quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Gandhi- Se Queremos Alcançar Neste Mundo a Verdadeira Paz


"Se queremos alcançar neste mundo a verdadeira paz e se temos de levar a cabo uma verdadeira guerra contra a guerra, teremos de começar pelas crianças; e não será necessário lutar se permitirmos que cresçam com a sua inocência natural; não teremos de transmitir resoluções insubstanciais e infrutíferas, mas iremos do amor para o amor e da paz para a paz, até que finalmente todos os cantos do mundo fiquem cobertos por essa paz e por esse amor pelo qual, consciente ou inconscientemente, o mundo inteiro clama.

                                                                                                Mohandas Gandhi, in 'The Words of Gandhi'

domingo, 16 de dezembro de 2007

Mozart: Laudate Dominum (interpretação por Anja Harteros - soprano greco-alemã)



Mozart: Laudate Dominum (in Vesperae Solemnes de Confessore) 
Adventskonzert, Dresden, 2008 
Igreja Frauenkirche, Dresden

sábado, 15 de dezembro de 2007

Grifos na Web

Grifos na Web /Vulture Cam (em linha)

Objectivos e parceiros

Criado no âmbito do programa Público na Escola, Grifos na Web é um projecto do jornal PÚBLICO que visa estimular a conservação da Natureza e a protecção do Ambiente junto dos alunos das escolas básicas e secundárias.

O projecto consiste na colocação de uma câmara de vídeo no ninho de um grifo (Gyps fulvus), na zona do Tejo Internacional, para que os alunos possam seguir em directo, 24 horas por dia, o comportamento destes animais e perceber a necessidade de conservar todas as espécies ameçadas em Portugal.

Os parceiros deste projecto são a Refer, responsável pela instalação da câmara e de toda a infraestrutura tecnológica que permite as imagens em directo; a Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN),responsável pela disponibilização do sinal e por gravar todas as acções no ninho para posterior divulgação; a SIC, que fará a cobertura televisiva ao longo de toda a época de nidificação; e o próprio jornal
Público, que fornecerá as imagens em directo através do seu sítio e promoverá as acções educativas junto das escolas.


Projectos similares além-fronteiras

Wildlifecams

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Audio- Infografia excelente e esclarecedora da BBC Environment sobre a história do aquecimento global- em 800.000 anos de registos, o crescimento acelerado nas últimas décadas não deixa dúvidas que a origem é antropogénica


The Earth

Take an animated journey through the Earth's climate history

No rescaldo de mais uma patética conferência em Durban, foi a própria Presidente Maite Nkoana-Mashabane, que vendo o tempo a esgotar-se, tentou forçar os presentes a alguma coisinha ao afirmar (em inglês-para todos percebermos) "No one can walk out of this room and say we don't care about climate change" [ler crónica no BBC environment hoje]



Infografia completa aqui
Existe ainda um versão em texto que contem ainda informação das fontes utilizadas

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

RESPIRO



Avanços na Agenda 21 - Freiburg, 11 de Dezembro de 2007 - Depois de vários meses de intensa preparação, os Guias European Responsibility in Procurement (RESPIRO) foram oficialmente lançados no dia 3 de Dezembro de 2007, após a conferência na cidade de Lille, em França.

Mais Informações
Respiro Project


Filme a ver
Waiting for Europe (Christine Reeh)


Parabéns, Manoel de Oliveira
Dossier Manoel de Oliveira

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Dicionário da Sustentabilidade em Linha (Online) completamente em Português!

O mais completo dicionário de sustentabilidade em português
MDL, GRI, IPCC, IDH. Aprender o significado destas siglas - que cada vez mais ganham espaço nos noticiários e nas discussões cotidianas - é uma forma de entender os movimentos e avanços que levam à construção de um Planeta Sustentável. 

Descubra o que significam estes e outros termos, navegando aqui.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

No reino da Dinamarca - os 10 motivos para consumir produtos biológicos


Crescimento na vendas de produtos orgânicos na Dinamarca: 1/3 a mais em 2007, quando comparado com 2006. Leite, queijos e ovos são os produtos mais populares. Fonte: http://fremtidenslandbrug.dk/?p=35

10 motivos para consumir produtos orgânicos:
1. Proteger as futuras gerações;
2. Prevenir a erosão do solo;
3. Proteger a qualidade da água;
4. Rejeitar alimentos com agrotóxicos;
5. Melhorar a saúde dos agricultores;
6. Aumentar a renda dos agricultores;
7. Apoiar os pequenos agricultores;
8. Prevenir gastos futuros;
9. Promover a biodiversidade;
10. Descobrir sabores naturais.

Os produtos orgânicos são muito comuns  na Dinamarca: podem ser encontrados com facilidade em qualquer supermercado. Em Dinamarquês, são chamados de økologisk (ou ecológicos). Nos supermercados maiores e mais sofisticados, há prateileiras inteiras, nos diversos setores, só com orgânicos.  Na Alemanha, existem  supermercados específicos que só vendem produtos orgânicos!!!
O valor dos produtos orgânicos é geralmente um pouco maior, mas numa sociedade de alto poder aquisitivo e consciente, prefere-se pagar um pouco mais.

A meu ver é preferível biológicos e comer menos (pois muitos alimentos orgânicos são muito mais ricos em vitaminas e sais minerais e também fornecem mais doses de proteínas e glícidos) e menos idas ao médico. 

Finalmente ter a garantia de produtos que na sua cadeia produtiva seguem os seguintes princípios:


  • O solo é considerado uma organismo vivo e deve ser revolvido o mínimo possível;
  • Uso de adubos orgânicos de baixa solubilidade;
  • Controle com medidas preventivas e produtos naturais;
  • mato (ervas daninhas) faz parte do sistema. Pode ser usado como cobertura de solo e abrigo de insetos;
  • O controle de ervas daninhas é preventivo: manual e mecânico (roçadas);
  • Teor de nitrato na planta é baixo;
  • Os efeitos no meio ambientes são positivos: preservação do solo e das fontes de água.        
  • Adaptado (wiki; dk notícias)

    quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

    Mapa Mundial de Emissores de Carbono UNDP



    1. Mapa Mundial de Emissores de Carbono UNDP Publicado em finais de Novembro, 2007


    2. Está recentemente disponível para descarregares gratuitamente o filme Freedom Fuels, que aborda de forma profunda os recursos renováveis baseados em fuel , como o bio-diesel, etanol, agro-combustível, biomassa e óleo vegetal.
    Personalidades convidadas: Daryl Hannah e Willie Nelson

    Produzido e realizado por Martin O'Brie. Tempo: 49 Minutos

    Vencedor do Environmental Preservation Award, 2006 Artivist Film Festival. Este filme também obedece a Carbon Free Designation (ou seja foram eliminadas todas as emissões de carbono para a a realização deste filme. Para mais informações visita Carbon Fund.)

    3. Assina a Petição Consumo Sustentável de Sacos de Plástico

    terça-feira, 4 de dezembro de 2007

    Dom Luiz Flávio Cappio,o profeta do Rio São Francisco


    Dom Luiz Cappio nasceu na cidade de Guaratinguetá, interior de São Paulo. Ainda na adolescência, trocou as festas que costuma freqüentar com os garotos de sua idade para se dedicar à vida religiosa. Ao ordena-se frade franciscano, vendeu um prédio de três que seu pai havia lhe dado e doou todo o dinheiro para instituições de caridade. Em 1974, já como membro da Pastoral Operária, saiu de São Paulo para uma peregrinação na região Nordeste, o que lhe rendeu a fama de profeta. Foi ordenado bispo, contrariando a tradição da Igreja Católica de não conceder o título para religiosos ligados às causas sociais. Na década de 90, já instalado na região, coordenou uma caminhada da nascente à foz do Rio São Francisco, quando firmou seu conhecimento sobre o rio e da população ribeirinha. Em 2005, Dom Luiz ganhou notoriedade ao anunciar uma greve de fome em protesto ao projeto de transposição do São Francisco. Na época, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mandou o então ministro das Relações Institucionais Jaques Wagner ao sertão pernambucano para negociar com Dom Luiz uma saída para o impasse. O jejum do religioso durou 11 dias e causou o adiamento temporário da obra. No último dia 26 de novembro, o religioso entrou novamente em greve de fome por conta do início das obras pra a transposição do rio. Para Dom Luiz, o povo brasileiro precisa enxergar "o verdadeiro sentido da obra" e fiscalizar mais as atitudes do governo. (Fonte: Época )

    domingo, 2 de dezembro de 2007

    Música do BioTerra: Johan & Djuret - Kom & Köp




    Dogma cut, pirate-arty, anti-commercialism music video with the swedish hiphop and reggae band Johan  & Djuret. Some people where possibly hurt doing the recording while others got a bit of stamina exercise. Dont try this at home!

    sábado, 1 de dezembro de 2007

    Sítio do fim de semana: Pronunciator

    Cult-Love

    Sítio do fim de semana: Pronunciator
    A missão do Pronunciator é ensinar as línguas do mundo para os povos do mundo, gratuitamente.
    Com mais de 3.000.000 páginas com aulas interactivas, o Pronunciator é o maior serviço de aprendizagem de línguas do mundo.

    sexta-feira, 30 de novembro de 2007

    Música do BioTerra: Xmal Deutschland- "I´ll be Near You" e a seguir "Polarlicht"




    "I'll Be Near You "

    Now you've gone away and I am left behind
    I won't ask you to take me along
    But when you turn this crystal in your hand
    You call me
    Wherever you stay - I'll be around
    I'll watch every move you make night and day
    I'll be there - whatever you do
    Just call me

    I will be near you - wherever you are
    I will be near you
    I'll walk beside you - wherever you go
    I will be near you

    When you close your eyes
    And try to touch my mind
    I'll be the vision and voice that you hear
    I'll be a part of all the things you see
    Just call me
    Wherever you stay - whatever you do
    I'll be the spirit of all the steps you take
    Just hold this crystal in your hand
    And call me

    "Polarlicht"

    Polarlicht Polarlicht Polarlicht
    Scheine scheine...

    Polarlicht...
    Von Alaska bis Kiruna
    Von Alaska bis Kiruna
    Scheine scheine...

    Polarlicht...
    Sturm zwischen den Sternen
    Fackeln am Horizont !
    Brenne brenne...
    Aura am Nachthimmel

    Polarlicht...
    (Tänzer am firmament)
    Scheine scheine...

    quinta-feira, 29 de novembro de 2007

    Desenvolvimento Humano vs Alterações Climáticas



    Acabou de ser publicado o Relatório das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Humano 2007/2008 e está principalmente focado na problemática desenvolvimento humano vs alterações climáticas

    Tem início na próxima segunda-feira, dia 3 de Dezembro (prolongando-se até 14 de Dezembro), em Bali na Indonésia, a 13ª Conferência das Partesda Convenção das Nações Unidas para as Alterações Climáticas. A Conferência de Bali conta com a participação de 13.000 participantes de todo o mundo entre representações oficiais, organizações nãogovernamentais e comunicação social.A Quercus manterá durante a conferência um BLOGUE com pormenores da negociação, curiosidades, fotos e vídeos recolhidos pelos
    seus participantes.

    Blogue da Semana
    Terra Alerta


    segunda-feira, 26 de novembro de 2007

    Fotografo da semana- Miguel Claro

    Depois de em maio do ano passado ter tido duas fotografias suas destacadas pela Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (NASA na sigla em inglês), o astrofotógrafo português Miguel Claro volta a ter uma fotografia sua na galeria 'foto do dia' da agência espacial, destaca o Diário de Notícias.

    No site a NASA explica que o especialista português conseguiu captar um fenómeno raro. Mas antes da explicação, o melhor é mesmo ver a imagem.

    O destaque na composição vai para os 'arco-íris' repetidos que mostram-se no céu estrelado. A NASA diz que este é um fenómeno provocado por uma perturbação atmosférica, possivelmente uma tempestade. O que vemos na imagem é o equivalente às ondulações na água quando atira uma pedra para uma lagoa, por exemplo.

    Para explicar as cores a agência espacial diz que estas são resultado do efeito em diferentes partículas, desde o sódio até ao oxigénio. A NASA destaca ainda a plena visibilidade da Via Látea no centro da imagem e a galáxia de Andrómeda na parte superior esquerda da composição.

    A fotografia de Miguel Claro foi captada na montanha do Pico, nos Açores. Na parte inferior da imagem é possível ver a ilha do Faial.

    Página Oficial do autor

    sexta-feira, 23 de novembro de 2007

    Sementes de Luz


    A razão de ser do título prende-se não só com o facto de se comemorar hoje o Dia da Floresta Autóctone (data que deveria substituir em protagonismo o Dia Mundial da Floresta, celebrado numa época do ano pouco adequada, no nosso País, às plantações de árvores) mas também este vídeo de Sandra Egidio como raíz e tronco sobre o quanto belo tem o mundo e quanta luz pode iluminar os nossos desígnios com mais gestos de solidariedade , de abraços e com ramos e folhas para enviar a boa mensagem e frutos e delas germinando sementes do amanhã, celebrando os esposais entre os humanos e a natureza, citando António Gedeão.

    Sítios da Semana
    Earth Spirit Earth Crash: Healing Ourselves and a Dying Planet


    The Oil Drum


    Amanhã, 24 de Novembro é o Dia Sem Compras. Sugiro que visitem Vigotroca: um novo espaço para fazer trocas de bens; é a aposta dum conjunto de associações a favor do consumo consciente, pela reutilização e a reciclagem, pela participação cidadã e a recuperação da rua como espaço de conhecimento, relação e disfrute.


    Blogue de Natureza e Fadas, tudo em Chaminé de Fadas

    quarta-feira, 21 de novembro de 2007

    Pam Warhurst: Como transformar a nossa comunidade numa horta colectiva

    Original em Inglês

    Pam Warhurst: How we can eat our landscapes


    O que deve fazer uma comunidade com a sua terra não utilizada? Alimentos vegetais, é claro. Com energia e humor, Pam Warhurst diz no TEDSalon a história de como ela e uma equipa crescente de voluntários se uniram para transformar lotes de terra não utilizada em hortas comunitárias, e de mudar a narrativa da agricultura e economia dos alimentos na sua comunidade.

    Todmorden- "Incredible Edible"

    Versão Portuguesa

    Mais Leituras

    terça-feira, 20 de novembro de 2007

    Lixo electrónico - como reduzir

    Red Lorry Yellow Lorry: Chance (1985)


    Silicon Valley_Mexico


    Campanha da UNEP


    Agora que o nosso Governo tem uma forte aposta no Plano Tecnológico,tem vantagens e desvantagens. Convém estares atento primeiro à publicidade e reflectir e ponderar muito bem se a compra de PC, telemóveis, iPod é mesmo prioritário pra a tua vida. Maximiza todas as potencialidades dos programas e operações que estão nestas e-máquinas (consulta manuais de programação, frequenta acções de formação).Com estas atitudes estarás a maximizar e retirar o máximo benefício da máquina que compraste, estás a reduzir a exposição às ondas electromagnéticas e a diminuir o lixo electrónico. No nosso País já há uma razoável cobertura de empresas de recilagem de tinteiros e toners. Quanto a novos computadores, telemóveis, faz-se frequentemente o reaproveitamento, passando a solução pela sua regeneração e venda nos mesmos locais de aquisição de hardware e software ou em campanhas de trocas. O ideal é também a possibilidade de entrares em grupos de freecycling, isto é, são comunidades cujo objectivo é Reusar : Não Deitar Fora objectos. Portanto é um movimento de pessoas interessadas em manter os objectos
    usáveis fora das lixeiras. Visita freecycle.org para conheceres as comunidades e mais informações acerca do movimento. Há sempre Hipóteses (Chance como diz a múscia desta postagem) para que isto que vais ver nesta apresentação de diapositivos não aconteça mais:

    Tanta injustiça, pois não? Sempre que efectuares a compra, opta por comprares material informático e de comunicação a empresas electrónicas mais verdes. Para esse efeito a Greenpeace actualiza, de três em três, um ranking de empresas tecnológicas amigas do ambiente e alerta os consumidores com muito detalhe nomeadamente, que produtos tóxicos podem existir, quais os consumos energéticos, que efeitos no Ambiente e na Saúde
    e menos pobreza e exploração.

    segunda-feira, 19 de novembro de 2007

    Documentário: The Future of food - O Futuro dos Alimentos


    A partir da pradarias de Saskatchewan, Canadá para os campos de Oaxaca, México, este filme dá voz aos agricultores cujas vidas e meios de subsistência foram negativamente afectados por esta nova tecnologia. As implicações para a saúde, as políticas governamentais e impulso à globalização fazem parte da razão pela qual muitas pessoas estão alertadas com a introdução de culturas geneticamente modificadas no nosso abastecimento alimentar.

    Com imagens dos E.U.A., Canadá e México, O FUTURO DA ALIMENTAÇÃO examina a complexa teia de mercado e as forças políticas que estão a mudar aquilo que comemos como grandes empresas multinacionais procuram controlar o sistema mundial de alimentos. O filme também explora as alternativas para a agricultura industrial em larga escala, colocando a agricultura biológica e sustentável como soluções reais para a crise agrícola de hoje.

    Página oficial: The Future of Food
    Em Inglês
    There is a revolution happening in the farm fields and on the dinner tables of America - a revolution that is transforming the very nature of the food we eat. 
    The Future of Food offers an in-depth investigation into the disturbing truth behind the unlabeled, patented, genetically engineered foods that have quietly filled U.S. grocery store shelves for the past decade.
    From the prairies of Saskatchewan, Canada to the fields of Oaxaca, Mexico, this film gives a voice to farmers whose lives and livelihoods have been negatively impacted by this new technology. The health implications, government policies and push towards globalization are all part of the reason why many people are alarmed by the introduction of genetically altered crops into our food supply. Shot on location in the U.S., Canada and Mexico, The Future of Food examines the complex web of market and political forces that are changing what we eat as huge multinational corporations seek to control the world's food system. The film also explores alternatives to large-scale industrial agriculture, placing organic and sustainable agriculture as real solutions to the farm crisis today.

    sábado, 17 de novembro de 2007

    TranXgenia, documentário da Catalunha sobre OGM



    TranXgènia: a história do verme e do milho: 37 min

    Um documentário elaborado pela Plataforma Transgènics Fora! da Catalunya, onde é apresentado como os transgénicos, sem fazer muito barulho, estão cada vez mais presentes nas nossas vidas, desde o campo do produtor até ao prato do consumidor. Baseado na experiência local da Catalunha e de Aragão, explora-se os diferentes pontos da acção dos transgénicos e expõe-se o conflito que eles provocam.

    Projecção e debate na 5ª feira, 22 Novembro, BACALHOEIRO
    Rua das Bacalhoeiros 125, Lisboa
    Início às 22h00
    Organização
    Gaia

    quinta-feira, 15 de novembro de 2007

    O significado da Vida




    Já pensaram que Vida já há muito tempo que não é mais um conceito natural?
    Neste documento por exemplo,
    A global study on the state of forest tree genetic modification , vejam os números e os países já envolvidos em plantações de árvores GM.

    Ou ainda Looking to a Future with Genetically Enhanced Humans , onde a eugenia de alta-tecnologia estará prestes a ser realidade...e resultam de trabalhos dos recém laureados este ano ao Prémio Nobel da Medicina.


    Puro paradoxo, mas muita gente rejeitará a presença de falcões nas cidades, por
    exemplo...outros rejeitam as árvores nas suas ruas...colocam o lixo perto do tronco, como se mastros fossem e são organismos vivos...
    Que conceito de Vida queremos? E aceitamos? Que riscos trazem estas descobertas?

    Seremos capazes de amar a lentidão, a vida simples, das crianças nas ruas, apelar a uma redução e maior resistência à publicidade e ao consumir por consumir (consumir paisagens, já agora....), amar os campos cultivados (e bosques, matos) de acordo com processos mais ecológicos e protegendo as sementes mais adaptadas aos climas e solos de cada região? Não seria importante que os nossos campos estivessem mais perto das cidades? Não seria importante requalificar os subúrbios - dormitório? Não seria importante apoiar os que preservam os pequenos quintais e quintas no interior da cidade do Porto e de outras cidades Portuguesas? Os que há muito desejam litorais com dunas e não ruas de buzinas e motores e cordões electrificados pelos passadiços.....

    Há anos que cidadãos desesperam por um ordenamento ecológico das nossas cidades, que se apoie genuínamente a preservação da Rede Natura 2000,alertando para os princípios de precaução e prevenção, amando as árvores e a biodiversidade das nossas terras.

    Manifesto Global Contra as Patentes Sobre Sementes e Animais

    Leitura recomendada

    The Meaning of Life , de Carl Zimmer, Revista Seed

    terça-feira, 13 de novembro de 2007

    quinta-feira, 8 de novembro de 2007

    Sociedade Automóvel - BioTerra de Luto por 5 dias úteis



    Lisboa e Porto são as cidades do País que registam maior número de atropelamentos por ano. Aliás, a média conjunta alcançada até Outubro de 2007 já revela que diariamente são atropeladas quatro pessoas, precisamente 3,98. No caso de Lisboa, 2,2 e no do Porto 1,7. Uma média que faz com que Portugal continue entre os primeiros da União Europeia neste tipo de sinistralidade. Até Agosto, e segundo dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), foram atropelados mais de quatro mil peões, 74 morreram. Mas dados oficiais revelam ainda que a capital já registou até agora quase 700 atropelamentos. Destes, 445 ocorreram fora da passadeira, 251 dentro desta. A maioria das vítimas tinha idades entre os 60 e os 94 anos, embora 2007 esteja a ser um ano um pouco atípico, já que regista sinistrados bem mais jovens, na faixa dos 30 e 40 anos (Fonte: DN 3 de Novembro).
    Em Portugal até final de Agosto, os registos de sinistralidade davam conta de um aumento de quase 50% do número de vítimas mortais em auto-estradas, relativamente ao período homólogo de 2006 - de 42 para 62 mortes. A ANSR não dispõe de dados mais actualizados, mas a dimensão do acidente da A 23 é suficiente para fazer disparar ainda mais esta estatística (Fonte:
    JN de 7 de Novembro ). Neste acidente há ainda algo a assinalar: há professores envolvidos no acidente.Há muitos professores que trabalham a mais de 50 km da Escola onde leccionam , fazem deslocações de carro e muitos sem transporte público para as escolas e nesta altura do ano obrigatóriamente têm que fazem Reuniões Intercalares após as 18.30. Muitas destas reuniões se prolongam até as 21.30 para retomar o trabalho no dia seguinte, tenha o horário que tiver. Quando racionalmente para bem de todos e de toda a sociedade era fazer uma pausa, como já se realizou há anos atrás e foi contestada.
    Este documentário,de 30 min., realizado por Branca Nunes e Thiago Benicchio, em 2005, na cidade de S.Paulo, expõe muitas mais incongruências.O documentário é sobre São Paulo, mas serve para a maioria das cidades e vilas. No lugar da praça ou Jardim Público, um shopping center; no lugar da calçada, a avenida; no lugar de um Parque Urbano, o estacionamento e novas casas e mais ruas, em vez de vozes, o som dos motores e buzinas.Trabalhar para dirigir, dirigir para trabalhar: compre um carro.Na ditadura do automóvel o que vemos :vidros escuros e fechados que evitam o contacto humano; viver para o parecer ter e tédio, raiva, angústia e solidão sem parar.Vários entrevistados neste documentário dizem que usam carro por segurança (é uma falácia comum). No entanto confessam que foram mais vezes assaltados com o carro do que a pé ou que roubaram os seus automóveis...Dá para pensar, não dá?
    Depois estamos a pagar com nossa saúde pela poluição de muitos.

    Além disso , com Emprego Descartável o que obriga? a trabalhos temporários longe de casa e ao mesmo tempo com os sucessivos cortes nas redes e horários de transportes públicos, obriga a migrações com diferentes velocidades individuais e colectivas , tudo gerando incerteza: longe da família, stress e poluição, horizonte longe de ter um emprego fixo, stress, adiar uma família, stress, adiar ter filhos, stress, filhos sozinhos em casa, stress, menos horas de descanso, stress.Filhos orfãos, luto.
    O prazo de 4 anos do carro está chegar ao fim, stress,insegurança financeira e poluição. A revisão do carro é precisa, stress,insegurança finaceira e poluição.
    Levar e trazer os filhos/netos à escola/ATL/ginásio/pedopsiquiatra/centro de estudos, stress, longe dos filhos, stress.
    Deslocação centro-subúrbios, stress e muita poluição.
    Filhos e netos desaparecidos por rapto através de automóvel, muita insegurança e muito stress.
    Comportamentos de risco (alcoól, drogas,contra-mão)...
    ...tudo isto somado só pode aumentar a probabilidade de mais atropelamentos, mais acidentes, mais mortes, mais dor, mais incapacitados em idade de trabalho, mais orfãos, mais luto, mais custos e menor qualidade de vida.

    Mais e as contas de Estradas de Portugal? (ler a notícia
    Estradas de Portugal, a maior marosca orçamental para 2008 onde nessa conferência de imprensa Francisco Louçã distribuiu uma nota sobre o relatório do Tribunal de Contas, onde salienta cinco questões no quadro devastador da gestão e estratégia da Estradas de Portugal, feito pelo TC: contas obscuras, ajustes directos sem controlo, privilégio ao BCP, abuso contra as pessoas e um novo imposto fora da lei.

    O uso do automóvel é um dos principais contribuintes directos para a aceleração da perda de biodiversidade, dizimando-se animais e plantas que precisam do seu espaço, cumprir os seus ciclos de vida. Para a sua circulação e em nome da (in)segurança, constroiem-se mais estradas e fazem-se apelos a mais novidades automobilísticas, mais carros por família, mais traçados rasgando areas de solos fértil, entubando ribeiras e assim mais desertificação e mais pobreza...

    Para recursos alternativos ao combustível do automóvel,actualmente o petróleo, existem várias propostas: biogás, bio-fuel,eléctrico, solar, hidrogénio e híbrido. Contudo o lobbie dos agro-combustíveis está a perpretar planos para soberania impedindo o crescimento de mercado das outras fontes (ler o artigo
    Biofuels could kill more people than the Iraq war de George Monbiot).
    Neste jogo de Titanic egoísta e individualista que milhares não querem ver....não podemos nem devemos meter a cabeça na areia ou olhar para o lado...posso ser eu ou tu o próximo...mesmo peão ou em transporte público. Estamos mesmo num grave desequilíbrio.
    Monocultura da Sociedade do Automóvel? Apocalipse Motorizado?

    Por tudo isto e porque há muitas opções para uma vida saudável e segura e direito e dever de conservar um planeta sustentável e no entanto não vendo esforço colectivo para mudar esta batalha campal nas estradas e crimes ambientais por causa da sociedade do automóvel, faço o luto por 5 dias úteis, esperando que os que por aqui passam se obriguem a reflectir em casa, nos empregos, nas autarquias, nas decisões antes de optar pelo automóvel e apelo ao
    uso racional do automóvel e ser mais amigo do Ambiente.

    Paz às vítimas que não estão connosco, a minha solidariedade com as famílias em luto e a minha solidariedade com as espécies que estão vulneráveis ou em vias de extinção por causas humanas.E nós próprios somos uma espécie vulnerável por causas humanas.

    Compartilham o meu luto:


    Ana Ramon, Paixão dos Sentidos
    André Dias, MUT-AMP
    Afonso Cautela, Ecologia em Diálogo
    Casainho, Massa Crítica
    Crisitina Oliveira, ASPEA
    Maria Azenha, Viva o Sol
    OCdF, Desabafos de uma Professora
    Orlando Ribeiro, Ecoliteracia
    Os Ambientalistas
    Paula Soveral
    Pedro Jorge Pereira, Gaia-Porto
    Rita Varela, O Polegar Verde
    Rogério Martins Simões, Poemas de amor e dor
    Teresa Freitas, Terras de Argila
    Tiago Pais, O Cântaro Zangado

    terça-feira, 6 de novembro de 2007

    Mãos


    Vídeo Com desenhos de crianças
    Música: Jack Johnson and Ben Harper

    Now I can change the world
    With my own two hands
    Make it a better place
    With my own two hands
    Make it a kinder place

    With my own two hands


    Now I could make peace on earth
    With my own two hands
    And I could clean up the earth
    With my own two hands
    And I can reach out to you

    With my own two hands

    I'm gonna make it a brighter place
    With my own two hands
    I'm gonna make it a safer place
    With my own two hands
    I'm gonna help Jah human race

    With my own two hands

    Now I could hold you
    With my own two hands
    And I can comfort you
    With my own two hands

    But you got to, got to use
    Use your own two hands
    Use your own, use your own two hands
    Oh, you got to use your own two hands

    With our own, with our own two hands


    1. Saiu o Relatório do Estado do Ambiente em Portugal 2006 (Publicação do Ministério do Ambiente)


    2. A Greenpeace Brasil traduziu um estudo intitulado
    Receitas Contra a Fome - histórias de sucesso para o futuro da agricultura, realizado por pesquisadores da Universidade de Essex e que abrange projectos em mais de 4 milhões de propriedades rurais em 52 países.


    3. Novo Ataque ao Sapal de Corroios (Grupo Flamingo, 04-Nov-2007)
    Após a anulação, em Julho de 2003, das licenças de construção de tanques para engorda de peixe dentro do Sapal de Corroios, o mesmo projecto volta a ameaçar o frágil ecossistema do Sapal.
    Não podemos deixar cair as promessas feitas para a Salvaguarda do Sapal:
    Promessas para a Salvaguarda do Sapal de Corroios (Video). Força!

    4. Depois de mais de vinte anos de avanços e recuos, o final desta semana parece ter constituído um decisivo ponto de viragem no processo de garantir um futuro para todas as comunidades vivas da Ria de Alvor. A Associação A Rocha inclusive tem um sítio Ria de Alvor Org com toda a documentação e informações de tão importante refúgio biodiverso. Parabéns!!

    5. Concelho de Lagos: primeira zona livre de cultivo de milho geneticamente modificado. Foi publicado dia 5 de Novembro em Diário da Republica o Despacho nº 25306 do Director Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, que reconhece o estabelecimento de uma Zona Livre do cultivo de milho geneticamente modificado (OGM) no Concelho de Lagos.Parabéns aos municipes de Lagos!!

    sábado, 3 de novembro de 2007

    Pico da Água (Peak Water), Água e Conflitos Armados, GEE e Barragens, Expedição Arctic Sunrise, Seca e Centrais Nucleares




    WIRED SCIENCE Peak Water PBS
    Colocado por pbs_usa



    4% do Aquecimento Global é devido às Barragens (artigo original; versão portuguesa)

    Boletim Bimensal do Portal da Água da UNESCO,No. 194, 1 Novembro 2007 (selecção de temas mais importantes)

    1. A 6 Novembro, participa na celebração da Jornada Internacional pela Prevenção da Exploração do Ambiente em Tempos de Guerra e de Conflito Armado

    2. Conheça a família da Água da UNESCO

    3. À conversa com Richard Meganck, Director do Instituto UNESCO-IHE para a educação relativa à água

    4. Sabias que? Factos e números sobre a água e os conflitos armados

    5. E- Livro da UNESCO-ÁGUA Water a Shared Responsiblity (15,9 Mb)
    Barco da Greepeace e respectiva expedição científica Arctic Sunrise

    Seca extrema pode causar danos em centrais nucleares (artigo: Drought fueling power concernsDuke facing a problem as water level drops on Lake Norman )

    Sítios do dia

    Transboundary Waters Edu

    Amazónia Org

    sexta-feira, 2 de novembro de 2007

    Carta Aberta Contra o Uso de Árvores GM para biofuel


    CARTA ABERTA À SBSTTA (*) SOBRE AS ÁRVORES GM ( versão original )
    Tradução para português por Avelino Braga

    Os abaixo assinados participantes da SBSTTA ou de reuniões preparatórias da SBSTTA desejam manifestar as suas preocupações acerca da questão das árvores GM dentro do processo da Convenção da Diversidade Biológica.
    Como é sabido, a última Conferência das Partes aprovou a Decisão VIII/19 que reconhecia
    as incertezas relacionadas com os impactos ambientais e sócio económicos potenciais, incluindo os de longo prazo e transfronteiriços das árvores GM sobre a diversidade biológica dos bosques a nível global assim como nos meios de subsistência das comunidades locais e indígenas e dada a ausência de dados seguros e da capacidade de alguns países de levar a cabo a avaliação de riscos e dos impactos potenciais.
    Entre outras coisas é recomendado às Partes uma atitude de precaução ao tratar a questão das árvores geneticamente modificadas .
    A recomendação anterior parece ter sido ignorada por um certo número de países onde quer centros oficiais de pesquisa quer empresas privadas continuam a realizar trabalhos na modificação genética das árvores e estão mesmo a planear fazer testes de campo como o caso actual da empresa ArborGen que procura obter autorização para ensaios de campo aberto de eucaliptos em floração nos EUA.
    Hoje estão a fazer-se trabalhos na modificação genética das árvores –ignorando a Decisão da COP- pelo menos nos seguintes países: Alemanha, Áustria, Brasil, Cabadá, Chile, China, Espanha, EUA, Finlândia, França, Japão, Nova Zelândia, Portugal, Reino Unido e Suécia.
    Dado que a Decisão da COP8 encarregou a SBSTTA de fazer a avaliação dos possíveis impactos ambientais, culturais e sócio económicos das árvores geneticamente modificadas na conservação e utilização sustentável da diversidade biológica florestal e de apresentar o relatório à nona Conferência das Partes e dada a pressa em produzir biocombustíveis estar a ser usada para promover o rápido desenvolvimento comercial de árvores geneticamente modificadas, apelamos à SBSTTA que :

    -insista no cumprimento por todos os países do princípio da precaução como foi acordado no COP8
    -recomende a proibição das árvores GM baseada nos seus impactos potenciais sobre a diversidade biológica florestal.

    55 Organizações Mundiais subscritoras
    Global Justice Ecology Project = World Rainforest Movement = Global Forest Coalition = Sobrevivencia, FOE , Paraguay = STOP GE Trees Campaign, North America = NOAH, Friends of the Earth, Netherlands = Africa Europe F & J Network = Friends of the Earth, Europe = Friends of the Earth, Malaysia = CENSAT, Aguaviva FOE, Colombia = Indigenous Information Network, Kenya = Nordre Folkcenter for Renewable Energy, Denmark = Friends of the Siberian Forests, Russia = CELCOR, FOE Papua New Guinea = Pro REGENWALD, Germany = Robin Wood, Germany = Friends of the Earth, England, Wales and Northern Ireland = Consumers Association of Penang, Malaysia = Comision Intereclesiastica de Justicia y Paz, Colombia = Consejo Comunitario de la Cuenca del Currarado = Ole Siosiomaga Society Incorporated (OLSSI), Samoa = Fundación para la Promocion del Conocimiento Indigena, Panama = ICTI, Tanibar, Indonesia = PIPEC, Pacific Indigenous Peoples Environment Coalition, New Zealand = FERN = International Alliance of the Indigneous and Tribal Peoples of the Tropical Forests = Corporate Europe Observatory = Greenpeace International = Ecologica Movement BIOM, Kyrgyzatan = CORE, Centre for Organization Research & Education, Northeast Region India = EQUATIONS =Ecological Society of the Philippines = Timberwatch Coalition, South Africa = Forest Peoples Programme, UKMST = Brazil’s Landless Workers’ Movement
    Viola, Russia = Ecoropa, Germany = ETC Group = Asociación Indígena Ambiental = Umwelt-und Projehtwerhstatt, Germany = Global Environment Centre, Malaysia =Washington Biotechnology Action Council, U.S. = BUKO Campaign against Biopiracy, Germany = The Gaia Foundation, UKHATOFF Foundation, Ghana = Tebteba Foundation, Philippines = Nature Tropicale, Benin (West Africa) = Jeunes Volontairs pour l’Environnement, Togo = Biofuelwatch, UK = Bangladesh Indigenous Peoples Forum = NABU, Nature and Conservation Union, Germany = BUND, Friends of the Earth Germany = Indigenous Network on Economics and Trade, Canada

    (*) (SBSTTA) SUBSIDIARY BODY ON SCIENTIFIC, TECHNICAL AND TECHNOLOGICAL ADVICE

    Impressionante o número e projectos Florestação OGM no Mundo

    Blogue do dia

    quinta-feira, 1 de novembro de 2007

    George Steiner - holocausto ou holocaustos?



    George Steiner esteve recentemente em Portugal e de acordo com notícia no Ciência Hoje o ensaísta vem proferir um discurso que a Europa é uma civilização decadente e que aparecerão outros locais do planeta como a China e a Índia?. Esta afirmação levantou-me uma série de inquitações:
    Ora a Índia e a China já têm o seu espaço, as suas incongruências e cometendo os piores atentados ecológicos de sempre enquanto hoje há uma Europa que tem feito da sustentabilidade um exemplo a este planeta...exigir mais é possível, concerteza.
    Mas George Steiner (G.S.), proferiu uma outra barbaridade ainda mais grave uma civilização que mata os seus judeus não recupera ...Não visitou o memorial em Berlim, concerteza...ou tão aplaudido sábio terá esquecido de Aristides Sousa Mendes ou de Oskar Schindler?

    Por mim G.S. que fique pela América e ataque outros holocaustos que não criticou: Guantanamo, o muro internacional no México, que ataque a administração Bush que ainda não assinou o Protocolo de Quioto, que ataque um país que mantem a pena de morte, que ataque um país onde é constitucional o uso de armas...e lembrar-lhe que há muitos holocaustos no mundo...

    G.S., enquanto aufere uns bons milhões de dólares e estará num gabinete provavelmente nada ecológico, com ar condicionado, podia sair um pouco da sua aura de eterna vítima de anti-semitismo e demonstar mais solidariedade com estas irracionalidades no Mundo de hoje como Angola e que são também holocautos tão ou mais graves que Kosovo e/ou Israel-Palestina: Darfur, Birmânia, Congo, Ruanda, Singapura , Indonésia, Tibete, povos da Amazónia, Curdos e Nações sem Estado.


    Leituras recomendadas
    Worst Places on Earth Are Home to Millions , por Stephen Leahy
    China-Envionment, por Jean-François Huchet
    Documentário Darfur Our Choice, Too: On the Edge in Darfur, livro e sítios
    Ecologia do Stress, por Afonso Cautela
    Darfur is Dying um videojogo lançado ainda este mês que descortina a quem joga viver a experiência de cerca de 2.5 milhões de refugiados em Darfur (região do Sudão)
    Sítio Eurominority Org
    Hidden Apartheid - Relatório de 113 páginas da HRW denunciando a contínua discriminação de castas
    Contraditions on Interent Diffusion in Singapore, por Andrew Chadwick
    Remembering Rwanda: Africa in Conflict, Yesterday and Today
    Una ONG israelí denuncia que las familias de Gaza son más pobres que las de Ruanda (El País, 17/10/07)
    Soja na Amazónia - em nome do progre$$o
    Não há Paz com a carteira vazia (CIA- The Worlfact Book 2007), e-livro gratuito

    No Dia Mundial do Veganismo - filme A Carne é Fraca


    Filme completo

    Alguma vez você já pensou sobre a trajetória de um bife antes de chegar ao seu prato? Nós pesquisamos isso para você e contamos, neste documentário, aquilo que não é divulgado. Saiba dos impactos que esse acto - aparentemente banal - de consumir carne representa para a sua saúde, para os animais e para o planeta. Com depoimentos dos jornalistas Washington Novaes e Dagomir Marquezi, entre outros. Realização do Instituto Nina Rosa.



    segunda-feira, 29 de outubro de 2007

    Ecojustiça, Químicos, Monsanto, Banca, Multinacionais, Amianto, Lei, Biodiversidade...Harmonia Mundi...




    Este artigo do Ecologist [1], relatando a impotência e angústia dos habitantes de dezenas de vilas escocesas cujos rios foram contaminados com químicos da Monsanto e não viram a Justiça reconhecer o princípio poluidor-pagador...levanta muitas questões e inquietações...
    Pois...vamos por aí vamos: as empresas fazerem-se de vítimas quando vemos privatizações à força e à bruta [2], instituições públicas a nível europeu a assinarem protocolos verdes com empresas que reincidem com atentados ao ambiente [3] e concorrem aos certificados ambientais apenas para lucros provenientes de engenharia de marketing (como adoptarem a cor verde nas siglas ou mostrarem carros a desfazerem-se em peixinhos numa curva).As empresas e a banca, cada vez mais multinacionalizadas, irão mesmo apoiar projectos de conservação da natureza, dos Parques e Reservas Naturais [3.1]? Irão mesmo substituir o Estado e a Europa naquilo que se propôem fazer no Direito Ambiental de cada estado-membro Europeu [3.2] ou asssistiremos à flexibilidade dos seus projectos financeiros e menor segurança ambiental? Se não criarmos mecanismos de ética profunda nos mercados...onde iremos parar?

    Com esta postagem solidarizo-me com os escoceses que se viram derrotados pela Justiça [1], solidarizo-me com os povos que lhes foram retiradas as terras, os lagos, a língua e cultura e que vêm-se forçados à extinção [vídeo Dead Can Dance-Yulunga], solidarizo-me com os povos e pessoas em que as multinacionais do agronegócio lhes retiram a agricultura de sustento [4],solidarizo-me com os jornalistas que exigem informação transparente [5]. Solidarizo-me com as nossas gentes que não querem antenas de muita alta tensão, solidarizo-me com as nossas gentes que querem escolas sem amianto (em há uma lei que diz que é proíbido o amianto [6] e o Estado não quer retirar o fibrocimento com amianto nas nossas escolas). Solidarizo-me com todos os que defendem que BIODIVERSIDADE há só uma e não bidiversidade de primeira e de segunda (vulgo espécies cinegéticas, caça e sobrepesca) e estão no terreno zelando pela biossegurança, pela conservação dos rios, campos, mares e ar e por esse meio anseiam por um mundo livre de conflitos amrmados [7].


    [1] The Ecologist- Has the Environment Agency obstructed the course of justice?

    [2] Privatização: benefícios duvidosos, riscos concretos

    [3] Iniciativa Business e Biodiversity (BB) da União Europeia; BB original (em inglês)

    [3.1] Só 10% de empresas preencheram 1 relatório de sustentabilidade em 2005; 65% até reconhecem que houve benefícios operacionais e 81 % das empresas referem a Reputação e Marca como a causa principal para preenchimento desses relatórios

    [3.2] Ainda há um longo caminho a percorrer- BCSD Portugal e Empresas associadas

    [4] Documentário de 1 h, mostrando o fiasco de campos de algodão transgénico na Índia e de contaminação de produções de agricultura orgânica e convencional

    [5] Notícia do The Independent, domingo, 28 de Outubro, informa que vários documentos, obtidos por meio da lei sobre a liberdade de informação britânica, demonstram que o Governo conluiu com uma empresa de biotecnologia definindo as condições de ensaio batatas GM e oferece dezenas de milhões de libras por ano para impulsionar investigação sobre culturas e alimentos modificados.

    [6] O Dec. Lei n.º 101/2005, de 23-6 que proíbe a colocação no mercado e a utilização de produtos contendo amianto

    [7] Petição Greenpeace para Nobel da Paz 2008

    Sítio da semana

    Pesticide Watch

    Documentário da Semana- O Silêncio das Abelhas (em Francês)



    Havia uma versão legendada em Português, mas foi bloqueada.


    Os cientistas dizem que podemos estar enfrentando uma catástrofe global. Nos últimos seis meses (2012) até 80% das abelhas norte-americanas simplesmente desapareceram. Agora o pesadelo se espalhou para a Europa. Será que isto é o primeiro sinal de um colapso ecológico gigantesco? Fantásticas fotografias macroscópicas nos darão uma visão mais detalhada do papel crucial que as abelhas desempenham em nosso ecossistema. Exploraremos as teorias divergentes sobre as causas por trás de seu rápido desaparecimento.

    sábado, 27 de outubro de 2007

    Unnatural Selection - documentário sobre os perigos dos OGM



    Premiado Best Film (CineEco, Portugal), Best Long Production, (IEFF, Brazil)e Best Journalistic Achievement (IEFF, Germany).

    Este documentário europeu revela as principais consequências da engenharia genética em todo o mundo. Uma falhad acampanha de algodão transgénico deu origem a suicídios de agricultores na Índia. Canola transgénica tem contaminado as produções orgâncas e convencionais no Canadá.

    sexta-feira, 26 de outubro de 2007

    Sítio da CARTA DA TERRA em português



    Recebido por correio electrónico

    Prezad@s,

    é com grande alegria que anuncio que o sítio da CARTA DA TERRA está no ar e já estamos recebendo muitas visitas e contatos. Conheçam e divulguem.

    Ali temos informações, textos e documentos sobre a Carta da Terra em português e espanhol, além de textos básicos na área de educação e sustentabilidade.Nossa biblioteca está em construção e esperamos receber suas contribuições. Por favor, mandem textos.Agradecemos muitos a tod@s que autorizaram a publicação de seus textos em nossa biblioteca. VALEU MESMO!!

    Fizemos menção a todos os representantes brasileiros da CARTA DA TERRA, colocando o nome, instituição, link e contato.

    Neste e-mail receberemos os links dos sites de vocês para divulgar em nosso espaço e também textos e demais contribuições.

    Eu gostaria de pedir que o link do site da CARTA DA TERRA fosse divulgado em suas homepages para aumentar nossa divulgação e atingir uma população maior.

    Muito obrigada,

    Abraços para tod@s,

    Valéria Viana Labrea

    Coordenadora Distrital do Programa Escola Aberta Universidade de Brasília

    Mais dois sítios muito interessantes:

    ACME- An International E-Journal for Critical Geographies- Uma abordagem inovadora da Geografia

    Population Reference Bureau Com imensa informação, actualizada e vários documentos disponíveis gratuitamente;PPT para apresentar nas aulas, etc...




    Video musical capturado durante um Verão numa manhã 2004.Misturei usando Vegas Video - Gravado usando o meu gravador mini - dv e instantâneos de uma base 1mg camera.Musica Oomingmak por The Cocteau Twins (Tradução daqui).

    quinta-feira, 25 de outubro de 2007

    Cultura, o elo perdido da sustentabilidade

    Entenda a economia criativa e o seu potencial para construção de um futuro sustentável.

    Imagine um mundo onde a marca pode representar mais de 75% do valor de uma empresa, enquanto que os recursos naturais se tornam cada vez mais escassos. Diante desse quadro, a desmaterialização da economia passa a ser o foco da estratégia de desenvolvimento dos negócios e governos.

    O cenário descrito acima se enquadraria perfeitamente aos dias atuais não fosse pelo último aspecto. O Google, um dos maiores casos de sucesso da atualidade, tem na sua marca, cujo valor estimado é de US$ 100 bilhões, o maior fator de desempenho, superando até mesmo seus próprios produtos e serviços. No entanto, a economia continua seguindo a lógica de gestão de recursos escassos. Como resultado disso, já ultrapassamos em 20% a capacidade de suporte e reposição da biosfera.

    Esses dados, já bastante difundidos, reforçam a importância de buscar estratégias de desenvolvimento sustentável, acelerando a desmaterialização da economia. No entanto, a grande dúvida continua sendo como vialibizar essa transição de modelos econômicos e de pensamento. Uma das novidades nesse debate está na constatação de que, se a sustentabilidade é o fim, a cultura pode ser o meio para construir esse futuro desejado. Esse foi um dos focos de discussão da rodada de diálogo sobre economia criativa, que integrou a programação do FILE 2010, em São Paulo.

    A mesa, coordenada por Lala De Heinzelin, assessora do Programa de Economia Criativa da South-South Cooperation, unidade do PNUD, contou com a participação de Liliana Magalhães, superintendente do Santander Cultural, Luciane Gorgulho, chefe do departamento de cultura, entretenimento e turismo do BNDES e Maria Arlete Gonçalves, diretora de cultura do Oi Futuro.

    De acordo com a ONU, a economia criativa é responsável por 10% do PIB mundial. No relatório Creative Economy, a UNCTAD divulga que, entre 2000 e 2005, os produtos e serviços criativos mundiais cresceram a uma taxa média anual de 8,7%. Duas vezes mais do que o setor de manufaturas e quatro vezes mais do que a indústria.

    O conceito ainda em formação, foi criado para designar um setor que inclui, porém extrapola a cultura e as indústrias criativas. De forma muito simplificada, podemos dizer que reúne as atividades que têm na cultura e na criatividade a sua matéria prima. É um conceito amplo o suficiente para incluir a diversidade, tanto de linguagem quanto de modelos de negócios, englobando uma vasta gama de atividades que vai do indivíduo que trabalha educação complementar por meio da música a uma grife de automóveis de luxo.

    Segundo Lala, estamos vivendo uma mudança de época, talvez, comparável apenas ao renascimento. Esse período é caracterizado pela transição de uma centralidade - que existiu durante décadas, em que todos os recursos eram tangíveis e, portanto, finitos - para um momento em que aquilo que tem mais valor está ligado ao intangível. Nesse contexto, temos um recurso que é como se fosse a galinha dos ovos de ouro porque tudo aquilo que está ligado ao intangível conhecimento, criatividade e cultura além de não se esgotar, se multiplica e renova, explica.

    Não sem razão alguns países já elegeram a economia criativa como estratégia número 1 de desenvolvimento. É o caso do Reino Unido e, mais recentemente da China. A potência asiática adentra a era de pós-industrialização, em que a integração global e o consumo cultural estão exercendo um impacto crescente, sobretudo no ambiente urbano.

    Segundo a consultoria chinesa CCID Consulting, a indústria criativa e cultural já movimenta cerca de 170 bilhões de yuans, representando "uma tendência de crescimento reverso" para a crise financeira global com potencial de revitalizar a economia chinesa. O país conta com um Plano de Revitalização da Indústria Cultural, aprovado pelo Comitê Permanente do Conselho de Estado, cujo objetivo é orientar o desenvolvimento futuro desse setor. Em cidades como Beijing, a economia criativa cresce a uma taxa anual de 50%. (Confira mais dados no box abaixo).

    Construção de capital social

    Além de apresentar um grande potencial econômico, a economia criativa contempla atividades que atuam como fator de interação social, fortalecendo os valores, diferenciais e credibilidade de comunidades e empresas.

    A cultura representa o quarto pilar da sustentabilidade. É o que traz o nosso diferencial, pois permite que se agreguem valores. Ela vai ao encontro da nova sociedade do conhecimento, em que o poder está na troca, afirma Liliana Magalhães, superintendente do Santander Cultural.

    Possuidor de uma das diversidades biológicas e culturais mais ricas do planeta, o Brasil proporciona um ambiente propício para o avanço de um modelo de desenvolvimento baseado nos pilares econômico, ambiental social e cultural. Não são raros os exemplos de negócios que já trabalham nessa perspectiva, mas devido a falta de indicadores e mecanismos de incentivo adequados eles continuam a margem da economia.

    O BNDES, um dos maiores bancos de fomento do mundo com um livro de desembolso de R$ 130 bilhões, tem se dedicado a desenvolver métodos para mensurar esse valor e que também possam embasar o financiamento às atividades criativas. Desde 2006, conta com um departamento de cultura, entretenimento e turismo, que disponibiliza linhas de crédito e fundos de investimento para esses setores. Esses recursos estão sob o guarda-chuva do Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura estruturado em três subprogramas: BNDES Procult Financiamento, BNDES Procult Renda Variável e BNDES Procult Não Reembolsável.

    Segundo Luciane Gorgulho, do BNDES, há recursos para fomentar a economia criativa, o que falta é dar visibilidade a esse setor, uma vez que ainda não existem muitas estatísticas sobre o tema. É importante disseminar suas histórias de sucesso da economia criativa, setor que hoje enfrenta dificuldades semelhantes das empresas de software, muitas delas surgidas em garagens, destaca. Esse segmento de tecnologia ganhou credibilidade a partir da repercussão de casos de sucesso e se consolidou apesar da bolha da internet.

    E como sair dos limites que estamos acostumados a atuar?, provoca Lala. Segundo ela a solução que uma empresa está buscando pode estar em um trabalho desenvolvida por um garoto na periferia. Os negócios têm um papel importante para o fomento da economia criativa porque podem conferir acesso e credibilidade. Se o mesmo menino lançar determinada solução poderá enfrentar resistência em alguns setores. Mas essa dificuldade pode ser minimizada se uma grande empresa identificar seu projeto e de alguma maneira apoiá-lo.

    Essa integração é fundamental, pois ajuda a construir confiança, um ativos mais comprometidos desde a última crise financeira global. É preciso haver um entendimento que o desenvolvimento resulta de um processo coletivo e que é essencial se conectar a outros para ter força de reverberação, afirma Liliana, do Santander.

    Ainda segundo Lala, o principal fator que impede o País de transformar em realidade seus potenciais e recursos consiste na falta de capital social, resultado da articulação de diferentes setores. As potências endógenas só vão se concretizar se houver um processo capaz de elevar a auto-estima e, ao fazê-lo, reforçar os laços e a identidade, estimulando a cidadania. Tendemos a achar que a semente é a maçã e tentamos vender a torta. Mas antes é necessário preparar o terreno para essa semente germinar e tornar essa torta desejável, reforça.

    Quem é quem na economia criativa

    Reino Unido

    As indústrias criativas britânicas geram £67 bilhões em receitas e crescem duas vezes mais do que o restante da economia.

    Esse setor também tem um papel vital na construção de um futuro sustentável

    Formalmente definidas como as artes cênicas, antiguidades, artesanato, arquitetura, design, moda, publicidade, rádio e TV, cinema e vídeo, música, publicações, jogos de vídeo e software, a inovação, as indústrias criativas terão um papel fundamental no enfrentamento dos grandes desafios do nosso tempo - a escassez de recursos, mudanças climáticas, resíduos, poluição, uma população em crescimento e pobreza.

    Alguns exemplos já existentes:

    O movimento Bauhaus defendeu uma filosofia de design da justiça e utilidade, para fornecer o acesso universal a um bom design, melhor habitação e uma vida melhor para todos.

    Nos últimos 20 anos, o marketing social ajudou a educar, sensibilizar e comunicar, questões tão amplas como o comportamento anti-social em trens, estilos de vida mais saudáveis e os malefícios do cigarro.

    Novas formas de mídia social habilitadas por software de TI e plataformas como o Twitter, kiva ou NetSquared estão diminuindo distâncias geográficas e sociais, proporcionando que as pessoas se mobilizem na busca de soluções para problemas que lhes são comuns.

    A arquitetura verde agora é mainstream e já há exemplos emblemáticos de excelência de construção seguindo princípios de sustentabilidade, como o Eden Project, a vila dos Jogos Olímpicos, entre outros.

    Adaptado de artigo publicado no Forum for the Future

    China

    A indústria criativa movimenta cerca de 170 bilhões de yuans, representando uma alternativa ao modelo de desenvolvimento centrado na rápida urbanização que trouxe uma série de problemas sociais e ambientais.

    A economia criativa já é foco de investimento e políticas públicas. O país conta com um Plano de Revitalização da Indústria Cultural, aprovado pelo Comitê Permanente do Conselho de Estado, cujo objetivo é orientar o desenvolvimento futuro desse setor.

    Em Beijing, Shanghai and Shenzhen, as indústrias criativas crescem cerca de 12.3%, 13.3% e 15.0%, respectivamente, enquanto que o PIB dessas cidades cresce 19.4%, 22.8% e 25.9%, respectivamente. Em 2008, o valor acrescentado no setor cultural criativo em Pequim superou os 100 bilhões de yuans, representando 9% do PIB da cidade. E, esse número ainda está crescendo a uma taxa anual de mais de 50%.

    Adaptado de artigo publicado originalmente na Bloomberg

    Brasil

    A indústria criativa movimenta R$ 381 bilhões e emprega 35,2 milhões de pessoas. O setor representa 16,4% PIB brasileiro:

    2,6 % - 12 áreas principais: artes visuais, publicidade, expressões culturais, televisão, música, artes cênicas, filme e vídeo, mercado editorial, software, moda, arquitetura e design)

    5,4% - atividades relacionadas a essas áreas: material de artesanato, publicidade, instrumentos musicais, registro de marcas e patentes, dentre outras)

    8,4% - atividades de apoio: consultoria especializada, insumos, maquinários)

    Autor: Envolverde/Idéia Socioambiental