sexta-feira, 18 de março de 2011

Efeitos do plutónio na saúde

Foto: Washington Closure Hanford
Frascos com Plutónio, datado de 1944
Por Arjun Makhijani

O plutónio-239 é uma substância cancerígena muito perigoso, que pode também ser usado para fabricar armas nucleares. Esta combinação de propriedades a torna uma das substâncias mais perigosas.  O plutónio-239, durante a sua presença em apenas quantidades vestigiais na natureza, tem sido feito em grandes quantidades em ambos os programas militares e comerciais nos últimos 50 anos. Outros mais cancerígenos radioactivos até existem, como o rádio-226, mas ao contrário de plutónio-239 não pode ser usado para fabricar armas nucleares, ou não estão disponíveis em quantidade. 
Urânio altamente enriquecido (HEU) também pode ser usado para fabricar armas nucleares, mas é aproximadamente mil vezes mais radioativo que o plutônio-239.O perigo é agravado pelo fato de que o plutónio-239 é relativamente difícil de detectar, uma vez que está fora do seguro, instalações bem instrumentado, ou desde que tenha sido incorporado no corpo.Isto porque as suas emissões de raios gama, que fornecem o método mais simples de detecção de radionuclídeos, são relativamente fracos.

A principal propriedade cancerígena do plutónio-239 é oriundo da radiação alfa energética que emite.  As partículas alfa, sendo pesada, a transferência de sua energia para outros átomos e moléculas dentro de colisões menos do que os elétrons muito mais leves que são o principal meio de os danos da radiação de gama e radiação beta. partículas alfa uma viagem apenas de curta distância dentro de um tecido vivo, repetidamente, bombardeando as células e os tecidos próximos. Isso resulta em muito mais dano biológico para a mesma quantidade de energia depositada no tecido vivo.  

A eficácia relativa dos vários tipos de radiação em causar dano biológico é conhecido como "relativa eficácia biológica" (RBE). Isso varia de acordo com o tipo de radiação, a sua energia, e o órgão do corpo a ser irradiada.  Um simples fator, chamado fator de qualidade, é usado para indicar o risco relativo de alfa, beta, gama e radiação de nêutrons para fins regulamentares.  A Comissão Internacional de Proteção Radiológica recomenda atualmente o uso de um fator de qualidade de 20 para radiação alfa em relação à radiação gama.

Uma vez no corpo, o plutónio-239 é preferencialmente depositado em tecidos moles, nomeadamente o fígado, sobre superfícies ósseas, na medula óssea e em outras áreas não-calcificado do osso, bem como as áreas do osso que não contêm cartilagem. Deposição na medula óssea podem ter um efeito particularmente nocivos sobre a formação do sangue que ocorre lá.  Em contrapartida, o rádio-226, outro emissor alfa, é quimicamente semelhante ao cálcio e assim torna-se depositados nas áreas de calcificação dos ossos.

Quando é fora do corpo, plutónio-239 é menos perigosa do que as fontes de radiação gama. Como as partículas alfa transferem a sua energia a uma curta distância, o plutônio-239 perto de depósitos de corpo essencialmente toda a sua energia na camada exterior da pele morta, que não causa danos biológicos.

Os raios gama emitidos por  plutónio-239 penetram no corpo, mas como esses são relativamente poucos e fracos, uma considerável quantidade de plutônio-239 seria necessário para produzir doses substanciais de radiação gama.  Assim, plutônio-239 podem ser transportados com o mínimo de proteção, sem o perigo de graves efeitos imediatos radiológica. O maior perigo para a saúde de plutónio-239 é de inalação, especialmente quando se está sob a forma comum de insolúvel óxido de plutónio-239.
Outro perigo é a absorção de plutónio para a corrente sanguínea através de cortes e abrasões. O risco de absorção pelo organismo através da ingestão é geralmente muito menor do que o da inalação, porque plutónio não é facilmente absorvida pelas paredes intestinais, e assim a maioria deles será eliminado.
O tipo de dano que o plutónio-239 e inflige a probabilidade com que produz danos que dependem do modo de incorporação de plutónio para o corpo, a forma química do plutónio e do tamanho da partícula. Os modos habituais de integração para os membros do público são a inalação ou ingestão. Incorporação através dos cortes é um perigo principalmente para os trabalhadores e para o pessoal que participa no programa de testes nucleares atmosféricos.


Mais leituras:

1 comentário:

DiAfonso disse...

Olá, João Soares!

Grato, muito grato pela dica. Excelente o seu blog, embora seja leiguíssimo neste tema. Mas são esclarecedoras as informações para um... leigo como eu... rsrs

Grande abraço!

ps. O Terra Brasilis está, honrosamente, linkado ao seu blog.