sábado, 25 de fevereiro de 2017

Poesia da Semana:Leo Tolstoi- parábola do Carvalho

  1. Toscania, Fevereiro de 2017- Foto de Gigliola Spaziano

"Príncipe André chegou a casa ... no caminho de volta, ele atravessou a floresta de vidoeiros, onde as folhas de um carvalho o tinham atingido há anos de emoção, de modo tão estranho e memorável. Todas as plantas estavam a florescer.
"Sim, aqui nesta floresta era com o carvalho que eu me sentia mais de acordo ", pensou o príncipe André." Mas onde está? ",... perguntou-se, olhando para o lado esquerdo da estrada e, sem saber, sem reconhecê-lo, foi apenas admirando o carvalho que procurava. E de repente, tudo mudou, como uma cortina de abrir a espessura cabelo escuro, lavada pela chuva recente, pairando apenas, para o pôr-do-Sol, com imensos dedos torcidos e cicatrizes, não é mais o desespero tímido e doloroso, nada mais de tudo. Através da dura casca de um século de idade, tornou-se estrada, sem ramos, folhas jovens de um verde brilhante e inchado.
"Sim, é aquele carvalho!", disse o príncipe André. E, de repente, sem nenhum motivo, foi invadido por um sentimento de alegria igual ao reavivamento da Primavera. Depois vertido para a mente os momentos mais intensos de sua vida ... tudo voltou.
De repente, a memória.
"Não é suficiente o que eu sei sobre o que passa no meu interior.
Eles também devem conhecer os outros. Eu sou menina que queria voar no Céu. Sabes que a minha vida não tem lugar apenas para mim. E tu não vives de forma independente da minha vida ... deve estar refletido em todos, e todos devem viver em perfeita união comigo! "
Lev Tolstoi - Guerra e Paz (adaptado)

Sem comentários: