sábado, 1 de agosto de 2015

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Las manos humanas son más primitivas que las de los chimpancés


Proporciones de la mano en los humanos y otros primates antropoides
La mano humana se distingue de la de los simios por un pulgar proporcionalmente más largo en relación a otros dedos, lo que se ha relacionado funcionalmente con la manipulación selectiva y la forma de locomoción. Sin embargo según Sergio Almécija et al (2012) el pulgar largo es una característica primitiva y por tanto no está relacionada con una capacidad reciente de manipulación; fueron los simios los que más evolucionaron alargando los otros dedos y acortando el pulgar.

Proporciones de los dedos de la mano en relación al tamaño corporal en los humanos y otros primates antropoides


Sergio Almécija, Jeroen B. Smaers y William L. Jungers han estudiado las proporciones de las manos de humanos y otros simios, incluyendo fósiles de Procónsul heseloni, Hispanopithecus laietanus, Ardipithecus ramidus, Australopithecus sediba y Homo neanderthalensis y han EFECTUADO un análisis evolutivo.

Los resultados revelan altos niveles de disparidad en las proporciones de las manos entre los Hominoidea modernos, que se EXPLICAN por diferentes procesos evolutivos:

Evolución autapomórfica en Hilobatidae: alargamiento extremo de los dedos incluido el pulgar.
Adaptación convergente en chimpancés y organgutanes (evolución homoplásica): alargamiento de los dedos, en menor grado que Hilobtidae, pero no del pulgar.
Pocos cambios en Gorillini y Hominini (evolución plesiomórfica).
Ar. ramidus es intermedio entre humanos y chimpancés, pero con pulgares CORTOS
.

Árbol filogenético que muestra las adaptaciones en las longitudes de los dedos de la mano. Se destacan los nodos 
Estos resultados apoyan el siguiente escenario evolutivo:

El esqueleto de los Homininae evolucionó en mosaico, de modo que los simios existentes no son buenos modelos ancestrales.
En algunos linajes de simios, coevolucionaron las longitudes de las extremidades y las proporciones de los dedos en un contexto de adaptación a la suspensión bajo las ramas.
Las similitudes en las proporciones de la mano entre humanos, gorilas y el simio ancestral africano indican que los dedos muy largos no fueron un requisito para el nudilleo.
Estas similitudes también indican que la longitud de los dedos de los australopitecinos no IMPEDÍAN la escalada a los árboles.
En los seres humanos, las longitudes de los dedos, incluyendo el pulgar, sólo se han modificado ligeramente desde el ancestro común más reciente con Pan, probablemente en relación con el refinamiento en la manipulación, según lo sugerido por las similitudes convergentes con Cebus y Theropithecus.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Documentário da semana- A Ordem Criminosa do Mundo


Grande documentário exibido pela TVE que aborda a visão de dois grandes humanistas contemporâneos, Eduardo Galeano e Jean Ziegler, sobre o mundo actual.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Encontros Improváveis: Bernardo Soares e Cocteau Twins- Mizake the Mizan


"


Amanhã também eu, a alma que sente e pensa, o universo que sou para mim, sim amanhã eu também serei o que deixou de passar nestas ruas (...) E tudo quanto faço, tudo quanto sinto, tudo quanto vivo, não será mais que um transeunte a menos na quotidianidade de ruas de uma cidade qualquer."~ Bernardo Soares

terça-feira, 28 de julho de 2015

Maior aquífero do mundo fica no Brasil e abasteceria o planeta por 250 anos

Imagine uma quantidade de água subterrânea capaz de abastecer todo o planeta por 250 anos. Essa reserva existe, está localizada na parte brasileira da Amazônia e é praticamente subutilizada.

Até dois anos atrás, o aquífero era conhecido como Alter do Chão. Em 2013, novos estudos feitos por pesquisadores da UFPA (Universidade Federal do Pará) apontaram para uma área maior e deram uma nova definição.

"A gente avançou bastante e passamos a chamar de SAGA, o Sistema Aquífero Grande Amazônia. Fizemos um estudo e vimos que aquilo que era o Alter do Chão é muito maior do que sempre se considerou, e criamos um novo nome para que não ficasse essa confusão", explicou o professor do Instituto de Geociência da UFPA Francisco Matos.


