quarta-feira, 23 de abril de 2008

Uso de cereais para combustível agravou fome



1.Por Eduarda Ferreira

Nem tudo o que parece verde é. Esta a lição que a nível global está a ser aprendida. A procura de alternativas ao petróleo teve já alguns efeitos desastrosos nas reservas alimentares do planeta, disseram-no já diversas entidades das Nações Unidas, cujos alertas previam mais fome, revoltas dos pobres em muitas regiões e também um desgaste
ecológico. A crise do pão já está a ser sentida por milhões, na quantidade e no preço.
Já há tumultos em alguns pontos do globo, como os Camarões, Indonésia, Haiti e o Níger. E a directora do Programa Mundial de Alimentos, da ONU, avisou que terá de ser retirada a ajuda a 100 mil crianças, se os doadores não acrescentarem os seus subsídios para compensar a subida do preço dos cereais. Os Objectivos do Milénio para retirar da fome alguns milhões de pessoas dificilmente serão cumpridos nestas
circunstâncias. Esta é só uma faceta da realidade, que também inclui os muitos milhões de África, Ásia e América Latina já antes a braços com a carência alimentar. Havia 800 milhões de famintos no mundo. Tudo corre agora de mal a pior.
[Contiuar a leitura no JN de 21 de Abril]

2. Dossier Biocombustíveis e Crise Alimentar (9 artigos compilados por Esquerda.Net)

3. Indústria pressiona UE para os 25% para o uso de agro-combustíveis nos transportes, denúncia Corporate Europe Observatory (CEO). Ainda relativo a este assunto, interessante ver e consultar o Dossier da CEO

4. A ler também Why Bother? publicado no NY de 20 de Abril
Por Michael Pollan (página pessoal) autor do mais recente livro In Defense of Food: An Eater’s Manifesto


Sugestão Dia Mundial Do Livro
Texto: Isabel Minhós Martins
Ilustrações: Bernardo Carvalho
Quando chegaram à Terra eram apenas umas centenas, inofensivos e mais ou menos vagarosos. Depois, aos poucos, foram chegando mais e mais... Um livro bem-disposto que é também um grito de libertação contra a pressão automobilística.Edição Planeta Tangerina


Sem comentários: