycling project, is that manufacturers are understandably secretive about what actually goes into their batteries, which makes it harder to recycle them properly. At the moment recovered cells are usually shredded, creating a mixture of metal that can then be separated using pyrometallurgical techniques – burning. But, this method wastes a lot of the lithium.

UK researchers are investigating alternative techniques, including biological recycling where bacteria are used to process the materials, and hydrometallurgical techniques which use solutions of chemicals in a similar way to how lithium is extracted from brine to begin with.

For Harper, it’s about creating a process to shepherd lithium-ion batteries safely through their whole lifecycle, and making sure that we’re not extracting more from the ground unnecessarily, or allowing chemicals from old batteries to do damage. “Considering that all of the materials in these batteries have already had an environmental and social impact in their extraction, we should be mindful of ensuring good custody,” he says.

quinta-feira, 25 de abril de 2019

PE explica a importância e benefícios da Economia Circular (com video e infografia)

O Parlamento Europeu (PE) criou um VÍDEO e INFOGRAFIA no seu website onde explica o significado da Economia Circular e os seus benefícios para o Ambiente, para o crescimento económico e para o dia-a-dia dos cidadãos.
Todos os anos produzem-se 2,5 mil milhões de toneladas de lixo na União Europeia (UE), que atualmente está a atualizar a sua legislação relativa à gestão de resíduos para promover a mudança de uma economia linear para uma Economia Circular.
Mas do que falamos quando mencionamos Economia Circular? Quais são as razões e as vantagens de tal mudança?

ECONOMIA CIRCULAR

A Economia Circular é um modelo de produção e de consumo que envolve a partilha, a reutilização, a reparação e a reciclagem de materiais e produtos existentes, alargando o ciclo de vida dos mesmos.
Na prática, a Economia Circular implica a redução do desperdício ao mínimo. Quando um produto chega ao fim do seu ciclo de vida, os seus materiais são mantidos dentro da economia sempre que possível, podendo ser utilizados uma e outra vez, criando assim mais valor.
A Economia Circular contrasta com o modelo económico linear baseado no princípio “produz-utiliza-deita fora”. Este modelo exige vastas quantidades de materiais a baixo preço e de fácil acesso e muita energia.
A obsolescência programada contra a qual o Parlamento Europeu pede medidas também faz parte deste modelo.
 

 (clique para aumentar)
 

OS PROBLEMAS DA ECONOMIA LINEAR
A economia linear aliada ao aumento da população mundial tem causado uma procura crescente por matérias-primas, muitas delas escassas e finitas.
Para além da dependência de alguns países da UE de outros países para as matérias-primas necessárias, a extração e a utilização destas matérias-primas aumentam o consumo de energia e as emissões de CO2 com um grande impacto no ambiente.

BENEFÍCIOS DA ECONOMIA CIRCULAR

Medidas para a prevenção de resíduos e para a promoção do design ecológico ou da reutilização podem significar poupanças líquidas no valor de 600 mil milhões de euros, ou 8% do volume de negócios anual, para as empresas na UE e a redução das emissões anuais totais de gases com efeito de estufa em 2-4%.
A Economia Circular pode ainda trazer benefícios como:
  • A redução da pressão no Ambiente
  • Maior segurança no aprovisionamento de matérias-primas
  • Aumento da competitividade e promoção da Inovação, Crescimento e Emprego (criação dena UE)
A Economia Circular também pode fornecer aos consumidores produtos mais duradouros ​​e inovadores.
Saiba mais: 
| Briefing ECONOMIA CIRCULAR
| INFOGRAFIA Economia Circular

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Observatório nacional da produção biológica pronto até julho


Foto e notícia aqui

«É uma infraestrutura onde pretendemos ter toda a informação concentrada daquilo que são os trabalhos de investigação, trabalhos das escolas, os eventos, para qualquer pessoa que estiver interessada na agricultura biológica ir ali e encontrar e estará pronta até ao final deste semestre», anunciou Miguel João de Freitas.

O governante explicou que «foi agora lançado o concurso público para a construção desta infraestrutura, que terá toda a informação, desde a produção ao consumo, ou seja, pretende-se que haja um painel de consumidores que vão aferindo aquilo que é a qualidade, o consumo e o preço desses produtos junto do consumidor, dos distribuidores e produtores».

Miguel Freitas falava na cerimónia de assinatura da constituição de São Pedro do Sul como Bio Região e, consequentemente, de adesão à Rede Internacional de Bio Regiões que usa a sigla INNER, pela designação em inglês: “International Network of Eco Regions”.

«A agricultura biológica é o modo sustentável de produção, mas é evidente que tem custos, o que é preciso é passar a mensagem ao consumidor que, quando paga, está a pagar, porque aquele produto teve mais trabalho, não usou produtos químicos, logo a produtividade não pode ser a mesma que uma agricultura industrial», explicou à agência Lusa.

No entender do secretário de Estado, «aquilo que é preciso dizer é que é preciso pagar o preço justo» e, neste sentido, «também é preciso trabalhar para ir melhorando sucessivamente a sua produtividade, para que o preço desses produtos possa ser cada vez mais acessível aos consumidores».

«Temos apoios aos agricultores biológicos, o agricultor biológico recebe apoios no âmbito das medidas agro ambientais dirigidos exclusivamente para os agricultores biológicos e são cerca de 19 milhões de euros todos os anos, portanto não é algo despiciendo», referiu Miguel Freitas.

Com este reconhecimento de Bio Região e adesão à rede INNER, o presidente da Câmara Municipal de São Pedro do Sul acredita que “estão criadas condições para divulgar os produtos de uma outra forma” e, neste sentido, o município vai «intensificar a divulgação» dos produtos biológicos regionais.

«Já estamos a vender numa loja da Câmara Municipal em São Pedro do Sul, onde os técnicos da câmara estão também a dar apoio aos nossos agricultores e os que têm grandes estufas e que vendem de forma mais intensiva já estão a fazer vendas internacionais», adiantou Vítor Figueiredo.

A título de exemplo, o autarca adiantou à agência Lusa que «saem do concelho todos os dias camiões TIR (Transporte Internacional Rodoviário) para a Holanda» e, para o futuro, Vítor Figueiredo quer «mais internacionalização» num município que produz de forma biológica produtos como vegetais, fruta e vinhos.

São Pedro do Sul é a terceira Bio Região a ser criada em Portugal, depois de Idanha-a-Nova se ter estreado em fevereiro do ano passado e, em novembro, ter avançado o Alto Tâmega.

Segundo o secretário de Estado, num «futuro próximo» nascerão outras regiões como «a margem esquerda do rio Guadiana, Torres Vedras, Faial (Açores) e a região do Tâmega e Sousa».

terça-feira, 23 de abril de 2019

Mais de 1 milhão de jardineiros e agricultores criam rede global para salvar abelhas e borboletas

Foto e notícia aqui

Ninguém soube definir melhor o papel crucial das abelhas em nossas vidas, como Albert Einstein: “Se as abelhas desaparecessem da face da Terra, a espécie humana teria somente mais quatro anos de vida. Sem abelhas, não há polinização, ou seja, sem plantas, sem animais, sem homens”. Muita gente já compreendeu a importância destes insetos e começou a fazer sua parte para que eles não desapareçam, como uma rede incrível de mais de 1 milhão de jardineiros e agricultores que tem lutado em prol dos insetos polinizadores.

O Million Pollinator Garden Challenge surgiu em 2015 a partir de uma iniciativa da National Pollinator Garden Network, com o objetivo de salvar estes insetos indispensáveis, responsáveis por cerca de um terço de toda a comida que ingerimos. Em 4 anos mais de 1 milhão de hortas foram criadas, a maioria concentrada nos Estados Unidos. Os espaços criados são pátios privados ou jardins públicos, que juntos já somam mais de 5 milhões de acres de habitat para que as abelhas e borboletas possam sobreviver.

A partir do momento que uma pessoa entra para a comunidade, é convidada a plantar grandes quantidades de plantas amigáveis aos polinizadores, oferecer um espaço que seja ventilado, tenha exposição direta à luz do sol, fonte de irrigação e quantidade mínima de pesticidas. Desde o lançamento da campanha, muitos centros de jardinagem também contribuíram para o projeto, oferecendo plantas e aulas para os jardineiros.

Não é preciso grande esforço para ajudar a salvar estes insetos, basta ter um jardim e boa vontade. Porém, ao fazer isto, saiba que você também estará se salvando e, consequentemente, toda a humanidade, como afirma a CEO da NWF, Collin O’Mara: “Juntos, por meio da conservação colaborativa, estamos restaurando populações de polinizadores que fornecem a base de nossos ecossistemas e nosso suprimento de alimentos. Quando salvamos a vida selvagem, nos salvamos“

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Documentário: "A Flor, a Formiga e a Borboleta Ameaçada"


«Em Portugal, a Maculinea alcon, a borboleta azul de montanha, é uma borboleta ameaçada. Ela vive numa relação de equilíbrio complexo com uma espécie de formiga, uma planta e o Homem. Em toda a Europa é uma borboleta muito ameaçada. 

É no norte de Portugal, nas Serras do Alvão e do Marão, que ainda podemos ter o prazer de observar populações viáveis desta pequena borboleta. Uma importante população de M.alcon sobrevive ainda em Lamas de Olo no Parque Natural do Alvão. Aqui se filmou todo o seu ciclo de vida, desde o "enganar" as formigas, que guardam e alimentam as suas lagartas durante o Inverno, ao acasalamento e postura de ovos. 

O documentário acompanha também o trabalho e o esforço de Ernestino Maravalhas para estudar e perceber estas estranhas relações ecológicas que passam despercebidas à maioria das pessoas.

Um documentário onde a ciência e a vida desta maravilhosa borboleta se cruzam com aqueles que a rodeiam, a estudam, a ignoram, sempre com a perspectiva do que poderemos fazer por esta pequena borboleta azul.»

domingo, 21 de abril de 2019

Há 23 conjuntos de árvores imaculadas no Porto

Foto e notícia aqui
No Porto, há 23 conjuntos de árvores que fazem parte da lista de exemplares protegidos por lei. Intocáveis e com estatuto especial, possuem regras claras que as vedam à degradação e obrigam à respetiva preservação. O Estado equipara-as mesmo a "património construído classificado". Monumentos nacionais, portanto.
Existem cerca de 500 conjuntos de árvores classificadas em Portugal e 23 estão no Porto. A mais recente a ser incluída na restrita lista foi uma centenária Afrocarpus falcatus, espécie que pode chegar aos 60 metros de altura, única na cidade e das poucas existentes no país. Exibe-se, frondosa, num terraço do Palácio do Freixo e merece destaque pela "copa elegante e majestosa", segundo o despacho publicado na edição do Diário de República do passado dia 22 de março que lhe confere a nova designação oficial.
"A particular importância e atributos daquele exemplar são reveladores da necessidade de cuidadosa conservação e justificam o relevante interesse público da sua classificação, relativamente à qual não se verificam quaisquer causas legais impeditivas", justificou o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), responsável único pela atribuição de tal classificação do património arbóreo.

A Afrocarpus falcatus do Palácio do Freixo junta-se a outras duas recentes contribuições do Porto na lista de árvores de interesse público: sete centenárias palmeiras e um metrosídero, ambas no Palácio de Cristal.

Além destas, existem árvores intocáveis espalhadas por toda a cidade, num total de 238 em todos os 23 conjuntos. A que mais tempo tem de categorização, desde 1939, é um tulipeiro-da-virgínia que se ergue na Escola Municipal João de Deus, na rua homónima. Da mesma lista constam ainda outros tulipeiros (na Ordem dos Médicos, na Casa Tait e na Praça Pedro Nunes), cedros (também no Jardim da Ordem dos Médicos e no Jardim da Casa do Professor), cameleiras (no Largo da Igreja de Paranhos, metrosíderos (nos Jardins do Palácio de Cristal, na Avenida Montevideu e no Jardim do Passeio Alegre), uma washintónia-mexicana (nos Jardins do Palácio de Cristal), uma araucária (na Cordoaria e no Jardim do Passeio Alegre), palmeiras (também no Jardim do Passeio Alegre), tulipeiros (na Praça Pedro Nunes), plátanos (na Cordoaria e na Casa do Professor), magnólias (no Jardim de São Lázaro), uma árvore-do-ponto (na Casa do Professor) e uma nogueira-do-japão (no Jardim das Virtudes).

O objetivo da Câmara do Porto é alargar ainda mais este rol. "Encontram-se submetidos à avaliação do ICNF vários processos de árvores que podem vir a obter idêntica classificação", revela ao JN Urbano Filipe Araújo, vice-presidente da Autarquia e vereador da Inovação e Ambiente. "As árvores com idade avançada têm um impacto muito importante na cidade, sobretudo no que diz respeito à retenção de poluentes do ar, à biodiversidade, ao amenizar do vento e no auxílio que prestam ao escoamento da água para a rede de águas pluviais", explica.

sábado, 20 de abril de 2019

Depois de ler este artigo, a adubação verde será a sua nova melhor amiga! Não acredita? Comprove!

Foto e reportagem aqui


Autora do artigo: Rosa Moreira, promotora do blog A Cientista Agrícola

O que é adubação verde?

Não sei se já ouviu falou de adubação verde, provavelmente até já. No entanto, para quem ainda não ouviu ou quer saber mais sobre este assunto este é uma boa oportunidade para conhecer outras prespectivas sobre este tema.
Em primeiro lugar, devemos deixar bem esclarecido em que consiste esta prática agronómica.  A adubação verde é uma prática agrícola bastante antiga que tem como objetivo incrementar a capacidade produtiva do solo, melhorando a sua estrutura e composição.

Como podemos implementar a adubação verde?

Essa melhoria do solo pode ser conseguida através da adição de material orgânico não decomposto de plantas cultivadas exclusivamente para este fim e que são posteriormente cortadas  mesmo antes de completarem o  seu ciclo produtivo.
A adubação verde pode ser realizada utilizando várias espécies vegetais, no entanto são as leguminosas  o tipo de culturas que mais é utilizadas devido às suas várias vantagens, destacando-se a
sua capacidade de fixar azoto atmosférico.
É importante também salientar que, no caso das leguminosas, estas associam-se a bactérias fixadoras de
azoto que estabelecem também relações de simbiose, transferindo também este elemento para o solo, sendo também posteriormente transferido para as plantas.

A importância de utilizar adubo verde na horta

A maior parte das hortas  são cultivadas de forma intensa e verifica-se por essa razão que depois de ser efectuada a colheitao solo empobrece em termos nutricionais.
O uso  de  adubos verdes permite diminuir a necessidade de adubos industriais e manter a capacidade produtiva da sua horta .  Sabe qual a  altura ideal para produção de  adubos verdes?  Eu respondo: No Inverno. É nesta altura em que não existem muitas produções agrícolas em desenvolvimento  que a adubação verde deve ser feita.
Sabia que pode utilizar certas culturas para fixar o azoto na terra?  Sim é verdade! De forma a conseguir obter uma boa produtividade, manter a concentração de azoto no solo é fundamental.Por essa razão, a utilização de certas plantas que têm a capacidade de captar o azoto da atmosfera e fixá-lo no solo revela-se  consciente e economicamente viável  a opção mais viável para para conseguir fixar azoto na terra.

Principais vantagens da utilização da adubação verde para a fertilidade do solo

  • Diminuir a probabilidade de ocorrer lixiviação de nutrientes:
  • Aumenta a  capacidade de armazenamento de água no solo;
  • Contribui para a  descompactação do solo assim como melhoria da sua estrutura favorecendo o arejamento.
  • Fornece azoto ao solo de forma natural;
  • Contribui para a intensificação da actividade biológica do solo;
  • Melhora a capacidade de aproveitar a eficiência dos adubos e corretivos do solo;
  • Ajuda a recuperar os solos com fertilidade baixa;
  • Diminui o aparecimento de plantas infestantes;
  • Diminui a incidência de pragas e doenças nas culturas agrícolas;
  • e muitas mais vantagens (…)

Como produzir adubo verde?

A melhor forma para produzir adubo verde e incorporar azoto na terra  é através de plantas fixadoras de azoto. Estas, após atingirem posteriormente a maturação, efetua-se o seu corte e enterra-se  as mesmas de  modo a fixar também o azoto contido da planta.
Culturas que podem ser usadas para a adubação verde: chagas, cereais, colza, linho, mostrada, sarraceno, trevo, alfafa e soja por exemplo.
No que diz respeito ao uso de alfafa ou trevo para a produção de adubo verde, deve ter em atenção que deve cortar a cultura antes de formar sementes uma vez que são espécies infestantes.

Condições de eficácia da adubação verde

No momento de instalação das culturas(adubação verde), a fertilização pode ser uma práctica cultural necessária em alguns adubos verdes (fosfatos, especificamente), no momento antes ou durante a sementeira. No caso da sementeira de leguminosas, é necessário efectuar a inoculação das sementes com o Rhyzobium específico ( no meu ensaio com a cultura da soja, procedi também à inoculação das sementes).
A % de humidade  deve ser um factor que deve ter também em consideração e deve  ser suficiente para assegurar germinação das sementes. Caso o solo esteja muito compactado, deve também ponderar fazer uma subsolagem.
Antes de  3 a 4 semanas antes de instalar  a cultura principal, e antes de proceder ao enterramento dos adubos verdes, deve destroçar (esmiuçar) as plantas usadas como adubo verde.
É importante salientar que se as plantas forem simplesmente cortadas, sendo destroçadas ou não e ficarem a cobrir o terreno como mulching, podem atuar de forma benéfica minimizando o crescimento de plantas infestantes.

sexta-feira, 19 de abril de 2019

Diabo da Tasmânia acelerou evolução para evitar extinção

Foto e notícia aqui
Os marsupiais conhecidos como diabos da Tasmânia são dizimados há mais de 20 anos por uma forma de cancro contagioso, mas cientistas australianos descobriram que os animais estão a conseguir evitar a extinção evoluindo mais depressa.

O diabo da Tasmânia, um marsupial carnívoro noctívago conhecido pelo forte cheiro que emite quando se sente ameaçado, só existe na ilha que fica ao sul da Austrália e desde 1996 é afetado por uma doença que se caracteriza por provocar tumores no focinho, fatal em quase todos os casos, que já acabou com 85% da população.

A doença transmite-se através das mordeduras que acontecem quando os animais lutam ou acasalam e que provoca tumores no focinho que os impedem de comer, acabando por morrer de fome.

No entanto, os investigadores descobriram que os diabos da Tasmânia, com uma população entre 15 mil e 18 mil animais, estão a desenvolver resistência à doença e a criar anticorpos, com cerca de duas dezenas de animais estudados a conseguirem sobreviver.

O investigador Rodrigo Hamede, da Universidade da Tasmânia, afirmou à France Presse que há animais que contraíram a doença, mas que conseguiram curar-se, enquanto outros não ficaram doentes.

"O risco de extinção continua a existir" ressalvou Chris Coupland, do santuário de Cradle Mountain, observando que a população não pode cair abaixo dos 10 mil animais.

O ciclo reprodutivo dos diabos está a acelerar, com cios anuais em vez de bianuais, como costuma acontecer, e os animais chegam à idade reprodutiva mais cedo.

O que acontece é que, como a população decaiu, há mais alimento e os animais conseguem atingir mais cedo o peso em que se tornam férteis.

Os responsáveis pelo santuário colaboram reunindo informação genética em bases de dados, o que lhes permite selecionar animais para se reproduzirem com mais diversidade genética.

"A adaptação às doenças acontece sempre, mas costuma ser à escala evolutiva [medida em milhares de anos] e não em seis ou oito gerações [12 a 16 anos]. É uma evolução incrivelmente rápida", assinalou.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Portugueses deitam fora 200 mil toneladas de roupa por ano

Foto e notícia aqui

A moda rápida e barata - conhecida como fast fashion - que veio com as grandes cadeias mundiais, mudou a forma como nos vestimos. A produção mundial de roupa duplicou, tendo ultrapassado os cem mil milhões de peças por ano em 2015. Entre as várias consequências deste movimento - nomeadamente a aceleração da moda, a cópia, e a globalização dos estilos - veio também o peso ambiental. É que quando deixa de ser útil grande parte da roupa velha acaba no lixo. Há uma parte que é colocada em contentores para reutilização, mas outra vai parar aos caixotes indiferenciados, e para estes o único destino é o aterro e a incineração. Em Portugal, deita-se para o lixo 200 mil toneladas de têxteis por ano.

De acordo com os dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) em 2017 foram recolhidas cerca de 200 756 toneladas de têxteis nos resíduos urbanos, um valor ligeiramente superior ao registado no ano anterior (196 865) - o que representa cerca de 4% do total de resíduos produzidos em Portugal (perto de 4,75 milhões). Se analisarmos o período entre 2011 e 2017, foram deitados ao lixo 1,2 milhões de toneladas de têxteis - um problema que não é exclusivo de Portugal. De acordo com o The Guardian, em 2016 foram enviadas para aterros 350 mil toneladas de roupa no Reino Unido. Já nos EUA, são gerados mais de 15 milhões de toneladas de resíduos têxteis por ano, e apenas 2,62 milhões são reciclados.

É lixo a mais. Segundo a Greenpeacecada pessoa compra, em média, mais 60% das peças do que comprava no ano 2000 e só as mantém metade do tempo. E isto é especialmente grave porque a indústria têxtil é uma das mais poluentes do mundo. Em alguns rankings, a moda aparece em segundo lugar entre os setores menos amigos do ambiente, logo a seguir à indústria petrolífera. Para produzir uma T-shirt de algodão, por exemplo, são necessários 2700 litros de água. Já numas calças de ganga, o consumo de água pode chegar aos 10 000 litros. E o consumo de recursos hídricos é apenas um dos muitos impactos desta indústria.

Um dos maiores problemas diz respeito às matérias-primas usadas. "A maior parte da roupa é sintética, provém do petróleo. Estamos a vestir-nos de plástico. Cada vez mais deixamos de comprar roupa de algodão", diz Carmen Lima, coordenadora do Centro de Informação de Resíduos da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza. Por outro lado, há o impacto associado às tintas, que acabam muitas vezes por contaminar os rios: "Muitas têm compostos orgânicos voláteis associados e nem sequer cumprem certificações." Já as emissões atmosféricas de gases de efeito estufa são uma constante desde o processo de produção, ao transporte, ao próprio uso.

Além da produção, há também a reciclagem - que não é feita tanto como devia. A Associação Portuguesa do Ambeite explica que, em Portugal, "não existindo recolha seletiva de resíduos [têxteis], a sua recolha é feita em conjunto com a fração indiferenciada, pelo que o destino será aterro, valorização energética ou, nalgumas situações, produção de combustível derivado de resíduos". No entanto, adianta, "e em alinhamento com a Diretiva (UE) 2018/851 de 30 de maio de 2018 (recolha seletiva de resíduos têxteis obrigatória a partir de 1 de janeiro de 2025) está prevista a implementação de sistemas de recolha seletiva de resíduos têxteis pelos sistemas de gestão de resíduos urbanos, ou pelos municípios que os integram". A partir dessa altura, os têxteis encaminhados como resíduos serão, sempre que possível, preparados para reutilização e reciclagem.

Nos têxteis, há "uma parte significativa" que é recolhida para reutilização, feita em contentores localizados na via pública, com intenção de "que a mesma seja novamente usada para o mesmo fim". Uma das empresas que se dedicam à recolha de roupa em Portugal é a Ultriplo, com sede em Braga. Em 2018 recolheu 6 333 584 quilos de resíduos têxteis, sendo na sua maioria roupas, e contando também com calçado, brinquedos e livros. Atendendo a este valor, estima "uma redução anual de 19 634,1 toneladas de dióxido de carbono".

Anualmente, a Ultriplo recolhe "mais de 6000 toneladas de resíduos têxteis um pouco por todo o país, impedindo que 90% do que é recolhido acabe em aterros". Após a receção dos artigos, estes são separados consoante as suas características e qualidade, podendo ser encaminhados para os parceiros sociais da empresa, para reutilização (uma parte é exportada), para reciclagem (30%) ou para o aterro.
Falta sensibilização dos mais jovens

Carmen Lima, da Quercus, diz que "o que vai parar aos aterros em Portugal ainda tem alguma expressão". Não há dados centralizados sobre a quantidade recolhida nos contentores para reutilização - "e que devia estar quantificada" -, mas acredita que será "francamente superior ao que vai parar ao aterro". Quando chega lá, geralmente encontra-se em mau estado. "Mas não sabemos se chegou assim ao lixo ou se ficou danificada durante o processo."

Neste assunto, não há ainda muitas pessoas que tenham noção do que estão a fazer quando estão a deitar fora uma peça de roupa. "Há um núcleo de consumidores de fast fashion que usam a roupa uma ou duas vezes e não têm a preocupação de a passar para as organizações. Sobretudo nas gerações mais novas, não há tendência para entregar a roupa às organizações de solidariedade social", critica Carmen Lima, destacando que, quando não há contentores nas proximidades, há "uma franja da população" que não os procura quando se quer desfazer da roupa.


Um dos maiores problemas diz respeito às matérias-primas usadas. "A maior parte da roupa é sintética, provém do petróleo. Estamos a vestir-nos de plástico. Cada vez mais deixamos de comprar roupa de algodão", diz Carmen Lima, coordenadora do Centro de Informação de Resíduos da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza. Por outro lado, há o impacto associado às tintas, que acabam muitas vezes por contaminar os rios: "Muitas têm compostos orgânicos voláteis associados e nem sequer cumprem certificações." Já as emissões atmosféricas de gases de efeito estufa são uma constante desde o processo de produção, ao transporte, ao próprio uso.

Além da produção, há também a reciclagem - que não é feita tanto como devia. A Associação Portuguesa do Ambeite explica que, em Portugal, "não existindo recolha seletiva de resíduos [têxteis], a sua recolha é feita em conjunto com a fração indiferenciada, pelo que o destino será aterro, valorização energética ou, nalgumas situações, produção de combustível derivado de resíduos". No entanto, adianta, "e em alinhamento com a Diretiva (UE) 2018/851 de 30 de maio de 2018 (recolha seletiva de resíduos têxteis obrigatória a partir de 1 de janeiro de 2025) está prevista a implementação de sistemas de recolha seletiva de resíduos têxteis pelos sistemas de gestão de resíduos urbanos, ou pelos municípios que os integram". A partir dessa altura, os têxteis encaminhados como resíduos serão, sempre que possível, preparados para reutilização e reciclagem.

Nos têxteis, há "uma parte significativa" que é recolhida para reutilização, feita em contentores localizados na via pública, com intenção de "que a mesma seja novamente usada para o mesmo fim". Uma das empresas que se dedicam à recolha de roupa em Portugal é a Ultriplo, com sede em Braga. Em 2018 recolheu 6 333 584 quilos de resíduos têxteis, sendo na sua maioria roupas, e contando também com calçado, brinquedos e livros. Atendendo a este valor, estima "uma redução anual de 19 634,1 toneladas de dióxido de carbono".

Anualmente, a Ultriplo recolhe "mais de 6000 toneladas de resíduos têxteis um pouco por todo o país, impedindo que 90% do que é recolhido acabe em aterros". Após a receção dos artigos, estes são separados consoante as suas características e qualidade, podendo ser encaminhados para os parceiros sociais da empresa, para reutilização (uma parte é exportada), para reciclagem (30%) ou para o aterro.
Falta sensibilização dos mais jovens

Carmen Lima, da Quercus, diz que "o que vai parar aos aterros em Portugal ainda tem alguma expressão". Não há dados centralizados sobre a quantidade recolhida nos contentores para reutilização - "e que devia estar quantificada" -, mas acredita que será "francamente superior ao que vai parar ao aterro". Quando chega lá, geralmente encontra-se em mau estado. "Mas não sabemos se chegou assim ao lixo ou se ficou danificada durante o processo."

Neste assunto, não há ainda muitas pessoas que tenham noção do que estão a fazer quando estão a deitar fora uma peça de roupa. "Há um núcleo de consumidores de fast fashion que usam a roupa uma ou duas vezes e não têm a preocupação de a passar para as organizações. Sobretudo nas gerações mais novas, não há tendência para entregar a roupa às organizações de solidariedade social", critica Carmen Lima, destacando que, quando não há contentores nas proximidades, há "uma franja da população" que não os procura quando se quer desfazer da roupa.

Seria importante fazer recolha seletiva de roupa em Portugal? "Era importante, mas isso não implica mais um contentor." Na opinião de Carmen Lima, era preferível "promover uma rede, talvez com uma entidade gestora, que organizasse o processo de recolha", nomeadamente com mais contentores nas proximidades das pessoas. E, sublinha, que cada loja "pagasse uma ecotaxa por produto, pelo seu impacto ambiental associado".

Carmen Lima acredita que a sociedade "está mais atenta às questões sociais" associadas ao fabrico da roupa, mas nem tanto ao impacto ambiental que este setor tem. "A moda é feita de tendências, o que faz que as pessoas tenham uma necessidade constante de comprar. É feita de roupa barata, com pouca qualidade, fibras sintéticas e pouco controlo sobre as condições ambientais e de trabalho." Por isso, prossegue, é preciso educar a sociedade para a compra e o destino que dá aos produtos usados. "Quando nos tentamos ver livres da roupa em bom estado, devemos encaminhá-la para ser reutilizada ou reciclada."

Sasia recicla 900 toneladas por mês

Em Vila Nova de Famalicão, a Sasia recicla "todo o tipo de resíduos têxteis e de diferentes composições: algodão, poliéster, lã, linho, viscose, acrílico, entre outros". Miguel Silva, administrador, explica que "a grande maioria dos resíduos são provenientes da indústria têxtil (confeção, fiação, tecelagem, etc.)", tanto nacional como internacional. Por mês, a Sasia recicla cerca de 900 toneladas de tecidos.

Em funcionamento há 67 anos, a empresa trabalha "no sentido de criar um sistema circular que permita recuperar resíduos das suas produções, dando-lhes assim um novo destino". Com "processos tecnológicos automatizados", Miguel Silva conta que a empresa transforma os resíduos "em ramas destinadas a segmentos de mercado muito diferentes: indústria automóvel, hidrófila, colchoaria, fiação, geotêxtil e horticultura, entre outras".

Para Paulo Vaz, diretor-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, o futuro da indústria têxtil passa "pela economia circular e pela sustentabilidade", nomeadamente com o desenvolvimento "de tecnologias evoluídas e economicamente sustentáveis, que permitam transformar os resíduos em matéria-prima". Atendendo ao facto de Portugal ter de importar praticamente todas as matérias-primas, um grande passo seria a criação destas através dos resíduos. Hoje, frisa, já há muitas empresas que usam materiais reciclados na confeção do seu vestuário.
Marcas atentas às preocupações dos consumidores

Nos últimos anos, várias empresas deram passos em frente rumo a um futuro mais sustentável. Assistiu-se à criação de vários conceitos amigos do ambiente, nomeadamente dentro da moda ecovegan, mas também a iniciativas com vista à redução da pegada ecológica do setor. A H&M, por exemplo, diz que 57% dos materiais usados pelo grupo são atualmente "reciclados ou de origem sustentável". Desde que lançou a sua iniciativa de reciclagem de têxteis, em 2013, a H&M reciclou 25 mil toneladas de roupa doada pelos seus clientes em todo o mundo, o equivalente a 125 milhões de T-shirts. Nas lojas da marca, os clientes recebem vouchers por cada saco de roupa usada que entregam: "Todos os têxteis são bem-vindos - qualquer marca, qualquer estado -, até meias sem par, T-shirts gastas e lençóis antigos."

Mais tarde, em 2016, foi a vez de a Zara apostar na reciclagem de roupa: "Traga a roupa que não usa e dê-lhe uma nova vida." Atualmente, a marca do grupo Inditex tem pontos de recolha em algumas lojas, mas pretende vir a estender o serviço a toda a sua rede. De acordo com a informação disponível no site, as peças recolhidas serão "doadas, recicladas, transformadas em novos tecidos ou comercializadas de forma a permitir o financiamento" de várias organizações sem fins lucrativos, como a Cáritas ou a Cruz Vermelha.

Atenta à preocupação dos consumidores com a sustentabilidade dos produtos que adquirem, a C&A também tem vindo a desenvolver várias ações e produtos, que procuram diminuir o seu impacto ambiental. Uma estratégia que passa, por exemplo, pela aposta em algodão biológico ou pela utilização de materiais reciclados.

Preocupação vs. marketing

E quando são as marcas a pedir que os consumidores comprem menos? Foi o que fez a Adolfo Dominguez, em março, ao lançar a campanha "Pensa. Depois compra". Ao DN, os responsáveis pela marca espanhola explicam que "o objetivo da campanha é convidar os consumidores a refletir sobre um modelo de consumo mais responsável, sobre a valorização da qualidade e da durabilidade das peças".

Segundo a marca, cada espanhol compra, em média, 34 peças de roupa por ano. "Mas a questão não é só o número de peças. Há pessoas que compram uma camisola para usar e tirar, e isso não é o normal. O normal é ter uma peça que possa durar dez anos no armário", refere a marca, numa resposta escrita enviada ao DN. Numa era em que "o que importa é o último, o novo, o que acabou de sair", a Adolfo Dominguez - marca de autor - quer ter uma visão alternativa, apelando também aos consumidores que "sejam mais velhos". Porque isso é "escolher melhor" e, assim, "ser mais sustentável".