Segundo a pesquisa, o aquífero possui reservas hídricas estimadas preliminarmente em 162.520 km³ --sendo a maior que se tem conhecimento no planeta. "Isso considerando a reserva até uma profundidade de 500 metros. O aquífero Guarani, que era o maior, tem 39 mil km³ e já era considerado o maior do mundo", explicou Matos.

O aquífero está posicionado nas bacias do Marajó (PA), Amazonas, Solimões (AM) e Acre --todas na região amazônica--, chegando até a bacias subandinas. Para se ter ideia, a reserva de água equivale a mais de 150 quatrilhões de litros. "Daria para abastecer o planeta por pelo menos 250 anos", estimou Matos. 

O aquífero exemplifica a má distribuição do volume hídrico nacional com relação à concentração populacional. Na Amazônia, vive apenas 5% da população do país, mas é a região que concentra mais da metade de toda água doce existente no Brasil.

Por conta disso, a água é subutilizada. Hoje, o aquífero serve apenas para FORNECER água para cidades do vale amazônico, com cidades como Manaus e Santarém. "O que poderíamos fazer era aproveitar para termos outro ciclo, além do natural, para produção de alimentos, que ocorreria por meio da irrigação. Isso poderia ampliar a produção de vários tipos de cultivo na Amazônia", afirmou Matos.

Para o professor, o uso da água do aquífero deve adotar critérios específicos para EVITAR problemas ambientais. "Esse patrimônio tem de ser visto no ciclo hidrológico completo. As águas do sistema subterrâneo são as que alimentam o rio, que são abastecidos pelas chuvas. Está tudo interligado. É preciso planejamento para poder entender esse esquema para que o uso seja feito de forma equilibrada. Se fizer errado, pode causar um desequilíbrio", disse.

Mesmo com a água em abundância, Matos tem pouca esperança de ver essa água abastecendo regiões secas, como o semiárido brasileiro. "O problema todo é que essa água não tem como ser transportada para Nordeste ou São Paulo. Para isso seriam necessárias obras faraônicas. Não dá para pensar hoje em transportar isso em distâncias tão grandes", afirmou. 
[Fonte: UOL, 21/03/15]

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Entrevista a Bruce Lipton "Los pensamientos curan más que los medicamentos"

Bruce Lipton reclama una nueva medicina, la que tenga en cuenta la energía por su capacidad para curar.

Reclama una nueva medicina, la que tenga en cuenta la capacidad de curar de la energía, mucho más eficaz que los medicamentos. Bruce Lipton (Estados Unidos, 1944) ha conseguido aunar ciencia y espíritu. No es poco mérito el suyo si tenemos en cuenta lo "alérgicos" que son los científicos a los temas trascendentales. Es doctor en Biología Celular y fue pionero en la investigación con células madre. Sus estudios sobre la membrana celular y las modificaciones de las células según el entornoSENTARON las bases de la nueva epigenética. Sus descubrimientos (que iban en contra de la opinión científica establecida de que la vida es controlada por los genes) y el estudio de la física cuántica le han llevado a criticar duramente la medicina convencional. Es autor de libros como La biología de la creencia y La biología de la transformación.

Usted asegura que la medicina convencional va por muy mal camino. ¿Tan peligrosos son los medicamentos que nos recetan?
Nos dan medicamentos para la enfermedad, pero esto causa muchos problemas en el cuerpo. Porque esta medicinaBASADA en la farmacología no entiende cómo está interrelacionada toda la bioquímica del organismo. Cuando tomo una pastilla química y la introduzco en mi cuerpo, no solo afecta a aquel lugar donde tengo el problema, sino que afecta a muchas otras cosas a la vez. Son los llamados “efectos secundarios”. Pero, en realidad, no son secundarios sino directos. No entienden que el efecto de las drogas no solo crea un efecto sino múltiples. Según las estadísticas en EEUU, ¡los fármacos matan allí a más de 300.000 personas cada año! Y esas personas son muchas más que las que mueren porTOMAR drogas ilegales. Hay algo que no funciona en la ciencia médica. Hace algunas cosas bien, como la traumatología, pero está matando a mucha más gente de la que ayuda. Tiene que aprender cómo funcionan las células.

¿Y qué ha descubierto sobre las células pero que no tiene en cuenta la medicina? 
Yo ya trabajaba con ellas en los años 60. Fui un pionero porque en esa época había muy poca gente trabajando en ello. Y unEXPERIMENTO que hice en esa época cambió la idea que tenía del mundo. Puse una célula madre en un plato petri y, como cada diez horas se divide en dos, al cabo de dos semanas, tenía miles de células, todas idénticas. Luego cogí algunas de ellas, las coloqué en otro plato y cambié el entorno celular (son más como peces porque viven en un entorno fluido). Cambié la química en ese plato y ahí formaron músculo. Después, cogí otras del primer plato y las puse en un entorno diferente, y se formó hueso, y otras se convirtieron en grasa al volver a cambiar el entorno. Entonces, la pregunta es muy sencilla, ¿qué controla el destino de las células? Todas eran idénticas, lo único que era diferente era el entorno. Cuando cojo células sanas y las coloco en un entorno nocivo, la células enferman y mueren. Si un médico las mirara, diría: “¿Qué medicina hay que darles?” ¡Pero no hace falta ninguna medicina! Les cambias el entorno nocivo, las colocas en uno sano y saludable y las células sanan. Los humanos somos una comunidad de 50 trillones de células, por tanto, la célula es el ser viviente y la persona es una comunidad. ¡El humano es un plato petri cubierto de piel!

¿Cuál es el entorno de la célula que hay queCUIDAR?
Dentro de mí hay 50 trillones de células y el entorno celular para nosotros es la sangre, por ello la composición de la sangre cambia el destino de la célula. ¿Y qué controla la sangre? Pues el sistema nervioso, que crea una química diferente según el sistema exterior. La célula y el ser humano son la misma cosa. Por ello, si pongo al ser humano en un entorno nocivo, igual que la célula, también enferma. Si lo trasladas a un entorno sano, entonces sana. Por tanto, la medicina culpa a las células por la enfermedad yTRATA de cambiar la química de las células, pero ese no es el problema, el problema es el entorno. Y si cambias a la persona de entorno, sin medicamentos, el cerebro cambia la química. El cerebro de la célula y el de la persona leen y entienden el entorno. 

En un entorno sano, ¿nos curamos automáticamente? ¿Así de fácil?
No es tan fácil, porque la mente interpreta. Puede suceder que estemos en un entorno muy sano y que la mente lo lea como un entorno negativo o perjudicial. Entonces crea una química que hará a mi cuerpo enfermar. La diferencia entre la célula y el ser humano es que este tiene una mente que hace una interpretación y la célula lee el entorno directamente. Si metes un programa con errores en la mente, entonces la química que genera no está en armonía con la vida. Y esto nos sirve para entender cómo funciona un placebo. Cambio mi creencia y pienso que esto me va a sanar,TOMOuna píldora porque creo que esto me va a traer salud, y me mejora y me sana, pero la píldora podría ser de azúcar, en realidad no ha hecho nada, han sido mis creencias. Y a eso lo llamamos pensamientos positivos y efecto placebo.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

A Song of Oil in the Amazon

By Mitch Anderson, International Director 

Lago Agrio, Ecuador — The sprawl of scorched pavement and crumbling cement buildings in the heart of the Amazon rainforest. This city, once a small oil boom town founded by Texaco in the late 1960s (and given, appropriately, the name “Sour Lake” after Texaco’s hometown in Texas) is now a bewildering and feverish mess of oil workers, drug-traffickers, street children, shop owners, impoverished farmers, and indigenous people stripped of their ancestral territory and forced to survive, as the Cofán people say, in the “kokama kuri sindipa ande (white man’s world of MONEY).” Just several days ago, at the edge of the pavement on the outskirts of the city, where the Cofán people have recovered (yes, purchased) a narrow tract of their ancestral territory, 

I spent the afternoon with Marina Aguinda Lucitante, an elder of the tribe. She was born along the banks of the Agua Rico river. She was married at a young age to a Cofán Shaman, Guillermo Quenama, who died, she says, “because the oil company poisoned him with alcohol.” She remembers when the forest was filled with animals. And she remembers when the river ran black with crude oil. 

She seems to remember everything – and all of her memories are divided: Life before the oil company and life after the oil company. It has been nearly 50 years since Texaco began oil operations here in the northeastern Ecuadorian Amazon. Nearly 50 years since the death of Marina’s husband, Guillermo Quenama. And over that time, the impacts of Texaco’s (now Chevron’s) reckless pump and dump oil operations have been WELL documented. 

The abandoned oil pits littered throughout the rainforest, the billions of gallons of toxic wastewater dumped into rivers and streams, the felled primary forest, the noxious gases rising into the sky from 24 hour-a-day flaring, the crude oil sprayed on the roads, the towering black plumes of smoke from spilt and burning crude, the resultant public health crisis racking indigenous and mestizo farmer communities, including cancer, spontaneous miscarriages, and birth defects. But what has not been documented – what cannot possibly be understood by anyone who has not been here to endure the last 50 years of oil operations – is how the oil conquest has affected the spiritual life, the inner world, of those who live here. 

 Marina has asked me to SHARE with the world a song that she has been carrying within her for these last 50 years. Marina is one of the last Cofán women who remember how to sing in the way of her ancestors. This is her song.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Yorgos Papaioannou- School of the Sun



Acredito no mundo cheio de Fantasia e Biologia. A Biologia é por si só uma magia. Desperta em nós o enigma e o brilho da descoberta!! Vejam este teledisco/ animação. É maravilhoso!

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Encontros Improváveis- Júlio Henriques e Dead Can Dance- The Carnival is Over

Júlio Henriques, notável cientista e Professor da Universidade de Coimbra, foi pioneiro do Darwinismo em Portugal. “Parece pois que na especie humana tem completa applicação a theoria de Darwin. A muitos desagradrá a ideia de que o homem é um macaco aperfeiçoado. Mas se Deus nos deu a razão, se hoje o progresso e desenvolvimento intellectual nos colloca tão longe do restante do mundo animal, que importa a origem? Que receio pode infundir uma theoria, cujas consequencias são em geral a consecução de um maior gráu de perfeição? E termina dizendo: “O mundo marcha: deixemo-nos ser levados nesse movimento de progresso” (“As espécies são mudáveis?” Dissertação para o Acto de Conclusões Magnas. Coimbra, Imprensa da Universidade, 1865)

terça-feira, 21 de julho de 2015

Humanos primitivos pertenciam todos à mesma espécie, afirmam cientistas

Análise de cinco crânios com 1,8 milhões de anos encontrados no Cáucaso sugere que os primeiros homens primitivos que saíram de África pertenciam todos a uma única espécie. Ideia ainda controversa.

E se em vez de serem todos de espécies diferentes, os diversos homens primitivos cujos fósseis têm sido encontrados ao longo dos anos em diversos locais — Homo habilis, Homo rudolfensins, Homo erectus e outros — fossem todos membros de uma única e mesma espécie de humanos e as suas diferenças físicas apenas reflectissem a normal variabilidade entre indivíduos dessa espécie? Os autores de um novo estudo comparativo de crânios fósseis humanos encontrados no Cáucaso, e publicado esta sexta-feira na revista Science, afirmam que é precisamente isso que os seus resultados sugerem.

A peça-chave do TRABALHO desenvolvido nos últimos oito anos por David Lordkipanidze, director do Museu Nacional da Geórgia, e uma equipa internacional de colegas, é um crânio — designado Crânio 5 — com quase 1,8 milhões de anos. O seu maxilar inferior foi encontrado em 2000 na escavação arqueológica de Dmanisi (a uns 100 quilómetros de Tbilisi, a capital da Geórgia) — e o resto do seu rosto e cabeça em 2005.

“O Crânio 5 é um achado extraordinário”, explicou em conferência de imprensa telefónica a co-autora Marcia Ponce de León, da Universidade de Zurique (Suíça). “É o crânio fóssil mais completo de sempre de um adulto do género Homo. Encontra-se num estado de conservação perfeito (...) e [a segunda peça] foi encontrada cinco anos depois do maxilar a menos de dois metros de distância [da primeira].”

Acontece que o Crânio 5 não era de todo o que os cientistas esperavam, visto o carácter maciço do maxilar previamente desenterrado. Estavam à espera de um crânio de grande tamanho, mas depararam-se, pelo contrário, com uma caixa craniana pequena por cima de um grande rosto, numa combinação de traços morfológicos nunca antes observada num homem primitivo.

Crânio 5 e irmãos

Também em Dmanisi foram encontrados, ao longo dos anos, mais quatro crânios (apenas um sem maxilar inferior), algumas ferramentas de pedra e ossos fossilizados de animais — achados que, segundo estudos anteriores, são vestígios deixados por um grupo de humanos que viveu no mesmo sítio ao mesmo tempo. “O tempo que demorou a formação geológica do LOCAL foi bastante breve, o que permite concluir que a sedimentação de todos os ossos [de homens primitivos] aconteceu em simultâneo”, explicou Lordkipanidze. “Dmanisi é como uma cápsula do tempo que preservou um ecossistema de há 1,8 milhões de anos.”

Os crânios de Dmanisi permitem realizar análises comparativas que até aqui não eram possíveis. E de facto, perante a descoberta do resto do Crânio 5 e da sua inédita anatomia, tornou-se necessário explicar as diferenças físicas patentes entre os cinco crânios humanos daquele sítio paleontológico, que fazem com que alguns deles sejam mais bem classificados como Homo habilise outros como Homo erectus. Poderiam estes homens primitivos, que ao que tudo indica faziam parte da mesma comunidade, ter pertencido a várias espécies diferentes de humanos? “Sabíamos que vieram do mesmo local e do mesmo período geológico; podiam portanto representar uma única população de uma única espécie”, salientou Christoph Zollikofer, um outro co-autor, também da Universidade de Zurique.

Para determinar qual destas duas possibilidades — uma ou várias espécies — era a mais provável e, em particular, se era possível que o nível de variação observado naqueles fósseis se verificasse no seio de uma única espécie, os cientistas recorreram a métodos de morfometria 3D computadorizada. Por outro lado, para garantirem a compatibilidade dos novos resultados com estudos comparativos anteriores, também aplicaram métodos mais tradicionais de comparação de características morfológicas.

Diferentes mas iguais

segunda-feira, 20 de julho de 2015

NASA admite que vida na Terra pode ter começado no Alentejo. Entenda o porquê


(Imagem: Reprodução Ecos da Aldeia)
Artigo por Bruna Angélica Pelicioli Riboldi, 7 de Julho de 2015

Trabalhando em colaboração com pesquisadores portugueses da CEPGIST, investigadores da NASA estão a analisar as condições geológicas e térmicas na pequena vila de Cabeço de Vide (vila alentejana do concelho de Fronteira), cujas características ambientais (como o pH da água de 11,5) são idênticas somente às de uma região nos Estados Unidos e às do planeta Marte.

A NASA pesquisa desde 2008 as águas termais da região que considera que poder ter sido onde nasceu a vida na Terra. Já foram realizadas visitas de cientistas da agência espacial norte-americana em 2012 e 2013.

Graças ao estudo de fragmentos do planeta Marte, os cientistas sabem que algumas rochas marcianas têm elementos e características hidrogeológicas idênticas às rochas e às águas de Cabeço de Vide e às de The Cedars, uma zona termal nos EUA.

O tipo de geologia da região é considerada “perfeita” para criar as condições para dar origem à vida. A ideia é replicar o estudo em Marte, planeta onde a NASA encontrou uma geologia semelhante e sabe-se que já houve água e também metano. As rochas de Cabeço de Vide conferem às águas locais uma composição particular e o seu cheiro característico. Devido às rochas, estas águas têm um pH de 11,5, sendo consideradas únicas a nível Europeu e somente comparáveis às que correm numa montanha norte-americana e às dos indícios da água detetados em Marte pelos cientistas.

(Imagem: Divulgação NASA´s Curiosity Mars Rover)

No fim do ano passado, a sonda Curiosity detectou variações nos níveis de metano na atmosfera de Marte, o que pode ser um sinal de vida. visto que, na Terra, a maior parte do metano que existe é de fonte biológica. Por quatro vezes ao longo de um período de dois meses, o Curiosity mediu um aumento súbito nos níveis de metano, que depois se dissiparam com a mesma rapidez. Não se conhece a causa da flutuação, que pode ser biológica (produzida por seres vivos), ainda que a origem geoquímica (produzida por fenómenos geológicos) não esteja ainda excluída.

A sonda encontrou ainda diferentes componentes orgânicos a partir da perfuração de uma rocha do planeta. Esta foi a primeira detecção definitiva de elementos orgânicos em materiais da superfície do Planeta Vermelho, mas não há confirmação quanto à origem. As moléculas orgânicas, que contêm carbono e hidrogênio, geralmente são “blocos de construção químicos da vida”, embora possam existir sem a presença de vida: eles podem tanto ter se formado em Marte como podem ter sido inseridos na superfície pelo choque de meteoritos contra o planeta.


Ilustração mostra possíveis formas de o metano ter chegado à atmosfera 
de Marte. (Imagem: NASA)

Gostou? Compartilhe: