segunda-feira, 5 de dezembro de 2022

Encontros Improváveis: Vinicius de Moraes com Edward Hopper


Procura-se um amigo
"Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor..Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.
Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objectivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.
Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.
Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive". 
Vinicius de Moraes

From the Amazon to Australia, why is your money funding Earth’s destruction?

Fossil fuels, fisheries and farming: the world’s most destructive industries are protected – and subsidised – by governments


In every conflict over the living world, something is being protected. And most of the time, it’s the wrong thing.

The world’s most destructive industries are fiercely protected by governments. The three sectors that appear to be most responsible for the collapse of ecosystems and erasure of wildlife are fossil fuels, fisheries and farming. In 2021, governments directly subsidised oil and gas production to the tune of $64bn (£53bn), and spent a further $531bn (£443bn) on keeping fossil fuel prices low. The latest figures for fisheries, from 2018, suggest that global subsidies for the sector amount to $35bn a year, over 80% of which go to large-scale industrial fishing. Most are paid to “enhance capacity”: in other words to help the industry, as marine ecosystems collapse, catch more fish.

Every year, governments spend $500bn on farm subsidies, the great majority of which pay no regard to environmental protection. Even the payments that claim to do so often inflict more harm than good. For example, many of the European Union’s pillar two “green” subsidies sustain livestock farming on land that would be better used for ecological restoration. Over half the European farm budget is spent on propping up animal farming, which is arguably the world’s most ecologically destructive industry.

Pasture-fed meat production destroys five times as much forest as palm oil does. It now threatens some of the richest habitats on Earth, among which are forests in Madagascar, the Democratic Republic of the Congo, Ecuador, Colombia, Brazil, Mexico, Australia and Myanmar. Meat production could swallow 3m square kilometres of the world’s most biodiverse places in 35 years. That’s almost the size of India. In Australia, 94% of the deforestation in the catchment area of the Great Barrier Reef – a major cause of coral loss – is associated with beef production. Yet most of these catastrophes are delivered with the help of public money.

The more destructive the business, the more likely it is to enjoy political protection. A study published this month claims that chicken factories being built in Herefordshire and Shropshire are likely to destroy far more jobs than they create, wrecking tourism through the river pollution, air pollution, smell and scenic blight they cause. But none of the planning applications for these factories has been obliged to provide an economic impact analysis. Planning officers, the paper found, are highly dismissive of the hospitality industry, treating it as “non-serious and trivial”. By comparison, the paper found, “attitudes to farming were very different; described as serious, ‘proper’ (male) work”. The “tough”, “masculine” industries driving Earth systems towards collapse are pampered and protected by governments, while less destructive sectors must fend for themselves.

While there is no shortage of public money for the destruction of life on Earth, budgets for its protection always fall short. According to the UN, $536bn a year will be needed to protect the living world – far less than the amount being paid to destroy it – yet almost all this funding is missing. Some has been promised, scarcely any has materialised. So much for public money for public goods.

The political protection of destructive industries is woven into the fabric of politics, not least because of the pollution paradox (“the more damaging the commercial enterprise, the more money it must spend on politics to ensure it’s not regulated out of existence. As a result, politics comes to be dominated by the most damaging commercial enterprises.”) Earth systems, by contrast, are treated as an afterthought, an ornament: nice to have, but dispensable when their protection conflicts with the necessity of extraction. In reality, the irreducible essential is a habitable planet.

In 2010, at a biodiversity summit in Nagoya, Japan, governments set themselves 20 goals, to be met by 2020. None has been achieved. As they prepare for the biodiversity Cop15 summit in Montreal next week, governments are investing not in the defence of the living world but in greenwash.

The headline objective is to protect 30% of the world’s land and oceans by 2030. But what governments mean by protection often bears little resemblance to what ecologists mean.

Take the UK, for example. On paper, it has one of the highest proportions of protected land in the rich world, at 28%. It could easily raise this proportion to 30% and claim to have fulfilled its obligations. But it is also one of the most nature-depleted countries on Earth. How can this be? Because most of our “protected” areas are nothing of the kind.

One analysis suggests that only 5% of our land meets the international definition of a protected area. Even these scraps are at risk, as scarcely anyone is left to enforce the law: the regulators have been stripped to the bone and beyond. At sea, most of our marine protected areas are nothing but lines on the map: trawlers still rip them apart.

All this is likely to become much worse. If the retained EU law bill goes ahead, the entire basis of legal protection in the UK could be torn down. Even by the standards of this government, the mindless vandalism involved is gobsmacking. To prove that Brexit means Brexit, 570 environmental laws must be deleted or replaced by the end of next year. There will be no public consultation, no scope for presenting evidence and, in all likelihood, no opportunity for parliamentary debate. It is logistically impossible to replace so much legislation in such a short period, so the most likely outcome is deletion. If so, it’s game over for rivers, soil, air quality, groundwater, wildlife and habitats in the UK, and game on for cheats and con artists. The whole country will, in effect, become a freeport.

Never underestimate the destructive instincts of the Conservative party, prepared to ruin everything for the sake of an idea. Never underestimate its appetite for chaos and dysfunction.

The protected industries driving us towards destruction will take everything if they are not checked. We face a brutal contest for control over land and sea: between those who seek to convert our life support systems into profit, and those who seek to defend, restore and, where possible, return them to the indigenous people dispossessed by capitalism’s fire front. These are never just technical or scientific issues. They cannot be resolved by management alone. They are deeply political. We can protect the living world or we can protect the companies destroying it. We cannot do both.

domingo, 4 de dezembro de 2022

Um brilhante meteoro verde ilumina o céu da Índia


É muito difícil fotografar um meteoro. Embora cerca de 25 milhões deles se aproximem da Terra todos os dias, a maioria deles é muito pequena para ser rastreada. Aqueles que você pode ver são difíceis de detectar durante o dia, e a maioria das pessoas está a dormir quando cruzam o céu à noite. Mas Prasenjeet Yadav conseguiu um de qualquer maneira, totalmente por acidente.

Yadav estava a dormir quando este meteoro verde brilhante explodiu sobre Mettupalayam, uma pequena cidade na região montanhosa de Ghats Ocidental, no sul da Índia. O equipamento de lapso de tempo que ele montou no topo de uma colina próxima capturou esta bela imagem.

Ele não se propôs a ser fotógrafo. Ele nasceu em Nagpur, a cerca de 35 milhas do cenário de "O livro da Selva", de Rudyard Kipling, e tigres e leopardos vagavam rotineiramente por seu quintal. Ele estudou grandes felinos como biólogo molecular, mas tinha a sensação de que a maioria das pessoas não lia, muito menos entendia, trabalhos académicos. Se as pessoas querem entender a ciência, pensou ele, elas precisam vê-la. E assim ele se tornou um fotógrafo.

Yadav ganhou uma bolsa da National Geographic Young Explorers para documentar as "ilhas do céu", os picos isolados das montanhas que se elevam acima das nuvens ao longo de uma faixa de 400 milhas dos Ghats Ocidentais. Ele queria uma foto noturna de Mettupalayam para mostrar a urbanização da área. Na madrugada de 9 de outubro de 2015, Yadav dirigiu-se para as montanhas, montou a sua Nikon D600 e  programou-a para fazer exposições de 15 segundos a cada 10 segundos até as 4h30. Então ele montou acampamento e cochilou até ao amanhecer.

No dia seguinte, ele reviu as cerca de mil imagens em sua câmera e avistou um flash brilhante de luz esmeralda. A princípio ele pensou que fosse um acaso, mas vários astrónomos confirmaram que era um meteoro. É um tiro perfeito. “Eu estava lá, e é disso que se trata a fotografia – estar lá no lugar certo na hora certa”, diz Yadav. Isso e um pouco de sorte.

Fonte: Wired

Música do BioTerra: Drab Majesty - Not Just a Name


We all hoped to be finding the light
We were alone on the Earth, searching for someone alike
Your words made sense with the truth you possessed
Believing the call of our kind
Would be fine if we were divinely blessed

You said we would be recycled
Took a hold of our souls just make us the same
Called me something I wasn't it's not just a name
Take your time taking minds just to stay in the game
Made me someone I wasn't it's not just a name

We couldn't love, but you paired us together
To walk hand in hand
The irony
We couldn't make this world ours
Because it wasn't a part of the plan

You said we would be recycled
You said I would be recycled
Took a hold of our souls just make us the same
Called me something I wasn't it's not just a name
Take your time taking minds just to stay in the game
Made me someone I wasn't it's not just a name

Why do we do, like you?
Why do we do?

Made me someone I wasn't it's not just a name
You called me something I wasn't it's not just a name
You made me someone I wasn't it's not just a name
You called me something I wasn't it's not just a name

Julia Steinberger: “Com a economia a decrescer podemos viver bem e ao mesmo tempo consumir menos”

A professora catedrática de Economia Ecológica e Ecologia Industrial na Universidade de Lausana (Suíça) Julia Steinberger afirma, em entrevista ao Expresso, que “o crescimento económico vem das pessoas ricas explorarem as pessoas pobres e não é distribuído de forma equitativa em nenhum país do Mundo”. Por isso, “precisamos de uma nova economia com uma escala física muito mais pequena, mas também mais equitativa, próspera e com bem-estar para todos”



Coauteure du dernier rapport du GIEC et professeure experte du climat à l'Université de Lausanne, Julia Steinberger n'a jamais caché son militantisme. Active dans des groupes comme Renovate Switzerland, la chercheuse prône la désobéissance civile de la part des scientifiques. Son portait dans le 19h30.
Professeure en économie écologique et militante pour le climat, Julia Steinberger est sur tous les fronts. Au moment où elle rencontre la RTS, elle est jugée avec six autres activistes devant la Cour d'appel de Renens pour violation de domicile et dommage à la propriété dans le cadre de l’affaire UBS.

Les faits remontent à janvier 2020: avec une vingtaine de grévistes du climat, la scientifique avait déversé du charbon dans l’une des succursales de la banque située à la place Saint-François à Lausanne. Les militants sont acquittés en première instance, mais le jugement finit par être renvoyé en appel par le Ministère public vaudois.

"Il y a une sorte d’acharnement du Ministère public à l’égard des manifestants. C’est un procès qui est devenu politique", glisse Julia Steinberger. "Mais peu importe l’issue du verdict final: on ne baissera pas les bras", ajoute-t-elle.

Après trois heures de procès, la justice tranche. Les prévenus seront finalement acquittés.

Fibre militante
En octobre dernier, la chercheuse crée aussi la polémique en bloquant l’autoroute A6 à Berne avec des militants de Renovate Switzerland. Une vidéo devient virale: stoïque, on la voit se faire déloger par les forces de l’ordre.

L’extrait fait polémique. Juliette Steinberger agace et dérange. Son militantisme est jugé trop radical par certains partis politiques. L’UDC notamment juge sa fonction incompatible avec ses engagements politiques.

Pour la chercheuse, désobéissance civile et sciences sont pourtant intimement liées. "Il faut être cohérent avec le savoir scientifique que nous portons. Nous avons l’information, la connaissance que l’humanité court à sa perte face à l’urgence climatique et qu’il faut agir tout de suite", analyse-t-elle. "Il est primordial de lutter en descendant dans la rue, de pointer les institutions défaillantes de notre système".

En septembre, elle signe avec d’autres chercheurs une tribune dans Le Monde. Pour eux et "face à la gravité des crises qui menacent notre planète, la désobéissance civile des scientifiques se justifie tant sur le plan éthique que pragmatique".

Julia Steinberger croit en la légitimité de ses actions. "Je n’ai pas l’impression de perdre en crédibilité, mais plutôt d’en gagner. Je ne vois pas la pertinence de clamer que le monde court à sa perte en restant derrière son bureau". Elle ajoute: "Les mouvements comme Renovate Switzerland ont un impact sur le débat en Suisse. Il y a quelques années on parlait peu d’écologie, maintenant cela fait partie de l’agenda politique".

Projet de post-croissance
Fille du Nobel de physique Jack Steinberger, la chercheuse a la rigueur scientifique dans le sang et une résilience à toute épreuve. En 2016, on lui diagnostique un cancer du sein particulièrement agressif. Elle s’en sortira après une double mastectomie.

Aujourd’hui, elle se bat aussi pour son fils Jacob, âgé de 10 ans. "J’ai envie de lui transmettre le sens des responsabilités, de lui donner les outils nécessaires pour penser le monde et les années à venir". Combative, elle ne baisse jamais les bras. "J’ai la paix dans l’âme car je sais que je pourrai regarder mon fils et lui dire: écoute, peut-être que je n’ai pas tout bien fait, mais j’ai fait tout ce que j’ai pu pour éviter le pire".

Julia Steinberger veut prouver qu’un autre monde est possible. La scientifique a été mandatée par l’Union européenne pour un nouveau projet de recherche portant sur la post-croissance. Prévu sur six ans et financé à hauteur de 10 millions d’euros, le travail des chercheurs doit permettre d’aboutir à un "deal post-croissance" entre le gouvernement et les citoyens.

Blogue

sábado, 3 de dezembro de 2022

Eco-ansiedade: Preocupar-se com as alterações climáticas pode ser stressante


Quão preocupados estão com as questões ambientais? Se pensarmos nas alterações climáticas e na perda de biodiversidade nos stressa, não estamos sozinhos. Os psicólogos estão a tentar compreender este sentimento, que se chama eco-ansiedade, e estão a descobrir que esta preocupação pode ser essencial para a nossa luta para salvar o planeta, avança a “Science Focus”.

Segundo a mesma fonte, para nos ajudar a medir a eco-ansiedade, em finais de 2021, o psicólogo australiano aplicado Teaghan Hogg e colegas propuseram uma nova escala: a Escala de Eco-ansiedade Hogg. Dividida em 13 itens, capta os nossos sentimentos complexos sobre o planeta.

A escala é medida por emoções negativas como o nervosismo, a beira do abismo, ou o medo sobre questões ambientais incluindo o aquecimento global, a degradação ecológica, o esgotamento de recursos, a extinção de espécies, o buraco na camada de ozono, a poluição dos oceanos, e a desflorestação. A escala também mede se somos incapazes de deixar de pensar nas alterações climáticas ou nas perdas para o ambiente.

Além disso, tenta perceber como estes sentimentos e pensamentos mudam o nosso comportamento, como se lida com as dificuldades para dormir, trabalhar, ou desfrutar de situações sociais. E, como nos sentimos responsáveis, como nos sentimos ansiosos pelo impacto dos nossos comportamentos pessoais na Terra, ou se os nossos comportamentos individuais pouco farão para resolver o problema.

Se pensassem apenas: “uau, isso sou eu a maioria dos dias”, então provavelmente têm uma elevada eco-ansiedade. Isto é comum em todo o mundo, em todas as idades, mas, parece ser o mais pronunciado entre os jovens.

Em 2021, investigadores e conjunto com a UNICEF publicaram o primeiro inquérito internacional em larga escala sobre a ansiedade climática em crianças e jovens. Inquiriram 10.000 pessoas entre os 16 e os 25 anos de idade, em 10 países (Austrália, Brasil, Finlândia, França, Índia, Nigéria, Filipinas, Portugal, Reino Unido, e EUA). Verificaram que 59 por cento das pessoas estavam muito ou extremamente preocupadas com as alterações climáticas, e 84 por cento estavam pelo menos moderadamente preocupadas.

Explorando diretamente as facetas da eco-ansiedade, os investigadores da UNICEF descobriram também que metade das crianças e jovens relataram sentir-se tristes, ansiosos, zangados, impotentes, indefesos e culpados por questões ambientais. Mais de 45% disseram o que sentiam sobre as alterações climáticas afetando negativamente a sua vida diária, com receios sobre o futuro dominando os seus pensamentos e sentimentos profundos de traição por parte dos governos.

“Este é um problema potencial para a saúde mental. Sentir-se constantemente ansioso e preocupado com o clima pode levar a stress crónico na infância, o que pode ter consequências duradouras”, sublinha a “Science Focus”.