Para Mafalda Ferreira, professora no IPAM - Instituto Português de Administração e Marketing, este tipo de estratégias "pretendem ir ao encontro dos valores emergentesem termos de consumo". Atualmente, a especialista em consumo diz que há dois eixos que os consumidores valorizam: a transparência e a responsabilidade. "As marcas assumem que poluem, que este não é o mundo ideal, mas que têm problemas", afirma.

Ao lançar uma campanha que apela a um consumo mais consciente, Mafalda Ferreira considera que a Adolfo Dominguez quer "posicionar-se, fazer frente à fast fashion, que tem preços mais baratos, menor qualidade, que contribui ainda mais para todos os impactos que a indústria já tem". Este é, segundo a docente, um movimento global, que atinge as várias áreas. "O apelo à sustentabilidade é um caminho para as marcas se diferenciarem das suas concorrentes, valorizando aquilo que vai sendo gradualmente mais importante para os seus consumidores." É "claramente uma estratégia".

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Plásticos vão poluir durante décadas mesmo se o deixarmos de usar hoje

Os plásticos acumulados nos rios vão continuar a poluir durante décadas ou mesmo séculos, mesmo que o mundo deixasse de usar plástico hoje mesmo, concluíram cientistas envolvidos num estudo sobre o percurso daquele material até ao mar.

Foto e notícia aqui
Informação sobre a poluição dos oceanos com plástico é hoje abundante, mas há poucos estudos sobre como esses plásticos chegam ao mar, uma lacuna que a Universidade de Birmingham, Reino Unido, pretende colmatar com um estudo centrado nos rios e na foz dos rios.

O projeto '100 Rios de Plástico' junta cientistas em mais de 60 locais do mundo que recolhem amostras de água e sedimentos nos rios, para tentar perceber como é que os plásticos são transportados e transformados, e como é que se acumulam nos sedimentos, criando um legado poluente de longa duração.

“Mesmo que parássemos agora mesmo de usar plástico ainda haveria décadas, se não séculos, de plásticos pelos rios em direção aos nossos mares. Estamos cada vez mais conscientes do problema que isso está a causar aos oceanos, mas só agora estamos a começar a olhar para de onde esses plásticos vêm e como é que eles se estão a acumular nos sistemas fluviais”, disse Stefan Krause, da Escola de Geografia, Terra e Ciências do Ambiente da Universidade de Birmingham.

Os primeiros resultados do projeto serão apresentados na Assembleia Geral da União Europeia de Geociências, que decorre em Viena, na Áustria, até sexta-feira. Mas segundo os responsáveis há um quadro complexo de uma grande diversidade de tipos e fontes de plástico em estuários de rios do Reino Unidos e de França.

terça-feira, 16 de abril de 2019

O fungo assassino que já dizimou populações de 500 espécies de anfíbios

Foto Rã-dourada-do-panamá (Atelopus zeteki) GONÇALO M. ROSA

Há uma doença infecciosa que tem atormentado anfíbios em todo o mundo: chama-se quitridiomicose e é causada por um fungo. Mas quantas espécies de anfíbios foram afectadas por esta doença? Num artigo publicado na última edição da revista científica Science, refere-se que já causou o declínio de 501 espécies de anfíbios e que 90 delas já estão “presumivelmente extintas”. Também se considera que a quitridiomicose é a doença que provocou a maior perda na biodiversidade até agora.

Quando o fungo quitrídio (Batrachochytrium dendrobatidis) infecta a pele de várias espécies de rãs, sapos e outros anfíbios causa a quitridiomicose – que também pode ser provocada pelo fungo Batrachochytrium salamandrivorans, que afecta salamandras e tritões. Esta doença afecta a capacidade de os anfíbios regularem a água e pode levá-los à insuficiência cardíaca. Como o fungo passa de animal para animal e se espalha rapidamente na natureza, tem contribuído para o declínio de algumas espécies.

Embora tenha sido identificado pela primeira vez nos anos 70, o quitrídio só foi reconhecido como um fenómeno global associado ao declínio de espécies de anfíbios nos anos 90. No ano passado, desvendou-se que a estirpe mais agressiva deste fungo terá surgido na península da Coreia no início do século XX.

“Apesar de ter aumentado a compreensão que temos deste fungo, os cientistas só tinham sido capazes de supor a escala dos danos causados pelo Batrachochytrium dendrobatidis nas populações de anfíbios de todo o mundo”, escrevem Dan Greenberg e Wendy Palen, da Universidade Simon Fraser (Canadá) e que não participaram neste trabalho, num comentário ao estudo também na Science.

Para ter dados à escala global, uma equipa internacional de cientistas usou um conjunto abrangente de dados sobre o declínio do número de anfíbios em todo o mundo para quantificar o impacto da quitridiomicose na biodiversidade.

Percebeu-se então que a quitridiomicose causou o declínio de pelo menos 501 populações de espécies de anfíbios. Como há mais de 7000 espécies de anfíbios descritas, isto representa cerca de 6,5% dessas espécies. Além disso, 124 delas tiveram diminuições graves (mais de 905) nas suas populações e 90 já estão extintas ou “presumivelmente extintas”. “Isto representa a maior perda de biodiversidade documentada atribuída a um agente patogénico e coloca o B. dendrobatidis entre as espécies invasivas mais destrutivas, quando comparado com os roedores (que ameaçam 420 espécies) e gatos (que ameaçam 430 espécies)”, lê-se no artigo.

Apesar de estar presente em 60 países, no estudo salienta-se que as maiores diminuições ocorreram em populações de anfíbios da Austrália, Mesoamérica e na América do Sul. Concluiu-se ainda que o pico no declínio das populações aconteceu nos anos 80.

A equipa traçou ainda o perfil das espécies atingidas de forma mais grave: “O declínio foi maior em espécies com corpos maiores, que estão presentes em regiões regularmente húmidas e fortemente associadas a habitats aquáticos perenes”, lê-se no artigo.

“Doenças altamente virulentas na vida selvagem, incluindo a quitridiomicose, estão a contribuir para a sexta extinção em massa na Terra”, reage Ben Scheele, ecólogo da Universidade Nacional Australiana e primeiro autor do trabalho, num comunicado da sua instituição. “A doença que estudámos causou extinções em massa por todo o mundo. Perdemos algumas espécies realmente espectaculares.”


A perda da rã dourada

“Estamos a falar de uma doença com uma letalidade sem precedentes e com um espectro de hospedeiros extremamente amplo, isto é, capaz de infectar centenas ou milhares de espécies”, considera Gonçalo M. Rosa, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e do Instituto de Zoologia do Parque Regent (Londres), que não fez parte deste trabalho, mas que tem estudado o impacto deste fungo nos anfíbios em Portugal.

O investigador refere que têm sido publicados vários estudos que descrevem os impactos desta doença a nível regional como na América Central ou na Serra da Estrela. “Este estudo traz uma perspectiva espacial e temporal da perda de biodiversidade de anfíbios causada pela quitridiomicose a uma escala global, como que juntando várias peças de um puzzle”, afirma.

“O estudo pinta uma vez mais a quitridiomicose como uma das doenças mais impactantes em termos de perda de biodiversidade”, destaca ainda o investigador. “São números bastante elevados mesmo quando comparados com os de outras doenças altamente infecciosas de fauna selvagem.” Dos valores apresentados pela equipa, o investigador sublinha que, passadas várias décadas, cerca de 40% das espécies que sofreram declínio continuam a ser afectadas pela doença.

Gonçalo M. Rosa esclarece que não é “fácil atribuir uma doença como único responsável pela extinção de uma espécie.” Ou seja, a quitridiomicose pode contribuir para a extinção de uma espécie em conjunto com outros factores de pressão como a destruição de habitat, as alterações climáticas ou espécies invasoras.

Um caso de uma espécie “presumivelmente extinta” e analisada neste trabalho é a rã-dourada-do-panamá (Atelopus zeteki). Apesar de se fazerem buscas frequentes, esta rã não é detectada na sua zona de ocorrência desde 2006. “O seu desaparecimento coincidiu com a chegada do quitrídio à sua área de distribuição.”

Ben Scheele assinala que só na Austrália 40 espécies de rãs diminuíram as suas populações devido a esta doença nos últimos 30 anos. “A globalização e o comércio de espécies selvagens são as principais causas desta pandemia global.”

Por sua vez, Gonçalo M. Rosa também indica o comércio e diferentes actividades humanas como os principais responsáveis pela dispersão desta doença. E avisa: “Fracas ou inexistentes medidas de biossegurança acabam também por colocar em risco a saúde humana, permitindo uma chegada fácil de certos agentes patogénicos a lugares e populações nunca antes expostos e, por isso, sem quaisquer defesas naturais.”

E em Portugal?

Quanto a Portugal, o primeiro surto registado de quitridiomicose foi observado na serra da Estrela em 2009 e causou o declínio de cerca de 70% da população do sapo-parteiro (Alytes obstricans) nas zonas mais elevadas da serra. Até agora, devido a esta doença, não se extinguiu nenhuma espécie em Portugal.

E o que se pode fazer para se minimizar os efeitos desta doença? “Temos de fazer tudo o que for possível para parar futuras pandemias fazendo um melhor controlo do comércio de espécies selvagens em todo o mundo”, responde Ben Scheele no comunicado. Para se reduzir o risco de dispersão desta doença, Gonçalo M. Rosa indica que é urgente tomar medidas de biossegurança efectivas, assim como um maior controlo do comércio de espécies.

O investigador explica que é possível curar a doença em laboratório com banhos com soluções antifúngicas (por exemplo), mas que este método não pode ser usado em populações selvagens. “Várias formas de mitigar o problema na natureza têm sido testadas, mas com pouco sucesso até à data”, lamenta. “É necessário um maior investimento nesta área bem como na monitorização de populações selvagens.”

Gonçalo M. Rosa adianta ainda que é difícil documentar o declínio de populações de anfíbios porque a monitorização de populações selvagens é rara antes de os surtos serem detectados. “Uma boa vigilância e seguimento contínuo do estado de saúde das populações é crucial, permitindo a detecção subclínica de doenças e adopção atempada de medidas de gestão e conservação.”


Mas a preocupação de Gonçalo M. Rosa não se resume à quitridiomicose. “A crescente emergência de doenças infecciosas apresenta-se como um dos maiores riscos do século para a saúde pública, segurança alimentar e a biodiversidade”, assinala. “Este aumento sem precedentes de doenças frequentemente promovido pela globalização, bem como a degradação do meio ambiente, é agora reconhecido como um dos principais impulsionadores da perda de biodiversidade em todo o mundo.”


Além da quitridiomicose, nos anos 90 houve em Portugal um surto de ranavirose (doença causada pelo ranavírus) no Parque Nacional da Peneda-Gerês que levou à morte de centenas de tritões e de outros anfíbios. No final de 2011, a ranavirose também emergiu na Serra da Estrela. “A partir desse ano, várias foram as espécies que sofreram declínios no parque natural vendo as suas populações reduzidas. Na verdade, a Península Ibérica é a região mais afectada da Europa tendo em conta o impacto da emergência das formas letais de ambas as doenças: a quitridiomicose e a ranavirose.”

Mesmo assim, o investigador frisa um dos resultados do trabalho na Sciencecomo uma “luz ao fundo do túnel”: ainda que lentamente, 12% das espécies de anfíbios que sofreram declínio estão a mostrar sinais de recuperação.