terça-feira, 26 de março de 2013

Chorar meu destino- Aria Cleopatra de Giulio Cesare

A ópera de Júlio César de Haendel ganha actualidade. Tal como os romanos na época de Júlio César, viviam numa República decadente,  ele desempenhou um papel crítico na transformação da República Romana no Império Romano. Muitos conflitos e ataques/subjugação de povos e culturas e vivências "democráticas" se devem em parte aos nossos líderes actuais que deviam ler previamente mais História ou rodear-se de historiadores, sociólogos, geógrafos, ecologistas e antropólogos culturais antes de tomarem decisões.

Aqui Simone Kermes exibe pianissimos de elevada performance e estética.



E pur così in un giorno
perdo fasti e grandezze? Ahi fato rio!
Cesare, il mio bel nume, è forse estinto;
Cornelia e Sesto inermi son, né sanno
darmi soccorso. O dio!
Non resta alcuna speme al viver mio.

Piangerò la sorte mia,
sì crudele e tanto ria,
finché vita in petto avrò.
Ma poi morta d'ogn'intorno
il tiranno  e notte  e giorno 
fatta spettro agiterò.

Sem comentários: