sexta-feira, 31 de julho de 2015

Las manos humanas son más primitivas que las de los chimpancés


Proporciones de la mano en los humanos y otros primates antropoides
La mano humana se distingue de la de los simios por un pulgar proporcionalmente más largo en relación a otros dedos, lo que se ha relacionado funcionalmente con la manipulación selectiva y la forma de locomoción. Sin embargo según Sergio Almécija et al (2012) el pulgar largo es una característica primitiva y por tanto no está relacionada con una capacidad reciente de manipulación; fueron los simios los que más evolucionaron alargando los otros dedos y acortando el pulgar.

Proporciones de los dedos de la mano en relación al tamaño corporal en los humanos y otros primates antropoides


Sergio Almécija, Jeroen B. Smaers y William L. Jungers han estudiado las proporciones de las manos de humanos y otros simios, incluyendo fósiles de Procónsul heseloni, Hispanopithecus laietanus, Ardipithecus ramidus, Australopithecus sediba y Homo neanderthalensis y han EFECTUADO un análisis evolutivo.

Los resultados revelan altos niveles de disparidad en las proporciones de las manos entre los Hominoidea modernos, que se EXPLICAN por diferentes procesos evolutivos:

Evolución autapomórfica en Hilobatidae: alargamiento extremo de los dedos incluido el pulgar.
Adaptación convergente en chimpancés y organgutanes (evolución homoplásica): alargamiento de los dedos, en menor grado que Hilobtidae, pero no del pulgar.
Pocos cambios en Gorillini y Hominini (evolución plesiomórfica).
Ar. ramidus es intermedio entre humanos y chimpancés, pero con pulgares CORTOS
.

Árbol filogenético que muestra las adaptaciones en las longitudes de los dedos de la mano. Se destacan los nodos 
Estos resultados apoyan el siguiente escenario evolutivo:

El esqueleto de los Homininae evolucionó en mosaico, de modo que los simios existentes no son buenos modelos ancestrales.
En algunos linajes de simios, coevolucionaron las longitudes de las extremidades y las proporciones de los dedos en un contexto de adaptación a la suspensión bajo las ramas.
Las similitudes en las proporciones de la mano entre humanos, gorilas y el simio ancestral africano indican que los dedos muy largos no fueron un requisito para el nudilleo.
Estas similitudes también indican que la longitud de los dedos de los australopitecinos no IMPEDÍAN la escalada a los árboles.
En los seres humanos, las longitudes de los dedos, incluyendo el pulgar, sólo se han modificado ligeramente desde el ancestro común más reciente con Pan, probablemente en relación con el refinamiento en la manipulación, según lo sugerido por las similitudes convergentes con Cebus y Theropithecus.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Documentário da semana- A Ordem Criminosa do Mundo (legendas em Português)



Grande documentário exibido pela TVE em Novembro de 2008 que aborda a visão de dois grandes humanistas contemporâneos, Eduardo Galeano e Jean Ziegler, sobre o mundo actual.


Nele, Eduardo Galeano, Jean Ziegler e outras personalidades mundiais falam sobre a transformação da ordem capitalista mundial num esquema mortífero e criminoso para milhões de pessoas em todo o mundo. Mais de 8 anos depois, o documentário permanece mais atual do que nunca, com alguns traços antecipatórios da crise que viria atingir em cheio também a Europa. Reproduzo aqui o vídeo, legendado em português, e algumas das principais afirmações de Galeano e Ziegler e das personalidades convidadas:

“Os verdadeiros donos do mundo hoje são invisíveis. Não estão submetidos a nenhum controle social, sindical, parlamentar. São homens nas sombras que procuram o governo do mundo. Atrás dos Estados, atrás das organizações internacionais, há um governo oligárquico, de muito poucas pessoas, mas que exercem um controle social sobre a humanidade, como jamais Papa algum, Imperador ou Rei teve”. (Jean Ziegler)

“O capital financeiro percorre o planeta 24 horas por dia com um único objetivo: buscar o lucro máximo. A globalização é uma grande mentira. Os donos do grande capital que dirigem o mecanismo da globalização dizem: Vamos criar economias unificadas pelo mundo inteiro e assim todos poderão desfrutar de riqueza e de progresso. O que existe, na verdade, é de uma economia de arquipélagos que a globalização criou” (Jean Ziegler).

“Há três organizações muito poderosas que regulam os acontecimentos econômicos: Banco Mundial, FMI e OMC; são os bombeiros piromaníacos. Elas são, fundamentalmente, organizações mercenárias da oligarquia do capital financeiro invisível mundial” (Jean Ziegler).
.
“Eu não creio que se possa lutar contra a pobreza e criar uma estratégia de luta contra a pobreza sem lutar contra a riqueza, contra os ricos, pois os ricos são cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres” (José Collado, Missionário em Níger).

“Hoje as torturas são chamadas de “procedimento legal”, a traição se chama “realismo”, o oportunismo se chama “pragmatismo”, o imperialismo se chama “globalização” e as vítimas do imperialismo, “países em vias de desenvolvimento. O dicionário também foi assassinado pela organização criminosa do mundo. As palavras já não dizem o que dizem, ou não sabemos o que dizem” (Eduardo Galeano).


quarta-feira, 29 de julho de 2015

Encontros Improváveis: Bernardo Soares e Cocteau Twins- Mizake the Mizan


"Amanhã também eu, a alma que sente e pensa, o universo que sou para mim, sim amanhã eu também serei o que deixou de passar nestas ruas (...) E tudo quanto faço, tudo quanto sinto, tudo quanto vivo, não será mais que um transeunte a menos na quotidianidade de ruas de uma cidade qualquer."~ Bernardo Soares

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Entrevista a Bruce Lipton "Los pensamientos curan más que los medicamentos"

Bruce Lipton reclama una nueva medicina, la que tenga en cuenta la energía por su capacidad para curar.

Reclama una nueva medicina, la que tenga en cuenta la capacidad de curar de la energía, mucho más eficaz que los medicamentos. Bruce Lipton (Estados Unidos, 1944) ha conseguido aunar ciencia y espíritu. No es poco mérito el suyo si tenemos en cuenta lo "alérgicos" que son los científicos a los temas trascendentales. Es doctor en Biología Celular y fue pionero en la investigación con células madre. Sus estudios sobre la membrana celular y las modificaciones de las células según el entornoSENTARON las bases de la nueva epigenética. Sus descubrimientos (que iban en contra de la opinión científica establecida de que la vida es controlada por los genes) y el estudio de la física cuántica le han llevado a criticar duramente la medicina convencional. Es autor de libros como La biología de la creencia y La biología de la transformación.

Usted asegura que la medicina convencional va por muy mal camino. ¿Tan peligrosos son los medicamentos que nos recetan?
Nos dan medicamentos para la enfermedad, pero esto causa muchos problemas en el cuerpo. Porque esta medicinaBASADA en la farmacología no entiende cómo está interrelacionada toda la bioquímica del organismo. Cuando tomo una pastilla química y la introduzco en mi cuerpo, no solo afecta a aquel lugar donde tengo el problema, sino que afecta a muchas otras cosas a la vez. Son los llamados “efectos secundarios”. Pero, en realidad, no son secundarios sino directos. No entienden que el efecto de las drogas no solo crea un efecto sino múltiples. Según las estadísticas en EEUU, ¡los fármacos matan allí a más de 300.000 personas cada año! Y esas personas son muchas más que las que mueren porTOMAR drogas ilegales. Hay algo que no funciona en la ciencia médica. Hace algunas cosas bien, como la traumatología, pero está matando a mucha más gente de la que ayuda. Tiene que aprender cómo funcionan las células.

¿Y qué ha descubierto sobre las células pero que no tiene en cuenta la medicina? 
Yo ya trabajaba con ellas en los años 60. Fui un pionero porque en esa época había muy poca gente trabajando en ello. Y unEXPERIMENTO que hice en esa época cambió la idea que tenía del mundo. Puse una célula madre en un plato petri y, como cada diez horas se divide en dos, al cabo de dos semanas, tenía miles de células, todas idénticas. Luego cogí algunas de ellas, las coloqué en otro plato y cambié el entorno celular (son más como peces porque viven en un entorno fluido). Cambié la química en ese plato y ahí formaron músculo. Después, cogí otras del primer plato y las puse en un entorno diferente, y se formó hueso, y otras se convirtieron en grasa al volver a cambiar el entorno. Entonces, la pregunta es muy sencilla, ¿qué controla el destino de las células? Todas eran idénticas, lo único que era diferente era el entorno. Cuando cojo células sanas y las coloco en un entorno nocivo, la células enferman y mueren. Si un médico las mirara, diría: “¿Qué medicina hay que darles?” ¡Pero no hace falta ninguna medicina! Les cambias el entorno nocivo, las colocas en uno sano y saludable y las células sanan. Los humanos somos una comunidad de 50 trillones de células, por tanto, la célula es el ser viviente y la persona es una comunidad. ¡El humano es un plato petri cubierto de piel!

¿Cuál es el entorno de la célula que hay queCUIDAR?
Dentro de mí hay 50 trillones de células y el entorno celular para nosotros es la sangre, por ello la composición de la sangre cambia el destino de la célula. ¿Y qué controla la sangre? Pues el sistema nervioso, que crea una química diferente según el sistema exterior. La célula y el ser humano son la misma cosa. Por ello, si pongo al ser humano en un entorno nocivo, igual que la célula, también enferma. Si lo trasladas a un entorno sano, entonces sana. Por tanto, la medicina culpa a las células por la enfermedad yTRATA de cambiar la química de las células, pero ese no es el problema, el problema es el entorno. Y si cambias a la persona de entorno, sin medicamentos, el cerebro cambia la química. El cerebro de la célula y el de la persona leen y entienden el entorno. 

En un entorno sano, ¿nos curamos automáticamente? ¿Así de fácil?
No es tan fácil, porque la mente interpreta. Puede suceder que estemos en un entorno muy sano y que la mente lo lea como un entorno negativo o perjudicial. Entonces crea una química que hará a mi cuerpo enfermar. La diferencia entre la célula y el ser humano es que este tiene una mente que hace una interpretación y la célula lee el entorno directamente. Si metes un programa con errores en la mente, entonces la química que genera no está en armonía con la vida. Y esto nos sirve para entender cómo funciona un placebo. Cambio mi creencia y pienso que esto me va a sanar,TOMOuna píldora porque creo que esto me va a traer salud, y me mejora y me sana, pero la píldora podría ser de azúcar, en realidad no ha hecho nada, han sido mis creencias. Y a eso lo llamamos pensamientos positivos y efecto placebo.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

A Song of Oil in the Amazon

By Mitch Anderson, International Director 

Lago Agrio, Ecuador — The sprawl of scorched pavement and crumbling cement buildings in the heart of the Amazon rainforest. This city, once a small oil boom town founded by Texaco in the late 1960s (and given, appropriately, the name “Sour Lake” after Texaco’s hometown in Texas) is now a bewildering and feverish mess of oil workers, drug-traffickers, street children, shop owners, impoverished farmers, and indigenous people stripped of their ancestral territory and forced to survive, as the Cofán people say, in the “kokama kuri sindipa ande (white man’s world of MONEY).” Just several days ago, at the edge of the pavement on the outskirts of the city, where the Cofán people have recovered (yes, purchased) a narrow tract of their ancestral territory, 

I spent the afternoon with Marina Aguinda Lucitante, an elder of the tribe. She was born along the banks of the Agua Rico river. She was married at a young age to a Cofán Shaman, Guillermo Quenama, who died, she says, “because the oil company poisoned him with alcohol.” She remembers when the forest was filled with animals. And she remembers when the river ran black with crude oil. 

She seems to remember everything – and all of her memories are divided: Life before the oil company and life after the oil company. It has been nearly 50 years since Texaco began oil operations here in the northeastern Ecuadorian Amazon. Nearly 50 years since the death of Marina’s husband, Guillermo Quenama. And over that time, the impacts of Texaco’s (now Chevron’s) reckless pump and dump oil operations have been WELL documented. 

The abandoned oil pits littered throughout the rainforest, the billions of gallons of toxic wastewater dumped into rivers and streams, the felled primary forest, the noxious gases rising into the sky from 24 hour-a-day flaring, the crude oil sprayed on the roads, the towering black plumes of smoke from spilt and burning crude, the resultant public health crisis racking indigenous and mestizo farmer communities, including cancer, spontaneous miscarriages, and birth defects. But what has not been documented – what cannot possibly be understood by anyone who has not been here to endure the last 50 years of oil operations – is how the oil conquest has affected the spiritual life, the inner world, of those who live here. 

 Marina has asked me to SHARE with the world a song that she has been carrying within her for these last 50 years. Marina is one of the last Cofán women who remember how to sing in the way of her ancestors. This is her song.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Yorgos Papaioannou- School of the Sun



Acredito no mundo cheio de Fantasia e Biologia. A Biologia é por si só uma magia. Desperta em nós o enigma e o brilho da descoberta!! Vejam este teledisco/ animação. É maravilhoso!

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Encontros Improváveis- Júlio Henriques e Dead Can Dance- The Carnival is Over

Júlio Henriques, notável cientista e Professor da Universidade de Coimbra, foi pioneiro do Darwinismo em Portugal. “Parece pois que na especie humana tem completa applicação a theoria de Darwin. A muitos desagradrá a ideia de que o homem é um macaco aperfeiçoado. Mas se Deus nos deu a razão, se hoje o progresso e desenvolvimento intellectual nos colloca tão longe do restante do mundo animal, que importa a origem? Que receio pode infundir uma theoria, cujas consequencias são em geral a consecução de um maior gráu de perfeição? E termina dizendo: “O mundo marcha: deixemo-nos ser levados nesse movimento de progresso” (“As espécies são mudáveis?” Dissertação para o Acto de Conclusões Magnas. Coimbra, Imprensa da Universidade, 1865)

terça-feira, 21 de julho de 2015

Humanos primitivos pertenciam todos à mesma espécie, afirmam cientistas




Análise de cinco crânios com 1,8 milhões de anos encontrados no Cáucaso sugere que os primeiros homens primitivos que saíram de África pertenciam todos a uma única espécie. Ideia ainda controversa.

E se em vez de serem todos de espécies diferentes, os diversos homens primitivos cujos fósseis têm sido encontrados ao longo dos anos em diversos locais — Homo habilis, Homo rudolfensins, Homo erectus e outros — fossem todos membros de uma única e mesma espécie de humanos e as suas diferenças físicas apenas reflectissem a normal variabilidade entre indivíduos dessa espécie? Os autores de um novo estudo comparativo de crânios fósseis humanos encontrados no Cáucaso, e publicado esta sexta-feira na revista Science, afirmam que é precisamente isso que os seus resultados sugerem.

A peça-chave do TRABALHO desenvolvido nos últimos oito anos por David Lordkipanidze, director do Museu Nacional da Geórgia, e uma equipa internacional de colegas, é um crânio — designado Crânio 5 — com quase 1,8 milhões de anos. O seu maxilar inferior foi encontrado em 2000 na escavação arqueológica de Dmanisi (a uns 100 quilómetros de Tbilisi, a capital da Geórgia) — e o resto do seu rosto e cabeça em 2005.

“O Crânio 5 é um achado extraordinário”, explicou em conferência de imprensa telefónica a co-autora Marcia Ponce de León, da Universidade de Zurique (Suíça). “É o crânio fóssil mais completo de sempre de um adulto do género Homo. Encontra-se num estado de conservação perfeito (...) e [a segunda peça] foi encontrada cinco anos depois do maxilar a menos de dois metros de distância [da primeira].”

Acontece que o Crânio 5 não era de todo o que os cientistas esperavam, visto o carácter maciço do maxilar previamente desenterrado. Estavam à espera de um crânio de grande tamanho, mas depararam-se, pelo contrário, com uma caixa craniana pequena por cima de um grande rosto, numa combinação de traços morfológicos nunca antes observada num homem primitivo.

Crânio 5 e irmãos

Também em Dmanisi foram encontrados, ao longo dos anos, mais quatro crânios (apenas um sem maxilar inferior), algumas ferramentas de pedra e ossos fossilizados de animais — achados que, segundo estudos anteriores, são vestígios deixados por um grupo de humanos que viveu no mesmo sítio ao mesmo tempo. “O tempo que demorou a formação geológica do LOCAL foi bastante breve, o que permite concluir que a sedimentação de todos os ossos [de homens primitivos] aconteceu em simultâneo”, explicou Lordkipanidze. “Dmanisi é como uma cápsula do tempo que preservou um ecossistema de há 1,8 milhões de anos.”

Os crânios de Dmanisi permitem realizar análises comparativas que até aqui não eram possíveis. E de facto, perante a descoberta do resto do Crânio 5 e da sua inédita anatomia, tornou-se necessário explicar as diferenças físicas patentes entre os cinco crânios humanos daquele sítio paleontológico, que fazem com que alguns deles sejam mais bem classificados como Homo habilise outros como Homo erectus. Poderiam estes homens primitivos, que ao que tudo indica faziam parte da mesma comunidade, ter pertencido a várias espécies diferentes de humanos? “Sabíamos que vieram do mesmo local e do mesmo período geológico; podiam portanto representar uma única população de uma única espécie”, salientou Christoph Zollikofer, um outro co-autor, também da Universidade de Zurique.

Para determinar qual destas duas possibilidades — uma ou várias espécies — era a mais provável e, em particular, se era possível que o nível de variação observado naqueles fósseis se verificasse no seio de uma única espécie, os cientistas recorreram a métodos de morfometria 3D computadorizada. Por outro lado, para garantirem a compatibilidade dos novos resultados com estudos comparativos anteriores, também aplicaram métodos mais tradicionais de comparação de características morfológicas.

Diferentes mas iguais

segunda-feira, 20 de julho de 2015

NASA admite que vida na Terra pode ter começado no Alentejo. Entenda o porquê


(Imagem: Reprodução Ecos da Aldeia)
Artigo por Bruna Angélica Pelicioli Riboldi, 7 de Julho de 2015

Trabalhando em colaboração com pesquisadores portugueses da CEPGIST, investigadores da NASA estão a analisar as condições geológicas e térmicas na pequena vila de Cabeço de Vide (vila alentejana do concelho de Fronteira), cujas características ambientais (como o pH da água de 11,5) são idênticas somente às de uma região nos Estados Unidos e às do planeta Marte.

A NASA pesquisa desde 2008 as águas termais da região que considera que poder ter sido onde nasceu a vida na Terra. Já foram realizadas visitas de cientistas da agência espacial norte-americana em 2012 e 2013.

Graças ao estudo de fragmentos do planeta Marte, os cientistas sabem que algumas rochas marcianas têm elementos e características hidrogeológicas idênticas às rochas e às águas de Cabeço de Vide e às de The Cedars, uma zona termal nos EUA.

O tipo de geologia da região é considerada “perfeita” para criar as condições para dar origem à vida. A ideia é replicar o estudo em Marte, planeta onde a NASA encontrou uma geologia semelhante e sabe-se que já houve água e também metano. As rochas de Cabeço de Vide conferem às águas locais uma composição particular e o seu cheiro característico. Devido às rochas, estas águas têm um pH de 11,5, sendo consideradas únicas a nível Europeu e somente comparáveis às que correm numa montanha norte-americana e às dos indícios da água detetados em Marte pelos cientistas.

(Imagem: Divulgação NASA´s Curiosity Mars Rover)

No fim do ano passado, a sonda Curiosity detectou variações nos níveis de metano na atmosfera de Marte, o que pode ser um sinal de vida. visto que, na Terra, a maior parte do metano que existe é de fonte biológica. Por quatro vezes ao longo de um período de dois meses, o Curiosity mediu um aumento súbito nos níveis de metano, que depois se dissiparam com a mesma rapidez. Não se conhece a causa da flutuação, que pode ser biológica (produzida por seres vivos), ainda que a origem geoquímica (produzida por fenómenos geológicos) não esteja ainda excluída.

A sonda encontrou ainda diferentes componentes orgânicos a partir da perfuração de uma rocha do planeta. Esta foi a primeira detecção definitiva de elementos orgânicos em materiais da superfície do Planeta Vermelho, mas não há confirmação quanto à origem. As moléculas orgânicas, que contêm carbono e hidrogênio, geralmente são “blocos de construção químicos da vida”, embora possam existir sem a presença de vida: eles podem tanto ter se formado em Marte como podem ter sido inseridos na superfície pelo choque de meteoritos contra o planeta.


Ilustração mostra possíveis formas de o metano ter chegado à atmosfera 
de Marte. (Imagem: NASA)

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Minerais de Conflito ("O que esconde o seu telemóvel"): boas notícias do Parlamento Europeu em matéria de regulação



O Parlamento Europeu aprovou no passado dia 20 de Maio alterações a uma proposta que visa dificultar o financiamento das actividades de grupos armados em zonas de conflito e de alto risco através da exploração e do comércio de minerais.

Parlamento EuropeuA proposta do Parlamento exige o aprovisionamento responsável de minerais por parte das 880.000 empresas da União Europeia que usam os chamados “minerais de conflito” para a produção de bens de consumo (sobretudo produtos tecnológicos), passando a ser obrigatório informarem a sua proveniência. Os minerais em causa são o estanho, tântalo, tungsténio, respectivos minérios e ouro.
O Parlamento Europeu quer ainda que as obrigações sejam aplicáveis a todos os importadores da UE que se aprovisionem em minerais abrangidos por esta medida, indo além do sistema de auto-certificação proposto pelo executivo comunitário e da posição da comissão parlamentar do Comércio Internacional.
A FGS celebra este resultado que significa uma vitória dos Direitos Humanos face aos interesses económicos de empresas e grandes grupos.
Em conjunto com a FEC, a FGS juntou-se à entidade jesuíta promotora desta iniciativa, a ONG espanhola Alboan, trazendo para Portugal a campanha “O que esconde o seu telemóvel?” (Lo que tu móvil esconde?), já subscrita por mais de 10.500 pessoas a favor de uma tecnologia livre de conflito.


Próximos passos
O Parlamento Europeu aprovou o texto emendado por 402 votos a favor, 118 contra e 171 abstenções. Decidiu, no entanto, adiar a votação da resolução legislativa. Os próximos meses serão, por isso, de diálogo entre o Parlamento Europeu, o Conselho de Ministros e a Comissão Europeia de forma a alcançar-se um acordo sobre o texto final.

A FGS, a FEC e a Alboan continuam a apelar para que a legislação definitiva englobe eficazmente todo a cadeia de comércio, ajudando a quebrar a relação entre o comércio de minerais, os conflitos armados e situações de abuso de direitos humanos.


Para mais informações

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Encontros Improváveis- Mia Couto e Handel - Bramo aver mille vite


Só há um modo de escapar de um lugar: é sairmos de nós. 
Só há um modo de sairmos de nós: é amarmos alguém. - Mia Couto in "A Confissão da Leoa"

terça-feira, 14 de julho de 2015

Casa-móvel produz sua própria energia e pode ir para qualquer lugar do mundo

A Ecocapsule é a casa ideal para quem sempre sonhou em viver de maneira independente e viajar o mundo, ao mesmo tempo em que preza pelo conforto de um lar. Criada pelo escritório eslovaco Nice Archtects, esta pequena residência atende a todos esses desejos e vai além: é sustentável.

Um dos grandes destaques desta casa é o fato de não necessitar da energia fornecida pelas redes de transmissão. Sua superfície é coberta por placas fotovoltaicas e uma pequena turbina eólica, com 750 watts. Juntas, as duas estruturas garantem toda a energia necessária para o seu funcionamento. Para garantir o abastecimento, independente das condições ambientais, os criadores também usaram uma bateria que armazena o excedente energético para uso posterior.

Apesar de pequena, a Ecocapsule possui todos os elementos essenciais necessários para uma estadia prolongada confortável, sem a necessidade de recargas ou reabastecimento. De acordo com os arquitetos responsáveis pelo projeto, ela abriga confortavelmente dois adultos.

Esta casa-móvel é capaz de oferecer o mesmo tipo de conforto disponível em uma residência tradicional. Os moradores contam com torneiras, chuveiro quente e banheiros equipado com vasos sanitários com descarga. A água, assim como a energia, também é obtida de maneira sustentável. Sua forma esférica é otimizada para recolher a água da chuva e do orvalho. O recurso passa por um filtro e pode ser usado para o consumo humano. O mesmo sistema serve para limpar água de outros mananciais.

Segundo os criadores, a Ecocapsule se encaixa em qualquer contêiner de tamanho padrão e também pode ser transportada através de reboque para qualquer lugar do mundo.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

A fórmula certa para recuperar solos pobres foi criada por portugueses

Vinte variedades de plantas dão nova vida a solos. As Pastagens Semeadas Biodiversas sugam mais dióxido de carbono do ar, enriquecem a terra e alimentam o gado. Projecto ganhou prémio europeu ambiental [Fonte: Público, 2013]
O montado é um ecossistema excelente para a plantação das pastagens biodiversas, que tornam os sobreiros mais saudáveis TERRAPRIMA
Os agricultores precisam de ver para crer, diz-nos Tiago Domingos. O professor de engenharia ambiental do Instituto Superior Técnico, em Lisboa, e director da EMPRESA de serviços ambientais Terraprima conseguiu que mil agricultores lhe dessem ouvidos. Hoje, em Portugal, há muitos terrenos onde as pastagens biodiversas crescem. A maioria está nos montados alentejanos, fortalecendo os sobreiros e prestando um serviço ambiental a todos.
Estas pastagens capturam uma quantidade anormal de dióxido de carbono, evitando a acumulação de parte do gás que mais contribui para o efeito de estufa, responsável pelo aquecimento global. Essa foi uma das razões para o projecto da Terraprima Pastagens Semeadas Biodiversas GANHAR o concurso da Comissão Europeia "Um Mundo Que me Agrada", entre os 269 projectos concorrentes.

Sempre que Tiago Domingos fala sobre este projecto, o nome de David Crespo surge imediatamente. No púlpito do Teatro Real Dinamarquês, em Copenhaga, quando na quinta-feira à noite lhe foi atribuído o prémio, voltou a contar a história do engenheiro agrónomo que, na década de 1960, começou a pensar nas pastagens biodiversas.

David Crespo é hoje director do programa de investigação e desenvolvimento da Fertiprado, a EMPRESA que fundou em 1990. Em 1966 trabalhava na Estação Nacional de Melhoramento de Plantas. Inspirado pelas pastagens que os australianos semeavam, onde utilizavam duas ou três variedades de plantas, o engenheiro começou a pensar como poderia resgatar os solos pobres portugueses.

"Em Portugal temos imensos solos diferentes. No mesmo hectare, cada pedaço de terra muda", explica Tiago Domingos. Os topos dos montes são mais secos e têm menos solo, a terra debaixo das copas das árvores é mais húmida. A geologia, fundamental na natureza dos solos, é variada no território português.

David Crespo pensou numa solução holística. O engenheiro agrícola desenvolveu uma fórmula de 20 variedades diferentes de plantas que, quando semeadas, respondem localmente. Algumas tornam-se mais dominantes consoante as condições da terra onde crescem.

O cientista escolheu espécies de leguminosas e de gramíneas. As primeiras, como o trevo-subterrâneo, têm uma relação simbiótica com bactérias que se desenvolvem em nódulos nas raízes. Estas bactérias captam azoto do ar, metabolizam e disponibilizam o azoto à planta. Desta forma, este nutriente entra no ecossistema sem ser necessário usar adubos, é depois absorvido pelas gramíneas, que se tornam uma parte importante do pasto dos animais.

Esta mistura tem uma série de benefícios. Como as espécies são anuais, resistem ao clima mediterrânico, produzem sementes e criam no solo um banco de sementes que pode manter a pastagem por décadas. As raízes das plantas, que também morrem anualmente, alimentam o solo com nutrientes.

Passados uns anos, estes solos triplicam a matéria orgânica. As pastagens alimentam mais cabeças de gado e captam mais dióxido de carbono. Também se verificou que os sobreiros que crescem nestas pastagens são mais saudáveis, e o solo é mais húmido, resistindo à seca.

Estes benefícios foram bem quantificados na última década pela equipa de Tiago Domingos. Foi assim que se descobriu que as pastagens biodiversas captam cinco toneladas de dióxido de carbono por ano por hectare.

A partir de 2008, a Terraprima obteve financiamento do Fundo Português de Carbono (FPM) para três projectos que envolveram mil agricultores. Estes tinham de comprar sementes para a pastagem, de aceitar cuidar delas segundo as regras da Terraprima e recebiam o apoio dos seus técnicos. Desta maneira, podiam GANHAR entre 150 e 130 euros por hectare, pelo dióxido de carbono que as suas pastagens captam. É uma ajuda que seduz os agricultores, mas o trabalho só compensa a longo prazo, com todos os outros benefícios.

Os projectos do FPM já terminaram, mas Tiago Domingos espera envolver EMPRESAS para assim compensarem as suas emissões e a indústria alimentar para que os alimentos produzidos nestas pastagens tenham uma marca distintiva. O prémio europeu "pode ajudar a expandir este sistema dentro de Portugal e em muitos países".

domingo, 12 de julho de 2015

The Sisters of Mercy - Amphetamine Logic

Watch them do
The falling over
Watch them do
The standing still

CHORUS
Nothing but the knife to live for
One life all I need
Give me one good reason
Give me more s...

(Women)
And the women come and go
(Talk)
Talking about me like they know
(Men)
Bought and sold
And the world keeps turning
People cold
And people burning

CHORUS [x2]
(Amphetamine logic)

Hit up
Steel in hand
Lit up
Like candles
Burning
Like Catherine wheels
Turning
On

CHORUS [x3]
(Amphetamine logic)
CHORUS [x3]

sábado, 11 de julho de 2015

The Psychedelic Furs - House


This day is not my life
The passing time is not my life
The thorn that's in my side
Is all these scenes that we regret
The wasted words we can't forget
Through the windows of my room
I hear the traffic breathing slowly
Someplace miles away
Make promises pay

Shame, will shake this house
Shame, will shake this house
Your dreams are not my life
These broken words are not my life
Your lies are none of my invention
Your promises were not plan
Now the party girls have gone
I hear the rattle of their heels
Before their footsteps fade
Make promises pay
Shame, will shake this house
Shame, will shake this house
The passing time is not my life
I've been counted down and shouted out
I had everything I wanted
Nothing I can't rise above
To let it show was not my plan
Headlines and frontpages
Sell weddings and divorces
Make promises pay
Make promises pay
Shame, will shake this house
Shame, will shake this house

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Jardins filtrantes: tratam rios, esgotos e resíduos industriais sem produtos químicos

A empresa francesa Phytorestore, detentora da marca Jardins filtrantes, é especializada no tratamento ecológico de água, solo e ar contaminados feito através das raízes de plantas locais e sem produtos químicos. Thierry Jacquet, fundador da Phytorestore na França, aplicou estetratamento na gestão do esgoto do bairro de Wuhan (China) e na limpeza de 3 rios também na China. Além disto, o método foi utilizado no tratamento de despoluição das águas do Rio Sena em Nanterre, Paris, na França.


O tratamento é através da fitorestauração, tecnologia em que as plantas são o principal agente de tratamento das contaminações. Além do tratamento, o projeto consiste em elaborar um paisagismo funcional, onde são criados espaços com o uso de vegetação local.


Deste modo, se confere funcionalidade adicional aos espaços verdes que além de espaços de lazer, captam a poluição através da ação radicular da vegetação, evitando que se poluam rios e canais da cidade.


Os jardins filtrantes e o paisagismo funcional: uma das principais características da tecnologia é UTILIZAR a raiz de flores e plantas para filtrar os poluentes químicos da água.Muitos tipos de plantas locais podem ser utilizadas, além de flores. No Brasil, de 30 a 40 tipos de plantas poderiam ser usadas como filtro, dependendo de sua capacidade de filtragem.


Com o tratamento com vegetação, a água pode ficar semi-potável, com aspecto de piscina e é possível CRIAR lagos com plantas aquáticas.

Para mais informações veja: Phyto Restore

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Sabedoria do Silêncio Interior (Tao Te Ching)


"Precisamos mais que dormir bem para descansar. Precisamos fazer como o dia e a noite, o vendaval e a calmaria! Amamos, brigamos, discutimos buscando o bem e o bom. Mas precisamos relaxar, ter "La Sabiduría del Silencio Interno (Tao Te Ching)"

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Encontros Improváveis- José Régio e Landshapes - Ader

Foi quando compreendi que nada me dariam do infinito que pedi 
Que ergui mais alto o meu grito e pedi mais infinito! ~ José Régio

terça-feira, 7 de julho de 2015

Palestra "Alimentos sanos, un mundo más justo es posible" por Jairo Restrepo Rivera


“A Agricultura Orgânica é entregar-se a tarefa de desenterrar e resgatar o velho paradigma (não esgotado) das sociedades agrárias que praticavam e proporcionavam durante muito tempo a autodeterminação dos alimentos de suas comunidades, a partir do desenho de autênticos modelos de empreendimentos familiares rurais, onde com conjugam a sabedoria e as habilidades para garantir a sustentabilidade e o respeito pela natureza, esta mesma agricultura, é muito mais que uma simples revolução de técnicas agrícolas de produção. È a formação pratica de um movimento espiritual, de uma revolução  para mudar a forma de viver dos seres humanos”.(RESTREPO,2007)
      

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Cientistas revelam: DNA possui funções mediúnicas: telepatia, irradiação e contato interdimensional!

“Nosso DNA é um biocomputador”, dizem cientistas russos.

Pesquisas científicas estão explicando os fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros.

Quando os cientistas começaram a desvendar o mundo da genética, compreenderam a utilidade de apenas 10% do nosso DNA.

O restante (90%) foi considerado “DNA LIXO”, ou seja: sem função alguma para o corpo humano.

Porém, este fato foi motivo de questionamentos, pois alguns cientistas não acreditaram que o corpo físico traria algum elemento que não tivesse alguma utilidade.

E foi assim que o biofísico russo e biólogo molecular Pjotr Garjajev e seus colegas iniciaram pesquisas com equipamentos “de ponta”, com a finalidade de investigar os 90% do DNA não compreendido.

E os resultados apresentados são fantásticos, atingindo aspectos antes considerados “esotéricos” do nosso DNA.

O QUE AS PESQUISAS ESTÃO CONCLUINDO?

O DNA tem capacidade telepática

A PARTIR  das últimas pesquisas, cientistas concluíram que o nosso DNA é receptor e transmissor de informações além do tempo-espaço.

Segundo essas pesquisas, o nosso DNA gera padrões que atuam no vácuo, produzindo os chamados “buracos de minhoca” magnetizados! São “buracos de minhocas” microscópicos, semelhantes aos “buracos de minhocas” percebidos no Universo.

Sabe-se que “buracos de minhocas” são como pontes ou túneis de conexões entre áreas totalmente diferentes no universo, através das quais a informação é transmitida fora do espaço e do tempo.

Isto significa que o DNA atrai informação e as passa para as células e para a consciência, uma função que os cientistas estão considerando como a internet do corpo físico, porém muito mais avançada que a internet que entra em nossos computadores.

Esta descoberta leva a crer que o DNA possui algo que se pode chamar de telepatia interespacial e interdimensional. Em outras palavras, O DNA está aberto á comunicações e mostra-se suscetível a elas.

Pesquisas relacionadas à recepção e transmissão de informações através do DNA estão explicando os fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros.
Reprogramação do DNA através da mente e das palavras

O grupo de Garjajev descobriu também que o DNA possui uma linguagem própria, contendo uma espécie de sintaxe gramatical, semelhante á gramática da linguagem humana, levando-os a CONCLUIR que o DNA é influenciável por palavras emitidas pela mente e pela voz, confirmando a eficácia das técnicas de afirmação, de hipnose (ou auto hipnose) e de visualizações positivas.

Esta foi uma descoberta impressionante, pois diz que se nós adequarmos as frequências da nossa linguagem verbal e das imagens geradas por nosso pensamento, o DNA se reprogramará, aceitando uma nova ordem e uma nova regra, a PARTIR da ideia que está sendo transmitida.

O DNA, neste caso, RECEBE a informação das palavras e das imagens do pensamento e as transmite para todas as células e moléculas do corpo, que passam a ser comandadas segundo o novo padrão emitido pelo DNA.

Os cientistas russos estão sendo capazes de reprogramar o DNA em organismos vivos, usando as frequências de ressonância de DNA corretas e estão obtendo resultados bastante positivos, especialmente na regeneração do DNA danificado!

Utilizam para isso a Luz Laser codificada como a linguagem humana para TRANSMITIR informações saudáveis ao DNA e essa técnica já está sendo aplicada em alguns hospitais universitários europeus, com sucesso em vários tipos de câncer de pele. O câncer é curado, sem cicatrizes remanescentes.
O DNA RESPONDE à interferências da Luz Laser

Continuando nessa linha de pesquisas, o pesquisador russo Dr. Vladimir Poponin, colocou o DNA em um tubo e enviou feixes de Luz Laser através dele. Quando o DNA foi removido do tubo, a Luz Laser continuou a espiralar no DNA, formando como que pequenos chacras e um novo campo magnético ao redor do mesmo, maior e mais iluminado que o anterior.

O DNA mostrou-se agir como um cristal quando faz a refração da Luz, concluindo que o DNA irradia a Luz que recebe.

Esta descoberta levou os cientistas a uma maior compreensão sobre os campos eletromagnéticos ao redor das pessoas, assim como também compreenderam que as irradiações emitidas por curadores e sensitivos acontecem segundo esse mesmo padrão: receber e irradiar, aumentando e preenchendo com Luz o campo eletromagnético ao redor.

Assuma o Comando do seu Ser!

As pesquisas estão ainda em fases iniciais, e os cientistas acreditam que ainda vão DESCOBRIR muitas outras coisas interessantes!

Por enquanto, as conclusões nos estimulam a continuarmos com as técnicas de afirmações positivas, cuidando dos nossos pensamentos e das imagens por ele geradas, a fim de que as transmissões sejam correspondentes a saúde, ao bem ESTAR e a harmonia, enviadas não apenas ao DNA como também para todo o corpo!

Tenho certeza de que o nosso DNA agradece por suas informações positivas transmitidas a ele!

Que tal melhorar as suas transmissões verbais e mentais?

Comunique-se positivamente com seu corpo e reprograme seu DNA!

___

Todas as informações do texto acima estão contidas no livro “Vernetzte Intelligenz” von Grazyna Fosar und Franz Bludorf, ISBN 3930243237, resumidos e comentados por Baerbel

sábado, 4 de julho de 2015

U2-Dancing Barefoot (Patti Smith) 1989

She is benediction 
She is addicted to he 
She is the root connection and 
She is connecting with me 
Here I go and I don't know why I spin so ceaselessly 
Could it be he's taking over me
I'm dancing barefoot 
Headed for a spin 
Some strange music drags me in It makes me come up like some heroine 

She is sublimation 
She is the essence of thee 
She is concentrating on 
He who is chosen by she 
Here I go when I don't know why I spin so ceaselessly 
Could it be he's taking over me
I'm dancing barefoot 
Headed for a spin 
Some strange music drags me in It makes me come up like some heroine 

She is recreation She intoxicated by thee 
She has the slow sensation that 
He is levitating with she 
Here I go when I don't know why I spin so ceaselessly 
'Til I lose my sense of gravity 
I'm dancing barefoot 
Heading for a spin 
Some strange music drives me on 
Makes me come up like some heroine 
O God I feel for you 
(Patti Smith & Ivan Kral)

sexta-feira, 3 de julho de 2015

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Descoberto fóssil mais antigo do grupo que deu origem às aves actuais

O Archaeornithura meemannae viveu há 130 milhões de anos na China. Dois fósseis agora encontrados ainda tinham as penas bem preservadas.

O Archaeornithura meemannae era uma ave de poucos centímetros de altura que terá vivido em terra, junto de lagos, num mundo dominado por dinossauros. Esta nova espécie foi agora descoberta, depois de se desenterrarem dois fósseis na China em estratos geológicos com 130,7 milhões de anos, revela um artigo publicado no dia 5 de Maio na revista Nature Communications.

Nessa altura, a Terra estava no início do Cretácico, o último período do Mesozóico, que ficou conhecido como a era dos dinossauros, mas onde as aves também surgiram. O Mesozóico iniciou-se há 252 milhões de anos e terminou há 66 milhões de anos, quando um meteorito colidiu com a Terra. Nessa colisão, muitos grupos de aves (e de outros animais, como muitos dos dinossauros) desapareceram. Mas alguns descendentes de um grande grupo de aves chamado Ornithuromorpha subsistiram na era Cenozóica e deram origem às aves modernas.

As características morfológicas do Archaeornithura meemannae, que viveu muitos milhões de anos antes daquele evento de extinção planetária, mostram que esta espécie é, até agora, o mais antigo membro dos Ornithuromorpha. Por isso, representa o antepassado mais antigo do grupo de aves que deu origem às aves modernas.

“Antes, o fóssil mais antigo dos Ornithuromorpha tinha 125 milhões de anos. Por isso, esta descoberta recua a origem dos Ornithuromorpha em, pelo menos, cinco milhões de anos”, explica ao PÚBLICO Min Wang, investigador da Academia Chinesa das Ciências, e um dos autores do estudo.

As aves terão surgido há cerca de 150 milhões de anos, ainda no período Jurássico. Pensa-se que, nos 50 milhões de anos anteriores, os dinossauros que deram origem a este grupo voador foram diminuindo de tamanho, ao mesmo tempo que foram colonizando as árvores, que até então estavam vazio. Encontram-se várias características anatómicas nas aves que não existiam antes nos dinossauros, como a fúrcula, o osso em forma de forquilha que resulta da fusão das clavículas, um esqueleto oco, membros superiores maiores, ou penas complexas que permitem voar e não são apenas ornamentos, como noutros dinossauros.

Além dos Ornithuromorpha, existiam nesta altura outros grupos de aves, como os Enantiornithes, com dentes e garras nas asas, ou os famosos Archaeopteryx. Nem os Enantiornithes” nem o Archaeopteryx sobreviveram até hoje. Os fósseis da Archaeornithura meemannae foram encontrados na formação geológica de Huajiying, que contém estratos formados entre o final do Jurássico e o início do Cretácico, na província de Hebei, no Nordeste da China. “Os fósseis representantes dos Ornithuromorpha assemelham-se mais às aves modernas do que a outras aves do Mesozóico, como osEnantiornithes e o Archaeopteryx”, explica Min Wang.

Algumas das características morfológicas dos Ornithuromorpha estão ligadas ao voo. Estas aves tinham uma quilha (osso existente na maioria das aves que se estende a partir do externo e faz lembrar a quilha de um barco) alta e o osso sinsacro (resultante da fusão de muitas vértebras do sacro, no final da coluna vertebral) com pelo menos nove vértebras. Através de uma análise da árvore evolutiva das aves, a equipa de Min Wang descobriu que a nova espécie pertence à família Hongshanornithidae, que, além das características já descritas para os Ornithuromorpha, tem uma fúrcula em forma de “U” e as pernas mais compridas do que as asas.

Os novos fósseis não só têm um conjunto de características que levou os cientistas a criar um novo género, como mantêm a plumagem quase toda. Segundo a equipa, a forma das penas está associada a aves com grande capacidade de manobra durante o voo. Além disso, a proporção dos membros e as patas faz pensar que estas aves viviam perto de lagos.

O estudo da nova espécie mostrou ainda outro aspecto interessante sobre a evolução dos Ornithuromorpha. Apesar do Archaeornithura meemannae ser até agora o representante mais antigo deste grupo de aves, já apresentava características muito evoluídas. Segundo o artigo, este facto obriga que “a data de origem dos Ornithuromorpha seja muito anterior”. Agora, só falta descobrir esses fósseis ainda mais antigos.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Encontros improváveis- Vergílio Ferreira e Grey Miller - Time


Tempo de conhecer... Time to Know... It's now the time.

| Não esperes, sê agora |
"Não penses para amanhã. Não lembres o que foi de ontem. A memória teve o seu tempo quando foi tempo de alguma coisa durar. Mas tudo hoje é tão efémero. Mesmo o que se pensa para amanhã é para já ter sido, que é o que desejamos que seja logo que for. É o tempo de Deus que não tem futuro nem passado. Foi o que dele nós escolhemos no sonho do nosso absoluto. Não penses para amanhã na urgência de seres agora. Mesmo logo à tarde é muito tarde. Tudo o que és em ti para seres, vê se o és neste instante. Porque antes e depois tudo é morte e insensatez. Não esperes, sê agora."