segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Sem lentidão não há paladar. (...) por José Tolentino Mendonça

Foto de autor- Ruta da Samieira, Galiza


"Sem lentidão não há paladar. (...) Os nossos estilos de vida parecem irremediavelmente contaminados por uma pressão que não dominamos; não há tempo a perder; queremos alcançar as metas o mais rapidamente que formos capazes; os processos desgastam-nos, as perguntas atrasam-nos, os sentimentos são um puro desperdício: dizem-nos que temos de valorizar resultados, apenas resultados. À conta disso, os ritmos de actividade tornam-se impiedosamente antinaturais." ~ José Tolentino Mendonça in "A mística do instante"

2 comentários:

Carlos Faria disse...

Uma frase excelente

Rogerio G. V. Pereira disse...

O que é natural (que provém da natureza) é que temos mesmo que ser lentos. Pensando em Darwin e na evolução, um dia seremos humanos,

deem-nos tempo