quinta-feira, 30 de abril de 2015

Sonhar é...



"SONHAR é...um momento forte de esperança e de imagens que tecem contos com cheiros e cores; um silêncio interior e privado sem fronteiras de racionalidade; um raio lacrimal de sofrimento longo porque algo ainda estará por falar, pintar, musicar, cozinhar...agir; é uma miscigenação; é borboletear e romancear e conjecturar, cuidar, julgar, pensar, presumir, prever e supor; é o mais biológico mecanismo de ansiar, de cuidar, de almejar"~ Joao Soares, 31.03.15

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Música do BioTerra: The Idan Raichel Project - Mon Amour - הפרויקט של עידן רייכל



"I never saw a discontented tree. They grip the ground as though they liked it, and though fast rooted they travel about as far as we do."~John Muir

terça-feira, 28 de abril de 2015

Crescer ou não crescer eis a questão

Filipe Duarte, Publico
Crescer é uma palavra mágica que gera esperança. Há muitos sentidos para crescimento, mas a mensagem partilhada é positiva e reconfortante, e opõe-se ao negativismo veiculado pelo antónimo. A lógica da vida é o crescimento, o sucesso da proliferação de uma espécie, a multiplicação das oportunidades e o seu benefício, é caminhar para a maturidade, ganhar experiência e sabedoria.

Na economia, o crescimento é um objetivo inalienável, o melhor caminho para diminuir a pobreza e o desemprego, aliviar os conflitos sociais e a promessa de satisfazer as expectativas individuais de maior riqueza material, mais bem-estar e mais qualidade de vida. Este é o pressuposto fundamental e incontornável do nosso atual paradigma de desenvolvimento. O crescimento económico tornou-se a compreensível obsessão das nações.

O seu sucesso em termos humanos tem sido notável. Recorde-se que, nos 50 anos após 1960, a média do rendimento per capita quase triplicou e a economia global cresceu por um fator de seis em termos de PIB.

Este facto notável não amortece de nenhum modo o desejo de crescimento. Pelo contrário, demonstra que dá frutos e que podemos continuar a exigir mais crescimento.

O crescimento é insaciável para a nossa natureza humana. À escala mundial, a Grande Aceleração, iniciada após o final da 2ª Grande Guerra, retirou da pobreza centenas de milhões de pessoas, acelerou o comércio internacional, promoveu a globalização e a transição para regimes democráticos, gerou um crescimento extraordinário da atividade económica global, da mobilidade, dos fluxos de comunicação e informação, do conhecimento científico, da medicina, dos cuidados de saúde e de uma enorme variedade de aplicações da ciência e tecnologia.

Porém, após a viragem do século e da crise financeira e económica ocidental de 2008-2009, o crescimento económico nos países mais industrializados tornou-se em geral anémico e errático e não se vislumbram sinais de retorno a um crescimento vigoroso e estável. Muitos destes países estão fortemente endividados e alguns na UE, devido a várias razões, confrontam-se com uma situação particularmente difícil e com um futuro muito incerto.

Nas economias emergentes e nos países mais pobres, há situações muito diversas mas, em média, o crescimento económico, apesar de mais robusto do que nos países industrializados, abrandou desde a crise de 2008-2009. Em lugar de um ciclo económico de curto prazo, estamos, aparentemente, perante uma tendência de longo prazo. Outro aspeto ameaçador, em parte relacionado com o crescimento, é o acentuar das desigualdades de riqueza à escala global.

A fração da riqueza global pertencente ao 1% dos mais ricos tem vindo a crescer desde a crise de 2008-2009 e, se a tendência se mantiver, ultrapassará já este ano a dos restantes 99%, de acordo com um relatório recente da OXFAN. Vários estudos indicam que este fenómeno das desigualdades crescentes desacelera as economias onde se observa.

Como é possível que não se consiga realizar o objetivo crucial de um crescimento da economia global robusto e estável no longo prazo? Quais as razões desta dificuldade? Serão circunstanciais e temporárias ou será que aquele objetivo se tornou impossível? Um dos principais fatores adversos é a desaceleração do crescimento da população global, que envelhece e, consequentemente, diminui a dimensão e, portanto, a capacidade da força de trabalho.

Este fator tem evidentemente expressões muito diversas, sendo particularmente acentuado nos países mais industrializados, onde a população tem uma idade média cada vez mais elevada, porque tende a estabilizar ou até a diminuir, enquanto a esperança de vida aumenta.

Calcula-se que a desaceleração do crescimento da população global tenderá a travar em cerca de 40% o crescimento do PIB mundial relativamente aos últimos 50%. Teoricamente, esta quebra pode ser compensada por um aumento da produtividade.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Físico Michio Kaku antecipa revolução médica a médio prazo


Fonte: LifeStyle
"Dentro de algum tempo, quando sentirmos algo de anormal, poderemos, através de um simples relógio, ter acesso a médicos robôs que estarão disponíveis para responder a todas as nossas questões, quase de graça. Isto representa uma revolução médica", disse esta manhã na nona edição do QSP Summit, um evento dedicado ao marketing e à gestão que decorre, durante o dia de hoje, na Exponor.

O professor de Física Teórica na City University of New York, que entrevistou mais de 300 cientistas em todo o mundo, esclareceu que tal poderá acontecer dentro de "10, 20 anos" e disse acreditar que, a médio prazo, será possível termos nas nossas casas de banho chips de ADN que vão permitir prever o aparecimento de um cancro com uma antecedência de dez anos.

"Se num bilião de células existir uma alterada, o chip vai detetá-la, permitindo assim prever o aparecimento de um cancro dez anos antes de as colónias de células darem origem a um tumor", justificou, explicando que esse diagnóstico poderá ser feito numa questão de minutos.

Pela primeira vez em Portugal, Michio Kaku antecipou ainda um alargamento das possibilidades de aceder à Internet.

"Vai passar a estar a todo o lado e em lado nenhum", diz, referindo-se à possibilidade de acedermos a ela através de lentes de contacto ou mesmo de um papel de parede inteligente, que servirá de computador.

"Este sistema será capaz de reconhecer o rosto das pessoas que temos à nossa frente e mesmo legendar, em tempo real, o que está a ser dito, caso se trate de um falante de uma língua estrangeira", explicou o norte-americano de 67 anos.

Reconhecido orador e teórico da física a nível mundial e autor de vários 'best-sellers' internacionais como "Mundos Paralelos" e "O Futuro da Mente", o coautor da chamada "teoria das cordas" defendeu ainda que o desenvolvimento da tecnologia abrirá portas a um "capitalismo perfeito".

"As lentes de contacto vão-nos dizer automaticamente qual o melhor produto e o melhor preço", disse.

Michio Kaku antecipou ainda que, dentro de cinco anos, os carros sem condutor, guiados com base no sistema de GPS, "estarão disponíveis para a classe média".

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Dia Mundial do Livro- citação por Malala Yousafzai


Books – learning and reading -- have become targets for those who denigrate culture and education, who reject dialogue and tolerance. In recent months, we have seen attacks on children at school and the public burning of books.We must redouble efforts to promote the book, the pen, the computer, along with all forms of reading and writing, in order to fight illiteracy and poverty, to build sustainable societies, to strengthen the foundations of peace.


quarta-feira, 22 de abril de 2015

Encontros Improváveis: João Soares - "Gosto de ouvir os dias" e Cocteau Twins - "Kookaburra"


Gosto de ouvir os dias, ouvir o por-do-sol, ouvir as melodias dos pássaros e das mezzo-sopranos e dos barítonos, escutar os poetas, escutar os cientistas, escutar os outros, observar o que pintaram, o que esculpiram, os oradores e o teatro, tocar nos outros, tocar nos irmãos cheios de pêlos, escamas e outras peles e cheirar o frio das pedras e das areias, da argila e de tudo isto ler a Terra. ~ João Soares, 30 de Março de 2015

terça-feira, 21 de abril de 2015

Documentário da semana- Sepp Holzer, o agricultor rebelde


Sepp Holzer é um Permacultor austríaco que construiu uma das maiores fazendas de Permacultura na Europa. Ele simplesmente observa a natureza e trabalha com ela em completa harmonia, interferindo o mínimo possível. Legendas em Português.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

E-Livro da Semana: Coordenaçao Supervisao Liderança



Uma publicação constituída por diversos textos ligados pela análise das políticas de governação recentes, das lideranças nas escolas, pela avaliação do desenvolvimento profissional dos docentes a partir da interação colaborativa e da supervisão, pela descrição de dinâmicas de observação de aulas em parceria. O estudo de práticas de desenvolvimento curricular fundadas na autonomia organizacional e profissional, e de modos de estudar e de aprender, constituem outros tópicos organizadores do livro.

sábado, 18 de abril de 2015

Arianna Savall - "L'Amor" (da "Bella Terra", 2004)


"Precisamos transportar pensamentos positivos connosco - pensamentos que criarão um novo dia fantástico, um novo futuro maravilhoso." (Dalai Lama, Pensamentos do Coração)

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Cimento “transparente”: uma nova alternativa para a entrada de luz e economia de energia

Já imaginou uma construção com estruturas transparentes? Além de receberem mais claridade a economia de energia acaba sendo maior em vários ambientes. Pensando nisso, a empresa de arquitetura italiana Italcementi, criou uma espécie de "cimento transparente".


A invenção nada mais é que tetos e paredes “transparentes” sendo, na verdade, um conjunto de blocos de concreto com pequenos orifícios que permitem a entrada e saída de luz. Como os buracos têm 2 ou 3 milímetros, eles parecem blocos normais quando vistos de longe, mas, iluminados, dão a sensação de transparência.

Segundo os criadores, um edifício feito com o i.light pode economizar uma quantidade de energia semelhante à que pouparia durante o horário de verão.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

OS 5 Rs Da Educação Ambiental


1 - REDUZIR 
Reduzir o consumo excessivo e desnecessário. 

2- REUTILIZAR
Dar novo uso às embalagens, roupas, papel (revistas, jornais), peças de vestuário que já não usa para outro fim. 

3- RECICLAR
Separar os resíduos sólidos do lixo doméstico e colocar nos respectivos ecopontos. 

4- RECUSAR
Ao comprar os produtos devemos informarmo-nos se são ou não prejudiciais à Natureza e à nossa saúde (também fazemos parte da Natureza).

5 - REPENSAR
Devemos refletir sobre os nossos atos e adquirir práticas sustentáveis: poupar energia; evitar desperdícios; andar a pé e/ou de bicicleta; aproveitar a luz solar como energia natural; aderir à agricultura biológica e de proximidade; promover o comércio tradicional; ao comprar os produtos devemos avaliar o impacto negativo na Natureza; repensar na forma como gerimos o nosso tempo, evitar meter tudo o que não interessa para o lixo (existe sempre alguém que precisa do que nos sobra).

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Encontros Improváveis: Idan Raichel e Ana Moura


Sabe Deus
Tudo o que me vai na alma
Sabe Deus
Onde encontro a minha calma
Só Deus sabe
Como calma era a manhã em que saíste
Nesse dia em que me deixaste
E para sempre partiste.

Sabe Deus
Como é fria a nossa cama
Sabe Deus
Como a minha voz te chama
Só Deus sabe
Como posso eu viver nesta tristeza
De saber que não vais voltar
É esta a minha certeza.

Mas se Deus quiser
Tu estarás à minha espera
Onde é sempre primavera
Mas se Deus quiser
Voltarei para junto a ti
Renascendo onde morri.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Economia circular e sociologia rural


Imagine um sistema de produção feito em circuito fechado em que o descartável torna-se matéria-prima. A eficiência no uso dos materiais é uma das exigências da política europeia de ambiente. O modelo de desenvolvimento do futuro é circular. Conheçam os exemplos do Esporão (com participação de Joao Roquette e Nuno Gaspar de Oliveira) e da Lipor - via Biosfera

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Plantas têm memória, sentem dor e são inteligentes

Confira este vídeo de Michael Pollan

Pode ser uma planta inteligente? Alguns cientistas insistem que são - uma vez que elas podem sentir, aprender, lembrar e até mesmo reagir de formas que seriam familiares aos seres humanos.

A nova pesquisa está em um campo chamado neurobiologia de plantas - o que é meio que um equívoco, porque mesmo os cientistas desta área não argumentam que as plantas tenham neurónios ou cérebros.

"Elas têm estruturas análogas", explica Michael Pollan, autor de livros como The Omnivore's Dilemma (O Dilema do Onívoro) e The Botany of Desire (A Botânica do Desejo). "Elas têm maneiras de tomar todos os dados sensoriais que se reúnem em suas vidas quootidianas ... integrá-los e, em seguida, se comportar de forma adequada em resposta. E elas fazem isso sem cérebro, o que, de certa forma, é o que é incrível sobre isso, porque assumimos automaticamente que você precisa de um cérebro para processar a informação".

E nós supomos que precisamos de ouvidos para ouvir. Mas os pesquisadores, diz Pollan, tocaram uma gravação de uma lagarta comendo uma folha para plantas - e as plantas reagiram. Elas começam a secretar substâncias químicas defensivas - embora a planta não esteja realmente ameaçada, diz Pollan. "Ela está de alguma forma ouvindo o que é, para ela, um som aterrorizante de uma lagarta comendo suas folhas."

Plantas podem sentir

Pollan diz que as plantas têm todos os mesmos sentidos como os seres humanos, e alguns a mais. Além da audição e do paladar, por exemplo, elas podem detectar a gravidade, a presença de água, ou até sentir que um obstáculo está bloqueando suas raízes, antes de entrar em contato com ele. As raízes das plantas mudam de direção, diz ele, para evitar obstáculos.

E a dor? As plantas sentem? Pollan diz que elas respondem aos anestésicos. "Você pode apagar uma planta com um anestésico humano. ... E não só isso, as plantas produzem seus próprios compostos que são anestésicos para nós." 

De acordo com os pesquisadores do Instituto de Física Aplicada da Universidade de Bonn, na Alemanha, as plantas liberam gases que são o equivalente a gritos de dor. Usando um microfone movido a laser, os pesquisadores captaram ondas sonoras produzidas por plantas que liberam gases quando cortadas ou feridas. Apesar de não ser audível ao ouvido humano, as vozes secretas das plantas têm revelado que os pepinos gritam quando estão doentes, e as flores se lamentam quando suas folhas são cortadas [fonte: Deutsche Welle].

Sistema nervoso de plantas

Como as plantas sentem e reagem ainda é um pouco desconhecido. Elas não têm células nervosas como os seres humanos, mas elas têm um sistema de envio de sinais elétricos e até mesmo a produção de neurotransmissores, como dopamina, serotonina e outras substâncias químicas que o cérebro humano usa para enviar sinais.

As plantas realmente sentem dor

As evidências desses complexos sistemas de comunicação são sinais de que as plantas sentem dor. Ainda mais, os cientistas supõem que as plantas podem apresentar um comportamento inteligente sem possuir um cérebro ou consciência.

Elas podem se lembrar

Pollan descreve um experimento feito pela bióloga de animais Monica Gagliano. Ela apresentou uma pesquisa que sugere que a planta Mimosa pudica pode aprender com a experiência. E, Pollan diz, por apenas sugerir que uma planta poderia aprender, era tão controverso que seu artigo foi rejeitado por 10 revistas científicas antes de ser finalmente publicado.


quinta-feira, 9 de abril de 2015

Nova espécie de orquídea homenageia botânico brasileiro

A nova espécie de orquídea tem os lóbulos laterais (pétala branca) em curva, que lembra o formato de uma âncora de navio
A nova espécie de orquídea tem o labelo (pétala branca) em curva, que lembra o formato de uma âncora de navio [Fonte: Revista de Pesquisa FABESP]
Botânicos brasileiros descreveram uma nova espécie de orquídea colhida em uma área de manejo florestal perto de Manaus, Amazonas. A pequena planta recebeu o nome de Dichaea bragae, em homenagem a Pedro Ivo Soares Braga, falecido em março de 2011 e considerado um dos maiores pesquisadores de orquídeas do Brasil. Ela foi descrita por uma equipe da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) na edição de setembro na revista científica Acta Amazonica.
O que chama atenção é um detalhe das pequenas flores verdes com cerca de um centímetro de diâmetro, ou seja, o labelo, uma pétala modificada, cuja função em geral é atrair polinizadores, mais comumente abelhas, e que na Dichaea bragae se destaca por sua cor branca. “As partes laterais do labelo lembram o formato de uma âncora de navio, uma das características do gênero Dichaea”, diz o biólogo Amauri Herbert Krahl, do Inpa, integrante do grupo que descreveu a espécie. “Essas projeções laterais estão presentes em quase todas as plantas do gênero, mas só a Dichaea bragae tem os lóbulos laterais em curva, num ângulo de 90 graus. É quase como se as pontas fossem dobradas”, descreve. Nas outras características, como tamanho das folhas, porte da planta e caule, a nova espécie é semelhante às já conhecidas no mesmo gênero.
Dichaea bragae é típica das florestas muito úmidas ao longo dos cursos de água. Ancorada em troncos de árvores de caule fino, a uma altura média de 2 metros do solo, a orquídea, como é usual em espécies dessa família, retira do ar a água necessária para sobreviver.
Segundo Krahl, exemplares da planta foram retirados da fazenda Porto Alegre, localizada a 80 quilômetros ao norte de Manaus, uma área de manejo administrada pelo Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (PDBFF), do Inpa. “A coleta foi feita quando a planta não apresentava sua parte reprodutiva, a flor. Cultivamos os exemplares em orquidário e quando elas floriram tivemos uma grata surpresa”, relembra o botânico, que trabalha com orquídeas desde 2008.
Artigo científico
VALSKO, J. J. et al. A new species of Dichaea (Orchidaceae) for northern BrazilActa Amazonica. v. 44, n. 3, p. 397-402. 2014

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Prece ao estrume de Tim Guénard, retirado da sua obra "Mais forte que o ódio" (2000)


Para que belas flores crescam num jardim,
é necessário estrume. É o nosso passado.
Deus serve-se dele para nos fazer crescer.
Quando o cavalo expele os seus excrementos,
são demasiados quentes, demasiados ácidos,
demasiados pesados.Cheiram mal, metem nojo.
Se os espalharmos sobre as flores,
sobre as sementes, queimam-nas e destroem-nas.
O estrume deve deixar-se repousar, secar, decompor lentamente.
Com o tempo, torna-se maleável, inodoro, leve, fecundo.
Então dará as mais belas flores e os mais belos rebentos.
Deus serve-se do nosso passado, como estrume, para as nossas vidas.
Para nos fazer crescer.
Mas se metermos a nossa cabeça no passado ainda quente, ele asfixia-nos.
É necessário deixá-lo repousar.
Em nós, o que é mau, decompõe-se invisivelmente
sob a ação do tempo e do Perdão.
É preciso amar aquilo de que tínhamos vergonha
E que nos parecia ignóbil.
Este estrume tornar-se-á fonte de fecundidade.
O nosso passado, o nosso sofrimento, as nossas galeras, os nossos gritos,
são un cântico na língua dos pobres.
Não podemos ser hoje sem termos sido ontem.
Sejas tu quem fores, com as tuas feridas e o teu passado doloroso,
não te esqueças:
Na memória magoada espera-te uma eternidade de amor.
Tim GUÉNARD

terça-feira, 7 de abril de 2015

Como se vive numa comunidade sustentável [Reportagem e entrevistas]

Há muitos anos, quando uma das minhas irmãs me explicou o melhor caminho para chegar à loja que a Biocoop abrira junto do aeroporto de Figo Maduro, às portas de Lisboa, comentou: "Tem fruta e legumes ótimos, todos os produtos biológicos e pão de cair." Depois, acrescentou: "Mas prepara-te para um ambiente surreal, com toda a gente muito feliz e sorridente. Andas ali a empurrar o carrinho de compras, sem querer dás um encontrão em alguém e 'Não faz mal!', sorriem-te de volta." Nesse sábado, constatei que a sua descrição não podia ser mais exata. Lembro-me de que escolhi uns espinafres de folhas tenras, um pão de espelta bem cozido e fiz-me sócia da cooperativa de consumidores. Não dei encontrões com o carrinho, e, à saída, fiquei a ver uma demonstração com um forno solar.

Oito ou nove anos depois, volto a ter essa sensação estranha de estar no meio de gente feliz. Entramos numa acolhedora casa de xisto recuperada, em plena Paisagem Protegida da Serra do Açor, a uma hora de carro de Coimbra, cumprimentamos alguns dos residentes da comunidade Projeto Vida Desperta (Awakened Life Project, em inglês), e, zás!, lá surgem os sorrisos indiscriminados.

É verdade que está uma rara manhã de sol, a salamandra foi alimentada há pouco e interrompemos uma reunião ao estilo de tempestade de ideias, por causa do documentário EvoLusa: A Alma Portuguesa e o Futuro que o inglês Pete Bampton, 49 anos, e os membros da sua comunidade andam a filmar pelo País.

Mas isso não chega para explicar tanta felicidade, pois não? Tínhamos acabado de pôr um pé na Quinta da Mizarela, em tempos um lugar com meia dúzia de vizinhos, encavalitado numa encosta, de frente para um ribeiro e a uma curta caminhada das cascatas da Fraga da Pena, e já queríamos conhecer O Segredo.

MEDITAR AO NASCER DO DIA

Antes de ajudar a descodificar aquilo que nos trouxera ali, Pete mostra-nos a propriedade que comprou há seis anos com a mulher, a americana Cynthia. O "monte de xisto e silvas" é hoje meia dúzia de casas com espaço para quartos, escritório, oficina, sala de meditação. Cá fora, há retretes secas ("Banco de Mizarela, connosco o seu depósito fica seguro", lê-se numa delas, em inglês), hortas em socalcos e pastagem boa para dois burros.

O casal de proprietários tem andado a plantar carvalhos e castanhos, tentando evitar a invasão dos pinheiros. Estamos no sítio ideal para meditar, diz Pete, contando que, há muitos anos, um padre chegou a pé de Coimbra e deixou-se ficar até morrer.

A história serve para nos lembrar que a meditação é fundamental neste projeto. Todos os dias, os dez membros da comunidade meditam pelo menos durante duas horas, uma ao nascer do Sol, outra ao anoitecer. "Juntos, encontramos a paz interior e a união", explica Pete, com a sua voz macia, sentado num dos sofás da casa que partilha com a mulher.

O vento faz arrulhar o lume, o inglês tem gestos suaves e nunca desvia os olhos azuis.

Para contar como aqui chegou, alude a experiências passadas em comunidades nos Estados Unidos e em Londres, catorze anos de tirocínio entre o seu "despertar espiritual" num mosteiro budista tailandês e uma breve passagem por Ibiza. A maioria do tempo viveu num grupo liderado pelo americano Andrew Cohen , que agora se chama EnlightenNext , do qual diz ter saído sobretudo por estar ilegal no País. Vários ex-discípulos descrevem o guru como abusivo em termos psicológicos e físicos, e manipulador (incluindo financeiramente). A própria mãe, Luna Tarlo, lamentou, no livro The Mother of God (a mãe de Deus), que o filho se tenha tornado um tirano. Mas Pete nunca cortou laços com o seu mestre; e, há um ano, por ocasião do lançamento da tradução para português de uma das obras de Cohen, recebeu-o efusivamente na Mizarela.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

E-Livro da Semana- Melhorar a Escola



Melhorar a Escola: Sucesso escolar, disciplina, motivação, direção de escolas e políticas educativas é um livro organizado por Joaquim Machado e José Matias Alves em suporte e-book com a chancela da Católica Editora Porto e que apresenta as conferências apresentadas no II ciclo de Seminários dedicados ao estudo de temáticas relacionadas com a administração e organização escolar. Esta edição conta com a colaboração de 12 autores nacionais e internacionais que fazem uma revisão sistemática do que sabe em 5 grandes áreas temáticas: a construção do (in)sucesso escolar, a prevenção e o controlo da indisciplina, o desenvolvimento das escolas e dos professores, a direção e gestão das escolas, as dinâmicas de melhoria e os exames, aqui analisados nos seus efeitos perversos.

domingo, 5 de abril de 2015

Capicua - "Medusa" com Valete (Beat: Roger Plexico) - Lyric Video


Finalmente uma musica que faz justica ao tema sobre qual me deparo nas noticias todos os dias nestes ultimos anos. Muitos homens Portugueses a destruir vidas de mulheres Portuguesas, nao vale a pena ignorar mais. Vamos defender todas as Marias que sofrem na mao destes cobardes. 

A huge scream against domestic violence!A song from the best female rapper of portuguese music!! Here´s the wonderful CAPICUA with " Medusa " Dedicated to all the women in this world!!

sábado, 4 de abril de 2015

Elisabeth Fraser- Silent Spring

A essência e o perfume. O mito e a espiritualidade. O intangível e o acessório. A leviandade e a profundidade.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Eduardo Sá- “Acho os professores muito estranhos!”


O psicólogo Eduardo Sá faz esta afirmação “com muita ternura”. Considera que trabalham imenso, em condições muito adversas e, mesmo sendo constantemente desconsiderados, persistem. Mas alerta: “Um bom professor tem que ter autoridade. E a autoridade legitima-se pela bondade, sabedoria e sentido de justiça”. A opinião é do psicólogo Eduardo Sá, em entrevista Pais&filhos/TSF.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Especialista em sons da natureza adverte: o mundo animal está cada vez mais silencioso

A Natureza está cada vez mais silenciosa: "Com uma câmera, é muito fácil enquadrar uma imagem que faz com que um habitat pareça saudável, mesmo quando ele não está. Já os microfones gravam, em 360 graus, o habitat completo e o som mostra uma perspectiva completa. O que eu falo aos meus alunos é que uma foto pode valer mil palavras, mas um som vale mais que mil imagens, porque o som nos fala a verdade, quantas espécies de pássaros, mamíferos, insectos e répteis estão activos no lugar."

Neste vídeo confira a comparação de sons gravados por Bernie Krause em áreas que tiveram algumas áreas derrubadas:



ENTREVISTA
O músico americano Bernie Krause já gravou com lendas como Bob Dylan, George Harrison e Stevie Wonder. Nos últimos 47 anos, porém, dedica-se a outro tipo de música: a orquestra da natureza. Krause se especializou em bioacústica e grava os sons de animais em florestas, mares, pântanos e desertos em várias partes do mundo. Hoje, ele possui um centro de pesquisa dos sons do mundo animal, com mais de quatro mil horas de gravações e 15 mil espécies em seu habitat natural.

O trabalho de Krause tem um valor inestimável já que, à medida que florestas são desmatadas e o clima se transforma, boa parte de seu trabalho é composto de sons que não existem mais. “Tudo está mudando por causa do aquecimento global, o nível dos mares e o desmatamento em geral. Metade dos meus arquivos vêm de habitats que ou foram radicalmente transformados pela ação do homem ou já estão em silêncio. Metade desses arquivos você já não pode ouvir de outra forma”, diz. Em entrevista a GALILEU, Krause explicou por que ele acredita que o mundo natural é uma narrativa que nos conta tudo que precisamos saber. Confira:


GALILEU: Antes de se dedicar à “orquestra da natureza” você era músico. O que o fez mudar de carreira?


Eu até conheci Tom Jobim e tivemos muitas discussões sobre isso também. Eu entrei nessa área porque como um músico eu sempre trabalhava em ambientes fechados e eu queria trabalhar ao ar livre. Em 1967, desisti da música de vez e fiz minha especialização em bioacústica, o estudo do som de animais vivos, e desde então trabalho na área. O que eu descobri no ramo dos animais foi a origem da vida, algo que o Tom fez, na verdade. Boa parte de suas músicas se baseiam nos sons da Mata Atlântica que ele ouviu ao crescer no Rio de Janeiro.


Você acha que nosso conceito de música é inspirado na natureza?


Toda nossa música é inspirada pelos sons da natureza porque somos mímicos. Nós aprendemos a imitar o que ouvimos no mundo ao nosso redor. Quando vivemos mais perto do mundo natural, organizamos os sons como os animais o fazem, imitamos o som solo de animais como pássaros e mamíferos e tiramos música daí. Quando começamos, éramos uma parte pequena da orquestra animal, porque precisávamos organizar esses sons para mostrar que fazíamos parte do mesmo grupo, para sobreviver.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Sinto por Abril um afecto intenso

David R Robinson

Sinto por Abril um afecto intenso, não só pela estação do ano em si, mas principalmente pela graciosidade etimológica que o descreve com imensa beleza e que o mês merece. O seu nome deriva do Latim Aprilis, que significa abrir, numa referência à germinação das culturas. Outra hipótese sugere que Abril seja derivado de Aprus, o nome etrusco de Vénus, deusa do amor e da paixão. Outra versão é que a se relaciona com Afrodite, nome grego da deusa Vénus, que teria nascido de uma espuma do mar que, em grego antigo, se dizia assim mesmo "abril".