Será que os jovens vão ficar mentalmente doentes devido ao constante stress que estas questões têm na sua mente? Numa análise da investigação sobre as consequências para a saúde da eco-ansiedade publicada em 2022, uma equipa de investigadores espanhóis e brasileiros descobriu que esta está associada à depressão, ansiedade, stress, insónias, menor autorreferência à saúde mental, diminuição da memória e da atenção, e uma relutância em ter filhos.

Isto não significa que os jovens de hoje sejam todos afetados pela eco-ansiedade. Mas quer dizer que “temos de estar atentos aos efeitos psicológicos que as alterações climáticas estão a ter”.

O lado positivo da eco-ansiedade

“Há também um lado positivo da eco-ansiedade. Tem estado ligada à ação pró-ambiental e ao ativismo climático. É por causa disto que alguns investigadores têm argumentado que, em geral, a eco-ansiedade é uma coisa boa porque é uma ansiedade prática”, sublinha o site.

A ansiedade é a forma do nosso corpo nos dizer que podemos estar em perigo. Isto leva-nos a tentar descobrir qual é essa ameaça, levando-nos a encontrar mais informação e a descobrir uma solução que nos torne seguros. A crise climática é um perigo muito real. É bom que os nossos cérebros estejam a tentar fazer-nos prestar atenção e fazer algo a respeito, porque é assim que derrotamos esta ameaça.

Os investigadores que examinaram a ligação entre a eco-ansiedade e a saúde descobriram que a ação pró-ambiental poderia proteger especificamente contra esta ansiedade que evolui para a depressão.

“Por outras palavras, particularmente se tiver ansiedade ecológica, apanhar o comboio em vez de voar, reciclar, fazer petições ao funcionário do governo local, ou aderir a uma marcha, não é apenas bom para o planeta, pode também fazer maravilhas para a sua saúde mental”, conclui a mesma fonte.

As 10 principais políticas para uma economia de estado estável


Por Herman Daly,  28/10/ 2013

Vamos ser específicos. Aqui estão dez políticas para acabar com o crescimento antieconómico e passar para uma economia estável. Uma economia de estado estacionário é aquela que se desenvolve qualitativamente (pelo aperfeiçoamento da ciência, tecnologia e ética) sem crescer quantitativamente nas dimensões físicas; ele vive de dieta – um fluxo metabólico constante de recursos desde a exaustão até a poluição (o rendimento entrópico) mantido em um nível que é tanto suficiente para uma boa vida quanto dentro das capacidades assimilativas e regenerativas do ecossistema que o contém.

Dez é um número arbitrário - apenas uma maneira de ser específico e desafiar os outros a sugerir melhorias. Embora todo o pacote aqui discutido se encaixe no sentido de que algumas políticas complementam e equilibram outras, a maioria delas pode ser adotada isoladamente e gradualmente.

1. Sistemas de cap-auction-trade (limite-leilão-comércio) para recursos básicos.
Os limites limitam a escala biofísica por cotas de esgotamento ou poluição, o que for mais limitante. Leiloar as cotas captura rendas de escassez para redistribuição equitativa. O comércio permite alocação eficiente para os usos mais elevados. Esta política tem a vantagem da transparência. Há um limite para a quantidade e taxa de esgotamento e poluição que a economia pode impor ao ecossistema. Caps são cotas físicas, limites para a produção de recursos básicos, especialmente combustíveis fósseis. A cota geralmente deve ser aplicada no final do insumo porque o esgotamento é mais concentrado espacialmente do que a poluição e, portanto, mais fácil de monitorar. Além disso, o preço mais alto dos recursos básicos induzirá seu uso mais económico em cada etapa inicial da produção, bem como nas etapas finais de consumo e reciclagem. A propriedade das cotas é inicialmente pública – o governo as leiloa periodicamente para indivíduos e empresas. Não deve haver “aquisição” de direitos de cota para usuários anteriores ou “offshoring” de cotas para novas usinas de combustível fóssil em um lugar por créditos de plantio de árvores em outro lugar. O reflorestamento é uma boa política por si só. É tarde demais para meias medidas de auto-cancelamento – tanto o aumento do sequestro de carbono quanto a redução das emissões são necessários. As receitas dos leilões vão para o tesouro e são usadas para substituir impostos regressivos, como o imposto sobre a folha de pagamento, e para reduzir o imposto de renda sobre os rendimentos mais baixos. Uma vez adquiridas em leilão, as cotas podem ser livremente compradas e vendidas por terceiros, assim como os recursos cuja taxa de esgotamento elas limitam. O limite atende ao objetivo de uma escala sustentável; o leilão atende ao objetivo de distribuição justa; e o comércio permite uma alocação eficiente — três objetivos, três instrumentos políticos. Embora aplicada principalmente a recursos não renováveis, a mesma lógica funciona para limitar a extração de recursos renováveis, como pesca e florestas, com o nível de cota definido para se aproximar de um rendimento sustentável.

2. Reforma tributária ecológica.
Mudar a base tributária do valor adicionado (trabalho e capital) para “aquilo ao qual o valor é adicionado”, ou seja, o fluxo entrópico de recursos extraídos da natureza (esgotamento) e devolvidos à natureza (poluição). Essa mudança de impostos precifica a contribuição escassa, mas anteriormente não precificada, da natureza. Valor agregado aos recursos naturais pelo trabalho e capital é algo que queremos encorajar, então pare de tributá-lo. O esgotamento e a poluição são coisas que queremos desencorajar, então taxe-os. O pagamento acima do preço de suprimento necessário é aluguel, renda não ganha, e a maioria dos economistas há muito defende a taxação, tanto por razões de eficiência quanto de equidade. A reforma tributária ecológica pode ser uma alternativa ou um complemento aos sistemas de cap-auction-trade.

3. Limitar a faixa de desigualdade na distribuição de renda com uma renda mínima e uma renda máxima.
Sem crescimento agregado, a redução da pobreza requer redistribuição. A desigualdade ilimitada é injusta; igualdade total também é injusta. Busque limites justos para o alcance da desigualdade. O serviço público, o exército e a universidade administram uma escala de desigualdade de um fator de quinze ou 20. A América corporativa tem uma escala de 500 ou mais. Muitas nações industrializadas estão abaixo de 25. Não poderíamos limitar a faixa para, digamos, 100, e ver como funciona? Isso pode significar um mínimo de 20 mil dólares e um máximo de 2 milhões. Isso não é mais do que suficiente para incentivar o trabalho árduo e compensar diferenças reais? As pessoas que atingiram o limite podem trabalhar de graça se gostarem de seu trabalho ou dedicar seu tempo extra a hobbies ou serviço público. A demanda não atendida pelos que estão no topo será atendida pelos que estão abaixo do máximo. Um senso de comunidade, necessário para a democracia, é difícil de manter em meio às vastas diferenças de renda existentes nos Estados Unidos. Ricos e pobres separados por um fator de 500 têm poucas experiências ou interesses em comum e são cada vez mais prováveis envolver-se em conflitos violentos.

4. Liberte a duração do dia de trabalho, da semana e do ano — permita mais opções para trabalho pessoal ou de meio período.
Emprego externo em tempo integral para todos é difícil de fornecer sem crescimento. Outros países industrializados têm férias e licenças-maternidade muito mais longas do que os Estados Unidos. Para os economistas clássicos, a duração do dia de trabalho era uma variável-chave pela qual o trabalhador (autónomo ou artesão) equilibrava a inutilidade marginal do trabalho com a utilidade marginal da renda e do lazer, de modo a maximizar o aproveitamento da vida. . Sob o industrialismo, a duração do dia de trabalho tornou-se um parâmetro em vez de uma variável (e para Karl Marx era o fator determinante da taxa de exploração). Precisamos torná-la mais uma variável sujeita à escolha do trabalhador. Milton Friedman queria “liberdade para escolher” – OK, aqui está uma escolha importante que a maioria de nós não pode fazer! E devemos parar de influenciar a escolha trabalho-lazer pela publicidade para estimular mais consumo e mais trabalho para pagar por isso. No mínimo, a publicidade não deve mais ser tratada como uma despesa de produção dedutível de impostos.

5. Reregulamentar o comércio internacional – afastar-se do livre comércio, da livre mobilidade de capital e da globalização.

Cap-auction-trade, reforma tributária ecológica e outras medidas nacionais que internalizam os custos ambientais aumentarão os preços e nos colocarão em desvantagem competitiva no comércio internacional com países que não internalizam os custos. Devemos adotar tarifas compensatórias para proteger, não empresas ineficientes, mas políticas nacionais eficientes de internalização de custos da competição que reduz os padrões com empresas estrangeiras que não são obrigadas a pagar os custos sociais e ambientais que infligem. Esse “novo protecionismo” é muito diferente do “velho protecionismo” que foi concebido para proteger uma empresa doméstica verdadeiramente ineficiente de uma empresa estrangeira mais eficiente. A primeira regra de eficiência é “contabilizar todos os custos” – não “livre comércio”, que, juntamente com a livre mobilidade de capital, leva a uma competição que reduz os padrões para contabilizar o menor número possível de custos. As tarifas também são uma boa fonte de receita pública. Isso vai entrar em conflito com a Organização Mundial do Comércio/Banco Mundial/Fundo Monetário Internacional. . .

6. Rebaixar a OMC/BM/FMI.
Reformar essas organizações com base em algo como o plano original de Keynes para pagamentos multilaterais compensando a união, cobrando taxas de penalidade sobre o superávit, bem como os saldos deficitários com a união – buscar o equilíbrio na conta corrente e, assim, evitar grandes dívidas externas e transferências de conta de capital. Por exemplo, sob o plano de Keynes, os EUA pagariam uma penalidade à união de compensação por seu grande déficit com o resto do mundo, e a China também pagaria uma penalidade semelhante por seu superávit. Ambos os lados do desequilíbrio seriam pressionados a equilibrar suas contas correntes por penalidades financeiras e, se necessário, por ajustes cambiais relativos à unidade de conta de compensação, chamada de “bancor” por Keynes. O bancor também serviria como moeda de reserva mundial, um privilégio que não deveria ser desfrutado por nenhuma moeda nacional, incluindo o dólar americano. O status de moeda de reserva para o dólar é um benefício para os EUA – assim como um caminhão cheio de heroína gratuita é um benefício para um viciado. O bancor seria como ouro sob o padrão-ouro, só que você não teria que rasgar a terra para desenterrá-lo. Alternativamente, um regime de taxas de câmbio livremente flutuantes é uma possibilidade viável que requer menos cooperação internacional.

7. Afastar-se do sistema bancário de reservas fracionárias em direção a um sistema de 100% de reservas obrigatórias.
Isso colocaria o controle da oferta monetária e da senhoriagem (lucro obtido pelo emissor da moeda fiduciária) nas mãos do governo, e não dos bancos privados, que não seriam mais capazes de viver o sonho do alquimista de criar dinheiro do nada e emprestar isso a juros. Todas as instituições financeiras quase bancárias devem ser submetidas a esta regra, reguladas como bancos comerciais sujeitos a 100 por cento de reservas obrigatórias. Os bancos ganhariam seu lucro apenas por intermediação financeira, emprestando dinheiro dos poupadores para eles (cobrando uma taxa de empréstimo mais alta do que a taxa paga aos depositantes de poupança ou “conta a prazo”) e cobrando por cheques, custódia e outros serviços. Com reservas de 100%, cada dólar emprestado a um mutuário seria um dólar previamente economizado por um depositante (e não disponível para ele durante o período do empréstimo), restabelecendo assim o equilíbrio clássico entre abstinência e investimento. Com o crédito limitado pela poupança prévia (abstinência de consumo), haverá menos empréstimos e empréstimos e será feito com mais cautela – não haverá mais crédito fácil para financiar a compra massiva de “ativos” que não passam de apostas em dívidas duvidosas. Para compensar a queda do cre-banco Com moeda fiduciária remunerada, o governo pode pagar algumas de suas despesas emitindo mais moeda fiduciária sem juros. No entanto, só pode fazer isso até um limite estrito imposto pela inflação. Se o governo emite mais dinheiro do que o público voluntariamente deseja reter, o público irá trocá-lo por bens, elevando o nível de preços. Assim que o índice de preços começa a subir, o governo deve imprimir menos e tributar mais. Assim, uma política de manutenção de um índice de preços constante governaria o valor interno do dólar. O Tesouro substituiria o Federal Reserve, e as variáveis-alvo da política seriam a oferta monetária e o índice de preços, não a taxa de juros. O valor externo do dólar poderia ser deixado à livre flutuação das taxas de câmbio (ou preferencialmente à taxa contra o bancor na união de compensação de Keynes).

8. Pare de tratar o escasso como se fosse gratuito e o gratuito como se fosse escasso.
Coloque os bens comuns de acesso aberto restantes do capital natural rival (por exemplo, a atmosfera, o espectro eletromagnético e as terras públicas) em fundos públicos e precifique-os por sistemas de comércio de leilões ou por impostos. Ao mesmo tempo, livre do fechamento privado e dos preços da comunidade não rival de conhecimento e informação. O conhecimento, ao contrário do fluxo de recursos, não é dividido no compartilhamento, mas multiplicado. Uma vez que o conhecimento existe, o custo de oportunidade de compartilhá-lo é zero e seu preço alocativo deve ser zero. A ajuda internacional ao desenvolvimento deve assumir cada vez mais a forma de conhecimento livre e ativamente compartilhado, juntamente com pequenas doações, e cada vez menos a forma de grandes empréstimos com juros. Partilhar conhecimento custa pouco, não cria dívidas impagáveis ​​e aumenta a produtividade dos fatores de produção verdadeiramente rivais e escassos. Os monopólios de patentes (também conhecidos como “direitos de propriedade intelectual”) devem ser dados por menos “invenções” e por menos anos. Os custos de produção de novos conhecimentos devem, cada vez mais, ser financiados publicamente e depois o conhecimento ser livremente partilhado. O conhecimento é um produto social cumulativo, e temos a descoberta das leis da termodinâmica, da dupla hélice, da vacina contra a poliomielite, etc. sem monopólios de patentes e royalties.

9. Estabilizar a população.
Trabalhe para um equilíbrio em que nascimentos mais imigrantes sejam iguais a mortes mais emigrantes. Isso é controverso e difícil, mas, para começar, a contracepção deve ser disponibilizada para uso voluntário em todos os lugares. E enquanto cada nação pode debater se deve aceitar muitos ou poucos imigrantes, e quem deve ter prioridade, tal debate torna-se discutível se as leis de imigração não forem cumpridas. Devemos apoiar o planeamento familiar voluntário e a aplicação de leis imigratórias razoáveis, promulgadas democraticamente.

10. Reformar as contas nacionais – separar o PIB em uma conta de custos e uma conta de benefícios.
O consumo de capital natural e “despesas defensivas lamentavelmente necessárias” pertencem à conta de custo. Compare custos e benefícios de um throughput crescente na margem e interrompa o crescimento do throughput quando os custos marginais forem iguais aos benefícios marginais. Além dessa abordagem objetiva, reconheça a importância dos estudos subjetivos que mostram que, além de um limite, um maior crescimento do PIB não aumenta a felicidade autoavaliada. Além de um nível já alcançado em muitos países, o crescimento do PIB não traz mais felicidade, mas continua gerando esgotamento e poluição. No mínimo, devemos não apenas assumir que o crescimento do PIB é crescimento econômico, mas provar que não é crescimento antieconómico.

Atualmente, essas políticas estão além dos limites politicamente. Ao leitor que perseverou até aqui, agradeço por sua voluntária suspensão da descrença política. Somente após um crash significativo, uma dolorosa demonstração empírica do fracasso da economia de crescimento, esse programa de dez princípios, ou algo parecido, teria hipótese de ser implementado.

Certamente, a mudança conceitual na visão da norma de uma economia de crescimento para a de uma economia de estado estacionário é radical. Algumas dessas propostas são bastante técnicas e requerem mais explicação e estudo. Não há como escapar de estudar economia, mesmo que, como disse Joan Robinson, a principal razão para isso seja evitar ser enganado pelos economistas. No entanto, as políticas exigidas estão longe de serem revolucionárias e estão sujeitas a uma aplicação gradual. Por exemplo, 100% de reservas bancárias foram defendidas na década de 1930 pela conservadora Escola de Chicago e podem ser abordadas gradualmente, a gama de desigualdade distributiva pode ser restringida gradualmente, os limites podem ser ajustados gradualmente etc. instituições impecavelmente conservadoras de propriedade privada e alocação de mercado descentralizada. As políticas aqui defendidas simplesmente reafirmam pilares esquecidos dessas instituições, a saber: (1) a propriedade privada perde a sua legitimidade se for muito desigualmente distribuída, (2) os mercados perdem a sua legitimidade se os preços não disserem a verdade sobre os custos de oportunidade, e como aprendemos mais recentemente; (3) a macroeconomia torna-se um absurdo se sua escala for exigida para crescer além dos limites biofísicos da terra.

Bem antes de atingir esse limite biofísico radical, estamos nos deparando com o limite econômico clássico em que os custos extras de crescimento tornam-se maiores do que os benefícios extras, inaugurando a era do crescimento antieconômico, cuja possibilidade é negada pelos crescimentistas. A desigualdade na distribuição da riqueza anulou as virtudes tradicionais da propriedade privada ao conceder quase todos os benefícios do crescimento ao 1% mais rico, ao mesmo tempo em que generosamente compartilhava os custos do crescimento com os pobres. Desigualdade grosseira, além de monopólios, subsídios, brechas fiscais, contabilidade falsa, globalização de externalização de custos e fraude financeira tornaram os preços de mercado quase sem sentido como medidas de custo de oportunidade. Por exemplo, uma política de taxas de juros próximas de zero (afrouxamento quantitativo) para impulsionar o crescimento e salvar os grandes bancos eliminou a taxa de juros como uma medida do custo de oportunidade do capital, prejudicando assim a eficiência do investimento. Tentar manter o atual Esquema Ponzi baseado no crescimento é muito mais irrealista do que mudar para uma economia de estado estacionário por meio de algo como as políticas aqui delineadas. Provavelmente é tarde demais para evitar as consequências inevitáveis ​​do irrealismo. Mas enquanto estamos agachados e desempregados, suportando o colapso, podemos pensar sobre os princípios que devem guiar a reconstrução.

Ler mais: 

Four ways Europe’s governments must respond to the global energy crisis


Greenpeace USA activists protested the New York City arrival of a 50,000-ton oil tanker carrying Russian fossil fuel products, in turn, financing Vladimir Putin’s war in Ukraine.

It’s a volatile time for Europe. War. Historically high gas, oil, and electricity prices. High inflation. Looming recession. Climate crisis. Soon, winter will arrive, leaving people at risk of a choice between being able to afford to heat their homes or cook their meals.

The first global energy crisis calls for an unprecedented level of intervention from national governments and the EU, the world’s third biggest emitter of climate-wrecking pollution. Europe must reduce its consumption of gas, oil, and electricity fast. And it must be done in a way that ensures sustainability without exacerbating energy poverty. Households need fair reduction and fair redistribution to address the cost-of-living crisis. (HINT: Industry is the biggest user and must be made to save the most!).

How decision makers handle this crisis will determine whether countries manage to meet commitments under the Paris climate agreement to keep global heating to 1.5°C, and therefore our future on this planet. The International Energy Agency warned of “the fragility and unsustainability of our current energy system” and asked “whether the crisis will be a setback for clean energy transitions or will catalyse faster action.”

Europe’s response must NOT be to promote new oil and gas extraction and export infrastructure at home or abroad. That won’t help anyone anywhere to tackle energy exclusion or cost of living crisis.

Across the African continent a colonial approach of extraction and exploitation continues to plague communities, paralyse economies and push ecosystems to the edge. African activists are demanding better from their governments — to phase out fossil fuels and provide clean, safe decentralised renewable energy to the 600 million Africans dealing with energy poverty.Don’t Gas Africa Event during COP27.

The long-term objective must be energy independence through 100 percent renewable energy for power, heating, industry, and transport. While this can’t be achieved quickly there are many things Europe’s governments can do fast to help get us there.

1. Save energy in buildings and industry
  • Adjust indoor temperature 
  • Less heating in the winter, cooling in the summer
  • Turn off ventilation and lights when not needed
  • Introduce occupancy detectors and energy saving LED lighting
  • Use less hot water
  • Shift to energy efficient equipment
  • Manage demand – distribute energy use over the day and night
  • Curtail operations of top industrial and non-essential energy users
Everybody who can must contribute to reducing the use of gas, electricity, and oil but it is industry – the biggest users – who should be made to save the most. This can be achieved through rationing and mandatory measures that prohibit shifting from gas to oil or coal.

We know it’s possible. For example, the Netherlands cut overall gas consumption by 25% in the first half of 2022 compared to 2021, more than 30%in energy intensive industries. The energy crisist requires governments to take extraordinary measures to ensure energy reductions across the board, especially from the biggest users, and shift the burden from individuals.
2. Save energy in transportIntroduce an affordable “climate ticket” for public transport (like the German 9€‎ ticket)
New Greenpeace calculations show that short-term reforms would cut oil demand in the EU´s transport sector by around 50 million tonnes of oil per year, and achieve annual energy savings of around 13%. The most effective measures to reduce energy consumption are affordable climate tickets for public transport across the EU, a reduction of flights, and efficient car usage.

Short-term reforms like more teleworking, affordable public transport, and lower speed limits could save EU consumers €63 billion on fuel.

These transport-related energy saving reforms would also lead to a reduction of greenhouse gas emissions by 180 million tonnes annually, equivalent to the emissions of 120 million fossil fuel-powered cars – almost half of the EU’s total car fleet.

3. Help people heat their homes and produce electricity
  • Ban the sale of new gas boilers
  • Introduce support schemes for insulation and make home insulation mandatory
  • Introduce support schemes for heat pumps, solar heating and photovoltaics (PV) Train more people to install insulation, heat pumps, solar heating and PV
  • Boost/support industries producing insulation material
People should not have to choose between heating or eating. More heat pumps could make a big difference. In the EU and UK, 2.2 million heat pumps were installed in 2021 which saved 1 billion cubic metres of gas starting from 2022. Most of them replaced gas heating, some oil or electric heating. The growth in 2021 was 34 percent. This is not enough. Doubling EU installation rates of heat pumps from the current trajectory would save 2 billion cubic metres of gas use within the first year. Europe must import and manufacture more heat pumps so they can be readily available.

Governments should do everything they can to speed up the just transition – delivery time for rooftop PV to convert light into electricity could be 4-6 months. To do this Europe will need more than 1 million solar workers in 2030 alone. There should be an end to spending on dead ends like fossil infrastructure and nuclear power, and instead more investment in green jobs and a sustainable future for all.

Stabilising energy systems and safeguarding our environment are not mutually exclusive; renewable energy is the answer to both the energy and climate crises.

4. Tax the polluters and stop funding warStop all subsidies that continue fossil fuels consumptionFossil fuel companies should be taxed 100% of their windfall profits
The proceeds from a defined windfall profits tax should be redistributed fairly at the national level or used to support communities in greater need of those resources.

It’s time to make the polluters pay, and cut off the money for Putin’s war. Energy prices globally have been rising fast since 2021 and it’s gotten worse since the start of the war in Ukraine. It doesn’t look as if high gas and power prices will come to an end in the foreseeable future. And it’s energy producers, like Shell, who are making huge profits from this instability via windfall profits.

Companies that produce or base their business on the use of fossil fuels (i.e. oil and gas majors, refineries and fossil based utilities) should have their windfall profits taxed to support households with lowest incomes and struggling small, and medium companies in exchange for energy efficiency measures.

Direct subsidies, fuel tax rebates, or lowering of taxes for fossil fuels must be avoided as they will not only serve those individuals, companies, and institutions who use the most energy, but also help to fund the war.

With a recession rolling across Europe, governments are introducing subsidies and public support schemes to counteract the increased cost of living. Measures include increasing minimum wage, sick-pay, unemployment benefits, rent subsidies, minimum pensions, supplementary benefits, and lower taxes for people with low incomes.

Public money could dwindle fast so the best way to address inequality is to tax the massive profits of the fossil fuel industry to help cover the public spending needed globally to support the most vulnerable and transition to renewable energy for all. People and the planet must come first, and it’s the polluters that need to pay.

E-Livro- The Subversive Simone Weil: A Life in Five Ideas


A vida fascinante de uma das mais importantes figuras do pensamento do séc. XX: cristã, combatente anti-fascista na guerra civil espanhola ao lado dos anarquistas, operária e filósofa.


Simone Weil (1909-1943) viveu muito em pouco tempo. Nasceu em Paris, no seio de uma família judia agnóstica. Quando, com 22 anos, ensina filosofia no liceu de uma cidade mineira francesa, decide viver com os cinco francos por dia dos desempregados, entregando o seu ordenado à caixa dos mineiros. Em Paris, onde trabalha como operária anónima, é testemunha da servidão imposta pela técnica, da coisificação do homem e da aniquilação do pensamento na produção de mercadorias. Filósofa, mística, pacifista, anarquista, activista da resistência francesa, Weil foi uma das mentes mais brilhantes do século XX, «o único grande espírito do nosso tempo» (Camus) com «um coração capaz de bater por meio do universo inteiro» (Beauvoir). Morreu aos 34 anos, debilitada e mal alimentada, em solidariedade com os compatriotas submetidos ao racionamento.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

Deserto no Chile é a lixeira das "pessoas sem escrúpulos"


Pilhas de roupa descartada, um cemitério de sapatos, montanhas de pneus e carros despedaçados "crescem" no deserto chileno de Atacama.

É considerado o local mais seco do mundo e, como tal, alberga um ecossistema único e extremamente frágil. No entanto, está a ser ameaçado pelos montes de lixo que os visitantes ali têm despejado. 

"São as pessoas sem escrúpulos do mundo que vêm deixar aqui o seu lixo. Ainda não há consciência para resolver este problema", lamenta Patrício Ferreira, presidente da câmara da cidade de Alto Hospício, situada no deserto.

Muita da roupa em segunda mão ou que não é vendida na Europa, na Ásia ou nos Estados Unidos vai para o Chile. A partir daí segue para ser vendida por toda a América Latina ou acaba nas lixeiras do deserto de Atacama. 

Os carros usados entram no país pela zona de comércio livre de Iquique, no norte do país. Muitos são exportados para o Peru, a Bolívia ou o Paraguai, enquanto outros são igualmente despejados no deserto.

O ecossistema de Atacama tem um grande interesse científico. Especialistas já lá encontraram microrganismos que se adaptaram a um lugar praticamente sem água e nutrientes. Os cientistas acreditam que estes seres vivos podem guardar segredos de evolução e sobrevivência na Terra e noutros planetas.[artigo científico aqui]