terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Petição: Pelo fim do Tratado da Carta do Clima.



A associação ambientalista Zero e a Plataforma por um Comércio Internacional Justo, Troca, consideram que o Tratado da Carta da Energia (TCE) coloca ameaças "a uma ação climática eficaz", ao dar direito às empresas petrolíferas, de gás e de carvão a processarem os Estados signatários da Carta "quando estes tomam medidas em prol do clima que possam afetar as suas expectativas de lucro".

O TCA, que entrou em vigor em 1998, é um acordo que envolve vários países europeus e asiáticos e estabelece uma cooperação no domínio da energia, "destinado a promover a segurança energética através de mercados energéticos mais abertos e competitivos, respeitando os princípios do desenvolvimento sustentável e a soberania sobre os recursos energéticos", diz-se no resumo da legislação disponível em documentos oficiais da União Europeia.

Num comunicado hoje divulgado pela Zero, as duas associações apelam ao Governo português para que junte a sua voz aos que querem que a União Europeia (UE) abandone o tratado.

Segundo a Zero são 428 cientistas e líderes climáticos que pedem aos países que se retirem do TCE, "um obstáculo à transição energética".

A Zero dá como exemplo dos malefícios o tratado o caso da empresa alemã de energia Uniper, que, diz, "ameaçou interpor um processo judicial ao abrigo do TCE, exigindo uma indemnização de mais de mil milhões de euros, quando o Governo holandês decidiu eliminar progressivamente o carvão e proibir a produção de energia elétrica através deste recurso, a partir de 2030".

A Zero e a Troca explicam no comunicado que o TCE é incompatível com o Acordo de Paris, de limitação de emissões de dióxido de carbono (CO2), porque protege "muitíssimo mais emissões" do que as que a UE pode produzir para impedir o aquecimento global.

"No TCE, estão já protegidas, no período de 2018 até 2050, 148 gigatoneladas de CO2 ou equivalente. Ora, para evitar uma subida de 1,5º C (das temperaturas globais), o volume total de emissões associado à UE terá de ser limitado a 30 gigatoneladas -- ou seja, a União Europeia apenas poderá emitir 20% das emissões atualmente protegidas pelo TCE", explicam as associações no comunicado.

E acrescentam que a própria Comissão Europeia considera o TCE ultrapassado, tendo apresentado uma proposta de reforma no início de 2020, que não avançou, admitindo mesmo sair, e que a França, a Espanha e o Luxemburgo "já demonstraram publicamente o apoio" a uma saída.

"A Zero e a Troca consideram fundamental e urgente uma saída coordenada dos estados-membros da UE e apelam ao Governo português para que se coloque na liderança desse processo. Apelam ainda a que este tema seja debatido na Assembleia da República e que os partidos nela representados tomem uma posição no mesmo sentido", dizem as associações no documento.

Ler mais:
TCE -Tratado Carta da Energia - É um perigo para o combate às alterações climáticas, para o ambiente em geral e para as finanças públicas dos países envolvidos.

Sem comentários: