quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Navegamos de vaga em vaga

Amo os amanheceres!! Depois dos morcegos, da companhia das noites, das tormentas, das árvores rumorosas, silêncios dos escapes, chegam sempre essas madrugadas refrescantes. A aguardar por um dia por escrever. Somos livres, sem as "amarras". Ficamos mais revigorados.


Navegamos de vaga em vaga 
Não soubemos de dor nem mágoa 
Pelas praia do mar nos vamos 
À procura da manhã clara 

in Zeca Afonso, Filhos da Madrugada

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Passaram já tantas madrugadas...e nada
Talvez esteja próxima, aquela desejada manhã clara