quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Sou um tribalista do Sol e da Lua e da Terra


Sociólogo americano, Richard Sennett  diz que cidades devem ser repensadas para estimular cooperação entre diversos grupos sociais [ler entrevista excepcional aqui]


Em “Juntos”, você argumenta que a sociedade contemporânea estimula uma espécie de “tribalismo”, um comportamento marcado pelo desejo de neutralizar as diferenças, “sejam de natureza política, racial, religiosa, étnica ou sexual”. Quais são as consequências desse fenómeno?
A consequência é que temos sociedades cada vez mais complexas, mas com cada vez menos habilidade para lidar com a diferença, que é a marca de sociedades distintamente modernas, definidas pela imigração, por conflitos de classe e desequilíbrios económicos  por exemplo. O pensamento “nós-contra-eles” sempre existiu, mas o que há de novo é uma espécie de indiferença pelo que é diferente. Não há mais o medo de violência entre “tribos”, o que acontece é mais subtil, é um recuo em relação ao outro, como se o outro simplesmente não existisse. A manifestação económica disso é que, por um lado, as elites podem tratar as massas como se fossem invisíveis, e, por outro, os diversos grupos que compõem as massas se tornam menos capazes de interagir uns com os outros.

Sem comentários: