terça-feira, 21 de abril de 2015

Documentário da semana- Sepp Holzer, o agricultor rebelde


Sepp Holzer é um Permacultor austríaco que construiu uma das maiores fazendas de Permacultura na Europa. Ele simplesmente observa a natureza e trabalha com ela em completa harmonia, interferindo o mínimo possível. Legendas em Português.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

E-Livro da Semana: Coordenação, Supervisão e Liderança - Escola, projetos e aprendizagens



Uma publicação constituída por diversos textos ligados pela análise das políticas de governação recentes, das lideranças nas escolas, pela avaliação do desenvolvimento profissional dos docentes a partir da interação colaborativa e da supervisão, pela descrição de dinâmicas de observação de aulas em parceria. O estudo de práticas de desenvolvimento curricular fundadas na autonomia organizacional e profissional, e de modos de estudar e de aprender, constituem outros tópicos organizadores do livro.

domingo, 19 de abril de 2015

光 Haruka Nakamura- Piano Ensemble feat.Cantus


"A amizade desenvolve a felicidade e reduz o sofrimento, duplicando a nossa alegria e dividindo a nossa dor."~Joseph Addison

sábado, 18 de abril de 2015

Arianna Savall - "L'Amor" (da "Bella Terra", 2004)


"Precisamos transportar pensamentos positivos connosco - pensamentos que criarão um novo dia fantástico, um novo futuro maravilhoso." (Dalai Lama, Pensamentos do Coração)

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Cimento “transparente”: uma nova alternativa para a entrada de luz e economia de energia

Já imaginou uma construção com estruturas transparentes? Além de receberem mais claridade a economia de energia acaba sendo maior em vários ambientes. Pensando nisso, a empresa de arquitetura italiana Italcementi, criou uma espécie de "cimento transparente".


A invenção nada mais é que tetos e paredes “transparentes” sendo, na verdade, um conjunto de blocos de concreto com pequenos orifícios que permitem a entrada e saída de luz. Como os buracos têm 2 ou 3 milímetros, eles parecem blocos normais quando vistos de longe, mas, iluminados, dão a sensação de transparência.

Segundo os criadores, um edifício feito com o i.light pode economizar uma quantidade de energia semelhante à que pouparia durante o horário de verão.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

OS 5 Rs Da Educação Ambiental

1 - REDUZIR 
Reduzir o consumo excessivo e desnecessário. 

2- REUTILIZAR
Dar novo uso às embalagens, roupas, papel (revistas, jornais), peças de vestuário que já não usa para outro fim. 

3- RECICLAR
Separar os resíduos sólidos do lixo doméstico e colocar nos respectivos ecopontos. 

4- RECUSAR
Ao comprar os produtos devemos informarmo-nos se são ou não prejudiciais à Natureza e à NOSSA SAÚDE (também fazemos parte da Natureza).

5 - REPENSAR
Devemos refletir sobre os nossos atos e adquirir práticas sustentáveis: poupar energia; evitar desperdícios; andar a pé e/ou de bicicleta; aproveitar a luz solar como energia natural; aderir à agricultura biológica e de proximidade; promover o comércio tradicional; ao comprar os produtos devemos avaliar o impacto negativo na NATUREZA; repensar na forma como gerimos o nosso tempo, evitar meter tudo o que não interessa para o LIXO (existe sempre alguém que precisa do que nos sobra).

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Encontros Improváveis: Idan Raichel e Ana Moura


Sabe Deus
Tudo o que me vai na alma
Sabe Deus
Onde encontro a minha calma
Só Deus sabe
Como calma era a manhã em que saíste
Nesse dia em que me deixaste
E para sempre partiste.

Sabe Deus
Como é fria a nossa cama
Sabe Deus
Como a minha voz te chama
Só Deus sabe
Como posso eu viver nesta tristeza
De saber que não vais voltar
É esta a minha certeza.

Mas se Deus quiser
Tu estarás à minha espera
Onde é sempre primavera
Mas se Deus quiser
Voltarei para junto a ti
Renascendo onde morri.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Economia circular e sociologia rural


Imagine um sistema de produção feito em circuito fechado em que o descartável torna-se matéria-prima. A eficiência no uso dos materiais é uma das exigências da política europeia de ambiente. O modelo de desenvolvimento do futuro é circular. Conheçam os exemplos do Esporão (com participação de Joao Roquette e Nuno Gaspar de Oliveira) e da Lipor - via Biosfera

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Plantas têm memória, sentem dor e são inteligentes

Confira este vídeo de Michael Pollan

Pode ser uma planta inteligente? Alguns cientistas insistem que são - uma vez que elas podem sentir, aprender, lembrar e até mesmo reagir de formas que seriam familiares aos seres humanos.

A nova pesquisa está em um campo chamado neurobiologia de plantas - o que é meio que um equívoco, porque mesmo os cientistas desta área não argumentam que as plantas tenham neurónios ou cérebros.

"Elas têm estruturas análogas", explica Michael Pollan, autor de livros como The Omnivore's Dilemma (O Dilema do Onívoro) e The Botany of Desire (A Botânica do Desejo). "Elas têm maneiras de tomar todos os dados sensoriais que se reúnem em suas vidas quootidianas ... integrá-los e, em seguida, se comportar de forma adequada em resposta. E elas fazem isso sem cérebro, o que, de certa forma, é o que é incrível sobre isso, porque assumimos automaticamente que você precisa de um cérebro para processar a informação".

E nós supomos que precisamos de ouvidos para ouvir. Mas os pesquisadores, diz Pollan, tocaram uma gravação de uma lagarta comendo uma folha para plantas - e as plantas reagiram. Elas começam a secretar substâncias químicas defensivas - embora a planta não esteja realmente ameaçada, diz Pollan. "Ela está de alguma forma ouvindo o que é, para ela, um som aterrorizante de uma lagarta comendo suas folhas."

Plantas podem sentir

Pollan diz que as plantas têm todos os mesmos sentidos como os seres humanos, e alguns a mais. Além da audição e do paladar, por exemplo, elas podem detectar a gravidade, a presença de água, ou até sentir que um obstáculo está bloqueando suas raízes, antes de entrar em contato com ele. As raízes das plantas mudam de direção, diz ele, para evitar obstáculos.

E a dor? As plantas sentem? Pollan diz que elas respondem aos anestésicos. "Você pode apagar uma planta com um anestésico humano. ... E não só isso, as plantas produzem seus próprios compostos que são anestésicos para nós." 

De acordo com os pesquisadores do Instituto de Física Aplicada da Universidade de Bonn, na Alemanha, as plantas liberam gases que são o equivalente a gritos de dor. Usando um microfone movido a laser, os pesquisadores captaram ondas sonoras produzidas por plantas que liberam gases quando cortadas ou feridas. Apesar de não ser audível ao ouvido humano, as vozes secretas das plantas têm revelado que os pepinos gritam quando estão doentes, e as flores se lamentam quando suas folhas são cortadas [fonte: Deutsche Welle].

Sistema nervoso de plantas

Como as plantas sentem e reagem ainda é um pouco desconhecido. Elas não têm células nervosas como os seres humanos, mas elas têm um sistema de envio de sinais elétricos e até mesmo a produção de neurotransmissores, como dopamina, serotonina e outras substâncias químicas que o cérebro humano usa para enviar sinais.

As plantas realmente sentem dor

As evidências desses complexos sistemas de comunicação são sinais de que as plantas sentem dor. Ainda mais, os cientistas supõem que as plantas podem apresentar um comportamento inteligente sem possuir um cérebro ou consciência.

Elas podem se lembrar

Pollan descreve um experimento feito pela bióloga de animais Monica Gagliano. Ela apresentou uma pesquisa que sugere que a planta Mimosa pudica pode aprender com a experiência. E, Pollan diz, por apenas sugerir que uma planta poderia aprender, era tão controverso que seu artigo foi rejeitado por 10 revistas científicas antes de ser finalmente publicado.


quinta-feira, 9 de abril de 2015

Nova espécie de orquídea homenageia botânico brasileiro

A nova espécie de orquídea tem os lóbulos laterais (pétala branca) em curva, que lembra o formato de uma âncora de navio
A nova espécie de orquídea tem o labelo (pétala branca) em curva, que lembra o formato de uma âncora de navio [Fonte: Revista de Pesquisa FABESP]
Botânicos brasileiros descreveram uma nova espécie de orquídea colhida em uma área de manejo florestal perto de Manaus, Amazonas. A pequena planta recebeu o nome de Dichaea bragae, em homenagem a Pedro Ivo Soares Braga, falecido em março de 2011 e considerado um dos maiores pesquisadores de orquídeas do Brasil. Ela foi descrita por uma equipe da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) na edição de setembro na revista científica Acta Amazonica.
O que chama atenção é um detalhe das pequenas flores verdes com cerca de um centímetro de diâmetro, ou seja, o labelo, uma pétala modificada, cuja função em geral é atrair polinizadores, mais comumente abelhas, e que na Dichaea bragae se destaca por sua cor branca. “As partes laterais do labelo lembram o formato de uma âncora de navio, uma das características do gênero Dichaea”, diz o biólogo Amauri Herbert Krahl, do Inpa, integrante do grupo que descreveu a espécie. “Essas projeções laterais estão presentes em quase todas as plantas do gênero, mas só a Dichaea bragae tem os lóbulos laterais em curva, num ângulo de 90 graus. É quase como se as pontas fossem dobradas”, descreve. Nas outras características, como tamanho das folhas, porte da planta e caule, a nova espécie é semelhante às já conhecidas no mesmo gênero.
Dichaea bragae é típica das florestas muito úmidas ao longo dos cursos de água. Ancorada em troncos de árvores de caule fino, a uma altura média de 2 metros do solo, a orquídea, como é usual em espécies dessa família, retira do ar a água necessária para sobreviver.
Segundo Krahl, exemplares da planta foram retirados da fazenda Porto Alegre, localizada a 80 quilômetros ao norte de Manaus, uma área de manejo administrada pelo Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (PDBFF), do Inpa. “A coleta foi feita quando a planta não apresentava sua parte reprodutiva, a flor. Cultivamos os exemplares em orquidário e quando elas floriram tivemos uma grata surpresa”, relembra o botânico, que trabalha com orquídeas desde 2008.
Artigo científico
VALSKO, J. J. et al. A new species of Dichaea (Orchidaceae) for northern BrazilActa Amazonica. v. 44, n. 3, p. 397-402. 2014

Gostou? Compartilhe: