terça-feira, 26 de maio de 2015

Encontros Improváveis: Haydn e Gunter Grass

Joseph Haydn - Stabat Mater - Fac me vere tecum flere (Lagrimoso) alto


(…) Por isso é que o nosso século há-de um dia ser conhecido pelo século sem lágrimas, apesar do grande sofrimento em todo o lado – e era por aquele motivo, a falta de lágrimas, que as pessoas iam à Adega das Cebolas de Schmuh, aquelas que tinham dinheiro para isso, para que o taberneiro servisse uma tabuinha de cortar – porco ou peixe –, uma faca de cozinha por oitenta pfennige e uma cebola vulgar, de campo ou jardim, por doze marcos, cortavam-na em pedaços cada vez mais pequenos, até que o sumo conseguisse, mas conseguisse o quê? Até que conseguisse aquilo que o mundo e o sofrimento deste mundo não conseguiam: a redonda lágrima humana. E então chorava-se. Finalmente, chorava-se de novo. Chorava-se decentemente, chorava-se desenfreadamente, chorava-se abertamente. As lágrimas corriam e arrastavam tudo.”~ Gunter Grass

Sem comentários: